"Os mais excitantes contos eróticos"


Gritando de prazer! (Dei pra dois)


autor: sam_Hennessie
publicado em: 22/05/17
categoria: grupal
leituras: 6267
ver notas
Fonte: maior > menor


Um mês, talvez mais... era o tempo que fazia desde a última vez que estive com meu amado amigo Marcos. Foi maravilhoso e sua promessa de ter “uma ideia” estava me matando de curiosidade.

Entre mensagens falamos

Eu: Posso te visitar no sábado?
Ele: Você pode vir o dia que quiser, Sam. Você sabe disso.
Eu: Então chego sábado cedo. Você me busca na rodoviária?
Ele: Lógico! Venha preparada! Hahahaha

Ah, Marcos. Por que fazer isto comigo? Ainda era terça, aquilo era tortura. A semana se arrastou enquanto eu pensava no que me aguardava.

Vestido preto solto, maquiada, cabelos ao vento. Era sábado e eu partia para encontrar meu amigo em sua cidade. Chegando lá, Marcos me aguardava já ao lado da plataforma. Voei em seu pescoço e ele me beijou na frente de todos. Eu não esperava, mas foi bem legal. Nossa amizade colorida era muito engraçada.

Entrando no carro ele me olhou com os olhos malvados. Marcos dirigia com um olhar cerrado. Eu acariciava sua perna, dizendo que estava com saudade. Depois de um tempo, reconheci que Marcos não ia em direção a sua casa.

Eu: Marcos, você não mora por aqui. Onde estamos indo? Marcos... Marcos...

Ele sorria levemente e não me respondia. Eu o xingava e ria também. Ele então entrou em um Motel super luxuoso que eu nem sabia que existia. Parecia um palácio. Marcos estranhamente não parou na recepção, apenas olhou pro homem que lá estava, como se soubessem de algo. Fui ficando nervosa e excitada ao mesmo tempo. O que ele tinha preparado pra mim?

Paramos em uma suíte linda. Ele me tomou pela mão e me levou pra dentro. Quando passamos pela porta Marcos me soltou e eu pude avistar um homem à beira da cama. Visivelmente à minha espera. Eu queria perguntar a Marcos quem era aquele homem. Mas não tive tempo. O demônio faminto por sexo que eu possuía em meu corpo logo tomou conta de mim. Parti em direção àquele corpo. Era do porte do de Marcos. Moreno, de braços fortes e peitos marcados.

Eu alisei seu corpo. Ele estava apenas de cueca. Seu membro já fazia volume, respondendo aos meus toques. Desviei o olhar e vi Marcos sentado, nos vigiando. O homem então abriu meu vestido, me despindo.

Só de calcinha, ajoelhei, puxei pênis daquele homem pra fora e chupei. Era grosso e cheio de veias, muito suculento. Não percebi quando Marcos se aproximou. Ele já estava nu, com seu pênis oferecido a mim. Agora eram dois. Dois caralhos para serem colocados em minha boca. Comecei a punhetar Marcos enquanto chupava o desconhecido, depois trocava. Em tempos eu punhetava um com cada mão e sorria agradecida, com a boca completamente babada.

Marcos subiu sobre a cama, deitando se nela. Eu fui lamber seu pau melado e senti aquele outro homem me chupando por trás. Ficamos ali um tempo até aquele homem decidir passar o lubrificante e me penetrar. Fui fodida por trás, de quatro, enquanto mamava a pica do meu amigo. Aquele homem segurava em minha cintura e bombava com gosto.

Na sequência, avancei sobre Marcos, me encaixando em seu pênis. Como eu amava cavalgar aquele corpo. Eu sentava com força quando o outro homem surgiu, de pé na cama, enfiando seu pau na minha boca. Não tive escolha, mas também não queria outra. Cavalguei e chupei com alegria.

Marcos então me virou e me colocou de quatro. O desconhecido me deu de mamar de novo e Marcos pingou o lubrificante em meu cuzinho e iniciou o sexo anal. Ele comia meu rabinho enquanto eu chupava o outro homem.

Marcos voltou a se deitar, me puxando pra cima. Por um segundo estranhei. Ele não era de repetir posições durante o sexo. Assim que tentei cavalgá-lo senti o outro homem tocar minhas costas. O que estava acontecendo? Que loucura era aquela? Aquele homem penetrou meu cuzinho ao mesmo tempo que eu sentava em Marcos. Era minha primeira dupla penetração. Era uma loucura. Eles começaram a me foder juntos. Eu urrava, berrava, gritava, sendo invadida por dois homens muito safados. No ápice da loucura, enfiei meus dedos na boca de Marcos, nem sabia o que estava fazendo. Eu queria dizer que o amava, que amava aqueles momentos loucos que ele me proporcionava. Mas eu não conseguia fazer nada além de gemer alto e sentir aquele prazer imenso. Gozei naqueles dois caralhos, beijando a boca de Marcos.

Meu corpo suado foi tomado no colo pelo outro homem. Ele me levantara, de pé, à beira da cama e com sua força me segurou. Marcos se aproximou por trás. Eram quatro mãos pelo meu corpo, quatro mãos firmes me mantinham no ar, abriam minha pernas. Aquele estranho em minha vagina, e Marcos em minha bunda. O que aqueles homens ainda queriam de mim? Sem piedade! Me penetraram duplamente me segurando em seus colos. Eu abraçava aquele estranho e me segurava com a pouca força que tinha.

Gozei uma, duas, três vezes talvez... podem ter sido quatro ou cinco. Até hoje não me lembro, estava louca, não tinha noção nem de onde estava. Lembro que cheguei a chorar de tanto prazer, olhando para aquele teto luminoso que parecia girar. Eu realmente parecia estar drogada, uma viciada em sexo.

Eles me soltaram sobre a cama. Com a vista meio encoberta pelos cabelos caídos sobre o rosto percebi a sombra de seus corpos sobre mim. Eles estavam prontos para gozarem sobre meu corpo. Me deram um verdadeiro banho de porra. Era muito gozo!!!

Fiquei deitada, imóvel e então vi aquele homem estranho se despedir de Marcos e partir. Meu amigo me levou pro banho e me limpou. Cuidou de mim depois da judiação, como sempre fazia. Não quis perguntar quem era aquele outro ser, aquele outro corpo que lá esteve. Não fazia diferença. Eu apenas queria estar com Marcos naquele fim de semana. Como menina desprotegida, ou como mulher depravada, estar com ele era bom pra mim, em todos os sentidos.
Depois de deixar meu amigo e retornar a rotina, trocamos as seguintes mensagens

Eu: Você é louco!
Ele: E você adora! Não sou o único, pelo que vejo!
Eu: Amo nossas loucuras. Mas precisamos parar. Qualquer dia vou morrer nas suas mãos. Explodindo de prazer.
Ele: Seria um ótimo matar você assim, hahahahaha
Eu: Eu amo você, Marcos.
Ele: Eu também te amo, Sam.

Meu coração ardeu e se aqueceu, mesmo sendo apenas uma mensagem...




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.