"Os mais excitantes contos eróticos"


Uma foda selvagem e marcante I


autor: AlineRj
publicado em: 20/05/17
categoria: hetero
leituras: 3253
ver notas
Fonte: maior > menor


Olá, me chamo Aline tenho 29 anos, formada em arquitetura, boa de vida, independente e muito bem resolvida. Venho aqui contar uma foda REAL e a mais gostosa de toda a minha vida até agora. Bom, sou uma negra dourada baixinha tenho 1,57 mas muito bem distribuídos, seios médios e duros acompanhados com dois pares de piercings douradinhos em cada um, bunda grande e coxas grossas, tudo adquirido com anos de academia.

Como uma boa carioca amo lugares lotados e animados é lá que se encontramos os melhores na cama e numa manhã de sábado fui acordada com a música alta vindo do vizinho de cima, já mal humorada levantei e fui cuidar da casa. Lá pelas cinco da tarde a música continuava alta e o número de carros estacionados parecia aumentar a cada minuto e poucos minutos depois meu celular toca, era Leila, uma amiga que estava pedindo para que eu levasse alguns documentos do escritório a ela.

Tomei um banho, me perfumei e devido ao calor infernal daquela tarde vesti um vestido bem soltinho preto mas que marcava perfeitamente o tamanho da minha bunda. Arrumei minhas coisas e assim que sai no corredor me assustei com a quantidade de homens e mulheres que tinha ali, todos com um copo de cerveja na mão, alguns se pegando e outros pararam a conversa para me olhar, olhares famintos e safados típico de bêbados. Tímida, abaixei a cabeça e segui para o estacionamento.

Chegando lá escutei uma discussão no fundo, um homem de voz grossa estava dês costas para mim aparentemente tentando se explicar para sua esposa pois a aliança prateada brilhava no seu dedo. Entrei no meu carro e pelo retrovisor fiquei admirando seu porte físico, moreno, alto, muito forte, barba rala e um braço fechado de tatuagens, meu tipo de macho ideal. Enquanto ele falava aquela voz trouxe meus pensamentos mais impuros e comecei imaginar o quão bruto ele seria me fodendo sem piedade.

Minha secada durou pouco quando ele virou rapidamente e pegou, tentei disfarçar fingindo está procurando algo mas não adiantou, nos lábios dele se formou um sorriso safado e um olhar predador que me seguiu até a saída do estacionamento.

Quando voltei, lá pelas 22h tudo já estava calmo, som desligado, tudo quieto e vazio como sempre era mas meu corpo e minha mente ficaram ligados naquele moreno tesudo tanto que não me controlei e me masturbei pensando no pau dele no lugar dos meus dedos.

Na última sexta-feira fui convidada para passar a noite bebendo com algumas amigas num barzinho bem charmoso na Lapa. Me produzi a altura com vestido vinho um pouco a cima do joelho mas que marcava exatamente minhas curvas, saltos, bem maquiada, cheirosa e totalmente depilada naquela noite fui pronta pra dar.

O lugar era incrível, música boa, bebida gostosa e claro, muita gente bonita. Como era inauguração estava lotado mas um sorriso especial me chamou atenção, o mesmo que vi no estacionamento. Ele estava do outro lado da rua, numa mesa rodeada de amigos inclusive meu vizinho Bruno, a cada gole de cerveja que eu dava mais coragem tinha de chegar naquele moreno. As horas se passaram e eu já estava completamente bêbada, dançando em trenzinho com as minhas amigas e isso óbvio trouxe a atenção dos machos deixando algumas namoradas estressadas.

Depois de tanto dançar minhas pernas ficaram fracas e fui me sentar no banquinho de frente para o open bar e não demorou muito pra que um perfume delicioso me inebriasse. Olhei meio tonta para o lado e encontrei aquela cara de safado e um sorriso torto destruidor.

— Aline, não é ? - ele disse bem próximo ao meu ouvido e em segundos senti minha calcinha molhar e minha buceta ficar inquieta.

— É sim e você quem é ?

— Prazer, Danilo! Você dança muito bem, deixou vários aqui de pau duro.

— E você tá incluído nessa ?

— Por que não tira prova real ?

Nessa hora ele ignorou todos os limites e guiou uma das minhas mãos para seu enorme volume que marcava na sua calça, fiquei meio desnorteada nunca havia sentido algo tão grande e grosso, aquilo deveria ter no mínimo uns 20 cm e ele percebendo isso sorriu e me beijou. Bem dotado, bonito e ainda tinha o melhor beijo, sua língua gulosa ia fundo, a mão foi para dentro da minha calcinha e fez um leve carinho no clitóris, no final ele fez questão de deixar um chupão bem dado no meu pescoço e assim foi. Beijos intensos e carícias discretas no meu grelinho acabei gozando sem ao menos ser prenetrada e tive que implorar para ser fodida.

— Pede pra mim cachorra, pede pra esse macho aqui te foder filha da puta.

— Me fode, acaba com minha bucetinha ela já tá latejando querendo gozar no teu pau!

Pronto, isso foi o estopim para ele me agarrar pelo antebraço como um namorado ciumento e bruto do jeito que eu gosto e me arrastar até seu carro.


Continua...



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.