"Os mais excitantes contos eróticos"


Helena


autor: publicitario45
publicado em: 31/08/15
categoria: hetero
leituras: 2834
ver notas
Fonte: maior > menor


No dia do meu aniversário passei o dia com os meus filhos e a noite, fui dormir. A maioria das mulheres que eu me relaciono são casadas, noivas ou quando solteiras são convictas de carteirinha e não querem compromisso sério. Não que eu queira casar de novo, mas neste dia em si senti falta de uma pessoa para sair para jantar, acordar comigo etc.

Por conta deste sentimento, resolvi reativar minha conta no Tinder e fiquei lá olhando aquele monte de mulher bonita, com no máximo 100 km de distância até que uma me chamou atenção. O nome dela era Helena e eu logo tratei de curti a foto dela. Mas naquele momento não houve a tal famosa combinação e eu segui passando as fotos.

Depois de uns quatro dias, voltei ao Tinder e para a minha surpresa, Helena mais umas duas pessoas tinham combinado comigo e começamos uma troca de mensagens inocentes do tipo “olá”, “Tudo bem?”, “de onde você é?” e coisas assim. Uma parou de trocar mensagens comigo por motivos religiosos, ela é evangélica e eu espirita e a outra simplesmente sumiu, ficando apenas as trocas de mensagens com Helena.

Do Tinder pro WhatsApp foi questão de dias. Helena era divertida, sempre bem humorada, me mandava mensagens logo cedo para me acordar. Eu realmente já estava ficando mal acostumado com aquilo mas estava gostando. Até que um dia, ela resolveu me convidar para nos conhecermos e por incrível que pareça ela marcou na empresa dela, uma distribuidora de alimentos que fica perto do aeroporto de Vitória. Marcamos para uma quinta-feira, após o expediente e como eu estava empolgado, resolvi passar em casa bem mais cedo e tomar um banho, jogar um 212 Vip Man e ir para o nosso primeiro encontro.

Chegando lá, toquei a campainha e uma grande porta de ferro abriu e ela mandou que eu guardasse meu carro la dentro. Obedeci e ao sair do carro me deparei com uma mulher extremamente bem vestida na porta da casa onde funcionava o escritório da empresa.
Nos cumprimentamos com dois beijos no rosto e entramos. Helena foi super atenciosa, me ofereceu suco, agua, uísque ou café para beber. Como estava de carro, resolvi ir de suco enquanto ela servia uma dose de uísque para ela.

Helena tem 33 anos, 1,78 de altura, um belo corpo para quem já tem dois filhos, é filha de pai cigano com mãe portuguesa, tem olhos esverdeados, cabelos até a cintura com belos cachos, vestia um Tailleur vermelho, meia calça fumê, salto alto preto, e óculos de grau. Ela nunca me havia dito e eu só descobri naquele dia que ela era casada com um mergulhador que vivia 15 dias embarcados numa plataforma da Petrobras e quinze dias de folga.

Entramos e ela me convidou para ir para a sua sala, pois lá era mais confortável. Trancamos a empresa, pois já estava escurecendo e seguimos para a sala que na porta se lia: Diretoria.

Helena foi direta e objetiva. Disse que estava no Tinder por causa da rotina do casamento e do dia a dia estressante dela. Não queria compromisso algum, nem cobranças mas não abria mão de bons momentos. Ela já tinha achado meu perfil no Facebook e vasculhado tudo que era possível, enfim, sabia bem o que queria.

Ouvindo suas palavras, me sentei num sofá de três lugares e coloquei meu copo de suco na mesa de centro enquanto apreciava sua beleza exótica. Além de linda e inteligentíssima,

Helena era muito cheirosa e seu perfume começava a me perturbar os instintos.

Ela: estou falando sem parar né?

Eu: que nada, a história da sua vida é interessante e você é linda de se olhar.

Ela: eu falo muito quando fico ansiosa, nervosa ou excitada.

Eu: você está excitada?

Ela: sim, pela situação de receber um estranho na minha empresa, sozinha, após o horário de trabalho. Sempre fantasiei isso, mas confesso que estou com medo, tesão e nervosa ao mesmo tempo.

Eu: senta aqui, vou fazer uma massagem nos seus ombros e você vai relaxar.

Helena sorriu, colocou o copo de uísque na sua mesa, tirou o blazer e sentou à minha frente. De onde eu estava, conseguia ver o colo dos seus seios médios, porém bem torneados graça a uma dose de silicone. Enquanto eu massageava seus ombros ela mexia o pescoço de um lado para o outro de olhos fechados, parecia estar em transe. Massageei por alguns minutos e encerrei com um beijo atrás do seu pescoço, altura na nuca. Neste momento Helena se arrepiou e soltou um leve gemido acompanhado de um suspiro.

Como eu estava atrás do encosto do sofá, Helena se levantou e se pôs de quatro ficando de frente pra mim. Entendi aquela posição como um sinal e aproximei meus lábios próximo ao dela para saber se ela queria mesmo seguir com aquilo:

Eu: tem certeza? Se eu te beijar provavelmente não vou parar mais de beijar.

Ela: se eu deixar você me beijar, só te lado depois de perder a conta dos meus orgasmos.

Beijamos. Beijamos como se o mundo estivesse acabando fora daquela sala. Helena buscava meus lábios enquanto segurava meu rosto com as duas mãos. Já as minhas, soltavam as alças da sua blusa fina que caia até a cintura deixando aquele par de seios à mostra.

Meus lábios já buscavam seu pescoço e o seu colo com voracidade. Eu queria aquela executiva toda pra mim e não ia fazer por menos. Sai de trás do sofá e fiquei de frente pra ela que já estava se desvencilhando das minhas roupas. A camisa saiu facilmente, tirei meus sapatos rapidamente e ela se livrou da minha calça jeans me deixando apenas de cueca.

Helena me jogou, literalmente no sofá e caiu de boca no meu pau. Parecia que ela não chupava uma pica há anos e sugou-me até me levar ao primeiro gozo. Engoliu todo meu esperma sem deixar desperdiçar uma gota sequer. Subiu seu corpo até seus lábios tocarem os meus. Sentou-se em mim e sentiu minhas mãos passearem elo seu corpo. Mamei seus seios, alisei sua bunda arredondada, deitei seu corpo seguro apenas pelas minhas mãos enquanto beijava sua barriga sarada de tanta academia. Helena se contorcia me deixando mais uma vez excitado.

Desta vez eu troquei de lugar com ela. Deitei aquela mulher de 1,80 no sofá, abri delicadamente suas pernas e retirei sua calcinha de renda. Fui brindado com um fio do seu mel que já escorria entre sua racha. Cai de boca. Suguei, engoli cada gota da sua seiva, lambi seu grelo e dei leves mordidas. Helena gozou na minha boca e descontrolada me puxava com as duas mãos para dentro do seu sexo. Depois de mais um gozo na minha boca, ofereci meus lábios para que ela sentisse o gosto do seu gozo e ela se aproveitou para encaixar meu pau na sua boceta.

Num movimento rápido deslizei para dentro daquela mulher quente e ensopada de tanto tesão. Helena me fez um pedido nobre: me fode como se eu fosse a sua puta.

Missão dada, missão cumprida. As estocadas eram fortes e sonoras. Helena gemia e pedia mais e mais. Coloquei-a de quatro e soquei aquela boceta com vigor até anunciar meu gozo. Helena se virou me oferecendo a sua boca para beber meu gozo. Depois ela me confidenciou que o marido fez vasectomia e que ela não tomava remédio há alguns anos.
Naquela noite saímos da empresa por volta da meia noite. Deixei Helena perto da sua casa e voltamos a nos encontramos mais algumas vezes.

Sobre o Tinder, ainda continuo lá.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.