"Os mais excitantes contos eróticos"


Meu chefe vizinho (início)


autor: MCCMF
publicado em: 27/05/17
categoria: hetero
leituras: 1910
ver notas
Fonte: maior > menor


Pra entender melhor esse conto, eu indicaria que vocês cliquem no meu nick e leiam "Meu chefe vizinho e nosso desejo"(parte 1 e 2). Obrigada pelas mensagens e notas!



Acordei me lembrando do que tinha decidido "Não vou pedir demissão e Matheus vai ser meu". Me levantei tomei um banho, vesti uma lingerie de renda preta e a calcinha fio dental, uma saia preta bem colada três dedos acima do joelho e uma blusa de cetim azul de mangas compridas, um salto alto tulipa. Fui para a faculdade, todos me elogiavam dizendo que estava "para matar". Tranquilamente assistindo a aula, mas os pensamentos longe sinto o meu telefone vibrar, quando olho era uma mensagem de Matheus: "Bom dia Clara, espero que tenha dormido bem. Tive uma excelente noite. Você vem hoje a tarde? Por favor, não quero que você peça demissão, acho que precisamos conversar. Beijos linda." Olhei a mensagem, fiquei com um sorriso bobo quando ele disse que teve uma excelente noite, mas não o respondi ele ia ter que esperar eu chegar na empresa. Passada a manhã, cheia de olhares de todos e elogios, almocei e fui para a empresa. Chegando lá, todos estavam tenso por conta do episódio do dia anterior, esperavam meu pedido de demissão, meus olhos varriam a sala procurando ele e não o encontrei uma ponta de desapontamento veio em mim, fiquei pensando que ele não desceria com receio da minha decisão. Quando sinto atrás de mim, uma mão discreta tocando minha costas e falando quase inaudível "Tô aqui e te quero" sorri, mas não me virei. Fui em direção a sala de seu Marcos e lá conversamos, saí bem séria olhando pra ele, cheguei perto do ouvido e disse: " vai ter que aturar essa mandona por um tempo ainda" ele visivelmente relaxou na cadeira e sorriu. Fui para minha mesa, por que a vida não é só feita de prazeres a labuta era grande. Quase no fim do expediente ele mandou uma mensagem: "Vamos comer um sushi quando largar?" Eu olhei pra ele e assenti com a cabeça. Todos foram embora, seus pais e irmã estavam se preparando para subir, eu me despedi e logo em seguida escutei ele falando pros pais que ia jantar na casa de um amigo. Fui pra frente do meu prédio, vi ele saindo com o carro e encostando perto, entrei e ficamos em silêncio um admirando o outro, por mim o agarrava logo, ele seguiu com o carro.

-Então vou ter que aguentar uma mandona? (sorrindo)

-Pois é, a vida não tá fácil. Vai ter que fazer esse sacrifício.(Dei uma piscada e cruzei as pernas, elas ficaram marcando na saia)

-Sacrifício muito válido Clara. Ainda bem que você não saiu. (ajeitou discretamente pau dele na calça, passou a marcha e colocou a mão na minha coxa, passando as pontas do dedo em círculo, no tecido e minha carne).

- Hum.. Não faz isso, Matheus.. (me arrepiava com o toque dele e relaxei minha mão na nuca dele apertando e arranhando)

Lembro como se fosse hoje o quão quente estávamos. Eu queria tanto ele, aquele toque dele que desejava implicitamente, tudo que a gente viveu no dia anterior.

-Encosta o carro! (Falei séria)

Ele deu um sorriso safado e entrou numa ruazinha, encostando.

Parou o carro, eu tirei o cinto e ele também. Eu não tava aguentando mais, queria a boca dele. A gente se aproximou e beijou, um beijo quente, com força, gemidos baixinhos um na boca do outro, minha mão passava pelas costas e braços dele. Ele puxava um pouco meu cabelo e apertava minha cintura descia pra minha coxa. A gente parou, precisávamos respirar, eu sentia que tinha corrido uma maratona. Ele tava de olho fechado tentando se controlar.

- Do seu jeito Clara, do seu jeito...

-Vamos jantar e aí depois você me leva pra algum lugar.(sorri e mordiscando o lábio dele)

Chegamos e jantamos, no fim percebemos que tínhamos muito em comum e aos poucos a gente começou a realmente se entender. Eu tava me sentindo confortável e segura com ele ali. Ele tava aliviado e satisfeito, acho que nunca o vi sorrir daquele jeito pra mim e era um sorriso quente e safado. Pedimos a conta, saímos em direção ao carro, ele agarrado na minha cintura parecia casal de namorados.

Chegando perto do carro, ele me puxou e encostou na lateral. A gente se beijava, um beijo quente, ele apertava minha bunda não queríamos saber se tinha alguém olhando. Sabe quando o desejo sobrepõe o pudor? Pronto, era assim que estávamos. Entrei no carro e não aguentei, quando ele sentou o beijei novamente e fui soltando a calça dele.

-Não Clara, aqui não.(me beijava forte ainda)

-Aqui sim, quero ele na minha boca. (Apertei ele na calça e fiquei batendo uma enquanto mordiscava a orelha dele)

Ele inclinou o banco me ajudando a soltar a calça, caí de boca nele, chupei e punhetei, passava a ponta do dedo na cabecinha girando, enquanto beijava a lateral do pau. Chupei com força até ele gozar, aquele gozo maravilhoso. Ele alisando minhas costas. Me levantei, beijei ele.

- Nunca ninguém me chupou assim como você. Eu te adoro minha garota.(ele sorriu e me beijou)

- Faz amor comigo Matheus! (Fiquei cheirando o pescoço dele)

Ele se ajeitou no carro e fomos pra um motel. Era lindo o ambiente fora, nunca tinha ido lá e repentinamente pensar que ele já tinha levado outras me fez sentir raiva, mas esqueci o pensamento, ele não era nada meu.

Já continua no próximo conto.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.