"Os mais excitantes contos eróticos"

 

COMO TUDO COMEÇOU!-FOZ DOS OURIÇOS P3


autor: TGRIP
publicado em: 11/05/17
categoria: grupal
leituras: 628
ver notas
Fonte: maior > menor


COMO TUDO COMEÇOU!

Capítulo 18

03 de 04

Foz dos Ouriços

NOTA:
Aconselho a lerem desde o primeiro capítulo, para compreenderem tudo.


Anteriormente...

"- (Sónia) Eu tenho que beijar-te. Cada vez gosto mais de ti. Que orgulho do nosso homem, amiga.
- (Amílcar) Eu falo com ela. Ela já cala-se. Ela gosta de ti a sério, pá. E isso para ela é um desgosto. Mas, ela tem que ter calma com as coisas, nem todas as pessoas são iguais.
- (Nicole) O que se passa com ela? E tu ainda à pouco não estavas com ele e ela contigo?
- (Sónia) Ahhh...é um pouco complicado de explicar...
- (Bryan) Great, swingers. I love this country. You guys are fucking crazy.
- (Marta) PAULOOOOOO......"

Continuando...

- (Paulo) Paulo o caralho. Chora para aí que eu quero é lá saber.
- (Nicole) Mas então, tu és a mulher de quem aqui e tu és o homem de quem?
- (Sónia) Vamos andando que é melhor. Já explicamos. Ainda é longe?
- (Nicole) Não, é já ali, debaixo daquelas árvores.
- (Bryan) Swingers? Yes or no? Honey?
- (Paulo) Yes, man. Swingers. Couple friends and swingers.
- (Bryan) Ah, i love Portugal.
- (Paulo) Sim, já tinhas dito ainda à pouco. Este gajo deve ter saído de casa à pouco tempo, só pode.
- (Nicole) Não. Só que ele nunca pensou em ver swingers aqui em Portugal com este à vontade como o vosso. E ele bem queria o mesmo, mas, por causa da minha condição...
Agora não vai deslargar-me com isto.
- (Amílcar) Eu vou falar com a Marta. Vão andando, que eu já vou ter convosco.
- (Sónia) Ok.
- (Paula) Nicole, deverias pensar nisso com pés e cabeça. Caso queiras te pôr nesse mundo, faz sempre com preservativo. Cuidado com as doenças.
- (Nicole) Eu sei isso. A razão porque eu não quero nada disso. Eu sou muito mente aberta, como devem ter visto, não tenho problemas, mas tenho muito medo das doenças, especialmente...
- (Bryan) What? What? Nico, say something...
- (Nicole) Calm down, sweetie, your're to excited. I'm talking with the girls.
- (Paulo) Manda-o ter com a Marta, que isso passa-lhe num instantinho.

O que a Sónia riu-se com isto. (E a Marta a aqui a dizer que não é nenhuma puta. Desculpa, Marta. Só és puta para nós, eheh. Não se estejam a rir do que eu estou a escrever, vocês todos são umas putas para mim. Agora, shhh, que eu estou a escrever.)
Com a Sónia e a Paula a conversarem com o Cafézinho e o Bryan a babar-se todo em cima das três, eu e o Nuno, lá chegámos ao carro deles.
Fodasse, esta merda estava muito perto da praia. Mais perto que a nossa, caralho.
Pousámos as merdas e toalhas no chão.
O Amílcar vinha com a Marta agarrada ao braço dele e ela a olhar para mim.
Aquele olhar deu-me uma pena dos diabos.

- (Paulo) Aguentem aí um pouco que eu vou cagar.
- (Nuno) Porra, e era preciso dizer isso assim?
- (Paulo) Querias que eu dissesse como? Em inglês?
- (Nuno) Não, mas, vamos comer.
- (Paulo) Não te preocupes, eu vou cagar ali mais ao lado, quando acabar eu chamo-te para seres servido.
- (Nuno) Não é isso...
- (Paulo) Então vê lá se te decides que eu estou à rasca. Desde ontem que ando com esta merda no anel e cadinho cago-me todo é aqui.
- (Nuno) Vai-te lá embora.

Fodasse, estava à rasca. É com aquela merda no cu, nem para dar um peidinho.
Nem percebo como é que existe gajas que gostam de andar com isto no cu o dia todo.
Andei uns metros e atrás de uma árvore, tentei tirar aquilo do cu.
Que sacrifício. Esta merda é fina numa ponta, mas tem um cabeção do caralho no outro lado.
Nem consigo compreender, como é que esta merda entrou tão bem ainda ontem à noite?
Deve ser da pouca experiência que eu tenho de enfiar estas merdas no cu, só pode, pois ela, quando o pôs, eu mal o senti.

A fazer força para cagar, aquela merda saltou, parecia uma rolha.
Olhando para baixo e a cagar no vermelho, é que percebi o tamanho daquela merda.
Uns bons 5 a 6 centímetros dentro de mim.
Fodasse, a noite toda e a viagem e a manhã inteira com 6 centímetros de metal dentro de mim.
Que paneleirão que eu estou a tornar-me com estas merdas. (O Nuno está a dizer, que agora é que eu estou a falar a verdade...)
Tinha merda a sair do cano que não parava. Parecia que tinha tomado o Pau de Cabinda mais uma vez.
Apanhei um pauzinho e comecei a esgravatar o chocolate Dove à procura do objecto, mas nem sei como é que o ia agarrar.

- (Marta) Paulo.
- (Paulo) Ô fodasse, que susto caralho. Queres matar-me do coração? Vens interromper um homem quando está com as "calças em baixo"? Espero que não venha mais merda. Esta já chega.
- (Marta) Não. Eu fico deste lado. Quero-te pedir desculpas.
- (Paulo) E não podias esperar primeiro que eu acabasse?
- (Marta) Isso não me incomoda. Já passei por pior.
- (Paulo) Porra, nem quero imaginar. Desculpas sobre o quê?
- (Marta) Sobre aquilo que eu te disse ainda à pouco. Eu não deveria dizer-te aquilo.
Aquilo que eu te disse, era o que o Amílcar fazia-me a mim e como eu gosto de ti, estava a fazer-te igual.
Eu não quero isso para nós.
- (Paulo) Nós? Qual nós? Não existe nós nenhum.
- (Marta) Não existe, mas, queríamos que existisse.
- (Paulo) Opa, primeiro, não sou eu que tomo as decisões, como tu viste ontem. Somos os quatro, decisão unânime. O que eles decidirem, eu aceito.
- (Marta) Nós fazemos qualquer coisa.
- (Paulo) A sério?
- (Marta) Sim, tudo o que pedirem, nós fazemos. Mas, pensa bem, em aceitarem-nos no vosso círculo.
- (Paulo) Pfff....não é círculo. Olha, então vá lá buscar uns guardanapos para eu limpar a peida que no fatinho que a minha mãezinha me fez quando eu nasci, ela esqueceu-se de fazer uns bolsos.

A minha Martinha, começou a rir-se e lá foi ela, num passo apressado a agarrar uns papéis para eu limpar o cu.
(Sim, eu esqueci-me dos papéis, porra, nunca esqueceram-se de nada, caralho?)
Enquanto eu esperava com o cu ao léu, olhando, para ver se não via nenhuma tartaruga com os corninhos ao sol à espreita, lá estava entretido, com o meu pauzinho (de madeira), a esgravatar na merda, para tirar o Glorioso.

- (Marta) Está aqui os papéis. Queres que eu limpe?
- (Paulo) Não, fodasse, deixa estar que eu não sou coxo. (Limpas com as pernas, pergunta o Nuno...nem te respondo.)
- (Marta) Que estás a fazer?
- (Paulo) Estou aqui à procura da tua marca. Caguei nela...
- (Marta) Deixa estar que eu apanho.

Caralho, espetou a mãozinha dela no meio da minha merda. Epa, isto é mais que um casamento.
Nem a minha esposa fez tanto na nossa intimidade, como ela acabou de fazer.

- (Marta) Está aqui. Dá aí um papel, para eu limpar.
- (Paulo) Fodasse, sem problemas nenhuns? Assim, sem mais nem menos? Se eu já tivesse comido, até vomitava-me todo.
- (Marta) Como eu já te disse, eu gosto de ti. Tudo o que venha de ti ou do meu marido, não me dá nojo. E eu já fiz pior...
- (Paulo) Ok, ok. Não preciso de pormenores. Vamos lá ter com eles.
- (Marta) Dás-me um beijinho.
- (Paulo) Aiaiai, que ainda sou morto à tua conta. Um pequenino, tipo bate-chapas.

Puta do caralho, deve ser surda ou faz-se.
Agarra-se a mim, com uma força do caralho. Baixa e com força, gajas do Alentejo são do caralho.
Começa a beijar-me com uma gana e a lambuzar-me a cara toda.
A esfregar aquelas mamas lindas e tesudas no meu peito besuntando os leites do marido e claro que o Paulinho, cresceu e ela sentiu.

- (Marta) Eu sabia. Eu sabia. Ô lindo, desculpa por tudo. Não me deixes. Eu quero-te muito.
- (Paulo) Fodasse, chega para lá, maluca do caralho. Cheiras a merda. (Estão a dizer que eu não disse isso...perguntem-lhe a ela então, está ao vosso lado.)
Já te disse, que tens que falar com eles todos primeiro.
O que eles disserem, por mim, é a decisão, gostes ou não.
- (Marta) Mas, isso cresceu quando eu beijei-te. Quer dizer qualquer coisa, não?
- (Paulo) Sim, que sou novo e esta merda tem vida própria. Vamos mas é embora, que eu estou cheio de fome.

Fodasse, doida do caralho, só me sai é disto nas rifas.
Se eu pudesse juntar, o cabelo de uma, a boca da outra e os olhos com as mamas desta com o tamanho do cafézinho, tinha a mulher perfeita.
Bem, como eu já tinha dito antes, não se pode ter tudo, fazemos como o pica-pau. Pica-se aqui e pica-se ali.
Eu quando for velho e relembrar-me disto, vou pensar, ainda bem que fazia isso. Sempre é melhor que nada.

- (Nuno) Então pá, engoliste o brinquedo? Tanto tempo?
- (Paulo) Muito preocupado que tu estás, aí sentado? Pensas que o meu cu é igual ao teu?
- (Nicole) Mas, Sónia, ver se eu compreendi. O Nuno é teu marido e o Paulo é marido da Paula e a Marta é esposa do Amílcar.
- (Sónia) Isso mesmo.
- (Nicole) E tu trocas com a Paula e andas com o marido dela e ela com o teu e o Amílcar é teu primo e anda contigo e com a Paula e com o Nuno e a Marta, anda com o teu marido e com o Paulo?
- (Paulo) Fodasse, o quê? O Amílcar o quê?
- (Sónia) Não. A Marta, foi só com o Paulo, o Nuno nunca teve nada com ela.
- (Paulo) Eu ouvi bem? Ou já não estou a perceber nada do que eu ouvi?
- (Nicole) Mas vai ter alguma coisa entre os dois?
- (Sónia) Talvez, não sei. Depende se portarem-se bem.
- (Nicole) Então, os 6 são swingers e bisexuais?
- (Paulo) Bisexuais o caralho...
- (Sónia) Sim.
- (Paulo) Sim? Mas tu estás doida?
- (Sónia) O que quer dizer bisexuais?
- (Paula) Não sei.
- (Nicole) Sweetie, it's true. Bisexual Swingers, all of them.
- (Bryan) FUCK. Are you sure?
- (Nicole) Yes, i'm sure. Sonia's just told me that, right now.
- (Bryan) Can we join?
- (Paulo) Can we join o caralho ta foda. Então, mas que merda de conversa é essa, ô Dª Sónia?
Dª Paula? Não estejas a esconder a cara. Então não havia mais mentiras e segredos e pelo o que eu percebi, o Amílcar, papou-te a ti, à prima dele e comeu o cu ao Nuno?
- (Nicole) Love, Amílcar and Sónia are cousins, and he fucked her husband in the ass and eated Paula. Paulo's just discovered right now.
- (Bryan) OH MY GOD. I'm in paradise. We need to live here to, honey.
- (Paulo) Epa, calem-se caralho.
Então, não tens nada para me dizer?
- (Sónia) Sim, é verdade. Ele comeu-me a mim, à tua mulher e ao Nuno.
- (Paulo) A ti e ao Nuno eu tinha visto, mas a Maria? A minha Maria?
- (Paula) Ô mor, foi no calor da brincadeira.
- (Paulo) E que brincadeira. Srº Amílcar, não diz nada?
- (Amílcar) Eu só fiz o que me mandaram fazer.
- (Paulo) Ok, se é assim, então ficam já avisados que a Marta quer entrar com o Amílcar no nossa nossa quadratura intíma. E da minha parte é um GRANDE SIM, mas a Marta. O Lelo fica de fora.
Mentirosas do caralho, a esconderem-me as....
- (Marta) Meninos, nós queremos muito entrar no vosso círculo amoroso. Mas queremos que seja tudo como deve ser e respeitando as vossas regras.
Já sabem o que nós pensamos. Esperamos que a vossa resposta seja afirmativa.
- (Sónia) Temos que pensar, não é amiga.
- (Paula) Sim, deixem pensar bem sobre isto. Vamos comer primeiro e depois já dizemos qualquer coisa.
- (Nuno) Por mim é sim, mas sem as merdas de ontem. Ainda dói-me o cu.
- (Amílcar) Obrigado, primo.
- (Nuno) Primo o caralho. Tás ma dever uma na peida.
- (Amílcar) É quando quiseres, tás à vontade.
- (Nicole) They're fucking crazy, dear. Maybe, we...
- (Bryan) I love em. I love portuguese guys.

Bem, começamos a comer.
Sandezinhas e uma das geleiras, mais pesada, estava cheia de cervejas geladinhas.
O casalinho amigo, tirou uns pedaços de frango assado e umas batatas fritas.
O Amílcar tinha trazido cervejas que dava para um exército.
O Bryan, todo contente, mamou logo uma a dizer que a nossa cerveja era muito boa.
Salta três chouriços de carne e uma morçela.

- (Bryan) What's that?
- (Nicole) You going to love it.
- (Paulo) As chouriças eu compreendo, mas a morçela? Assamos isso aonde? Ao sol?
- (Amílcar) Claro que não. Tenho aqui uma assadeira de barro e o bagaço puro para acender isso.
- (Nuno) Daquele que fazes?
- (Amílcar) Esse mesmo.

Porra, este gajo trazia merda cumô caralho na marmita. Era por isso que eu vinha tão carregado.
Cortámos os chouriços e a morçela, com golpes finos e lá pusemos a assar.
Demos a primeira rodela aos nossos amigos recentes e o Bryan a dizer que era muito bom.
Este gajo vem de longe para descobrir o mundo aqui em Portugal.
E o tempo passou e já estavamos a ficar quentinhos. Bebemos cerveja e vinho tinto. E depois começámos no bagaço (que até queimáva por dentro.)
O Bryan já cantáva, todo feliz.

- (Sónia) Bem, vamos lá por os pontos no is. O que voçês dizem, deixamos eles entrarem no nosso grupo? Porque é que tens o peito branco?
- (Paulo) O peito branco? Sei lá. Foi uma merda que eu carreguei e sujei-me, não sei...Sobre o assunto, a minha resposta é sim. Fizeram-nos o que nos fizeram, porque mentimos sobre o Carlos, até aí, eu compreendo.
Agora, vocês também esconderam aquilo que eu acabei de saber ainda à pouco.
Por isso, por mim, é SIM.
- (Sónia) Até admirava-me se dissesses que não.
- (Nuno) Por mim, também é sim. Depois de ontem e daquela noite o ano passado. Acho que já não existe problemas nenhuns com eles. E eles até mudaram o estilo de vida por causa de nós. Temos que ver isso como um ponto positivo, somos boas companhias para eles.
- (Paula) Eu nesse aspecto, também concordo. O Amílcar nem parece o mesmo. Mais calmo e nada daquela agressividade na esposa dele.
- (Paulo) ...passou para ela.
- (Sónia) O que estás a dizer?
- (Paulo) Nada, não disse nada. Estava a pensar aonde eu sujei-me de branco...
- (Sónia) Bem, Paula, é um sim ou um não?
- (Paula) Errr... sim. Pode ser.
- (Sónia) Eu estou indecisa, não sei o que dizer. Se aceitar, tem que ser com uns pontos bem assentes.
Amílcar e Marta, podem aqui chegar.
- (Amílcar) Já decidiram, prima?
- (Sónia) Todos, menos eu.
Então é assim. Eu aceito com umas condições.
- (Marta) E quais são as condições?
- (Sónia) Começa já por ti. Ninguém é teu. Ninguém é de ninguém. Temos esse ponto bem assente numa das regras. Mesmo que grites e esperneies. Ninguém é obrigado a fazer nada que não queira.
- (Amílcar) Sim, prima. Eu e a Marta, vamos nos reger nas vossas regras. Acho que quem teve a idéia, foi muito inteligente.
- (Sónia) Obrigado, a idéia foi minha. Muito bem e a outra é para os nossos meninos.
- (Paulo) Ok, já sabia que ia nos calhar alguma coisa. Não meto mais merdas no cu.
- (Sónia) Não. Nós queremos um cheque em branco, para mim e para a Paula, na Nazaré.
- (Paulo) Um cheque em branco?
- (Nuno) Queres um cheque para quê, se temos cartão?
- (Sónia) Vocês são espertos é quando querem. Um "CHEQUE EM BRANCO", é para nós as duas, fazermos o que quisermos com outros gajos, como vocês fizeram com a Xana do 2º Dto. Ou pensávam que nós já nos tinhamos esquecido.
- (Paulo) Quais outros gajos? Uns gajos quaisqueres?
- (Sónia) Sim, uns gajos quaisqueres, que eu e a tua esposa vamos engatar quando estivermos na Nazaré.
- (Nuno) Não me sinto bem com isso.
- (Sónia) Nem nós, quando soubémos pelas mãos da Xana o que vocês fizeram.
- (Paulo) Quanto tempo esse cheque demora a cobrar?
- (Paula) Uma noite ou umas horas.
- (Paulo) Ah, também estás metidas nisto. Eu sabia.
Foste tu, Amílcar, que deste esta merda de idéia?
- (Amílcar) Pá, tanto eu como a Marta, não sabiámos disto. Não fomos nós que demos a idéia.
- (Paulo) É isso que querem, não é?
- (Sónia) Só um cheque em branquinho sem consequências para nós as duas. Vocês os dois divertiram-se, nós também queremos.
- (Paulo) Se é isso que querem, que se foda, por mim, pode ser. Ver se isto acaba de uma vez por todas.
- (Sónia) Nuno?
- (Nuno) Ele tem razão e vocês também. Sim, mas só um cheque.
- (Sónia) Muito bem. Amílcar e Marta, a minha resposta é sim. Bem-Vindos ao nosso grupo.
Agora não se ponham com as idéias que tinham antes.
- (Amílcar) Sim, prima.

A Marta, contente, agarrou-se a todos nós e começou a querer beijar-nos na boca.
Ia dizendo obrigado a torto e a direito.
E de repente olhou para mim.
Ái Jasus, que eu ia ser comido vivo.
Os nossos amigos mais recentes, estava entretidos. O Cafézinho, estava entretida com o piço do marido, enquanto ele, sentado e encostado a uma árvore pequenina, tipo arbusto, lá ia olhando para nós ou elas.
Começou a rir-se para nós.

- (Paulo) Esta gaja gosta mesmo de mamar na piça. Está sempre com ela na boca.
- (Nicole) E eu continuo a ouvir.
- (Paulo) Epa, tinha-me esquecido que ouvias bem, mas, é verdade, tu mamas cumô caralho.
- (Nicole) Não gostas?
- (Paulo) Não sei, nunca fiz isso. Nem tenciono fazer.
- (Nicole) Elas tinham razão, tu trocas tudo o que uma pessoa diz. Isso é engraçado.
O que eu perguntei, foi, se não gostas que te chupem nesse pau?
- (Paulo) Não vês que sim, já acrescentámos, mais dois mamões ao nosso grupo.
- (Bryan) What he's saying, honey?
- (Nicole) He said, he love a great mouth like mine to suck his cock.
- (Paulo) Eu não disse nada disso. Agora quem é que troca as coisas?
- (Bryan) Are you sure, Nico? And your condition?
- (Nicole) Ye, i'm sure. Maybe it's the last time we do this.
- (Bryan) Can we suck together?
- (Paulo) O quê?
- (Sónia) O que estão aí a falar? Porra, falem português, senão nós não compreendemos.
- (Nuno) Não é preciso, que até eu estou a gostar da conversa.
- (Nicole) Calm down, baby. I need to ask the ladies first, if we can do that.
- (Bryan) Ask, ask. Oh, please ladies, say yes, say yes.
- (Amílcar) Eu estou como elas, não estou a perceber um caralho.
- (Nicole) E é isso mesmo. Ele quer chupar-vos, comigo.
- (Sónia) Eu ouvi bem? Mas não conhecemos-vos de lado nenhum e querem-se misturar connosco.
- (Marta) Os piços de quem?
- (Nicole) De todos. Ele está à rasca para realizar a fantasia dele. Eu nunca tive coragem, mas com vocês aqui, estou em tentada em fazer isso com ele.
O que me dizem?
- (Amílcar) Eu tenho aqui preservativos.
- (Paulo) Até me admiráva se não tivésses.
- (Paula) Se for com segurança, por mim, não tenho problemas.
- (Sónia) Esse cheque em branco, vai vos sair muito caro.
- (Nuno) Não quero saber.
- (Nicole) Podemos gravar o que vai acontecer? Eu gostaria de ter esta lembrança.
- (Paulo) Sim, se já nos lixaram ainda à pouco, só têm de prometer é que não metam isso na net.
- (Amílcar) E eu também vou por isso a gravar para nós.
- (Nicole) Claro que sim. Achas? Gosto muito da discrição e sigilo, especialmente, porque somos nós que vamos fazer esta maluqueira. Love, we got thumbs up. We're good to go.

Eu estava encostado à árvore com a minha esposa ao meu lado.
Aquele camôn, levantou-se e de joelhos veio logo na minha direcção.
A Nicole posicionou telémovel dela no carro e o Amílcar a câmera que tinha trazido.
Tinha o piço murcho e ele já vinha a babar-se todo.
A minha esposa, pôs-lhe a mão à frente e ele olhando para ela e para mim, não percebeu o que se iria passar.

- (Paula) Parece que tinhas razão.
- (Paulo) Eu prevejo o futuro.
- (Paula) E agora?

A minha linda esposa, quis ajudar.
Começou a punhetar-me, carinhosamente, com a boca do Bryan tão perto do meu pau.
Um bafo quente saía daquela bocarra.

O Amílcar, na malinha da câmera, tinha uma carrada de galochas.
Parece que este gajo vinha preparado para alguma coisa aqui na praia.
Deu algumas à Nicole e deixou a mala aberta em cima da toalha para quem quisesse.
A minha Maria, começa a bater na cara do Bryan com o meu piço.

- (Bryan) More. More. Give me more.
- (Paula) O que ele disse?
- (Paulo) Que és uma mulher muito bonita.
- (Paula) Diz-lhe que eu agradeço o comentário.
- (Paulo) She's going to hit you harder, it's better if you close your eyes.
- (Nicole) Nem imaginam o quão ele está doido hoje. Ele sonhava com isto à anos, ainda antes de nos casarmos, ele já tinha-me dito que queria fazer isto comigo.
- (Paula) E é só ele que quer ou tu também estás à rasca?
- (Nicole) Eheh, estou à rasquinha, mas não lhe digam nada.

Ao dizer isto, ela abre a galocha e o camôn, já estava a chupar-me os tomates de olhinhos fechados.
O Cafézinho, olhando para a minha esposa, como medo de alguma represália da parte dela, começa a desenrolar a galocha no pau erecto.
Ao mesmo tempo, que ela vai fazendo isso, a minha cabeça vermelha, pára.
A Nicole, começa a chupar-me o pau, com o marido a continuar a chupar-me as bolas.
Ele vai subindo devagar e chupa-me o nabo e alterna com a boca da esposa dele.

Só tinha sentido ainda a boca de dois paneleirões. O Nuno e o Carlos.
E esses eram portugueses. Eu preferia as bocas deles do que deste britânico.
Mas é verdade, o que eu estou a dizer. Este caralho pode ter as taras que tem, mas faz esta merda muita mal.
Preferia só a Nicole, ela sim, é experiente. (E o menino aqui atrás consente que sim, pois também teve direito ao que eu tive.)

Uns 5 minutos, aqui neste lado e foram para o Nuno.
Ele não é de falar muito e a Sónia veio para o lado da Paula.

- (Sónia) Então e nós? Não temos direito a nada?
- (Nicole) Claro que sim, Sónia.

Puta do caralho, lançou-se à coninha da minha amante.
Abriu-lhe as pernas e começou a lamber o grelinho e os lábios vaginais da minha Sóninha.
A Sónia como assustada, agarrou-lhe a cabecinha. (Que medo que tu estávas, não é Sónia?)
A Nicole, olhando para a minha esposa, diz.

- (Nicole) A seguir és tu.
- (Paula) Acho que sim. O que ela tem direito, eu também quero.
- (Sónia) Tu não, amiga...
- (Marta) E eu também quero.
- (Nicole) Vem para aqui que eu já trato de vocês todas.

Ao dizer isso, o Bryan, ao ver a Marta a levantar-se e ir junto para ao pé de nós, agarra o malho do Amílcar com o do Nuno na boca.
Punhetáva um e chupava o outro.
Este gajo queria era piças e com uma mulher destas.
E eu é que sou o bisexual....

A Marta, ao chegar ao pé de nós, senta-se em cima do meu pau, que ainda estava teso com o que via.
Sentar-se em cima, é um modo de ver as coisas. Enfiou ele lá dentro.
Aquela conaça larga que ela tem, molhada como eu só sei, e com o meu nabo dentro dela.
Encostando-se ao meu peito, deitando a cabeça no meu ombro e pondo o braço por trás de mim, fazendo cócegas....
Não, não era na minha orelhinha. Era no cabelo da minha esposa, que estava sentada ao meu lado a enfiar uns dedinhos na cona, enquanto via a melhor amiga dela a ser lambida por outra fémea, que não é ela.

A Marta, mexia-se devagar. Nada daquilo de ontem, bruta do caralho.
A Sónia, ciumenta, olhando para mim e para ela, agarra na cabeça da Nicole com mais força.
Um dos dedos da Marta, ia se deslocando na direcção da boquinha da minha esposa, pondo ela a lamber.
Ái, o meu caralho. Ainda à pouco ela esteve a mexer na merda a apanhar o brinquedo e agora está a por os dedos na boca da minha esposa?
Eu ia acenando, muito sorrateiramente para a Maria e piscando-lhe os olhos, mas ela, estava mais preocupada com o que a Nicole, estava a fazer à coninha da amiga que tinha sido só dela, até hoje.

- (Marta) Nicole, também quero.
- (Nicole) Claro.

Saíndo da coninha da Sónia, começa a chupar o grelinho à Marta com a minha piça ainda lá dentro.
A sensação é muito boa, sentir uma lingua, húmida e quente a lamber uma conaça e ainda mais quando o meu nabo está lá dentro, devagarinho a entrar e a sair.
Uma sensação que eu descobri com o Nuno, quando ele fez-nos o mesmo.
Distraído, os dedos, que estavam na boca da minha esposa, agora estão na minha.

- (Paulo) Porra, isso não?
- (Nicole) Eu?
- (Paulo) Não, tu estás a trabalhar bem, podes continuar. Marta, tira lá os caralhos dos dedos da minha boca, que eu sei o que fizes-te ainda à pouco.
- (Marta) Mas tu gostas...
- (Paulo) Gosto, mas é sem sabores.
- (Marta) Não sejas assim. Eu não sou porca. Eu lavei as mão com o bagaço do Amílcar.

Fodasse, tinha razão. Cheiráva a bagaço.
Se é assim, podes deixar.
Continuando com os dedos dela na minha boca, enquanto a Nicole, estava a ensinar inglês à parte de baixo da Marta.
O Bryan, também deveria estar a ensinar inglês ao Nuno, pois ele ainda não o tinha deslargado.
Aquele caralho, até se tinha recostado para trás e de olhos fechados.
O Amílcar, parece que ia ensinar-lhe português e sem acordo ortográfico.
Estáva a posicionar-se atrás dele, esfregando aquele cuzinho britânico.

O Amílcar, começa a acenar para mim a dizer que ia arrunfar o cu àquele paneleirão.
É assim mesmo, Amílcar. Vamos para a terra deles para nos foderem no trabalho e eles cá são fodidos por nós no rabo.
Este gajo é dos meus.
Espeta-lhe o dedo e o Bryan, nada.
O Amílcar começa a querer enfiar a pichota e com um dedo em cima dela, para ajudar o penetramento e bimba, cabecinha enfiada.
Acena-me com o dedo polegar a dizer "já lá mora".

- (Paulo) Nicole, parece que o teu marido gosta muito de chouriça de carne portuguesa.

Ao dizer isso, ela virou a cabeça e viu o marido a continuar a chupar o Nuno e a ser encavado pelo o Amílcar por trás, que nem uma putinha britânica.

- (Nicole) Parte esse cuzinho a esse paneleirão. Mostra o que é carne portuguesa. Bryan, do you like the new sensation.
- (Bryan) It hurts a little, but i dont care.
- (Nicole) You're a fucking bitch. My bitch from now. And i'm going to turn your slut wife. You want that?
- (Bryan) Yes and i love the ideia. I'm your little sissy and you're my slut wife. I love you so much, Nico.
- (Paulo) Porra, apanhas-te o vício da Marta?
- (Marta) O que ela disse?
- (Paulo) Mas eu agora sou o tradutor da hora?
- (Marta) Sim. O que ela e ele estão a dizer?
- (Paulo) Ela está a dizer que tu com o meu pau dentro de ti, é a melhor coisa que comeu. E ele está a dizer que também quer provar assim. (Fodasse, sou um aldrabão de primeira)

A Marta, ao ouvir aquilo, agarra-lhe no cabelo loiro e espeta-lhe a fuça na cona.
As minhas meninas, não me esqueci delas. Não...
Só que tinham-se levantado de onde nós estavámos e puseram-se deitadas dentro do carro na parte de trás.
Como não aparecem mais no vídeo, não sei o que elas estavam a fazer para eu poder descrever.
Só me dizem que estavam a fazer coisinha boas. (E continuam a mentir...)
E ficaram por aqui.

A Marta, estava a mostrar aquela parte dela.
Agarrando aquele cabelinho da Nicole, afasta-a e cospe-lhe na cara.
Ui, o Lelo está de volta.
Daqui a pouco tenho o Cafézinho a fugir a sete pés.

- (Nicole) Adorei. Mais.

E a Marta, voltou a cuspir-lhe na cara.

- (Nicole) Mais, quero muito mais.

E continua a cuspir e dá-lhe umas chapadas na fuça.
E ela a pedir mais e com força. E gemia cumô caralho.
Ao mesmo tempo que a Marta, punha ela e tirava e cuspia e punha de volta e voltava a tirar e batia-lhe na cara.
Eu, ali, mesmo por baixo dela, lembrei-me do dia de ontem com ela.
Bem, espero que não se lembre de lhe por o Glorioso.

Ao mesmo tempo, que eu pensava isso, a Marta, saca-me do piço, tira-lhe a galocha e mete a Nicole a chupar.
Tou fodido com esta gaja. Então diz que é para se reger nas nossas regras e a primeira coisa que faz é fazer isto.
Existe uma infíma chance de apanhar-se Sida por sexo oral, muito pequenina, mas existe.
Imaginamos que eu apanho herpes labiais na pichota?
Fodasse, que se foda, mas tenho que a avisar, que sem galocha entre nós, tudo bem, com pessoas que não conhecemos de lado nenhum, é tolerância zero. (E foi mais que avisada, o problema é ela ouvir, mas isso fica para uma outra história.)

Voltando ao que interessa, a Nicole, como eu tinha dito ainda à pouco, chupava muito bem. Ela era garganta funda, aquela puta. Engolia tudo até ao talo.
Ao mesmo tempo que a Marta a obrigáva a por na boca, numa das bochechas, dáva-lhe uns palmadões naquela cara, que até a mim doía-me, pois eu já tinha passado pelas mão dela, ontem à noite.
A Nicole, estava a adorar.
Mulheres, são todas iguais. Feitas todas na China.

- (Marta) És uma puta, não és?
- (Nicole) Sim, sou.
- (Marta) Uma puta como o paneleirão do teu marido. Eu percebi-me logo quando te vi.
Queres ser a minha puta hoje, Nicolezinha.
- (Nicole) Sim, sim.
- (Paulo) Vê lá no que é que vais ter meter, não vais gostar.
- (Marta) Lindo, cala-te. Não faço contigo, mas não quer dizer que não faça com os outros isso.
- (Paulo) Ô minha linda, de olhinhos azuis. Faz o que quiséres, desde que eu não me foda.
- (Marta) Queres sentir ele, puta. Queres sentir o meu pau grosso nessa coninha?
Queres por os cornos ao teu marido? Ele mereçe, não mereçe?
- (Nicole) Sim, sim.
- (Paulo) Mas tu só sabes dizer que sim?
- (Marta) O que vais fazer agora então, diz-me sua puta de merda.
- (Nicole) Vou espetar esse nabo grosso dentro de mim e pôr os cornos ao mariconço do meu marido.
- (Marta) Não, eu não disse isso. Eu disse que ias por os cornos ao teu marido. Este pau grosso é só meu.
- (Paulo) Fodasse, estáva a gostar da conversa.
- (Marta) Chupa ele bem chupadinho. O que tu és para mim, diz lá?
- (Nicole) Sou uma puta, uma puta... a tua puta.
- (Marta) Linda menina, aprendes rápido. Aproveita, que eu já venho.

Gosto mais desta Marta de hoje do que o Lelo de ontem.
A Nicole, estava empolgada, já sufocáva no meu malho.
O Amílcar, vendo ela de cuzinho para o ar, já vinha lançado.
O Nuno, esperto, começa a dizer ao Bryan, que é a vez dele de comer o rabinho a ele.

- (Marta) Amílcar? Aonde é que pensas que vais?
- (Amílcar) Pensei que já tinhas acabado.
- (Marta) Achas? Mas, podes lamber o cuzinho à minha putinha nova.
- (Amílcar) Já estás outra vez nisso?
- (Marta) Nicole, quem é a tua dona? E o que tu és a mim.
- (Nicole) És tu e eu sou a tua putinha.
- (Marta) Vês, precisas de mais alguma informação? Estás à espera do quê?
- (Amílcar) Ô amor, é já. Cuzinho lambido, o que estás a pensar em fazer?
- (Marta) Ninguém come-lhe esse cuzinho, senão eu.
- (Paulo) Porra, não me digam que trouxés-te um strap-on para a praia.
- (Marta) Não, é com a garrafa de vinho tinto.

A Marta, começa a rir-se como na noite anterior.
O Amílcar a lamber o cuzinho à Nicole e ela a lamber (engolir) o meu nabo.
O Nuno, a comer o cuzinho ao Bryan e apontar-me 5 dedos. Porra, este caralho já ultrapassou-me.
Dentro do carro, eu só via os pés a mexerem-se.
A Marta começa a espetar o gargalo da garrafa no cuzinho da sua putinha nova.

- (Nicole) OH GOD. DON'T STOP. IT'S SO GOOD.
- (Marta) O que é que ela disse?
- (Paulo) Disse que é pouco e quer mais.
- (Marta) Putinha maravilhosa, é pena não morares cá, que eu fazia-te uma linda vida. Queres mais, eu dou-te mais.

A Nicole, gritáva e urráva.
O Bryan, chegando-se ao pé dela, com o Nuno atrás dele, parecia que ia com o carrinho de mão.
Agarrando-lhe as mãos, como a pedir força à sua esposa.
Ela, cagou no meu pénis. De boca aberta a gritar e ainda bem, senão ainda me mordia o piço.
Eu nestas merdas de quando elas começam a berrar, tenho sempre receio dos dentes.
A Marta estava com a gana toda, deve estar a vingar-se de ainda à pouco.
O Amílcar por debaixo da Nicole, que estava a perder as forças nas pernas e abrindo-se que nem um sapo em cima da boquinha do Amílcar.
Ao mesmo tempo que espetava na gruta da esposa, onde ainda à pouco esteve lá o meu.

- (Nicole) Honey, it's so good. I want more, oh God, why you did that to me, why?
- (Bryan) I told you, didnt I? Enjoy my love, we going to have more, dont worry.
- (Nicole) I don't care if it's the last one. I need to feel a bitch here.
- (Bryan) Yes, yes. I want that to. For both of us.
- (Marta) Porra, não percebo nada do que eles dizem?
- (Paulo) Estão a dizer que temos que ir com eles para o Reino Unido.
- (Marta) Isso é longe. É melhor aproveitarem aqui o que nós pudemos dar a eles.
Quando voltarem lá para aquela merda, nunca mais se vão esquecer de nós.
- (Paulo) Da maneira que estás a enfiar essa garrafa, daqui a pouco, vai com ela enfiada no cu e tudo, pois não a vais conseguir tirar.
- (Marta) Eu sei, lindo. Ganha vácuo. Já passei por isso com uma garrafa de champanhe, mas na nossa coninha.

Fodasse, já mexeu em merda e fez pior. Já comeu com uma garrafa de champanhe na cona e qual terá sido a marca do espumante?
Esta gaja é muito acelerada. E a Nicole estava a adorar o aceleramento dela.

- (Nuno) Estou quase a vir-me, pá.
- (Marta) Na minha boquinha. Já à muito tempo que não sinto o teu gostinho.
Para mostrar à tua esposa, que vocês são todos meus.
- (Nuno) Sim, toma lá o que é meu. Engole, prima linda.

Ao ver aquilo, a minha Marta de olhos azuis a chupar a gaita ao meu melhor amigo, com a Nicole a punhetar-me, quase que me vim. Quase, o caralho, vim-me mesmo.
E com ela ainda ocupada no piço do meu irmão, agarrei o nabo e acabei o serviço na cara da Nicole.
Como sabem, foi para todo o lado.
Ela com a carinha normal é linda e com os meus leites naquela fuça ainda mais linda ficou.
O Bryan, lançou-se à cara da esposa e começou a lamber a obra de arte que eu tinha acabado de fazer.
Ao mesmo tempo que ela sentia a língua do marido a lambê-la, diz que se estava a vir e começa a estremecer por todo o lado.
Agarrando a cabeça do marido e a beijá-lo com força e ao mesmo tempo a gritar.

Eu encostei-me à minha "árvore".
O Nuno encostado à "árvore" dele e continuando a apontar 5 dedos, sorrindo.
O Amílcar disse que já não aguentava mais. E explodiu na cona da esposa dele.
A Marta, pára de empurrar a garrafa e consegue a tirar do cuzinho da Nicole. Muita experiência tem esta gaja.
A Nicole, virando-se de papo para o ar, ofegante e com um sorriso estampado na cara.
A Marta, maluca como é, perguntou.

- (Marta) Tenho aqui uma cona cheia de leites. Alguém tem que os limpar. Quem vai ser o sortudo.
- (Paulo) Não olhes para mim, farto dessa merda estou eu. Qualquer dia conhecem-me como o Homem do Leite.
- (Marta) Não estava a falar para ti, lindo. Estava a falar para a minha puta e o seu marido chifrudo.
- (Nuno) Sabes que ele não percebe-te, não sabes?
- (Marta) Mas percebe ela. Quem é que decides, Nicole?

Continua....

PRÓXIMO CAPÍTULO: PONTO DE NÃO RETORNO



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.