"Os mais excitantes contos eróticos"


Famila de Putos e Putas 4


autor: gost46
publicado em: 21/06/17
categoria: outra
leituras: 884
ver notas
Fonte: maior > menor


Como ela sabe das preferências de Marcelo, era natural, com aquela esfregação e clima de tesão no ar, ela já começasse a desconfiar que a coisa iria desandar entre nós dois, ou andar, depende do ponto de vista.
DANDO CONTINUIDADE:
Já eram 17 horas, quando Marcelo e Sandra foram embora, já que na terça, voltaria tudo ao normal tendo que trabalhar.
Tomei banho e vesti uma cueca Box e uma camiseta branca e fiquei brincando um pouco de game com as crianças, enquanto Neuma também banhou e vestiu um baby doll rosa, com rendas branca e muito sensual, bem justinho, que ficou marcando tanto abunda e buceta, alem de mostrar os bicos dos seios.
Depois de um tempo, Nilda entrou no quarto e levou as crianças para dormir, não antes, dar uma olhada para minha rola voltada para o lado, dentro da cueca, onde mostrava o contorno da rola. Fiz que não tinha notado.
Neuma veio e deitando ao meu lado, começou a alisar minha rola que logo ficou durona e falou:
“amor...foi um fim de semana maravilhoso, não achas? Eu adorei, me diverti muito, mas quero me explicar sobre o ocorrido com o Personal.”
-amor...não vamos mais remoer isso, sei que você estava carente e isso aconteceu...o importante é que você esta aqui feliz e me ama e eu te amo!
“ahhhh...amor! eu te amo muito e fiquei muito preocupada que você fosse me deixar por isso.”
-hummm....eu amo você, e sei que você gostou dessa pulada de cerca...rsrsrs, safadinha!
Nisso ela já estava com minha rola na boca e nem respondeu nada e aproveitei para virar ela e iniciarmos mais um 69. Atolei minha cara naquela buceta que não teve folga no fim de semana, pois sexta teve a potente rola de Victor, fuçando e alargando e nos outros dias, minha rola, onde ela pelo visto, tem aproveitado para gozar muito.
Ela saiu da posição e deitou na posição papai-mamãe, e eu mandei ver com força pra dentro e fiquei fudendo como um louco e ela se acabando em baixo. Ela já estava quase gozando, quando em meio à foda eu disparei a baixaria, de quem quer mais, é putaria:
-aiiii...amor, que buceta gostosa...imagino o Victor metendo nela, como não ficou louco! Você naturalmente sua puta, gozou muito...ate estou vendo sua puta safada! Bucetuda! fode com seu corninho...fode!
“aiiii, caralho gostoso...meu marido amado e tarado! adoro seu pau meu macho, adorei outro pau e gozei mesmo!!!...você gostou de saber? Mete seu puto...mete!”
Ela gozou que ficou tremula e eu enchi sua buceta mais uma vez, deitamos e dormimos.
Passou-se a semana toda eu e ela o tempo todo na cama, na banheira, no chuveiro e onde dava, nós estávamos transando. Na quinta à noite, Marcelo me liga e marcamos nos encontrar num barzinho, onde tem uma turma bem alegre e que sempre frequentamos. Depois de muito tempo, Marcelo me chama e diz:
“chegou a hora meu gostoso, vamos pro motel?”
-só se for agora!
Saímos e fomos para um motel meio distante e bem afastado de tudo.
Meus amigos, tiramos as roupas e fomos direto para a banheira, onde ficamos nos beijando, pegando nossas rolas e dando umas chupadas. Enxugamos-nos e fomos para acama onde iniciamos um delicioso 69, por mais de meia hora. Que rola...deliciosa!
Amigos, deitei ele com aquela rola apontada pra cima e deitei por cima, iniciando uma seção de beijos cadenciados e bem amorosos, descendo bem devagar para seus peitinhos, onde dei umas chupadas que deixou ele arrepiado e mais ainda excitado. Continuei a descer até que cheguei novamente naquela rola, dando mais um trato, antes de me posicionar para deixar aquele objeto do desejo, escorregar para dentro do meu ser.
Coloquei a cabeça na porta do meu cu, que a essa altura, piscava, piscava e pedia para que eu relaxasse o corpo, para que o meu peso, a fizesse escorregar pra dentro. Foi justamente o que fiz, fui com minha boca até a dele e enquanto o beijava, apertei a cabeça da rola na porta do cu e forçando, fui arreando a bunda e fazendo ela ir se escondendo vagarosamente no meu já implorando cu. Senti centímetro, por centímetro, ela escorregando e meu cu esticando, até que senti seus aparados pentelhos, encostar-se à minha bunda, denunciando o fim da travessia, mostrando que agora, era deixar com que meu novo macho me comesse de todas as formas. Senti-me uma puta sem vergonha, safada, que agora, estava com o marido de minha cunhada, roubando dela, a rola que com toda certeza ela adora ter no meio de sua bucetona.
-hummmm....Marcelo, que rola mais gostosa, seu puto! Imagino como minha cunhadinha adora estar assim nessa rola, aiiii...que delicia! Me come seu safado, depois vou fazer você me chupar, sua puta.
“caralho Fabio, que cuzão gostoso...ele engole muito, sinal que ele leva muita rola...Neuma esta certa em dar a buceta pra outro, pois você agora é minha, sua puta!”
“a puta da minha mulher, mesmo com essa rola que você elogia, Fabinho, gosta de vez em quando, sair dando a buceta por ai...rapariga fudedora! Aiiii... que cu gostoso! Eu nem ligo e agora...muito menos! Só quero agora esse cu, sua puta!”
-hummm...nós casamos com duas putas!!! Mas quem mandou, casar com dois baitolas???quero mais é dar meu cu e ser mulherzinha...também vou te comer sua puta safada!rsrsrsrs...
Nesse instante comecei a sentir meu cu ficar dormente e ao mesmo tempo, sentindo a rola dele ir inchando mais ainda. Meu corpo começou a ter espasmos e choques, denunciando o gozo se aproximando, no que veio com tudo e eu entrei em transe. Meu corpo dava choques e mais choques, num gozo no cu, interminável e descontrolado, no que ate assustou Marcelo, pois ele nunca imaginara que alguém gozasse pelo cu como eu gozo. Eu acelerei a cavalgada e ele explodiu dentro de mim, com jatos de porra quentinha em volume extraordinário, onde a sua potente rola, em função da quantidade de porra, começou a escorregar mais ainda pra dentro e pra fora, até que ele parou e eu também, com ela toda atolada, dando os últimos espirros no fundo do meu ser. Deitei por cima dele e fiquei descansando, ate que a rola saiu com um rio de porra vindo atrás. Eu ainda tremia e ele também e fomos aos poucos acalmando, na medida em que nossos corações desaceleravam e nós nos beijávamos, com muito carinho e amor.
Ele desceu ate minha rola e chupou até eu encher sua boca e garganta de porra acumulada de tanto tesão.
Ficamos amantes e cúmplices e muitas saídas e trepadas juntos, cada dia mais nós nos explorávamos, meu cu já pedia com insistência a rola de Marcelo e ele me ligava todos os dias, para que nós déssemos tudo um para o outro. Nas minhas viagens, já não fazia tanto sexo como antes, pois sabia que na volta, ele estava me esperando. Minha mulher e cunhada, já estavam desconfiadas de nossa amizade tão intima, pois ficamos sempre juntos e quando saiamos, era sempre Eu, ele e as irmãs.
Até que um dia, tivemos mais uma surpresa.
Conto depois, um beijo.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.