"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A aluna


autor: UmHomemQualquer
publicado em: 07/09/15
categoria: jovens
leituras: 25799
ver notas
Fonte: maior > menor


Sou um homem comum, tenho mais de 50 anos, não sou bonito, não chego a ser feio. Sou casado, mal casado. Um dos grandes problemas entre eu e minha mulher e que para ela sexo e uma coisa que não precisa de nada antes. E eu sou totalmente ao contrario, gosto de um clima, daquilo que começa pela manhã em um gesto, passa pelo dia em pequenos detalhes e chega a noite na sua melhor forma.

E isso me faz ser diferente - e durante toda a minha vida me fez de certa forma me dar bem com as mulheres. Sou uma pessoa que gosta de detalhes, tenho uma boa imaginação e não me furto viver uma fantasia.

Conheci a Luna dando aula. Ela tem 23 anos, uma boca que chama a atenção e uma cabelo liso até na altura da cintura. Mora num bairro afastado de São Paulo que até conhece-la jamais tinha ouvido falar. Tem uma 1,68 m e tudo muito bem distribuído e aquela falinha pelo nariz enjoadinha que tanto gosto isso sem falar que troca o r pelo l o que dá a ela uma charminho especial.

Começamos a ter mais proximidade quando a levei para assistir uma apresentação que fiz em uma congresso. A forma com que ela me olhava lá na plateia me deixou com vontade de ensinar mais do que deveria nas aulas. Saimos dali e fomos comer alguma coisa; Tem gente que se encanta por pernao, por bundao...me encanto com a maneira como as mulheres sentam, como elas comem, com os gestos....e naquela noite tive uma show de delicadeza na minha frente. Saimos dali e dentro do carro ela me perguntou porque sempre me via sozinho e eu contei um pouco da minha vida - ela me disse que não merceia viver daquela forma. Disse a ela então que poderíamos chegar mais perto e que gostaria muito que me desse um beijo. Ela pediu que parasse o carro e me beijou muito, muito, muito. Fui embora feliz.

Na semana seguinte convidei-a para almoçar comigo; ela veio, nos divertimos muito no shopping Aricanduva e ela me pediu para irmos juntos ao parque do carmo. Nossa aquela coisa da juventude, do sentar sobre as pernas, do caminhar com leveza me deixou mais louco. Quando voltamos ao carro disse a ela que queria ir para um motel e ela me disse que não tinha trazido documento. Ficamos no beijos, abraços e eu me sentindo muito bem. Tanto que marcamos para repetir a dose no dia seguinte.

Naquele dia ela veio matadora e fomos almoçar. Quando o almoço acabou ela me disse - olha hoje trouxe o RG, mas quero te dizer uma coisa - não quero transar, só ficar com você. Seu corpo não me atrai, mas a maneira que me beija e me toca me faz ter vontade de ficar junto com você, pode ser assim ? Claro que concordei e procuramos um bom motel e entramos. Lá dentro nos beijamos muito e comecei a encher a hidromassagem e ela olhando. Enquanto a hidro enchia descemos para a parte debaixo da suíte e tirei a blusa dela...aqueles peitinhos pequenos, rosados, comecei a beija-los e desci para sua barriguinha linda, ela gemia baixinho e gostoso.

Com muita conversa a convenci a ficar nua e tive a minha frente a delicia do espetáculo de um corpo de ninfeta; Ela subiu a escada para ir ao banheiro e ao descer presenteou-me com uma cena que não me sai da cabeça; lembro daquela coisa deliciosa descendo a escada - os pelos pubianos baixinhos mais cobrindo toda a extensão. Beijei muito seu pescoço e ela se contorcia e dali fomos para banheira.

Colei nela dentro da agua e ela assim meio sem jeito começou a me masturbar, aquela coisa de menina levinha mais carinho do que qualquer outra coisa. Logo descemos e nus voltamos para a cama.

E lá ele me disse que naquele dia não ia rolar mais do que aquilo. Pedi que viesse sobre mim e roçasse e ela o fez gostosamente e com aquela carinha de que esta gostoso. Fui por cima dela e disse que iria gozar sobre suas coxas, ela junto as perninhas e fiquei ali no meio até gozar. Nos beijamos muito, roupas no corpo e carro. Deixei-a na esquina da rua da casa dela.

Essa foi nossa primeira vez. Dia seguinte a enchi de mimos, perfume que ela gosta, uma cesta de café da manhã. Me fez um bem danado aquele namorinho da minha juventude, não rolou muita coisas, mas.....









ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.