"Os mais excitantes contos eróticos"


Atração Lésbica


autor: Sam_Hennessie
publicado em: 20/05/17
categoria: romance
leituras: 3611
ver notas
Fonte: maior > menor


Pele clara, cabelos ruivos num tom entre o laranja e o vermelho. Essa era Mirna, a nova estagiária da empresa. Tímida, insegura e interessantemente desajeitada.

Mirna chegava cedo, quase sempre antes de mim. Eu a observava da minha mesa. Tinha semblante preocupado e não era pra menos. Eu sabia que ela sofria com Beatriz, nossa chefe (Leia o conto anterior).

Beatriz com certeza a afortunava, como um dia fizera comigo. Em alguns momentos pude presenciar as broncas. Nos poucos momentos de descanso via Mirna olhar a janela, ajeitar as prateleiras. Sempre vestida com camisas de manga longa.

Cada vez que olhava me sentia mais atraída. Aquela garota tímida, de olhar baixo e ar meio gótico me intrigava. Queria conhecê-la. Talvez convidá-la pra almoçar, ou um café.

Era manhã ainda, passei por Mirna nas prateleiras e decidi voltar:

Eu: Oi, Sou Samantha, você precisa de alguma ajuda?
Ela: Oi... Muito obrigada! Mas está tudo bem. Acho que consigo lidar com isso aqui.
Eu: Certo! Se precisar, minha mesa é aquela ali.

Mirna me deu um lindo sorriso, agradecendo novamente. Ela sempre respondia mexendo nos cabelos, parecia um sinal de nervosismo, timidez. Que doçura! E o cheiro? Era um perfume maravilhoso. Saí dali radiante com aquele cheirinho daquela doce fêmea que havia conhecido.

Mais tarde, Mirna surgiu em minha mesa, pedindo ajuda sobre algumas dúvidas. Nossa, fiquei extremamente alegre com aquilo. Dei o meu melhor em ajudá-la e logo a convidei pro almoço.

Nossa conversa foi divertida, falamos sobre rotina e trabalho. Nos dias seguintes, passamos a trocar agradáveis “bom dias”. Agora, eu não apenas olhava para Mirna durante o dia, mas recebia curiosos olhares de volta, seguidos de doces e tímidos sorrisos.

Certa tarde fomos tomar um café depois do expediente. Mais uma agradável conversa onde descobrimos um gosto em comum: Livros! Mirna me disse:

Ela: Estou indo comprar uns livros no shopping neste sábado, você quer vir junto?
Eu: Claro! Te encontro na livraria. 16h, pode ser?

Nossa, como eu queria que aquele sábado chegasse. E enfim chegou.

Chegando lá, Mirna me passou uma mensagem dizendo que estava na ala dos livros de ficção. Quando a avistei, tive um baque. Mirna vestia um vestido cinza daqueles que parecem uma camisa longa e ia até próximo dos joelhos, com manguinhas curtas. Tinha um leve decote comportado. Usava um tênis All-Star preto clássico. Um piercing no nariz a deixava ainda mais atraente. Quando cheguei próxima e senti aquele cheiro tive vontade de devorá-la ali mesmo, no chão da biblioteca, na frente das outras pessoas. Logo pensei “que tipo de animal eu me tornei? Com tanta sede sexual. Sede por aventuras. Por prazer...” Sacodi a cabeça e a cutuquei pelas costas. Mirna se virou e me abraçou, dando um longo “oooooi”. Ali vimos vários livros, descobrimos leituras em comum. Era um clima maravilhoso.

Depois de umas compras, fomos a uma cafeteria famosa, onde sentamos frente a frente e tomando nossos capuchinos retomamos ao bom papo. De repente me peguei acariciando a mão de Mirna. Aquilo seria embaraçoso, porém ela não se assustava e reagia com um sorriso ainda mais convidativo. Ela acariciou meu rosto com a parte externa dos dedos. Foi a deixa que precisava. Agora sabia que Mirna queria o mesmo que eu. Me levantei, tomando-a pela mão. Deixamos a cafeteria jogando nossos copos no lixo. Caminhamos às pressas, fui guiando-a até o estacionamento.

Quando entramos no carro, Mirna sussurrou “eu gosto de trocar olhares com você no trabalho, me excita!”. Ela passou a mão acariciando meu braço e nossas bocas foram de encontro uma a outra. Um beijo doce, delicado e delicioso.

Liguei o carro e dirigi perigosamente, tamanha a vontade de chegar em casa. No elevador haviam outros moradores, mas se houvessem mais andares eu agarraria Mirna ali mesmo, com todos nos olhando. Por sorte eu morava no terceiro, e quando abri a porta, depositei em sua boca todo meu amor. Trocamos beijos quentes enquanto eu a prensava contra a porta. Fui subindo seu vestido e descobrindo seu corpo. Quando seu vestido saiu pela cabeça pude observar seu lindo corpo. A virei de costas, Mirna vestia um sutiã e uma calcinha brancos. Desci alisando suas costas e beijando-as.

Apertei sua bunda e mordi sua orelha. Seus cabelos ainda presos me davam acesso a sua nuca e pescoço. Neste momento Mirna se virou e tirou minha roupa num piscar de olhos.

Chegamos na cama e ela subiu sobre mim. Eu então desabotoei seu sutiã e encontrei aqueles lindos seios médios e pontudos. Lambi lentamente, com carinho, escutando Mirna respirando fundo enquanto abraçava minha cabeça. Logo depois ela me empurrou deitada e veio lamber os meus também, era minha chance de soltar seus lindos cabelos ruivos.

Aquela garota começou a beijar meu corpo e eu mal conseguia me controlar, só sentir os pulsos elétricos e a pele arrepiada do meu corpo. Mirna encontrou minha calcinha molhada e ficou dando beijos. Logo em seguida me despiu com a boca, puxando a calcinha entre seus dentes. Sua cabeça retornou para o meio das minhas pernas. Ela presenteou minha vagina com beijos e carícias, me deixando louca. Mirna sabia o que estava fazendo. Ali, na cama, ela não era tímida. Não desviava o olhar. Olhava nos meus olhos ou para meu corpo, mas sempre fixamente.

Mirna me tomou em um sexo oral esplêndido. Sua boa me devorava, estimulando meu clitóris com sua língua macia e ávida.

Quando foi minha vez, retirei sua calcinha com pressa. Enfiei meu rosto entre suas pernas. Era divina. Que gosto, que cheiro... tão macia que parecia um vel. Mirna estava tão melada e excitada. Era uma linda cena.

Virei Mirna de quatro e a chupei naquela posição, Mirna tinha uma bunda linda que tremia a cada lambida que eu dava. Não hesitei em lamber também seu outro orifício e Mirna parecia amar a ideia. Seu bumbunzinho se contraia tanto que decidi pôr meu dedo médio na entradinha para sentir a contrações. Lentamente forcei meu dedo para dentro daquele delicioso lugar. Mirna gemia enquanto meu dedo era mastigado por suas contrações. Me levantei retornei a dar atenção para sua melada vagina. Masturbei Mirna com ela de quatro e puxei seu cabelo com a outra mão, até que gozasse sobre minha cama. Mirna teve um orgasmo mágico e caiu deitada.

Fiquei ajoelhada, e a vi levantar. Mirna se ajoelhou na minha frente e sua mão me alcançou em uma masturbação rápida e quente. Sua mão esquerda apertava um de meus seios enquanto a outra me levava ao delírio. Coloquei minha cabeça sobre seu ombro e me apoiei com a mão no outro, Só conseguia sussurrar “Não para! Não para!”. Mirna me masturbou até que gozei de maneira cósmica em seus dedos.

Caímos na cama nos beijando e trocando carícias. Ali ficamos por horas. Adormecíamos e acordávamos. Então Mirna disse:

Ela: Eu preciso ir. Meus pais ficarão preocupados!
Eu: Precisa me prometer que vai voltar.
Ela: Eu prometo!

Levei Mirna até a porta e nos despedimos com um lindo beijo apaixonado.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.