"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Pai Adotivo.


autor: RedLolita
publicado em: 27/06/17
categoria: jovens
leituras: 4663
ver notas
Fonte: maior > menor


Fui adotada muito velha em consideração a outras crianças e foi com 15 anos, mas foi perfeita do jeito que foi, o casal que me adotou era bem legal e me amavam mesmo sendo adolescente e bem estamos juntos há 2 anos.

Eles são muito carinhosos e amáveis mas tudo começou a ficar estranho quando em um dia minha mãe e eu chegamos mais cedo do shopping e encontramos meu pai com uma garota da minha idade fazendo sexo no sofá.

Minha mãe enlouqueceu e os dois brigaram durante uma noite inteira e bem eles não se sapararam pois minha mãe disse que não adotou uma menina para ter um lar desfeito por um idiota como ele.

Minha mãe expulsou meu pai do quarto dela e ele veio na cama comigo, a minha cama era de casal e bem grande e não vi problemas em dividir com ele, foi assim que eu me aproximei dele podendo conhecer o homem que gostava de jovens como eu.

Passando mais tempo com ele pude começar a descobrir seus desejos e os meus, olhava a forma que ele me olhava enquanto estava deitada de pijama ao seu lado e as inúmeras vezes em que acordei com seu membro batendo em minha bunda pela noite.

Gostava de como ele se divertia comigo, como brincávamos como adultos, da forma que ele me carregava nas costas e minha intimidade roçava levemente nas costas sendo assim muitas vezes eu sempre estava excitada com ele.

A primeira vez em que pudemos ficar sozinhos foi quando algo aconteceu, estávamos deitados a um tempo, meu pai achando que eu dormia colocou em um canal de filmes eróticos, podia ouvir os gemidos de mulheres e corpos batendo na TV.

Confesso que minha intimidade estava inundada, mordia meus lábios fortemente para não chamar atenção dele, pude sentir o lado da cama de mexer mais, podia sentir a sua mão se mexendo freneticamente enquanto se masturbava.

Eu não me controlando mais me aproximo lentamente dele e pego a sua mão livre e levo até a minha intimidade ele me olha assustado mas não retira a mão de mim:

- Vamos pai, brinque comigo! - eu disse gemendo enquanto ele brinca com meu clitóris.

Seus dedos logo procuram minha entrada, seus dedos me penetram com leveza, era tão gostoso o modo como ele me masturbava e continuava a se masturbar e por minutos fizemos isso até que ouvimos a porta se abrir e minha mãe anunciar que chegou.

Nos soltamos e cada um virou para um lado e respiramos fundo e dormimos.

No dia seguinte tudo havia mudado, meu pai agora não me olhava como filha, ainda faziamos coisas de pai e flha mas era sempre com muita tensão sexual no ar, era bom quando enquanto jantamos na mesa e minha mãe ficava no celular ele me acariciava por baixo da mesa.

Nossa relação finalmente ultrapassou os limites quando minha mãe decidiu fazer uma festa em casa e levou um novo namorado, era um casamento aberto pelo jeito mas bem eu e meu pai estávamos nos provocando por meses.

Uma festa regada a bebida, amigos e sexo... Foi incrível. Para mim com 17 anos foi o auge e meu pai finalmente me tratou como uma mulher e tomou atitude. Enquanto minha mãe conversava com as amigas e se agarrava com o namorado estranho meu pai bebia.

Eu estava em meu quarto deitada bebendo um copo de um drink qualquer feito pela minha mãe quando meu pai entra com um sorriso safado no rosto, eu olhei para ele e me levantei:

- Posso ver sua calcinha Clara, não acha que está curta demais? - ele se aproxima tocando a minha coxa.
- Não pai, não acho que está curta.
- Estava sim filha, eu posso ver - ele toca minha intimidade - posso toca-la?
- Pode pai.

Ele me toca, seus dedos acariciam minha intimidade, logo ele decidi tirar ela e me deitar na cama:

- Filha, não sei o que você tem mas me faz te querer tanto - ele me beija quando se deita sobre mim.
- Eu quero você pai, dentro de mim - digo em seu ouvido o fazendo me olhar surpreso.

Meu pedido é logo atendido, sua língua está me devorando, ele me chupava com vontade e sugava meu clitóris de uma forma tão deliciosa que eu não conseguia parar de gemer, meu pai não se importava com meus gritos apenas continuava a me dar prazer.

Era engraçado imaginar as pessoas lá fora imaginando com quem meu pai estava dentro do quarto da filha adotiva, ele se levanta e tira a calça junto a cueca quando eu vejo seu membro daquela forma eu não acreditei, no dia em que ele se masturbou eu não pude ver ele mas estou impressionada.

Quando eu menos espero eu ele me penetra, seu membro desliza com facilidade dentro de mim, posso sentir ele me preencher e ainda doía para mim mas bem eu era apertada e ele era imenso.

Posso sentir a pressão que ele fazia dentro de mim, eu apenas o empurrava mais fundo para dentro de mim, sinto meu corpo explodir em prazer logo ele se solta de mim e me deita de bruço.

Suas mãos puxam meu quadril para ele, não cheguei a ficar de quatro mas ele voltou a me penetrar mesmo assim, ele ia mais fundo dessa vez, ele me apertava tão forte que me deixou marcas:

- Como eu consigo? Foder minha filha na cama em que dormimos, mas porra Clara você é tão gostosa.

Eu apenas gemia e rebolava meu quadril, por minutos ficamos apenas assim e logo eu sinto ele sair de dentro de mim e me virar bruscamente e puxar meu rosto para o seu membro e finalmente gozar em meu rosto.
Assustada mas estava adorando aquilo e logo a porta se abre bruscamente e eu me levanto correndo até o banheiro até que eu ouço os gritos da minha mãe:

- No quarto da nossa filha Marcos? Ela sabe disso? Melhor não contar para ela.

Minha mãe estava bêbada demais para perceber era sua filha ali com seu marido.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.