"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Malhando uma morena


autor: Lenhador
publicado em: 16/07/17
categoria: casual
leituras: 1457
ver notas
Fonte: maior > menor


Após treino puxado para participar de uma corrida de rua (atletismo) notei o breve cansaço e isso era sinal de falta de resistência e a ideia de voltar a malhar não me seduzia, mas precisava tomar uma decisão: Malhar e ter melhor condicionamento ou parar com o atletismo.

Passei o dia todo com essa dúvida martelando a mente até que ao final do expediente do trabalhando decidi passar na academia pra olhar planos e valores.

Como era caminho de casa nem teria desculpa e ir num outro dia. O estacionamento da academia estava concorrido, más após breves minutos consegui uma vaga e quando ia descer escutei barulho de uma moto e em seguida veio o barulho na lateral do meu carro.

Pelo retrovisor olhei a morena tirando o capacete e fazendo careta olhando pro meu carro. Chamou-me atenção a região do ventre, pois acho muito excitante mulher numa moto e vê-la descer da moto só trocou a gula pelo tesão, pois mulher vaidosa e torneada é tudo de bom.

Abro a porta sem pressa e desço com semblante sério e olho a lataria e depois pra morena.

_ Oi foi mal. Ela já fala me encarando.

_ Muito mal. Respondo sério e a observando.

Morena com cabelo na cintura fina, seios arrebitados e quadril proporcional ao belo corpo de seus 1,75 era uma tremenda e cheirosa gostosa.

_ Moço não fala isso. Ela se desesperou

_ Acontece garota. Tento conforta-la

_ Mas justo comigo? Reluta ela.

_ Posso saber seu nome? Pergunto

_ Pode me chamar de Ka. Ela apenas conta o apelido

_ Sendo assim Lenhador e prazer Ka. Sorrio perante o ar de curiosidade dela

_ Por que Lenhador? Você destrói a natureza? Ela pergunta com ar reprovador

_ Amo a natureza Ka e esse apelido surgiu numa ocasião impar onde eu era muito digamos curioso. Sorrio e ela fica vermelha

_ Vocês homens não prestam mesmo. Ela me repreende

_ Nem vem viu, pois o apelido surgiu de uma situação atípica com três garotas. Faço cara de inocente e meu sorriso a irrita

_ Como assim três garotas? Verdade isso? Ela começa a me olhar todo

_ Estava num rio em cidade do interior e surgiu esse apelido (ler o conto Safadeza na mata, a origem do Lenhador). Justifico-me

_ Não acredito que você transou com três mulheres no mato. Comenta com ar incrédulo

_ Quem falou em transa? Sorrio abertamente

_ Um moreno como você com três mulheres a sós no mato só daria orgia

_ Que isso Ka sou bom rapaz e inocente só faço o bem pras pessoas. Caímos na gargalhada juntos

_ Você é bem safado e sacana isso sim. Ela morde os lábios e fica com as mãos na cintura me olhando

_ Não fala isso Ka. Dou bronca

_ Safado e sac... nem espero ela terminar a frase e a puxo pra beijar forte enquanto puxo o cabelo pra traz. Começo a mordiscar o pescoço, nuca, queixo e logo começo a ouvir gemidos perto do meu ouvido a puxo de forma a ficar em colada e fico roçando o cacete no ventre dela.

_ Se me chamar de safado de novo vou te comer aqui mesmo. Falo movido pelo tesão

_ Aqui correndo risco de sermos vistos? Ela se assusta.

_ Medo de ser vista. Desafio ela

_ Nunca fiz algo assim. Confessa cheia de tesão

Enfio uma das mãos por baixo da camiseta e começo a bolinar os seios firmes da morena. Ela começa a esfregar a buceta no meu cacete. Como estávamos num canto com pouca iluminação não tinha como ser visto de longe ainda mais protegidos pelo carro.

Deslizo uma mão, por dentro da leg marrom da bela morena e meus dedos ficam molhados ao encontrar uma buceta depilada e apertadinha e sem nenhum pudor abaixo a leg e deixo o cacete roçar na buceta até estar todo lambuzado.

_ Me come Lenhador fiquei muito excitada imaginando você com três garotas. Confessa ela relando no cacete.

A viro de costa pra mim e miro a buceta com cuidado pra não arrombar o cuzinho e começo a penetrar já sabendo que a bucetinha dela era apertada e sensível a foda. Mal penetrei e ela já começava a se contorcer em gozo, pois estava mesmo muito carente e em pouco tempo já tinha tido vários orgasmos. Ka era dessas raras mulheres que é capaz de gozar só do vento a deixar arrepiada.

A faço ficar mais empinada e começo a dar estocadas mais fortes, pois estava muito afim de gozar e quando estava prestes a gozar a desviro e atolo o cacete na boca dela de forma que ela engoliu cada gota da porra.

_ Pronto safada. Ganhou o que estava merecendo. Dou uma palmada na bunda dela

_ Gostoso sentir você Lenhador. Elogia-a me abraçando

_ Ka vamos marcar de sair e ter um bom momento junto. Convido

_ Eu topo querido. Anima ela

_ Sobre o arranhão tranquilo, pois eu arrumo.

_ Você é um amor mesmo. Ela me beija e me passa o número fixo e do celular

Fico olhando ela indo pra dentro da academia enquanto me recupero da foda inesperada. Boa hora resolvi voltar a malhar.

Continua...



















ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.