"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Sodomizando a putinha carioca!


autor: victorlionheart
publicado em: 09/05/17
categoria: hetero
leituras: 1883
ver notas
Fonte: maior > menor


Era um feriado prolongado qualquer, quando uma galera que eu conheço resolveu viajar para o Rio de Janeiro. Nunca tinha ido mas depois dessa viagem, não vejo a hora de voltar.
Fomos conhecer a noite carioca e lá conhecemos muita gente, dentre elas uma deliciosa carioca que vou chamar de Joana de 22 aninhos, uma morena gostosíssima, corpo bronzeado que só as cariocas tem e cheia de marquinhas, uma bundinha empinada que cabia certinho nas minhas mãos e um par de seios durinhos e deliciosos.

Curtimos a noite juntos e então percebi que a galera tinha se arranjado e cada um foi para seu canto, curtir com quem havia conhecido no rolê e eu fiquei sozinho com ela. Como não conhecia nada na cidade, deixei ela me levar onde queria e fomos a sua casa. No caminho, ela me falava de um modo bem safada e com um sotaque que me deixava cheio de tesão que os gostos dela eram bem peculiares e que se entrasse na dela, seria a melhor noite da minha vida. Fui sem medo e ao entrar em seu apartamento na Tijuca, já nos agarramos como duas feras no cio. Ela abraçou meu pescoço me beijando e mordendo minha orelha, enquanto eu a segurava apertando a sua bunda e cruzando suas pernas na minha cintura, fomos andando até o quarto. Vestia um shortinho curto e bem apertado e dali já conseguia sentir o calor de sua bucetinha molhada, prontinha para ser fodida e o bico de seus seios duros aparecendo por baixo da blusinha branca que vestia me tentava a morde-los. Arrancamos as nossas roupas sem cerimonias e ela se deitou me puxando os cabelos entre suas pernas, me fazendo chupa-la com vontade, sentindo o gostinho de seu melzinho com o suor do seu corpo. A noite estava quente, ambos já estávamos suando muito quando montei em seu abdome, encostando meu cacete duro entre seus seios e deixando a cabeça tocar os lábios carnudos dela, que passou a chupar devagar, passando a língua e circulando, me olhando bem safada, inclinando então a cabeça e chupando com maestria.

Esticou as maos então para um criado mudo e abriu a gaveta, tirando um par de algemas de dentro.. “Não falei que tinha um gosto peculiar? So consigo gozar amarradinha...vai me fazer gozar gostoso?”, ela me disse enquanto ainda continuava a me chupar, como se fosse implorando. Peguei suas mãos e prendi com as algemas nas grades da cabeceira da cama, e pelas marcas, percebi que já havia sido presa ali muitas vezes. Aproveitando a situação, passei a foder sua boca fazendo a engolir minha piroca inteira e encostando minhas bolas em seu queixo, segurando até engasgar e tirar devagar, completamente molhado com sua saliva, batia em seu rosto e a cada tapa era um gemido e um pedido de “Mais forte, seu puto! Gosta de novinha? Então bate forte!” com aquele sotaque delicioso. Ergui suas pernas nos meus ombros, queria socar meu cacete todo dentro dela e a ouvir gritando, gemendo e me xingando cada vez mais...pincelei sua bucetinha que escorria em abundancia aquele melzinho gostoso e empurrei ele devagar, fazendo ela sentir cada cm. Seu corpo se contorcia e ela gemia deliciosamente de olhos fechados, os cabelos no rosto colados por causa do suor e quando faltava um pouco menos que a metade, movimentei o quadril e coloquei tudo de uma vez. Seu corpo tremeu e ali gozou pela primeira vez com um grito de tesão. Aumentei a velocidade das estocadas e alternava a força, a cama batia forte na parede assim como nossos corpos, quando ela gozou novamente.

- Me amarra de outro jeito, meu puto! Me deixa amarradinha de 4 que quero que você foda meu cuzinho e me arrombe gostoso!

Soltei suas algemas e ela voou em cima de mim, me beijando como se fosse me devorar, me marcando com as unhas e com mordidas, que eu retribui, como em agradecimento por ter feito ela de putinha do jeito que gosta. Ficou de 4 na cama com o rosto encostado no colchão, colocando as mãos por trás de suas coxas e me pediu para fechar as algemas e com uma corda que tinha em seu quarda-roupas, amarrasse seus tornozelos bem juntos.
Fiquei em pé na cama, vendo de cima aquele rabinho empinado, com uma marquinha de fio dental que mostrava o quanto a puta devia desfilar e chamar a atenção na praia, e agora era toda minha. Dei uma palmada forte, fazendo com que desse um grito de tesão e rebolasse pra mim, me provocando, repeti 3, 4 vezes até ver ficar vermelha. Lubrifiquei seu cuzinho com saliva e encaixei a cabeça, soltou um grito mais alto e depois mordeu o lençol enquanto ia colocando tudo dentro dela.

A forma que a amarrei fazia com que ficasse extremamente apertada o que dava ainda mais tesão. Aos poucos fui aumentando a velocidade dos movimentos e a forca como um bate-estacas e junto com elas vieram os gritos, gemidos, palavrões e xingamentos e outra deliciosa gozada, fazendo seu corpo todo se contrair e apertar meu pau dentro dela e me fazer gozar junto. Caímos os dois exaustos na cama, ela ainda amarrada na mesma posição, pedindo para ficar assim, até me recuperar e voltar a fode-la.

Assim passamos a noite toda e já passava a hora do almoço quando fui embora de sua casa. Não nos vimos mais durante o resto da viagem, mas seu contato está bem guardado para minha próxima visita ao RJ.

E-mail/Skype: victor.lionheart@hotmail.com



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.