"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Odeio minha chefe (Sim, senhora)


autor: Sam_Hennessie
publicado em: 16/05/17
categoria: lésbicas
leituras: 7298
ver notas
Fonte: maior > menor


Há um ano atrás, consegui um emprego em uma empresa de TI que desejava há muito tempo. Como eu era novata entrando na empresa, logo pensei em mostrar serviço pra garantir meu lugar. A empresa era ótima, porém, a chefe de nosso departamento era um porre. Beatriz era do tipo mulherão em todos os sentidos. Se vestia super bem, caminhava com confiança. Era morena, pele clara, cabelos lisos e negros. Tinha um corpo perfeito e escultural. Porém tinha um humor terrível.

Geralmente Beatriz só aparecia para reclamar, dar esporros e mandar fazer coisas. Ela ficava no meu pé, acredito que por eu ser nova, e enchia meu saco. Zombava e me humilhava às vezes. Eu tinha medo dela, na verdade.

Certa vez, surgiu um evento importante onde Beatriz iria e precisaria de um assistente. Eu rezei pra todos os Deuses pra que não me designassem para a função, mas azarada que só, não tive escolha.

Eu estava extremamente descontente com aquela situação. Porém, era meu trabalho né, então fui. Fomos no carro de Beatriz. Ela dirigia e eu no carona, ouvindo aquelas músicas horríveis e sem coragem de puxar assunto. Trocamos algumas palavras sobre coisas do trabalho e só. Ela vivia com uma cara de má, sempre de cenho franzido e boca fechada.

Chegando no hotel onde nos hospedaríamos por uma noite, ficamos em um quarto bem interessante. Porém a parte dela era a boa, a minha era tipo daquelas que os pais põem os filhos. Ótimo, pelo menos era confortável. Fomos ao evento e eu fiquei como uma estúpida seguindo ela enquanto se encontrava com poderosos investidores da nossa área. Que saco.

Pela noite retornamos ao hotel e Beatriz precisou sair para um jantar de negócios. Eu estava dando graças que teria pelo menos algumas horas de descanso daquela mulher insuportável.

Beatriz voltou mais cedo do que o programado. Entrou no quarto com sua bela saia lápis, uma blusa social branca, cabelos presos em um coque e aquele salto insuportável que já dava pra ouvir quando ela estava lá embaixo na recepção.

Veio na minha direção e com tom de grosseria e ficou cuspindo merdas pra mim por eu não ter anotado um certo contato durante o evento. Depois disse que deu tudo errado no jantar e que ela tinha perdido o investidor. Então eu disse:

Eu: Tá vendo, nem tudo que dá errado é culpa minha.
Ela: Quem te deu o direito de falar comigo desse jeito, sua vadiazinha.

Beatriz segurou meu pescoço e foi me empurrando até eu cair em sua cama.

Ela: Está pensando que está falando com quem? Suas amigas? Eu sou sua chefe, sua superior! Você me deve obediência! Vai ter eu se desculpar.

Eu olhei assustada e pedi desculpas imediatamente. Mas ela me interrompeu mando eu calar a boca.

Ela: Você só fala quando eu mandar, entendeu? Vamos ver se você sabe fazer algo de bom, sua inútil.

Ela tirou o salto, puxou a saia até o meio das coxas e subiu em cima de mim. Desabotoou a blusa e então vi seus seios ainda no sutiã. Eram lindos! Eu sempre tive uma queda por mulheres.

Beatriz me pegou pelos cabelos e levou meu rosto até seu busto.
Ela: Desabotoa meu sutiã e chupa meus peitos. Quero ver se você sabe, pelo menos, usar essa boca pra outra coisa que não seja falar merda!

Eu obedeci e quando liberei seus seios notei que eram firmes e pontudos. Abocanhei meio sem jeito, mas lambi e chupei conforme ela mandou.

Ela: Gosta de peitos grandes é? Esta gostoso?
Eu: Sim... (voltando a chupar)
Ela: Sim, o que?
Eu: Sim, senhora!
Ela: Agora sim! Boa menina.

Chupei aqueles peitões por um longo tempo. Ela então me fez parar e começou a se despir na minha frente. Logo mandou eu me despir também. Eu ainda assustada, só obedecia.

Ela então se sentou só de calcinha, assim como eu. Afastou a peça pro lado me mostrando aquela buceta carnuda. Ela me chamou e disse “Vem beijar meu pescoço”. Enquanto eu a beijava ela dizia “Você vai lamber meu corpo todo, descendo devagar, beijando, até chegar na minha buceta e depois vai chupar ela todinha”.

A cada ordem eu repetia “sim, senhora!”, e fui logo obedecendo. Desci pelo pescoço, tórax, chupei aqueles peitões de novo. Passei pela barriga e cheguei até sua genital. Beijei aquele calcinha cheirosa e afastei pro lado. Beatriz se abriu toda e então passei a língua naquela buceta melada. Tinha um gosto maravilhoso. Indescritível. Ela então afundou minha cara na sua buceta repetindo “me chupa, sua vadia... me chupa, sua vagabunda... usa essa boca gostosa”. Ela então afastou minha cabeça e disse:

Ela: Tá gostando, tá? Quer mais? (Eu acenei com a cabeça positivamente). Então deita.

Ela subiu em mim, colocando a buceta na minha cara. Nossa, quase me sufoquei com aquele grelo roçando no meu rosto. Lambi apertando sua bunda com as mãos.

Ela: Eu quero sentir seu gosto, quero te chupar.
Eu: Sim, senhora!

Arranquei minha calcinha. Beatriz me arreganhou toda e meteu a boca na minha xota. Nossa, que tesão que aquilo me dava. Ela sabia chupar uma buceta como nenhum homem fazia. Fiquei alucinada.

Depois fizemos um 69 gostoso onde eu estava por cima. Nos chupamos bastante naquela posição até que ela disse “fica de quatro pra mim”. Na hora eu obedeci.

Beatriz começou a lamber meu cuzinho bem devagar. Eu nem ousaria mandar ela parar. Aliás, eu estava amando aquela língua no meu rabo. Ela lambeu tanto que meu cuzinho piscava pra ela com alegria. Senti ela cuspir bem no meu buraquinho e depois forçar o dedo bem na entradinha. Relaxei e deixei rolar. Seu dedo foi entrando. Era gostoso, me dava arrepios maravilhosos. Ela começou a foder o dedo bem lentamente.

Vendo que eu estava curtindo muito aquelas dedadas, Beatriz enfiou dois dedos de sua mão esquerda na minha buceta. Foi a deixa pra eu começar a rebolar e gemer feito uma atriz pornô. Daquele jeito, com um dedo no cu e dois na buceta eu gozei fortemente. Uma delícia. Beatriz deixou eu me desfalecer na cama e ficou me olhando com uma expressão bem safada.

Ela: Gosta de gozar assim, sendo masturbada? Você é uma putinha bem safada, sabia? Agora vai ter de me fazer gozar também.

Ela subiu em mim colocando a buceta na minha cara de novo. Devorei seu clitóris até ela gozar na minha língua. Que melzinho gostoso. Me deliciei toda.

Deitamos lado a lado e pela primeira vez vi Beatriz sorrindo, mas logo ela voltou a si e me mandou ir pra minha parte do quarto.

Ela: Sai daqui. Já estou satisfeita. Você fez um bom trabalho agora!




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.