"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A torcedora putinha


autor: Katita
publicado em: 31/05/17
categoria: traição
leituras: 3147
ver notas
Fonte: maior > menor


Ao contrário de outras mulheres acompanho futebol, gosto de torcer e sou fanática pelo meu time, que não vou falar aqui qual é para não gerar discussões mas posso dizer que torço para o melhor de todos os tricolores, pois bem naquele dia fomos eu meu namorado e um amigo dele ver um jogo do nosso time contra um rival alvenegro, fomos muito animados mas o jogo foi um fiasco, perdemos de goleada, saímos antes do jogo acabar e fomos para um barzinho nos arredores do estádio tomar umas cervejas ficamos até tarde, e na hora de ir embora demos de cara com um grupo de torcedores do tal alvenegro, todos uniformizados, e nós com a camisa do nosso tricolor, atravessamos a rua e tentamos passar despercebidos, mas não deu, assim que nos vir começou a zueira por termos perdido o jogo, meu namorado e seu amigo muito nervozimhos que são responderam as provocações e aquilo virou uma grande confusão, e terminou em briga, eles estavam em cinco, e só o meu namorado e o amigo dele para encarar, sem chance sabia que eles tomariam a maior surra entrei no meio pra empedir a briga precisou dois deles para me segurar e sobraram três contra dois, melhorei os números mas mesmo assim meu namorado e seu amigo apanharam.

Dos dois que me seguram um me abraçou por trás me imobilizado e o outro de frente pra mim agarrou meus braços, eu tentava esperniar pra me soltar e alem de não conseguir notei que estava sem querer entregando a bunda no cara atrás de mim, e ele aproveitava a situação para me encoxar já estava até de pau duro que senti ele me cutucando, pior que estava de mine saia jeans e de tanto tentar chutar o cara a minha frente, a minha sainha foi subindo e quando percebi ja estava na cintura e minha calcinha toda a mostra, estava com uma calcinha branquinha com o desenho do mascote do meu clube atrás e o distintivo na frente.

---- Me solta deixa eu arrumar minha saia! - gritei olhando com cara de brava para o torcedor a minha frente.

---- Não não, pode ficar assim mesmo não tem problema não.- respondeu em tom irônico.

---- É assim tá ótimo gatinha. - disse o que estava atrás de mim.

Eu gelei fiquei quietinha e agora era ele que se esfregava na minha bunda, me dando uma encoxada caprichada.

---- Seus amiguinhos já tão acabando de apanhar, mas e você gracinha, como a gente te castiga? não sou homem de bater em mulher, o que eu faço com você então?. - disse o de trás.

----- Eu tenho uma idéia...- disse o dá frente abrindo um sorriso de orelha a orelha, e fez um carinho em cima da minha calcinha.

----- Essa torce até com a buceta, olha a calcinha dela.

----- Que tal a gente fazer um clássico.

Eu fiquei toda arrepiada olhei pró meu namorado ele e o amigo estavam no chão tomando uns chutes dos outros três, nenhum ia poder me ajudar.

Os dois me arrastam e me levaram pra um beco ali em frente, e eu estava morrendo de medo do que estava prestes a acontecer e com um pouco de tesão também admito. No beco um deles veio e tirou minha blusa de moleton enquanto o outro abaixava minha sainha, fiquei uniformisada com a camisa e a calcinha do tricolor, um deles já tirou o pau pra fora e começou a se masturbar me olhando.

---- Eu vou primeiro. - disse o outro segurando no meu braço. - vem cá gatinha.

Ele me levou pra perto de uma parede, pegou minha calcinha e jogou de lado na virilha.

---- Raspadinha a putinha, agora vou te mostrar como é foder com um macho de verdade é não com um Bambi.

Ele tirou o pau pra fora, tomei foi um susto quando vi o tamanho daquilo, me segurou pelas coxas e me ergueu apoiando na parede.

----- Ta preparada? - perguntou ele apontando aquela tora na minha bucetinha.

Fiz que sim com a cabeça e me abracei nos ombros dele, quando senti que tava entrando mordi os lábios, pra aguentar.

---- Ahhi! - gemi quando ele colou o saco em mim.

Estava todinho dentro mal acreditei que tinha espaço pra tudo aquilo dentro de mim, nunca dei pra um cara com um pau desse, arrumei minha posição pra arreganhar um pouco mais as perninhas, enquanto ele começava no vai e vem de vagarinho alargando minha xaninha. Fiz careta estava entrando apertado mas eu tava gostando queria ele todinho dentro de mim.

----- É só isso que você consegue. - falei pra provocar mordendo os labios pra não gemer.

Acho que ele ficou nervoso e comcou a meter forte sorte eu já tava melada quando ele começou a me bombar pra valer mesmo assim ainda doeu um pouquinho.

---- Ahh! Ahh! Ahhh!

Eu gemia e gritava tendo a bucetinha sendo testada por aquele pauzudo, mas também não pedi arrego, aguentei tudinho, uns dez minutos nas garras daquele cacete.

----- Chega deixa eu pouco! - reclamou o outro.

O pauzudo me desceu de vagarinho, soltando minhas pernas aos poucos até eu alcançar o chão, todo carinhoso tirou o pau de mim aos pouquinhos eu assisti ele saindo centímetro por centímetro, daie dei beijinho na boca.

----- Depois a gente continua, deixa meu amigo brincar um pouco tambem ta gatinha.

Ele me largou e o outro veio, já olhei direto pro pau dele, esse era do tamanho normal nem grande nem pequeno, depois do outro me alargar mal senti quando veio pra dentro, ele era esforçado me bombou direitinho, mas tinha que ter vindo primeiro, enquanto ele me comia eu só olhava pro amigo pauzudo, não vendo a hora deles trocarem de novo.

----- Que bucetinha gostosa, molhadinha ta essa vagabunda.

----- Ahíh... Humm... - eu gemi bem gostosinho no ouvidinho dele- assim, vai, vai mete!

Estava entregue eles não precisaram nem me pegar a força sabia que ia ser pior se eu resistisse então dei bonitinha pra eles.

----- Vai chega! Sai daí! Minha vez!

O meu pauzudoe queria de novo, puchou o amigo dele pra trás e veio pra cima de mim com aquela bengala dura que nem pedra, a cabeça pulsava agarrou minhas coxas e me subiu na parede de novo me deixando abertinha pra ele.

----- Onde é que a gente parou mesmo gracinha ? - disse botando aquela tora de uma vez em mim.

----- Ahh!! - gritei mesm molhada minha buceta tinha que alargar pra caber aquilo.- Vai porra mete! Ahh!!

Estava com muito tesão pra me fazer de difícil, queria pica sim e queria com força, e meu alvenegro me detonou, como meu namorado nunca fez, tava até pensando em mudar de time já, não direito nem mais cinco minutos levando pica, e gozei, transbordando a bucetinha de mel, acho que nunca gozei tanto, meu corpo tremia todo, ele de novo foi me soltando e apoiei os pés no chão as pernas bambas foi puxando o pau de dentro de mim saiu deslisando de tão melado que deixei o pai dele com meu gozo, minha bucetinha ficou toda arrombadinha e brilhando de tão molhada, Meu pauzudoais uma vez se afastou dando lugar pró amigo, ele veio pra dentro da minha buceta quase MB ao senti, de tão aberta que minha pepekinha ficou, ele se esforçou pra me dar prazer mas me vendo daquele jeito suada e ofegante de dar pro amigo dele, não quis ensistir tirou o pau de mim, dizendo.

----- Você estragou o brinquedinho dela, arrombou a mina Pou tem nem graça mais agora.- disse nervoso. - ajoelha putinha.

Eu me ajoelhei na frente dele já adivinha do que ia me por pra mamar, meu pauzudo também se animou e me ofereceu o pau pra dchupar. Fiquei revesar os dois chupando e punhetando,eu pauzudo começou a gemer dando indícios de que iria gozar.

----- Vai bebê chupa assim.

----- Chupa cadela.

Os dois gozaram quase ao mesmo tempo fechei os olhos e tomei porra na cara, senti os jatos quentes, pelo rosto, na sobrancelha, na testa nas bochechas foram tantas esguichadas que acho que estavam a um tempão sem gozar, e tiraram o atraso comigo, quando acabaram NB ao dava pra abrir os olhos não tive opção limpei o rosto com a camisa do tricolor.deu até um pesinho na conciencia de lembrar que torciam pró time rival, depois disso me levantei me vesti e eles me liberaram, disseram pra eu ir embora sem meus amigos mesmo pois se voltasse lá os outros três iam querer me comer também, agradeci satisfeita e fui embora, estava saindo de lá já perto da estação de trem quando meu namorado ligou desesperado querendo saber onde eu estava, nos reunimos perto da estação, eles me contaram que a polícia chegou e salvou eles e os três caras fugiram quiseram saber o que tinha acontecido comigo e claro que não contei nada, disse que fugi quando eles se distrairam e chamei a polícia, uma mentirinha que caiu como uma luva.

----- Então você quem chamou a polícia, nossa amor salvou a gente, obrigado.

Disse meu namorado me dando um beijo de agradecimento, um beijão de língua bem molhado se ele imaginasse onde minha boquinha estava agora pouco.

Fui embora pensando no meu pauzudo, louco pra ve-lo de novo, devia ter pego seu número de telefone, todo jogo que fui ver desde então não conseguia não pensar nele.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.