"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Tudo por causa de uma Coca Cola


autor: CarolCarolzinha
publicado em: 14/03/17
categoria: hetero
leituras: 4470
ver notas



Era uma sábado tipicamente Curitibano, ou seja, com chuva, mas estava abafado, era final do mês de Junho, tinha acabado minhas provas podia enfim dar um descanso a minha mente, a chuva atrapalhou meus planos de ir na casa de uma amiga. O jeito era ficar em casa e curtir a televisão.

Já fazia algumas semanas desde o meu final de semana de sexo com o Guilherme. Na faculdade nos tratávamos como se nada tivesse acontecido.

Desde aquele final de semana com o Gui eu havia mudado sexualmente: me masturbava todas as noites, coisas que não fazia anteriormente, me sentia mais desejável e queria sim outras aventuras.

Por causa da chuva e da preguiça de sair de casa resolvi ligar o computador e entrei no MSN, enquanto logava fui até a cozinha abri geladeira peguei um copo de água, porém o que eu queria era refrigerante. Vi que não tinha nada de interessante de comer, peguei o copo de água e voltei para a sala.

Entrei na caixa de e-mails comecei a responder dentre eles um e-mail era do Thiago perguntando se eu tinha o gabarito da prova de sexta. Eu era a representante da turma então sempre recebia e-mail assim. Respondi todos os e-mails e voltei a navegar pela internet.

Thiago fazia uma dependência em minha turma, nós não éramos amigos, nossa conversa era apenas o trivial.

Estava tomando minha água e apareceu a tela do MSN

- “Obrigado”

- “De nada, aí como foi na prova?”

- “Acho que vai dar para passar e você Carolzinha?

-“Também acho”

- “E o que você está fazendo?”

- “Agora estou bebendo um copo de água pensando que é Coca-cola”

- “E por que você não bebe Coca?

- “Porque não tem aqui em casa e eu estou com preguiça de ir comprar”

- “Deixa a preguiça de lado menina”

- “Ela está bem do meu lado e me abraçando...kkkkkkk”

- “Não te conto o que eu estou fazendo”

- “Thiago sou curiosa o que você está fazendo”

- “Carol me passa o seu número de telefone”

- “Aconteceu algo?

- “Quero te falar algo mais em que ser por telefone”

Passei o número e logo em seguida meu telefone tocou

-“Oi”

- “Carol”

- “Sim, quem é?”

-“Thiago

- “Eu sei, então o que você está fazendo?”

- “Adivinha Carol?”

Escutei do outro lado da linha o barulho de uma garrafa refrigerante abrir

- “Thiago se você for dizer que está tomando refri nem abra a boca”

- “Carol eu não estou tomando refri, estou tomando Coca Cola, você quer?”

- “Se eu falar que sim, você vai ter que vir aqui em casa me trazer um copo”

Passamos em torno de uma hora no telefone ele me atentando sobre o refrigerante, durante a conversa nós descobrimos que ele morava perto do meu apartamento, e ele para vir em minha casa passava por de uma locadora no meio da conversa eu brinquei com ele e falei:

- “Thiago vai na locadora pega um filme para nós e não se esqueça de trazer meu copo de coca”

- “Então ta, vou me arrumar e depois do almoço lá pelas duas apareço aí com o filme e seu copo de coca, cheio de água da chuva”

Aproveitei o resto da manhã para arrumar minha casa, preparar algo para meu almoço, tomei um banho vesti um camisetão e calcinha, deitei no sofá e dormi ouvindo o barulho da chuva. Acordei com o interfone tocando

- “Alô”

- “Boa tarde Senhorita Carol, o Sr. Thiago está aqui na recepção”.

Eu apenas tinha brincado com ele quando o porteiro falou o nome dele eu estranhei, eu achei que ele estava também brincando, mas não tinha muita opção, autorizei sua entrada e fui trocar de roupa e escovar os dentes antes dele chegar ao meu apartamento.

Peguei minha única peça limpa e passada que tinha em meu guarda roupa, era um vestidinho floral rosa de alcinha, ele era uns cinco dedos para cima do joelho, fiz um rabo de cavalo, passei um batom rosa e perfume.

Na faculdade alguns professores me davam 13 anos de idade, com aquele vestido eu me achava com mais cara de criança, mas era o que tinha disponível.

A campainha tocou, coloquei um chinelo mesmo e fui abrir a porta

- “Oi Thiago”

- “Olha o que eu trouxe”

Era uma garrafa de Coca-cola de 2 litros.

- “Pode entrar”

-“Não sabia se o convite era ou não sério na dúvida resolvi vir, mas se tiver que sair”

- “Thiago vou aproveitar a chuva para ir correr no parque”

Rimos, e concluí falando:

-“era uma brincadeira, mas acho que sua visita pode salvar o meu sábado, já que você trouxe coca-cola”

Enquanto ele coloca o DVD no aparelho eu coloquei a pipoca no microondas levei os copos na sala.

Sentamos para assistir o filme, que eu não me lembro o nome. Nós nem prestamos atenção no filme mas ficamos conversando sobre a faculdade, sonhos para o futuro e relacionamento, comendo pipoca e tomando refrigerante.

Durante a conversa ele falou que eu era a caloura mais bonita e a moça mais simpática que ele tinha conversado, falei que ele também era simpático e muito cheiroso.

Depois dos elogios ficamos quietos eu comecei a prestar mais atenção de como era o Thiago.

Thiago tinha 19 anos, 1,75 de altura, tinha como hobby treinar artes marciais, raspava a seu cabelo, moreno claro, olhos pretos e tinha um sorriso encantador, seu corpo era músculos, mas não era gigante.

Depois que comemos pipoca ele falou:

- “Porque você não deita no sofá pode colocar seus pés em meu colo”

-“Obrigada, mas se deitar eu posso dormir”

-“Coloca sem maldade em agradecimento por você ter me convidado vou ter fazer uma massagem nos seus pés, afinal eles merecem pelos saltos que você usava”.

-“Ganho coca e massagem nos pés, e o que isso vai me custar?”
-“Apenas um sorriso seu”

Não sabia onde essa brincadeira ia dar, mas o que tinha a perder???

Deitei no sofá coloquei meus pés em seu colo com cuidado afinal estava de vestido curto e não queria que ele visse a minha calcinha.

Seu toque em meus pés foi relaxante, ele realmente sabia fazer uma massagem, ele sentou mais perto de mim no sofá, ele parou com a massagem e ficou me olhando.

-“Thiago a TV está na outra direção”

-“Eu sei, mas prefiro ficar de olhando”

- “Por que?”

- “Porque é você é garota mais linda que eu vi”

Dei risada, devo ter ficado vermelha de vergonha. Ele sentou mais perto de mim e pegou apertou minha mão que estava sobre minha barriga, eu não falou nada apenas sorri.

Sua outra mão começou novamente a massagear meus pés e começou a subir pelas minhas pernas. Seu toque em minha pele era firme, macio, gostoso e eu estava adorando, até porque nós dois estávamos tímidos com a situação.

Ele massageou minhas pernas até a altura do meu vestido, eu até afastei um pouco minhas pernas para ele continuar a massagem, mas ele ficou na dele. Sua outra mão soltou a minha mão e foi até o meu rosto, ele disse:

-“Você é tão linda, e se sorrir novamente eu não respondo pelos meus atos”

Eu sorri, ele desceu seus dedos pelo meu pescoço, contornou o decote do meu vestido, ele desceu suas mãos e começou a descer sentido meus seios, eu apenas respirei profundamente. Suas mãos massageavam os meus seios sobre o vestido, ele apertava e segura os bicos dos meus seios.

Enquanto isso sua outra mão deslizou até a minha grutinha, ele ficou apenas passando o dedo no tecido da calcinha, que estava molhadinha. Ele ficou me torturando assim por alguns minutos, não agüentei e falei:

- “Thiago será que vou ter que implorar por um beijo seu”

Ele deitou sobre o meu corpo e seus lábios encontraram os meus, nosso foi beijo molhado, quente, cheio de paixão e desejo.

Ele se afastou de mim e tirou a sua camisa, eu fui até ele, beijei sua barriga, foi subindo por seu corpo até chegar no seu mamilo, eu mordi e o suguei muito forte, depois fiz o mesmo com o outro, subi mordendo e beijando o seu pescoço até encontrar os seus lábios.

Suas mãos desceram a alça do meu vestido, me deixando apenas de calcinha. Ele falou:

- “Você é muito gostosa”

Seus lábios desceu pelo meu pescoço chegando até meus seios, sua língua contornou o bico dos meus seios, enquanto isso sua mão deixou a minha calcinha de lado e ele penetrou com seus em minha xaninha.

Estava completamente entregue a seus toque e seus beijos. Nossos lábios voltaram a se beijar e ele tirou a minha calcinha, seus lábios desceram novamente em meu pescoço enquanto suas mãos apertava o meu bumbum. Perguntei a ele

- “Você tem preservativo”

- “Desculpa Carol, eu não vim com essa intenção”

- “Me espere desse jeito aqui, que já volto”

Depois daquela tarde o Gui, preferi comprar camisinhas, afinal nunca sabemos quando essas coisas vão acontecer.

Voltei para a sala ele estava em pé, no mesmo jeito que o deixei.

Nossos lábios se entrelaçaram, nosso beijo era mais quente, seus dedos voltou a explorar a minha boceta. Enquanto isso minhas mãos abriam o zíper da sua calça jeans, eu abaixei sua calça juntamente com a cueca. Seu pau estava duro, me admirei porque nunca tinha visto um pau tão grosso como aquele, comecei a masturbá-lo, enquanto isso ele mamava meus seios e penetrava com seus dedos.

Ficamos por um tempo ali somente explorando com nossas mãos o corpo um do outro, ele foi beijando até meus lábios, e sussurrou:

-“Quero sentir o gosto dela”

Ele falou isso e apertou meu grelo, eu retribuo e falei:

- “Eu quero sentir o gosto do seu pau”

Ele deitou no sofá e eu sobre ele e começamos um 69 maravilhoso, enquanto ele passava a língua por toda minha xaninha eu chupava aquele pau, vou confessar estava com medo de não agüentar aquele pau dentro de mim.

Sentamos no sofá, voltamos a nos beijar, enquanto ele colocava o preservativo.

-“Vai devagar, porque seu pau é muito grosso”

-“Senta naquela poltrona com as pernas para cima”

Fiz o que ele pediu, nos olhávamos muito profundo eu senti ele colocar seu pau em minha boceta, naquele momento voltei a me sentir uma virgem, ele segurou minhas pernas e começou a socar, primeiro com movimentos mais suave que iam aumentando o ritmo a casa socada.

Eu comecei a estimular o meu clitóris e dor foi passando dando lugar ao prazer, não demorei muito e gozei, ele vendo que eu estava gozando acelerou a movimentação gozando logo em seguida, deitamos no sofá dormimos escutando o barulho da chuva

Acordei sentido frio por causa do vento que entrava pela janela, ao levantar do sofá acordei o Thiago, mesmo nua fechei a janela, caminhei até a cozinha e preparei algo para comer, fui até a sala e meu colega estava dormindo no sofá.

Não resisti e coloquei aquele pau na minha boca, primeiro chupei seu cabeçinha, depois coloquei aquela pica inteira na minha boca, sugava forte, ainda estava mole, mas cada toque dos meus lábios iam ficando mais duro.

Ele com voz de quem está acordando falou

-“Carolzinha, sua safada acordar assim é maravilhoso, chupa mais forte”.

Em pouco tempo seu pau estava duro, ajudei ele a colocar um preservativo e eu sentei, suas mãos apertavam meus seios enquanto eu cavalgava. Ele me segurou pela cintura e mesmo naquela posição ele determinou o ritmo, logo gozando.

Ele passou a noite e transamos muito.






ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.