"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Transei com dois peões do meu marido


autor: AnnaKariênina
publicado em: 29/03/17
categoria: traição
leituras: 9535
ver notas


Transei gostoso com dois peões do meu marido e ele gozou só de olhar

Eu adoro o meu marido, mas ele tem umas manias que eu vou te contar, viu. Uma das mais irritantes é o tal do futebol. Não, ele não joga futebol, ele só assiste. Ai toda quarta-feira junta um bando de homem lá em casa, fazendo uma sujeirada danada. Isso para não falar na gritaria. E não adianta eu pedir para eles maneirarem, toda quarta eles estão de volta.

Engraçado é que quando conheci o Carlos, eu jamais ia imaginar o gosto dele por essa bobagem. Ele é um sujeito culto, trabalha com uma engenharia complicadíssima (fez mestrado na alemanha!) e ainda assim fica doido com o tal do futebol. Assim toda quarta feira a noite eu não tinha sossego.

Meu marido juntava sempre uns 10 colegas para assistir as partidas, sempre bebendo. E eles bebiam de tudo, o Carlos nunca teve frescuras e se dava bem com todo mundo. Por isso, em que pese ser um dos engenheiros, convidava até mesmo os peões para ir em nossa casa. Então tinha desde o whisky dele, passando por cerveja e até cachaça mesmo. Vocês imaginem ai o que é aturar um bando de homem tonto gritando e fazendo sujeira por causa de futebol. Era o que eu aguentava.

No início eu tentava ficar no quarto lendo alguma coisa ou assistindo um filme, e o barulho sempre atrapalhava. Um dia fiquei tão puta da vida que resolvi "tocar o foda-se" e fui até a sala beber com eles. Como detesto futebol, me sentei na mesa da copa e beberiquei uma vodka gelada, pura, enquanto observava aquele bando de marmanjo. Eu tinha uma má vontade danada com aqueles caras, mas reparei que alguns deles eram até bonitinhos. A vodka descia cada vez mais suave...

No intervalo do jogo eles resmungaram qualquer coisa e rumaram para a cozinha. Passaram todos por mim e o Carlos ainda brincou, na maior cara de pau:

- Olha quem apareceu... Não sabia que você gostava de futebol! Mas veio tão mansinha que nem te vi que você estava ai.

- Uai, estou aqui sim. Vocês bestas só tem olhos pra esse futebol e nem lembram mais que mulher existe.

Um deles, que depois vim a saber que se chamava Henrique, teve a pachorra de dizer: debochando;

- Mas é claro, você nem para fazer um tira gosto pra gente.

Ele falou isso e riu, outros riram também. Fiquei com muita raiva, me levantei e respondi que eu podia fazer muito, e dei ênfase no muito, muito mais do que um tiragostinho, mas que o que eu fazia não era pra qualquer um não. O Carlos ficou lá com aquela cara de pastel que ele faz quando faço algo inesperado. Mexi meu cabelo, peguei minha garrafa de vodka, o copo, e voltei pro quarto. Foi só quando me deitei na cama que percebi que eu estava com um pijaminha curtíssimo, as pernas todas de fora, uma calcinha preta minúscula e os peitos parcialmente cobertos pela transparência da blusinha.

"Por isso a cara de pastel do Carlos!", pensei. "Ele deve estar pensando que eu estava me ensinuando para algum dos colegas dele, senão todos!". Nisso me deu foi uma vontade de rir e a raiva até passou. Nunca havia parado pra pensar nisso de que um bando de homens bêbados estava dentro da minha casa, e eu bêbada também... imaginei um daqueles homens entrando no meu quarto e me pegando de jeito, beijando meus peitos, arranhando a minha nuca com aquelas mãos enormes. Carinhosamente levei minhas mãos até a minha bucetinha e toquei uma gostosa e bem devagar, sentido aqueles lábios grossos se umedecendo aos poucos... o desgraçado que falou em tiragosto de repente invadiu minhas ideias e gozei imaginando aquele filha da puta me chupando enquanto eu esfregava aquela cara dele contra a minha buceta.

Fiquei ali deitada e, na hora em que fui encher mais um copo de vodka, reparei que havia uma mensagem de whatsapp no meu celular. Era o Carlos.

"Anna, você quer me matar! Se exibir assim pra galera toda não dá! Me diz ai se algum te interessou que a gente vê o que faz".

Vocês já viram que esse meu marido é fogo, né?

Respondi pelo zap que eu queria o do tiragosto. Rapidinho ele me respondeu:

"Mas Anna, justo o Henrique? Ele trabalha comigo, é um subordinado meu, fica chato!"

Eu sabia que o Carlos estava era de charminho e devia estar com aquele pau dele explodindo na cueca. Respondi:

"O problema é seu, quem mandou trazer esse monte de homem pra casa? Agora se vira".

Lógico que ele se virava! Então eu tive uma idéia e, só de sacanagem, fui até a cozinha para fritar uns kibes que tínhamos lá e fazer o tal do tiragosto. Fui vestida do jeito que eu tava. Cheguei na cozinha e gritei de lá:

- Henrique! Henrique! ! Você não queria tiragosto? Então agora vem cá me ajudar, mocinha!

Nisso os colegas dele comecaram a rir e a zoar muito da cara dele, mas ele nao saía do lugar. Dai eu fui até a sala e falei:

- Será que ele tem medo de cozinha ou é de mulher mesmo? Pra fazer gracinha você é bom, né?

Ai que cairam na pele dele mesmo! E ele se levantou e foi, todo sem graça, pra cozinha.

- Não se preocupe que já tá tudo pronto, você só terá que servir - eu disse enquanto retirava os kibes da fervura e colocava num prato forrado com papel toalha.

E ele, sério, fazendo esforço para olhar no meu rosto:

- Então tá bom.

Joguei meus cabelos pra trás, deixei minha blusinha cair de lado, mostrando um pouquinho de um seio, e disse:

- Na hora que vocês forem embora, você volta. Hoje.

E ele se fazendo de desentendido:

- Mas seu marido vai sair também?

- Vai servir esse tiragosto. Se for esse machão ai mesmo, volta, quero ver se tem coragem!

Ele foi servir o kibe e o pessoal fez a maior arruaça, chamando ele de ajudante do lar. Ele, muito puto, deixou o prato numa mesinha e voltou a assistir o jogo, bebendo até não poder mais. Reparei que o Carlos uma hora chegou até ele e falou alguma coisa. Eu saí dali, vodka na mão, e fui ao quarto para passar uma bela duma maquiagem. Aquele dia eu queria ver um pau manchado com meu batom. Será?

No horário habitual o barulho cessou e o pessoal começou a se despedir e foram finalmente embora. Nisso entra o Carlos no meu quarto, me abraçando por trás e roçando o pau duríssimo na minha bunda.

- Anna, você não sabe o tesão que você me dá...

Ele falando isso e agarrando minhas pernas e meus peitos, beijando a minha nuca. Me arrepiei inteira e fui rebolando de leve naquele pau duro que eu sentia sobre a calcinha.

- Ah, Carlos... Atentou, agora guenta. Vou dar pros seus colegas e depois que eu estiver bem esquentada, quem sabe, sobra um pouquinho pra você.

- E se eles não vierem? Não fala assim comigo que eu fico louco!

- Se eles não vierem eu deixo você tocar umazinha enquanto eu desfilo aqui pra você.

Peguei no pau dele, tirei ele pra fora. Estava imenso e bonito, duro feito pedra. Me agachei e dei uma bitoquinha bem de leve na cabecinha do pau, depois um selinho na boca do Carlos.

- É para eu não borrara maquiagem e o batom, tá?

E punhetei um pouquinho aquele pauzão enquanto nos esfregávamos. O Carlos estava se esfregando bem gostoso em mim, quando a campainha tocou.

- Deixa que eu atendo, Carlos. Deixa que eu atendo.

E fui pra porta, enquanto Carlos me chamava de " espetáculo". Abri-a e, para minha surpresa, estava o Henrique e um outro cara.

- Me desculpa, Anna, é que eu vim de carona com o Beto.

Beto era outro peão da empresa, mas não trabalhava com o Carlos. Era um moreno claro, forte, de cabelos curto e uma cara meio grossa. Era bem sério e fez uma cara de "o que que eu posso fazer?" Qquando o Henrique aludiu à carona. Achei isso engraçado e ri.

- Então vamos entrando...

Peguei Henrique pela mão e o puxei pra dentro. Ele com a outra mão abraçou a minha anca e fez como que fosse me beijar. Parei de repende e falei "epa!!". Passei as mãos em seu ombro, depois em seu peito.

- Você é assim rapidinho? Olha que não vai dar conta...

Nisso ele já me agarrou firme e tascou-me um senhor beijo na boca, agarrando firme a minha anca com uma das mãos, enquanto com a outra alisava, também firme, minhas costas. Sentia a língua dele, quente, enfiando em minha boca, aqueles lábios duros mas ao mesmo tempo macios envolvendo a minha boca. O cara era 10! Ele foi se ajeitando e pude sentir seu pau duro machucando minha coxa. Parecia boa coisa, e isso eu iria descobrir.

Finalmente terminamos aquele beijo e eu já estava toda molhada. Só de sentir aquele braço forte me agarrando eu já me arreganhava toda. O Beto ainda estava de pé perto da porta, que estava aberta.

- Bom, vamos entrar, vamos nos sentar ali no sofá. Pega a cerveja na geladeira, Henrique.

Enquanto ele pegava, fechei a porta e o Beto sentou no sofá. Nem sinal do meu marido.

Henrique entregou uma cerveja para o Beto, abriu outra e deixou na mesinha. Veio pra cima de mim e me agarrou de novo, prensando meu corpo contra a parede, dessa vez passando uma das mãos na minha virilha e na buceta, enquanto a outra me agarrava pelos cabelos da nuca. Sentia aquela pele áspera do seu rosto roçando em meu pescoço e aquele pau duro na minha perna. Enfiei as mãos por debaixo da calça dele e apertei sua bunda, durinha. Ele ficou beijando meu pescoço e eu senti que ele queria era meus peitos, então fiz menção de tirar a blusa, o que ele de pronto entendeu. Arrancou a minha blusa e passou a beijar e chupar desesperadamente meus peitos, que eu eafregava em seu rosto. Agora estava eu ali só de calcinha, me agarrando a um peão do meu marido enquanto o outro, sentado num sofá, nos observava. E então meu marido também apareceu, sentou no sofá e tirou o pau para fora, punhetando de leve.

Fui tirando a roupa do Henrique e, meu deus, que corpo bonito ele tinha. Ele era bem forte, apesar de una leve barriguinha, e era mais peludo e roludo que o Carlos. Quando vi aquele cacete grande e grosso, roxo e veiudo ainda por cima, até me assustei. Ele roçou aquilo sobre a minha calcinha e eu pude sentir seu calor. Dai o desgraçado só pegou com a sua mão e afastou a calcinha, roçando a cabeça do seu pau na minha bucetinha que já estava encharcada.

Certamente por causa do meu marido e sua punheta nada discreta, acho que beto se animou e também começou a tocar uma. Simplemente desceu as calças e começou. Aquilo era demais pra mim! Três homens com seus paus duros por minha causa, querendo me comer, me desejando! Tive vontade de enfiar os três na minha boca e gemi alto. Aquele cacete do Henrique, grande, grosso e duro esfregando na minha bucetinha estava me deixando louca. Dei uma mordida no pescoço do Henrique e ordenei:

- Vem comigo para o sofá.

Tirei minha calcinha, que só de zueira joguei em cima do Carlos, e me sentei do lado do Beto. Ele nao era nada atraente, mas aquele pau duro era irresistível. Já fui logo pegando o pau dele com uma das mãos, enquanto com a outra peguei o do Carlos. Fiquei punhetando os dois.

Abri bem as pernas e Henrique, percebendo o que eu queria, agachou-se e caiu de boca na minha buceta. Ele chupava muito bem, enfiava de leve, mas com firmeza, aquela língua quente entre meus lábios. Já estava indo à loucura, quando fiquei sedenta de chupar também. Largueu o pau do Carlos, passei uma das pernas sobre a cabeça do Henrique, ficando de quatro apoiada no sofá, e beijei deliciosamente o pau do Beto. Meu marido até mudou de posição para ver a Anna dele ali de quatro chupando aquele pau quente e duro, que eu nem tinha reparado direito como era. Ai eu me arreganhei toda, o rabo e a buceta empinados pra cima, esperando o pau do macho que viesse. Senti uma mão dura agarrando minhas ancas, uma grossura desconhecida buscando caminho entre as minhas pernas. Era o Henrique, louco de tesão com aquele pauzão maravilhoso, penetrando de uma só vez a minha bucetinha. Gemi alto, meus gritos abafados por aquele pau quente na minha boca. A cada estocada forte que o Henrique dava, o pau do Beto trombava na minha boca. Eu tirava ele da boca e o esfregava na cara, ai o Beto segurava minha cabeça com violência, voltando minha boca para o seu pau. De tanto eu tirar o pau da boca e esfregar na cara, Beto percebeu o que eu queria e ficou ele mesmo esfregando aquele mastro contra meu rosto, e eu lambendo, beijando, aquele pau que se esfregava na minha pele lisa e branquinha. Henrique não dava sossego e além de agarrar minhas ancas e estocar forte, me dava tapas na bunda que abafavam o som do saco dele batendo contra a minha buceta. Quanto mais ele estocava e me agarrava, mais eu gritava e tentava enfiar o pau de Beto na boca. Ele, safado, percebendo isso, ficava desviando o pau da minha boca toda hora, até que pegou minha cabeça e enfiou o pau de uma só vez na minha boca. Eu gritava, ou tentava gritar, mas o som saia abafado pelo pau na minha boca. Pau que crescia, crescia, eu sentia o Beto arfando cada vez mais, as veias do pau dele se estufavam, ele iria gozar. Tentava de todos os meios tirar o pau dele da minha boca, mas ele não deixava, e o Henrique sem dar uma trégua, metendo cada vez mais forte. Senti um leve gosto saindo do pau de Beto, e de repente ele puxou o pau e melou todo meu rosto com se gozo. A visão daquele pau esguichando porra em cima de mim me fez gozar loucamente, eu gritava e gritava e gritava e aquilo não parava. Henrique começou a agarrar com força minha anca e tremer aquela pica dentro de mim, falando:

- Ai eu vou gozar, ai eu vou gozar, eu vou, eu vou...

Desesperada de tesão, com o gozo ainda pulsando, peguei de novo o pau de Beto e chupei aquele pau meia bomba, todo melado, com aquele gosto salgado característico. De repente Henrique puxou o pau pra fora de uma só vez, me fazendo dar um último grito, e senti aquela rola enorme e quente despejar sua porra no meu rabo, apertando o pau contra o meu cuzinho e melando meu rabo e minhas costas toda de porra.

Eu ainda sentia aquela onde de gozo subindo e descendo no meu corpo, estava suada e melada. Queria mais. Beto se levantou do sofá e eu ali deitei, arrebitando meu rabinho para o Carlos. Queria que ele me comesse o rabo enquanto eu ainda sentia aquela gostosa tremedeira de gozo. Fiquei ali deitada, rabo arrebitado, mexendo devagarzinho de um lado para outro. Ele veio e pegou em meu ombro:

- Anna, não vai dar. Ver você gemendo assim no pau desses caras foi demais pra mim. Acabei gozando. Gozando sozinho, sem nem tocar uma. Daqui a pouco a gente faz...

Daqui a pouco eu nao queria. Queria era naquela hora. Fiquei até um pouco com raiva, sabe. Mas fazer o que? Não se pode ter tudo sempre.

Rapidamente os comedores foram embora. A sensação de gozo aos poucos se acabou e eu fui direto tomar um banho, aquela porra na minha cara já estava secando e estava me incomodando para piscar os olhos.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.