"Os mais excitantes contos eróticos"

 

O leitor me fudeu toda!


autor: Marcela_Xavier
publicado em: 08/04/17
categoria: hetero
leituras: 4596
ver notas


No início desse ano de 2017 publiquei alguns contos neste site e com isso várias pessoas me mandaram e-mails elogiando os contos e querendo conversar sobre sexo. Como são muitas pessoas eu não consigo atender a todas, mas faço o possível para dar atenção a maioria. No entanto, um dos homens que me mandaram e-mail me chamou atenção. Ele havia mandado fotos do seu MARAVILHOSO corpo, sim, inclusive daquela pica gostosa. Assim que vi aquele corpo eu já me arrepiei e comecei a me tocar. Mas respirei fundo e respondi seu e-mail. O nome dele eu terei que mudar, por isso vou chamá-lo de Felipe. Então, depois de algum tempo de conversa pelo e-mail percebi que ele era um cara muito gente boa, por isso, quando ele me chamou pra sair, eu aceitei. No sábado fomos a um bar não tão longe da minha casa e por coincidência bem perto da dele. Quando cheguei no bar ele já estava me esperando e assim que me viu abriu um sorriso. Nos cumprimentamos e eu me sentei a sua frente. Papo vai, papo vem, quando olhamos o relógio já era meia noite e ele me falou: “Marcela, você não quer dar uma volta pela cidade?”. Fiquei com um pouco de medo, afinal, eu tinha acabado de conhecer esse cara, mas tomei coragem e fui, ele valia a pena. Pagamos a conta e fomos para o seu carro. Começamos a andar pela cidade, ele dirigindo e eu do lado. Passei a mão pela sua nuca e por seus cabelos, ele gostou. Depois mordi levemente sua orelha e ele se arrepiou. Achei estar indo muito devagar, então coloquei a mão na sua coxa e fiz algumas carícias, em seguida fui levando minha mão para a sua virilha e pouco a pouco fui tocando no seu pau, até que me senti confortável e peguei com vontade naquele pau. Ele parou o carro no sinal e com força me puxou pela nuca e me deu um beijo de língua que só de lembrar já me excita. Nesse momento me animei, tirei o sinto dele e o meu, ele continuou dirigindo, abri o zíper da calça dele e me deparei com um pau duro e lindo. Comecei a chupar aquela cabeça enorme até engolir bem fundo, eu babava no pau dele e ele soltava uns gemidos. Sem que eu percebesse ele nos levou até a garagem do prédio dele, só fui me dar conta quando já estávamos entrando. Eu disse pra ele: “Seu safado, nós vamos fuder na sua casa e você nem me perguntou, né?”. E logo ele me respondeu estacionando o carro: “Nada disso, não vai dar tempo de subir até o meu apartamento. Você já trepou na garagem?”. Achei aquilo excitante e me animei. Nós saímos do carro e eu com minha minissaia rosa estava bem facinha pra ser fudida e ele se aproveitou disso. Me jogou em cima do capô do carro e abriu minha pernas, afastou minha calcinha e começou a chupar minha buceta que já tava toda molhadinha. Ele chupou minha buceta com voracidade e eu gemia. Ele colocou a mão na minha boca e me disse: “Xiu! Geme baixinho, ninguém pode escutar!” e continuou me chupando. Ele colocava a língua na entradinha da minha buceta depois passava pelo meu clitóris. Eu não aguentava mais, tinha que gozar. Entre gemidos e respirações profundas soltei: “Eu vou gozar, vou gozar! Vai! Vai gostoso! Me chupa! Mais! Mais! Isso... vai... vai.... eu vou gozrrr....”. Que oral gostoso. Ele me puxou pra mais perto dele, tirou uma camisinha extra lubrificada (Como se precisasse ser extra lubrificada) do bolso e eu disse: “Deixa comigo”. Peguei a camisinha e coloquei no pau dele com a boca. Eu fiquei de quatro apoiada no carro, ele baixou minha calcinha, levantou minha saia e disse: “Que delícia... eu adoro um bunda bem branquinha!” e deu um tapa forte logo em seguida e eu pedi: “Bate na minha bunda, bate, até ela ficar bem vermelhinha.”. Ele meteu a cabecinha e devagarinho foi enfiando tudo. Senti a rola dele me arregaçar e disse: “Vai safado! Mete, mete com força, vai!!” ele me puxou meus cabelos pretos e eu fiquei toda empinadinha levando aquela rola na buceta. Ele parecia não se preocupar mais com o barulho, já que o som da virilha dele batendo na minha bunda ecoava por toda a garagem. Depois de me comer bastante, ele se deitou sobre o meu corpo, chegou no meu ouvido e disse tirando a pica da minha buceta: “Posso meter nesse cuzinho rosado?” e eu no calor do momento respondi: “Claro! Mete tudo!”. E ele não me perdoou. Eu relaxei meu ânus e ele meteu só a cabecinha. Que péssima ideia, essa cara vai acabar comigo, pensei. Minha sorte que a camisinha tava bem lubrificada e foi deslizando pra dentro. O Felipe foi metendo, e confesso que no começo doeu um pouco, mas depois ficou gostoso, então quis atiçar ele um pouco dizendo: “Vai safado, me come! Me come! Mete no meu cu, eu quero mais, vai!”. Aquela pica no meu cu tava uma delícia, eu tava adorando sentir o pau dele me abrir toda. Mas quem não aguentou foi ele. Desabafando ele disse: “Marcela sua gostosa... eu vou gozar...” e eu implorando: “Goza em mim! Deixa eu sentir a sua porra em mim!”. Ao ouvir isso, ele tirou a camisinha e gozou sobre o meu cuzinho que já tava todo vermelho. Respirei fundo e senti a goza dele escorrer do meu cu pra minha buceta até gotejar no chão. Que foda foi aquela?! Depois desse dia comecei a dar mais atenção aos meus leitores.

Aos leitores gostosos meu e-mail é: marcelaxavier442@gmail.com

Me mandem presentes e mensagens, eu adoro!!



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.