"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Uma renda extra: Parte 2.


autor: Anninhaloira
publicado em: 09/04/17
categoria: hetero
leituras: 1303
ver notas



Uma renda extra: Parte 2
Conforme o conto anterior. Eu havia praticamente me tornado uma prostituta pelo fato de estar fazendo boquete em troca de dinheiro. No inicio de tudo achei uma péssima ideia e fiquei com medo de que isso pudesse fugir daquela sala, e claro, as pessoas saberem que eu estava mamando o chefe. Depois de algumas semanas e até meses, me senti viciada nisso, eu gostava de fazer boquete pois, era tão gostoso ter um pau daquele tamanho nas minhas mãos e na minha boca, era um desafio. E a parte financeira compensava muito bem também. Antonio começou a me chamar de filhota, filhinha, esses apelidos carinhosos por eu ser mais nova do que ele, bem mais.
Depois de tanto tempo chupando ele, fazendo vídeos e fotos que somente mostravam seu enorme pau na minha boca. Recebi uma notícia maravilhosa do Antonio, sim, ele queria ir além, queria sair do boquete e me comer! Era dia de semana quando isso ocorreu, às 13h da tarde pós-almoço.
"Ana, está sendo ótimo tudo que está acontecendo entre nós mas, eu devo confessar, quero te comer todinha". Essas palavras soaram com tanto tesão que eu sorri, ele falou tão baixinho e eu disse: "Então teremos que aumentar o -salário- para mil reais. Eu disse, entre risadas e ele respondeu felizardo: "Então terá mil reais extras na mesa, quinta-feira."
Apesar de tudo, Antonio era um cara que se cuidava e frequentemente ia Academia, tinha 1,90 de altura e tinha uma expressão máscula e séria, como se sempre estivesse no comando, ordenando e conduzindo. Deixei claro que nós não poderíamos transar no trabalho, as pessoas poderiam ouvir e, diante isto, surgiu uma oportunidade incrível que era a Conferência. Isto é, todo ano havia uma conferência da empresa que levavam seus representantes para uma célula para colocar na mesa todos os dados. Mudanças, atividades, setores lucrativos, setores com problemas e etc; Antonio ligou para casa num sábado a tarde, quando estava ao lado do meu noivo, ele pediu para deixar em viva-voz e assim o fiz.
- Olá, Ana? Aqui é o Antonio. Então, sobre a conferência. O lugar vai ser próximo a serra, num lugar chamado tal. Avise o seu esposo que a saída vai ser na quarta-feira e o retorno apenas para sábado, durante a tarde. No mais, agradeço. -
Foram longas horas tentando convencer o meu noivo para que ele deixasse eu ir, e enfim, consegui. No dia, quando chegamos na serra, era um lugar fantástico, lindo. Foi nesse dia que senti o prazer daquele negro me fodendo. Logo após a conferência, sai da sala trajada social, sapatos vermelhos de salto, meia-calça com uma saia até os joelhos preta, uma blusa branca com um pequeno e singelo terno feminino, batom vermelho e óculos. Antonio e eu caminhamos e demos um belo passeio pela Serra. Ao anoitecer, fomos para casa.
Pois bem, Antonio chegou tirando a sua vestimenta e, com o pau na mão, comecei a chupar a cabeça especialmente, apenas ela, sem o auxílio da língua, fui chupando e espalhando e depois fui brincando com a língua por todo o pau, percorri longas jornadas(se é que vocês me entendem) chupando desde as bolas até a cabeça, chupei tanto o pau daquele macho que meus lábios estavam ficando dormentes. Depois de tanto chupar, ele me olhou e me pegou pelo braço.
- Tudo bem, já está ótimo, loirinha. Agora vou te mostrar porque as loiras quando provam de um macho preto não esquecem e não querem outra cor se não o preto. - Ele disse super safado.
- Vai com calma, tá? - Eu disse, estava com um pouco de medo. Mas Antonio começou a passar a mão por todo o meu corpo, me jogou na cama e levantando a saia, rasgou minha calcinha. - Olha só, Ana... Não podia esperar menos, loira, gostosa... Rosada e, buceta pequena. Nossa, vou fazer um estrago aqui. - Ele falou, dando leves batidas. Eu fiquei excitada, ele começou a lamber a minha buceta e eu comecei a ter espasmos, um desejo incontrolável quando a língua grande percorria por todo o clitóris, ele lambuzou tudo, desde a buceta até o meu cuzinho pequeno e rosado, por aproximadamente cinco minutos. Ele então se levantou, o pau estava muito duro e eu vi ele colocar a camisinha que nem chegou a metade daquele pau.
- Calma, o negão aqui vai devagar, com calma... Sei que tu não tá acostumada com um pau grande assim mas prometo te deixar bem doutrinada. - Ele disse, e eu separei as pernas, deitada, Antonio veio por cima com todo o seu corpo, fazendo minhas pernas ficarem envolvidas no seu corpo e ele, passando a cabeça na buceta, penetrou lentamente. Caramba, senti a buceta se abrir com a cabeça e entrar, devagar, indo até a metade e imediatamente comecei a sentir uma onda no estômago e na barriga, que me fazia gemer. - Olha só, eu não coloquei nem a metade e já tá gemendo assim? Caramba, imagina quando eu socar tudo. - Eu estava com os olhos tremulos mas o negão começou a socar, subindo e descendo o corpo, eu vi o pau entrar e sair até a metade, fechei os olhos e abri o máximo as pernas. Antonio gemia junto comigo, as mãos passavam pelo meu corpo e toda vez que o pau entrava, sentia meus lábios acompanharem para dentro e para fora, era delicioso e instintivo. Mas ele não parava, colocou a mão na minha perna e foi me surrando, me jogando para a cama, que rangia e eu era praticamente arremessada. Quando ele foi aumentando o ritmo, eu tentei pará-lo dizendo para ele ir mais devagar, mas, ele sorriu e disse: Tudo bem, vou devagar... E nesse instante, ele parou, e foi penetrando, tudo. Todo o pau foi sumindo na minha buceta e comecei a tentar me levantar, comecei a gemer mais alto mas fiquei com medo de alguém ouvir.
Antonio me pegou e jogou minhas pernas para um lado só, deitada, fiquei curvada e ele veio para trás de mim, começou a socar com tanta força que eu era jogada para frente e para trás, o pau entrava como uma bala, e eu sentia tocar no fundo, eu botei o travesseiro na minha boca para impedir que o meu grito ecoasse. Minha bunda ficava vermelha e eu sentia aquele grunhido atrás, uivando de tesão, me apertando e me jogando para frente, as mãos me jogavam para trás novamente, indo diretamente contra o pau que minha buceta engolia.
- Com um rabão enorme desse tem que engolir todo o pau, sh.. Não chora. - Ele falava, batendo no meu rabo, acredito que ele tenha quase gozado quando, por fim, ele foi parando a metida e tirou o pau de dentro, vi aquele enorme pau cair para baixo e estava lambuzado. De quatro, agora, fiquei com as pernas bem juntas e Antonio ficou atrás, começou a socar numa velocidade que eu não aguentei ficar na posição, o pau entrava e saia tão rápido e fundo que eu era jogada para frente me desequilibrando completamente, até ele anunciar o gozo.
Ele agarrou a minha cabeça pelos cabelos e me fez ficar de frente para ele. Quando vi o pau, fiquei com medo pois a camisinha estava rasgada, pela metade do pau, acredito que pela camisinha ser pequena para o pau grande dele, e começou a masturbar rapidamente, ele gemia alto e pedia para eu abrir a boca, mostrar a língua. Deitou a cabeça na minha língua como uma caminha, e então os jatos de porra vieram e começaram a encher a minha boca, alguns maiores que outros e tudo começou a transbordar, engoli, cospi, mas no fim de tudo eu estava acabada, feliz, mas cansada e com dores.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.