"Os mais excitantes contos eróticos"


FODIDA POR TRÊS


autor: Anjinhadomal
publicado em: 13/05/17
categoria: aventura
leituras: 5028
ver notas
Fonte: maior > menor


Sempre quis ir numa casa de swing, mas aqui infelizmente não tem nenhuma que eu tenha descoberto ainda. Mas o desejo foi realizado durante uma viagem com minha tia.
Ela ia à uma consulta na capital e precisava que alguém a acompanhasse, eu me ofereci pra ir, confesso que queria ter esses dois dias sozinha com a minha tia. Ela já com seus 25 anos e eu apenas com 20, com meus hormônios fervendo no meu corpo.
Depois da experiência com a Rafa eu sabia que mulheres realmente me interessavam e eu queria aproveitar mais disso.
A viagem e a consulta foram na sexta-feira, tínhamos um hotel reservado e pra economizar ficaríamos no mesmo quarto. Tomei banho e me arrumei pra ir jantar, titia disse que já havia programado tudo e eu não me preocupei com nada, até ver o nome do “restaurante”, eu já havia pesquisado nomes de casas swing e reconheci na hora, estremeci e peguei na mão dela “Tia, o que é isso? Porque estamos aqui?”, ela sorriu “Relaxa meu bem, vai ser divertido, já tá na hora de tu descobrir as coisas boas da vida.” Ela me puxou pela mão e entramos, ela estava confortável com ambiente e cumprimentando as pessoas, certo que não era sua primeira vez naquele local.
Eu observava tudo que acontecia ao meu redor, tinha pessoas se beijando na bancada do bar, mulheres dançando e rindo no pole dance, homens sentados apenas olhando, tudo acontecia ao mesmo tempo, uns interagiam com o outro, sem medo.
Enquanto tomava um drink, eu só pensava se a intenção da minha tia era de me deixar aproveitar as pessoas que estavam lá, ou ela queria algo especialmente comigo mesmo.
Minha resposta veio com o beijo que ela me deu, não deu tempo de pensar e a língua dela já estava enroscada na minha, eu senti um tesão enorme, puxei ela pro meu colo e ficamos ali sentadas coladas, olho no olho e bocas grudadas. Ela passava a mão pelo meu cabelo e deslizava nos meus seios, eu não tentei negar nada, só gemia e retribuía, eu queria aproveitar.
Ela parou de me beijar e se levantou, me puxou pela mão e me levou pro meio do salão, todos foram parando e formando uma roda na nossa volta, havia uma cama redonda de couro vermelho, ela me jogou lá e subiu em cima de mim voltando a me beijar.
Senti suas mãos tatearem cada parte do meu corpo e a forma como seus dedos trabalhavam me apertando com força.
Nisso outra mulher começou a beijar meus seios e titia desceu, tirou a única peça de roupa que me restava e beijou minha buceta molhada, foi dando beijos leves e eu não sabia se me concentrava na boca que estava nos meus seios me beijando e chupando meus bicos duro, ou na que provocava minha buceta que escorria desejo.
Titia deu um beijo de língua e eu gritei e recebi uma boca pra me calar, era um homem negro, alto e forte, ele me beijava ferozmente, pressionando os dedos das mãos na minha nuca, sugando minha língua e eu sentia meus lábios arderem, tudo num ritmo perfeito.
Enquanto uma chupava meus seios, outra chupava minha buceta e outro minha boca e eu explodi num orgasmo doloroso e quente. Eu podia sentir escorrer o líquido por entre minhas pernas, onde os três se posicionaram e intercalaram as lambidas, cada um provando um pouco do meu néctar.
Titia se afastou e vi ela apoiada na bancada do bar, alguém começou a penetra-la, ela com os braços apoiados na bancada, uma mulher de cada lado chupando seus seios, um cara metia em sua buceta e outro tava tentando encaixar no seu cuzinho.
A mulher que ainda tava comigo e com o negão começou a esfregar a buceta na minha cara “me chupa gostoso vai, me deixando toda molhadinha igual tu ficou”, eu passava a língua naquela buceta que tinha a marquinha de um triângulo com pelos, chupava e dava leve mordidinhas no seu grelinho, ela rebolava na minha cara e esfregava bem sua buceta na minha boca, batia no meu rosto e gemia enquanto eu era estocada fortemente pelo negão. Ele não tinha piedade alguma, seu lance era fuder forte mesmo. Eu tentava gritar, mas era impedida com a buceta enfiada na boca.
Sentia o vai e vem forte e rápido daquele homem, ouvia ele falar “que gostosa, chupa essa buceta e aguenta o ferro” e era o que eu tava fazendo.
Ela aumentou o ritmo da esfregação e eu entendi que iria gozar, agarrei-a pela bunda com as duas mãos e meti a língua o máximo que pude na buceta dela que respondeu com contrações e um caldo viscoso que vinha na ponta da minha língua, mexi a língua lá dentro e fui tirando-a, engoli seu doce caldinho, ela sorriu, me beijou e desceu.
O negão vendo tudo aquilo metia feito louco, me segurou pelas entranhas e meteu bem fundo e eu senti jatos de porra me enchendo e escorrer para fora da minha buceta. Fiquei rebolando e sorrindo pra ele que foi aos poucos me libertando. Ele se ajoelhou e olhou o resultado daquilo tudo, minha buceta parecia estar esfolada, toda melada e inchada.
Fiquei deitada ali, observando minha tia que estava de joelhos enquanto batia uma punheta e chupava o cara com quem tava transado, ela ia tomar leite. Não pisquei e vi-a engolir tudo.
Depois disso nos vestimos e voltamos pro hotel, não falamos nada, tomamos banho juntas na banheira onde rolou mais alguns amassos e dormimos de conchinha e ainda tínhamos todo dia de domingo pela frente.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.