"Os mais excitantes contos eróticos"

 

UM CONTO PARA KATARINA.


autor: nandinhataxista
publicado em: 21/03/17
categoria: lésbicas
leituras: 2010
ver notas


UM CONTO PARA KATARINA.

Olá pessoal estou de volta para mais um conto, após diversas solicitações recebidas no meu e-mail, enfim escrevi esse conto e espero que vcs gostem.

Leiam também as minhas considerações no final.

Para quem não me conhece eu sou Fernanda, tenho 1.65 de altura, 62 kg, branca, cabelos curtos, seios médios, olhos esverdeados, alguns me consideram gostosa, mas na verdade eu não me acho.

Sou empresária no ramo de entretenimento, possuo uma casa de shows entre outras empresas.

O fato que vou descrever aqui começou em fevereiro do ano passado.

Eu estava no bar da boate aguardando uns amigos convidados da noite, quando percebo um casal me observando, a principio achei natural, provavelmente eles deveriam me conhecer, o carinha se mantinha a distancia, apenas conversava e me olhava, não fazia gesto apenas mordia os lábios, tipo cafajeste como também não dizia nada.

Aquilo me deixou incomodada, mas fiquei na minha, eu nunca tinha visto ele por ali.

O tempo foi passando, meus amigos chegando e acabei esquecendo-o.

Lá pelas tantas ouvimos uns falatórios em tom bastante alto, chamando a atenção dos outros frequentadores do local.

Eram umas oito pessoas entre homens e mulheres, estavam um pouco calibrados pelo excesso de bebidas, pareciam comemorar o seu aniversário.

De repente surgiu em nossa frente um conhecido advogado criminalista da cidade, acompanhada por uma bela mulher que deixou a todos encantados.

Ricardo que estava conosco se levantou e foi em sua direção cumprimentá-lo.

_ Pessoal para quem não conhece esse é o Dr. Cesar um velho amigo meu.

_ Boa noite amigos, essa é minha esposa Katarina.

Mulher jovem, porém com um semblante sério, um olhar desafiador, mostrando um ar de supremacia que colocava os demais em seu devido lugar.

Todos o cumprimentaram e eu sorri para Katarina, convidando o casal para se juntarem a nós, no que o Dr. Cesar me respondeu.

_ Agradeço mais só passei para dar um abraço no aniversariante, fica para a próxima.

Desejei que ficassem a vontade e continuei com meu olhar firme na Katarina que correspondia disfarçadamente.

Continuamos ali no nosso bate papo bebericando e conversando amenidades.

Eram meia noite e meia, horário de começar o espetáculo da noite. O casal a se apresentar iria representar um ménage feminino com a participação de uma terceira menina.

Pegação no auge do show eu olho pra Katarina que estava que meio perdida a tudo que acontecia em sua volta.

Passados alguns minutos eu me dirigi ao toalete para retocar a maquiagem, quando a encontrei com um ar entristecido.

_ Oi! Gostando da noite?

_ Sinceramente não, eu preferia ter ficado na mesa junto com vocês.

_ Não seja por isso, porque não se junta a nós?

_ Infelizmente estou com meu marido, mas aquilo lá esta um saco, estou me sentindo sozinha ali.

_ Poxa menina não fique assim, relaxa e curta a noite, deixe acontecer, vou te deixar o meu cartão com meu telefone, qualquer coisa você me liga e marcamos algo para fazermos juntas.

Deixei a dica e aguardei para ver sua reação.

_ Que legal Fernanda adoraria trocar algumas palavras contigo. Aqui esta meu cartão também. Nele lia-se Dra. Katarina Advogada / Direito de Família e Sucessões.

Eu abri um sorriso e comentei.

_ Quem sabe se um dia eu não vá precisar dos seus serviços, né?

_ Fique a vontade, mas eu ainda não comecei advogar aqui na cidade.

_ E então, além de bonita, encantadora o que você faz nessa cidade?

_ A principio acompanhando o meu marido, cheguei há pouco tempo e ainda estou conhecendo as pessoas por aqui.

Apesar de o papo fluir bem, precisávamos voltar para nossas mesas.

Telefones trocados nos despedimos e sem que ela esperasse eu me aproximei e dei-lhe um beijo no cantinho da sua boca.

Percebi que a mesma ficou enrubescida e encabulada, apenas sorriu e foi para sua mesa.

Mesmo de longe e com pouca iluminação, às vezes nossos olhares se cruzavam.

Passado alguns dias, eu estava no escritório quando o a atendente me chama e me avisa que a Dra. Katarina desejava falar comigo.

Meu sorriso foi de canto a canto da boca, não pude contê-lo.

_ Alô, quem fala?

_ Sou eu Katarina tudo bem Fernanda, você esta ocupada?

_ Que prazer, para você eu fico desocupada agora mesmo.

_ Que bom amiga você é sempre assim ou é um privilégio meu?

_ Posso te chamar de Ka, fica menos formal, o que acha?

_ Depende seu eu também puder chama-la de Fê?

_ Claro que sim, mas me diga em que posso te ajudar?

_ Bem na verdade eu estou sozinha nessa quinta feira, o Cezar precisou viajar de emergência para atender um cliente em Brasília. Sei que você é ocupadíssima mas resolvi te ligar quem sabe poderíamos nos encontrarmos e continuarmos aquela conversa.

Na hora eu não entendi muito bem aquela situação e resolvi bancar o jogo.

_ Ka você pode me encontrar aqui na boate?

_ Sim sem problema, chego aí lá pelas onze horas, ok?

_ Sim, esse horário já estará reservado para nos divertirmos, hoje temos um show especial aqui na casa, estarei te aguardando.

Vinte e três horas eu a vejo entrar, continuo escondida só observando aquela mulher encantadora iniciando um desfile a minha procura. Vários homens a devoram com seus olhares famintos.

Aproximei-me sorrateiramente e lhe disse:

_ Boa noite Ka, você sempre linda e maravilhosa.

_ Nossa amiga desse jeito você me deixa lisonjeada por demais.

Beijamo-nos, ela sorriu e eu a caminhei para uma mesa previamente escolhida por mim, nos deixando a vontade, de onde poderíamos ver o show e com pouca iluminação num ambiente propicio a todas as possibilidades.

Para começar pedi um drink especial, chamado Abridor de Pernas que tem o poder Idolatrado pelas mulheres, ele causa uma moleza nas suas pernas que elas, as pernas, não conseguem ficar unidas nunca, e lhe avisei.

_ Ka hoje a noite é diferente, nosso show tem um estilo próprio, não se assuste espero que goste.

_ Fê eu vim preparada para me divertir.

Ajeito meu corpo para melhor acompanhar a encenação e me coloco mais próximo a Ka. Meia noite as luzes são apagadas, as cortinas são abertas e surge um fecho de iluminação, no canto uma porta entre aberta, musica no fundo nos trazendo um ar misterioso e sombrio.

De repente ouvimos passos e surge uma garota mascarada, vestida com roupas de couro presa a uma coleira no pescoço, logo atrás aparece um homem forte segurando a coleira e com uma chibata na mão.

A garota estava calada apenas observando a tudo com o olhar assustador, a mesma é deitada e amarrada em uma cama, tendo seus braços e pernas esticadas, deixando sua coxa carnuda e uma calcinha preta também de couro a vista de todos.

A visão era de puro erotismo.

Nesse momento eu olho para Ka, querendo ver sua reação.

Para minha surpresa a vejo concentrada sem piscar um olho se quer.

A cada situação demonstrada em cena, ouço sua respiração acelerada, seus lábios umedecidos pela saliva, os bicos dos seios salientarem demonstrando excitação.

Ofereço outro drink e me posiciono mais próximo a ela deixando nossas coxas se encostarem.

O espetáculo continua, a mulher é mantida na cama com os olhos vendados, sendo castigada pelas chibatadas no lombo, agora tem uma mulher a seu lado, acariciando seus seios e dando mordidas no bico, ela vem descendo até se ajoelhar entre suas pernas, com habilidade ela força a abertura dos lábios vaginais, e a penetra com dois dedos num entre e sai, a seguir enfia outros, arrancando gemidos de dor e prazer da escrava.

Ela suplica pelo amor da sua dominadora, querendo sentir o máximo de prazer.

Depois de ser chupada aparecem dois homens carregando umas velas acessas, pingando cera derretida pelo corpo imóvel.

Katarina demonstra sentir prazer com toda encenação, eu sinto sua mão apertando a minha coxa.

Aproveito e começo a massagear seus cabelos e vou descendo pelo pescoço.

Aquela mulher séria do inicio da nossa amizade esta se mostrando uma devassa em minhas mãos.

Os homens abusam da mulher amordaçada sem dó ou piedade a deixando em frangalhos, porem saciada pelos desejos conseguidos.

Após o encerramento do espetáculo.

Ka se mostra uma outra pessoa, agora sem aquele olhar de doutora, de uma mulher séria e respeitada, parece estar viajando no tempo.

Pede-me um conhaque, pois ela precisava se soltar e deixar fluir todo seu desejo.

Em seguida parece que ela acorda e cai na real, me pede desculpas e começa a se lamentar.

_ Fê me desculpe, eu não sou assim não muito pelo contrário nem sei direito o que aconteceu.

_ Calma amiga, estamos nos divertindo, relaxa.

_ Sabe, essa é a primeira vez que assisto algo inusitado com tanto realismo.

Continuamos conversando e bebericando.

_ Ka você não quer ir pra um lugar reservado e ficar mais a vontade?

_ Fê eu sei o que você esta me sugerindo, mas prefiro pensar melhor em tudo que aconteceu e depois marcarmos algo mais intenso, ok.

_ Sem problema, mas, por favor, não demore, ok.

Foram exatamente vinte dias sem fazer nenhum contato com ela.

Eu já estava assustada sem saber o que deveria fazer, só pensando em tudo que aconteceu naquela noite.
Sexta feira de manhã eu tinha acabado de acordar, e vejo no noticiário algo que me chamou atenção.

Aparece a imagem daquele camarada o aniversariante da boate. A matéria relata que o mesmo era traficante e procurado pela justiça e que agora estava preso em Goiás.

Nesse mesmo dia no meio da tarde, meu telefone toca.

_ Alô.

_ Fernanda tudo bem, eu preciso conversar com você.

A voz parecia ser da Katarina, mas o som era de quem estava nervosa, eu quase nem consegui reconhecer.

_ Ka é você?

_ Sim amiga, sou eu mesma.

_ O que aconteceu você esta bem, me parece nervosa.

_ Sim estou angustiada sem chão, aconteceu algo muito triste.

_ Calma amiga, onde você esta?

_ Acabei de deixar o Cesar no aeroporto, um cliente estava precisando dele com urgência.

Imaginei ser o tal cliente que ele foi abraçar no aniversário lá na boate, mas não falei nada.

_ Meu anjo o que te deixou assim?

_ Você lembra quando nos conhecemos, foi naquele dia que o Cesar foi dar um abraço em seu cliente lá na boate.

_ Sim me recordo.

_ Pois é esse cara foi preso, ele era metido com negócios ilícitos e como seu advogado o Cesar foi prestar serviços pra ele, só que agora a imprensa está tornando a minha vida num inferno, a todo instante telefonam querendo falar com o advogado do traficante.

_ Mas amiga você não sabe que seu marido defende esse tipo de gente?

_ Sei sim, mas nas outras vezes, eu não estava aqui para presenciar esse tipo de assedio.

_ Ka eu hoje vou subir a serra, se você quiser eu posso te levar, e te ajudar com isso, ok?

_ Poxa amiga seu não for te atrapalhar gostaria sim de viajar com você.

_ Combinado te pego em casa.

Mesmo sem pensar em nada eu ligo e combino com meu caseiro para preparar a casa que eu iria subir com umas pessoas.

Ás dezenove horas eu a pego em seu apartamento e sigo rumo a Teresópolis onde possuo um pequeno sitio.

Paramos no mercado para comprarmos algo pra noite ser agradável.

Ao chegar a casa fomos recebidas pelo caseiro seu Humberto, amigo antigo da família e morador da redondeza.

_ Boa noite dona Fernanda, esta tudo conforme a senhora mandou, estou indo pra casa, qualquer coisa é só me ligar.

_ Obrigado amigo, tenha um bom descanso.

Instalamo-nos, e a seguir fui pra cozinha preparar uns petiscos, enquanto a Ka abria o vinho.

Nossa noite apenas estava começando, as conversas foram se firmando até que chegamos ao assunto principal.

_ Sabe Fê, minha vida de casada esta esfriando cada vez mais, no inicio era aquela alegria, amor a todo instante, éramos felicidade só. Agora estamos vivendo outra realidade o Cesar se queixa de cansaço e acaba por me deixar na mão, entende?

_ Posso imaginar.

_ Na época da faculdade eu era muito intensa, estava sempre na badalação.

_ Então a menina era periguete, safadinha, né?

_ Sim eu curtia a vida e não negava nenhuma brincadeirinha com os carinhas, sempre terminava na cama com eles.

_ E agora, como esta essa menina sapeka?

_ Hoje sou a mulherzinha do marido. Às vezes sinto falta do meu passado.

_ Ka quando você diz que foi intensa, foi só com homens ou inclui mulheres também? Risos

_ Pra te falar a verdade você foi à primeira mulher que me deixou entusiasmada gostei de você desde o nosso primeiro encontro e não consigo esquecer isso desde aquele dia.

_ Que bom saber que fui a primeira, quero ser a primeira em muitas outras coisas também... risos...

Olhamo-nos sem dizermos nada, apenas o sorriso nos lábios queriam dizer algo.

Levantei-me e coloquei uma musica suave, romântica e a convidei para dançarmos.

Nossos corpos unidos, as mãos massageando uma a outra, o clima estava bom prometia uma noite prazerosa.

O primeiro longo beijo de língua surgiu como de repente, foi uma delicia sentir os lábios daquela mulher encantadora, sentir sua língua dentro da minha boca, duelando com a minha língua.

O vinho já estava aquecendo nossas almas, abrimos outra garrafa e sentamos coladinhas como namoradas.

Estávamos num tremendo amasso, quando ouvimos os cachorros do vizinho latirem, paramos e percebemos que alguém caminhava pela cozinha.

_ Seu Humberto é o senhor?

Ninguém respondeu, ficamos em silencio aguardando que surgisse alguém na sala.

Quando menos esperávamos aparece um casal, com o homem portando uma arma.

_ Calma vagabundas, só queremos a grana.

Aquilo me surpreendeu, não era costume ter assaltos naquela área, existiam muitas casas de pessoas ligadas ao poder judiciário, deputados como também a representante da própria policia.

Ficamos quietas, o cara arrancou os fios de telefone e mandou que sua companheira nos amarrasse, pareciam que estavam drogados.

A todo instante o camarada falava que se fizéssemos alguma coisa, que ele não hesitaria em nos matar.

Ka choramingava calada, eu a pedia que mantivesse calma.

O filho da puta sem necessidade alguma deu uma bofetada na cara da Ka.

Aquilo me deixou puta da cara.

_ Porra! Não precisava fazer isso com ela não.

_ Cala a boca sapatão se não vai ser você agora a apanhar.

A garota que estava com ele cochichou algo em seu ouvido que acabou por soltar uma gargalhada.

_ Boa ideia, vamos fazer sim.

Pegaram a garrafa de vinho na mesinha de centro e tornaram no gargalo mesmo. Depois de beberem mais da metade a putinha começou a tirar a roupa e dançar se esfregando em mim.

O cara só olhava e ria da situação.

_ E ai sapata esta gostando?

Não respondi nada, e veio à bofetada no meu rosto. Caralho aquilo doeu, senti minha face queimando.

O ódio por tanta crueldade desnecessária e sem poder fazer nada.

O FDP agora estava com o pênis pra fora da calça e balançava aquilo para nós dizendo.

_ Sapata vou arregaçar a sua buceta, mostrar o que é um homem de verdade e pra que serve essa pica aqui.

Pensei, se eu tivesse uma arma acabava com esse FDP agora mesmo sem pena alguma.

Sandra esse é o nome da putinha que estava com ele.

_ Com essa aqui eu me entendo, vou me deliciar com ela, fique com a outra, ok?

Ele olhou pra Ka e lambeu os lábios.

Seguiu em direção a ela, parou em sua frente apalpou seus seios e beliscou os bicos, arrancando um suspiro da safadinha.

_ Viu como ela gostou Sandra?

_ Então vai fundo que temos a noite inteira.

Imaginei comigo mesmo. Essa merda vai feder.

O safado começou arrancando a blusa e colocando os peitos dela pra fora.

_ Olha como são lindos.

Voltou a beliscar os bicos, dessa vez com mais força, Ka mostrava estar gostando da provocação.

Vi perfeitamente quando ele apontou o cacete na boca dela e começou a esfregar entre seus lábios de um lado pro outro, às vezes tentava introduzir na sua boca, só que ela o impedia forçando sua língua contra a glande daquele sujeito.

A baba escorria pelos lábios grossos dela, eu já não conseguia raciocinar direito, tinha certeza que ela estava entregue a luxuria, se é que isso pode se chamar de luxuria.

O sacana foi descendo com as mãos até chegar a sua cintura, apalpou sua buceta, levantou a saia dela e ficou deslumbrado com o que viu. Inclusive eu também fiquei admirada com aquele pacotão, que parecia um hambúrguer pronto para ser saboreado.

Porra! Será que esse cara vai fuder ela primeiro do que eu, senti uma mistura de ciúme e raiva.

Percebi quando ele começou a acariciar sua vulva por cima da calcinha, puxou o elástico e surgiu uma xaninha totalmente depilada, passou o dedo na racha e se vangloriou.

_ Olha Sandra ela esta babadinha, a safada esta excitada.

Pensei fudeu agora só resta torcer pelo menor estrago, porque a coisa vai engrossar.

Sem a menor cerimonia Sandra foi me despindo, rasgou minha blusa e deixou os meus seios soltos, enfiou a cara no meio dos dois e começou a lambê-los me causando uma sensação gostosa.

Sua mão tentava abrir o zíper da minha calça, não conseguindo, ela me fez ficar em pé na sua frente, soltando a fivela do cinto facilitando a abertura da calça, logo em seguir a mesma beijou minha barriga saboreando com sua língua o meu umbigo.

Eu ainda estava hipnotizada com a cena de Ka com o FDP, agindo naturalmente comecei a rebolar ajudando Sandra tirar minha calça, levantei uma perna e depois a outra, ficando apenas de calcinha.

Sandra sabia como seduzir uma mulher apesar do requinte de crueldade, de repente ela rasgou a minha calcinha com uma faca de cozinha numa brutalidade extrema, me provocando dor e mal estar, suas unhas arranhavam minhas coxas deixando marcas vermelhas.

Minha intenção era de tentar derrubá-la, mas pensei que seria inútil, pois estava com as mãos amarradas atrás das minhas costas.

Ka estava excitada com toda aquela brutalidade, nem parecia aquela mulher recatada de antes. Seus peitos soltos balançavam a cada tapa que recebia do FDP, não satisfeito ele ainda começou a enforca-la levando-a a se engasgar, seus pescoço esta ficando vermelho devido à força, os de Ka olhos reviravam parecendo que iria desmaiar.

Eu gritei.

_ Cara você esta sufocando essa mulher!

Ele ria gostava de vê-la sofrendo isso lhe dava prazer. Agora ele pegou algo no bolso e levou a boca, parecia ser um cigarro, só que de erva, acendeu e começou a queimar seu baseado, olhou pra Ka e a ofereceu.

Para minha surpresa a mesma aceitou e deu umas baforadas, parecia ser acostumada com aquilo.

Nada me surpreendia mais, eu na verdade não conhecia aquela mulher.

As coisas foram normalizando para os dois ao ponto do FDP soltar as mãos dela, e começar a beija-la com paixão.

Os dois se entendiam, existia um clima bom entre os dois.

Ele retirou toda sua roupa ficando pelado enquanto Ka se despia do resto rasgado de suas vestes.

Agora os dois estavam peladinhos frente a frente.

Ka oferecia seus seios para serem lambidos, trazia a cabeça dele pra cima dela, esfregando os bicos na boca daquele sujeito. Ele aproveitou e mordeu-os sem se importar com a dor que ela sentia.

Eu já não sabia mais se odiava ou admirava aquela situação, às vezes eu sentia as estocadas dos dedos de Sandra na minha xaninha ou no meu cuzinho.

_ Esta gostando de ver sua amiga sendo chupada pelo meu amigo, safada?

Foram essas palavra que me fizeram cair na realidade. Realmente eu estava gostando daquilo também.

Resolvi me soltar e deixar acontecer, pedi para ser solta e compartilhar daquelas brincadeiras, no que fui rejeitada.

_ Nada disso, quero você só pra mim belezinha.

Ka pedia para ser penetrada.

_ Cara pra que serve essa piroca se você nem sabe usar parece que é de enfeite.

Ela acabara de provocar ira no FDP.

_ Vou te mostrar pra que serve sua galinha.

Ele levantou a perna da Ka apoiando ao sofá, e numa estocada só a penetrou profundamente fazendo-lhe sentir dor.

As estocadas foram repetidas por diversas vezes, nós escutávamos a cada batida do corpo dele na sua bunda.

Ka já não sentia dor, agora era só prazer e quando ele diminuía ela pedia.

_ Parece uma mocinha, cansou seu otário, enfia essa porra com força.

Eu não acreditava no que estava vendo e ouvindo.

Ele arreganhou o cuzinho dela, deu uma umas cuspidas no pau e mandou com tudo pra dentro dela, Ka berrou.

_ Filho da puta, assim você me rasga toda.

_ Ué! Vc não queria saber se eu estava cansado sua puta, agora toma.

As estocadas sucederam cada vez mais violentas. Ka rebolava e forçava sua bunda pra trás ao encontro daquela piroca.

Eu já não aguentava mais e comecei a esfregar minha buceta na cara da Sandra. Ela veio com tudo, me chupava com vontade, eu estava babando em sua boca, mas não era o suficiente eu também precisava sentir o seu gosto, aquela bucetinha carnuda me provocava uma sensação de desejo.

_ Sandra deixa eu te chupar também, por favor?

_ Agora vc quer me chupar né sapata?

_ Deixa vai.

_ Então me implora, eu quero escutar a sapata implorando pra colocar a boca na minha buceta.

Aquilo me provocava uma sensação de submissão, eu estava prestes a implorar por uma buceta que eu nem conhecia sua dona. Não era um costume trepar com qualquer uma, mas aquela mulher estava me deixando fora de mim.

Mesmo sem jeito eu fiz o que ela me pediu.

_ Sandra eu não estou aguentando mais, te imploro, me deixa sentir seu sabor.

_ Vou te dizer uma coisa, vou te soltar, mas se tentar me enganar eu te furo, viu sua sapatão!

Sentia-me aliviada, agora eu poderia mostrar com quem ela estava mexendo.

Agora eu precisava mostrar pra aquela vadia quem era que mandava, e que a partir daquele momento ela sim seria a minha escrava.

Usaria do mesmo instinto de selvageria usado até aquele instante.

Usei a mão direita apertando sua garganta com toda força chegando a sufoca-la, enquanto com a esquerda eu invadia suas pernas procurando pela sua buceta.

Ao tocá-la pude sentir toda sua umidade, enfiei dois dedos nela e comecei a fazer movimentos circulares lhe dando prazer.

A putinha estava entregue aos meus desejos, eu queria trata-la como uma vagabunda de rua.

Suguei seus peitos já caídos mas que para o momento, serviam a meu prazer...

Enquanto isso a Ka chupava o caralho do cara que a penetrava com os dedos no seu cu.

Percebo que ambos fizeram algum comentário baixo só pra eles.

Nisso o camarada se afasta e pega no seu celular, fala com alguém e desliga.

Passados uns dez minutos, eu ouço o motor de uma moto se aproximando da casa.

Ouvimos a buzina tocar por três vezes, e logo a porta é aberta surgindo um quinto elemento.

_ E aí camarada que festinha boa, hein?

No que ele lhe responde com uma pergunta.

_ Trouxe o que te pedi?
_ Sim e é da boa.

A maluca pediu mais droga e como bônus mais uma pica.

Eu me aproximei da Sandra e também cochichei em seu ouvido.

_ Amorzinho quem é esse carinha, não quero que nenhum dos dois me toquem, ok?

_ E ai Marcão, veio pra nossa festinha, mas tem uma coisa, o primeiro que tentar encostar na minha mulherzinha vai ser furado, entendido?

_ Tranquilo, só vim trazer um pedido, mas se me deixarem quero participar também, olha como estou.

Ele colocou o pau pra fora já duro, e olha que era grosso e maior do que o primeiro.

Ka arregalou os olhos e logo foi dizendo.

_ Marcão seja bem vindo, fique a vontade.

Aquilo doeu aos meus ouvidos, como pode essa galinhazinha convidar alguém pra dentro da minha casa.

Ao me virar já vi a Ka mamando no caralho do carinha.

Enquanto ela o chupava também levava pica no cu.

O primeiro se deitou no chão e ela se encaixou nele pelo cu, chamando o mais novo a se juntarem em uma DP.

Sandra continuava a me satisfazer, eu nem ligava mais para o que estava acontecendo a meu lado.

Os dois estavam num entra e sai de dentro da Ka com muita brutalidade. Quanto mais eles socavam ela pedia mais.

Aquilo virou uma orgia, se drogavam e fudiam de todos os jeitos e maneira.

O FDP tirou o pau do cu da Ka e despejou toda porra na cara dela, a seguir o segundo fez o mesmo a deixando toda lambuzada.

Ka aproveitava cada gota de porra, passava o polegar direito pela face e recolhia com cuidado, colocando os dedos na boca sentindo o gostinho, não ficou uma gota sem ser recolhida, depois mamou apertando os caralhos como se quisesse recolher mais leite.

Passavam das quatro da manhã quando acordei assustada, me levantei e puder ver que estávamos na cama, Ka toda suja da porra dos cara e com um sorriso lindo de satisfação.

No espelho um recado.

“Não roubamos nada, a noite foi perfeita”

Depois disso eu aprendi como tratar aquela mulher e agora somente eu e ela....


XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX


Amigos vocês vão conhecer agora o motivo que me inspirou relatar esse conto...

VAMOS AOS FATOS:

Katarina é uma leitora dos meus contos e como em outros contatos, essa menina também queria saber detalhes da minha vida e sentia uma curiosidade em saber como era um relacionamento com outra mulher.

Agora vcs vão conhecer alguns detalhes da nossa troca de e-mails. São partes do texto original.

Usarei (*) asterisco pra me identificar nas conversas

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Boa tarde menina adorável.

A minha demora em te responder não se trata de nenhuma vingança, por ter sofrido pela sua ausência.

Apenas falta de tempo mesmo.

Você me causa uma excitação incrível.

Por falar em excitar, sabia que eu mudei depois que te conheci? Vivo com tesão, Nanda. Me pego com a calcinha molhada só de pensar coisas, fico com vontade de ver vídeos, fico imaginando como seriam meus amigos e amigas na cama... é estranho, mas tão gostoso!

*Isso só ocorre quando liberamos os nossos sentimentos mais ousados...

Será que um dia ficaremos juntas? Não sei, mas só sei que se um dia acontecer de eu me relacionar com outra menina, quero que seja com você! Afinal, você que está me ajudando nisso, é você quem me provoca arrepios...

*Nossa! Te provoco arrepios, imagina quando estivermos juntas, vão precisar chamar o Corpo de Bombeiros porque com certeza as chama vão se alastrar...

E eu não falei que não quero ver sua menina, só me espantei... e gostei da idéia. A minha menina sempre molha quando escrevo pra você...

*Também vivo com a calcinha molhada, ou melhor, encharcada ao me lembrar de nossas conversas..
.
Nosso encontro casual seria em uma livraria, eu estaria lá escolhendo uns livros, me esbarraria em você e derrubaria os livros em sua mão. Quando me abaixasse para pegar, observaria que eram livros sobre sexo, que me deixam desconcertada. Você percebe e como boa caçadora que é, me convida para tomar um café ali mesmo na livraria, que a gente estica até um bar nas redondezas. Lá você começa um jogo de sedução, me leva pra sua casa e me torna sua. E eu me entrego, deixando você me dominar por completo, me ensinando como é delicioso ser amante de uma mulher.

*Adorei essa ideia, já estou pensando em algo com esse roteiro... risos...

Pronto, acho que seria assim. Acho também que tá na hora de fazer meu pedido, amor. Sabe o que eu quero? Eu quero um conto. Mas não é um conto romântico, como o que você vem escrevendo para mim no fim dos e-mails. Estou adorando suas palavras, a maneira como mistura o prazer de ler com o prazer sexual. E é justamente por saber que você escreve tão bem que eu decidi te pedir. Mas não pense que está sendo fácil pedir isso, flor.
Porque o que vou pedir faz partes de meus desejos mais escondidos e mais sujos, pelos quais eu sinto até vergonha. Sabe flor, desde jovem eu me excitei com sexo extremo, tipo BDSM, com dor física, mas sim a dominação psicológica. E agora, o que eu sinto mais vergonha e que NUNCA falei pra ninguém, nem para minha irmã, é que a ideia de minha degradação me excita. Nunca aconteceu, mas já imaginei situações onde eu, bêbada e drogada, era seduzida e aproveitada. Algo tipo "a sedução do inocente", no meu caso seria da inocente. Claro que eu não sou lá tão inocente, já aprontei um tantinho. Mas contos onde a mulher inocente é seduzida por alguém manipulador e calculista sempre me excitaram muito. Então Nanda, desde que te conheci tenho pensado nisso, e agora é a hora de pedir.

Quero um conto onde eu seja casada e conheço Fernanda, uma mulher misteriosa, segura e lasciva, que me apresenta uma vida de sexo, de prazer, um novo mundo ao qual eu nunca imaginaria fazer parte. Mas eu quero (se você aceitar, claro), algo bem pesado. Exemplos: eu sou uma advogada que decide defender um traficante e acabo fazendo amizade com a esposa dele... ou ainda uma repórter investigativa que decide investigar uma casa de massagens e começa a manter contato com a proprietária, que a faz mudar sua maneira de ser, agir e sentir... tudo com muito sexo, drogas (se puder), gostosas maldades, manipulações e paixão.

Bem, está feito. Lutei comigo mesmo se te escrevia isso tudo ou não, mas acabei por escrever.

Desculpe a demora, tá? E eu entenderei perfeitamente se você recusar, já que seus contos são confessionais, são doces e nada pesados. E também porque nem sei se você tem tempo ou interesse.

E também entenderei se você quiser se afastar depois de tudo que escrevi, afinal não é fácil ser amiga de uma louca com desejos tão estranhos.

Enfim, só queria terminar pedindo mais uma vez perdão pela demora e dizer que a cada dia mais amo estar no nosso cantinho. Te gosto muito!

Beijos da Ka.

*Menina vc me surpreende a cada novo e-mail sabia? Imaginei diversos tipos de pedidos, esse pra mim esta sendo uma surpresa.

Espero que vocês tenham gostado, deixe seu comentário ele é muito importante para o Autor.

Fernanda Oliveira. (nandinhataxista@gmail.com)




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.