"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Do elevador para a escada Parte 02


autor: Lenhador
publicado em: 29/05/17
categoria: casual
leituras: 1359
ver notas
Fonte: maior > menor


Passado exatos três meses retornei a clinica odontológica e desde o momento que entrei no elevador ao chegar na clinica minha mente só pensava no quanto tinha sido bom comer a Patrícia.

Infelizmente ela não estava na recepção e em seu lugar me atendeu uma pessoa mal amada que caiu no meu conceito. Fui informado que seria atendido por uma dentista diferente devido a imprevisto de quem me atendia costumeiramente.

Descrever Denise é tarefa difícil, pois gostosa é pouco, mas imaginar uma morena falsa magra seios atrevidamente empinados cintura fina, cabelo castanho preso em coque, olhos castanhos e de estatura mediana já mexe com o imaginário e ainda toda de branco e uma minúscula tanguinha marcando na calça ai é mesmo muita tortura.

Senti-a tensa ao responder a minha saudação e fiquei bem formal pra evitar mal entendidos. Ao saber que ela era prima da Patrícia que tinha bolinado no elevador e traçado na escada bateu saudades.

_ Boa noite como vai? Sou Denise e serei eu a te atender hoje.

_ Boa noite Denise. Vou bem e você?

_ Estou ótima. Responde ela com sorriso estranho nos lábios enquanto me observa sentar na cadeira para o procedimento.

_ Um dia irei responder alguém assim como você. Sorrimos ao mesmo tempo e ela encheu minha boca de algodão e falou pra ficar sério.

_ Ia esquecendo a Patrícia mandou abraços. Diante do meu ar surpreso ela completa: Sou prima dela.

Nesse intervalo a recepcionista pergunta se pode ir embora, pois iria perder o ônibus e após ser liberada. Denise se pós a cuidar de mim.

Durante ao procedimento ela foi falando que Patrícia tinha se casado e toda vez que via meu nome agendado dava um jeito de não me ver, pois tinha contato para Denise tudo que tinha rolado e se me vesse iria querer mais.

_ Tudo que ela me contou é verdade? As bolinadas no elevador? Sexo na escada e você transarem na minha cadeira de trabalho? As perguntas me deixaram com o coração fazendo mais barulho que motor de carreta.

_ Tudo verdade Denise. Assumi sem desviar o olhar do decote na camisa dela.

_ Poxa vocês ousaram muito a ponto de que eu quase duvidei do que ela contou. Nisso ela passou a mão na minha nuca de leve, mas de um jeito que arrepiei e ela ao notar sorriu.

Após terminar o procedimento ela me pediu pra esperar, pois o carro estava no estacionamento ao lado da clinica e já estava tarde pra andar sozinha. Enquanto ela estava trocando de roupa comecei a fechar as janelas e nada da Denise aparecer.

Sai a procura dela e ao ouvir leves gemidos vindo da copa andei devagar pra não fazer barulho. Mal acreditei a bela Doutora Denise se masturbando com uma banana na copa da clinica. Parecia até de propósito, pois sentada na pia com as pernas abertas e a bucetinha aberta e socando a banana com os olhos fechados e movendo a língua como a Patricia fez pra me seduzir. Meu cacete cresceu rápido e abri a porta me aproximando.

_ Safado você demorou pra me achar. Murmura ela enquanto mordisco os mamilos pontudos.

_ Você se escondeu bem Denise. Comento com cinismo.

_ Me faz virar puta. Implora ela ao guiar minha mão pra explorar a bucetinha ensopada.

_ Farei isso com muito prazer doutora vadia. Atolo dois dedos na buceta dela e a faço lamber o próprio mel quando abocanho o clitóris arrancando gemidos fortes.

_ Gostoso me come melhor que comeu minha prima. Quero sentir tudo que ela me contou ter sentido com você.

Viro-a de costa pra mim com a bunda arrebitada e fico relando o cacete por trás enquanto a beijo no pescoço e na nuca e bolino os seios e mamilos. Não demora ela goza de novo e num acesso de muita sacanagem puxo o cabelo pra atrás e atolo o cacete na buceta carente de rola em movimento de estocadas fortes.

Surgem gemidos e gritos de tesão e meu cacete ficando ensopado a tal ponto que escorregava em meio as estocadas naquela buceta com cheiro de maçã.

Suspendo Denise de frente pra mim e começo a foder com fúria até gozar gostoso. A deito na pia e começo a masturbá-la enquanto mordisco os seios dela. Ela então explode em forte gozo com ejaculação .

Emocionada começa a chorar e me abraça apertado.

_ Nunca senti algo assim. Você é mesmo como a Patricia falou. Desabafa emocionada.

_ Não gosto de sexo mal feito Denise. Comento

_ Percebe-se, pois você é gostoso e sabe dar prazer a uma mulher. Elogia ela se soltando e me pegando pela mão e fomos pro banheiro e tomamos banho juntos. Não resisti em ver ala nua e com cheiro de sabonete e a chupei ali mesmo no banho fazendo ela ter mais um orgasmo de saideira.

Após outra transa ali mesmo no banho nos arrumamos e ganhei carona até meu destino. Combinamos de sair mais vezes para boas transas sem compromisso.

Continua...





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.