"Os mais excitantes contos eróticos"


Traí meu marido sem querer VII


autor: rosario
publicado em: 24/07/17
categoria: hetero
leituras: 2857
ver notas
Fonte: maior > menor


Ficamos nos falando diariamente depois que lhes disse que meu marido havia aceito de uma maneira extraordinária o meu deslize, que ele posteriormente me disse que a culpa foi dos hormônios.

Ela durante a semana só me perguntava se já havíamos acertado o dia em que íamos visitá-los num fim de semana. Eu estava ansiosa também para nos encontrarmos logo, pois estava certa que o encontro ira pegar fogo.

Meu marido sempre voando, ficou sempre me ligando para saber como iam nossos novos amigos. Na quinta feira ele me ligou dizendo que na sexta feira iria pernoitar em BH e talvez pegasse uma folga para passar lá o sábado também e me perguntou se eu podia encontrar com ele lá. Infelizmente eu já havia acertado uma pequena cirurgia de minha mãe para a sexta feira e teria que acompanhá-la e no pós operatório também. Ele lamentou profundamente, pois estava louco para encontrarmos nossos novos amigos. Eu pedi-lhe que aguardasse que eu estava com uma ideia e logo retornaria para ele que naquele momento estava em Fortaleza.

Liguei imediatamente para Cristina e disse-lhe que Leandro estaria pousando nos Confins no dia seguinte, por volta das 17 hs. e como eu não poderia ir devido à cirurgia de minha mãe, que ela consultasse Fernando para saber dele se poderiam e se queriam receber Leandro pois ele estava sonhando em encontrá-los. Ela foi logo dizendo que lamentava muito eu não poder ir, mas ela iria consultar Fernando, mas já sabia de antemão que ele iria adorar recebê-lo e que eu me tranquilizasse que ela cuidaria muito bem dele e riu gostosamente.

Safada, eu sabia que ela iria fazer tudo para cuidar dele tão bem quando Fernando cuidou de mim. Em meia hora ela me retornou dizendo que adoraram a notícia e que ambos iriam para os Confins por volta das 17 horas e que eu avisasse a Leandro que eles o apanhavam. Leandro ficou felicíssimo e disse que nem ia dormir bem naquela quinta, só pela expectativa do encontro.

Eles chegaram no aeroporto de Confins antes do horário previsto e viram o pouso do avião de Leandro e quando a tripulação descia, eles já o reconheceram e acenaram para ele que retribuiu, acenando também. Eu estava em casa por volta das 17:30 hs quando atendi uma chamada da minha amiga que rindo muito e muito feliz mandou eu esperar um pouco que uma pessoa queria me falar. Leandro muito feliz foi logo me dizendo que estava encantado tanto com Cristina como com Fernando e que ambos eram muito mais do que eu havia dito.

Eu perguntei-lhe o que achou dela, principalmente e ele respondeu que era uma deusa e que realmente, era muito mais bonita do que nas fotos. Ouvi a risada alta do meu casal adorado e mesmo de longe, pude imaginar como seria aquela noite, pois certamente seria muito melhor para ela do que foi para mim, pois ela tinha à sua disposição dois machos lindos, safados e tarados. Na verdade eu a estava invejando por aquela oportunidade. Nem precisou Leandro me contar nada como havia sido aquele começo de noite. Ela fazia questão de me relatar depois, em detalhes.

Quando chegaram no ap deles, tudo estava preparado e o atendimento foi o melhor possível. Só que ela estava louca para trepar com Leandro, porque o achou muito mais atraente do que aparecia nas fotos e por eu haver lhe dito que o pau dele era quase do mesmo comprimento do de Fernando e só que um pouco mais fino. Segundo ela, era tudo que sonhava, porque achava o pau de Fernando muito grosso para ela a ponto de a incomodar um pouco quando ele metia na bundinha dela.

Assim que acomodaram a mala de viagem dele, Fernando virando-se para ela, perguntou: “E então, amor, gostou mesmo dele ? É como Rosário disse? Melhor ou pior?” Ela ficou louca com aquela pergunta do marido e sem receio disse que Leandro era tudo o que ela queria. Pena que ele não se fazia acompanhar de mim. E riram muito enquanto ela abraçou Leandro na frente do marido. Ela me disse que sentiu o safado já de pau duro e Fernando, talvez percebendo um início de envolvimento dos dois, disse que iria apanhar umas cervejas no Supermercado e que voltaria em uma meia hora, aproximadamente. Talvez estivesse querendo deixar os dois mais à vontade, mas Cristina me disse que tinha certeza que era uma forma de me agradecer pelo que eu fui para eles, naqueles dias de seminário bancário, em São Paulo.

Tão logo Fernando saiu, Leandro olhou para ela e disse que nunca pensou que uma mulher fosse tão linda e com o devido respeito, tão gostosa como ela. Ela riu, agradeceu e sem nenhum constrangimento, deu-lhe um abraço bem apertado e procurou meter a boceta em cima do pau de Leandro que já estava escandalosamente duro.

Quando Leandro percebeu que ela maldosamente estava com a boceta em cima de seu pau e pressionava cada vez mais, ele a pegou pelo pescoço e a beijou na boca com muita gana e tara. Ela correspondeu metendo a língua na boca dele, já como uma putinha bem safada. Era um beijo pecaminoso num introito de muita putaria que rolaria entre os três, durante aquela noite e todo o dia seguinte.

Quando ela meteu a mão na rola dura de Leandro, ele ainda como não acreditando no que estava acontecendo, perguntou: “E se Fernando chegar?” Cristina respondeu, tranquilizando-o e dizendo: “Fica tranquilo que ele tá louco pra me ver trepando com você. Ele me disse isso desde que soube que você vinha nos ver.”

Foi a senha para Leandro cair de vez na putaria grossa e já foi abrindo o éclair nas costas dela e tirando o seu sutien , jogando-o fora e em seguida puxou o vestidinho curto dela pela cabeça, deixando-a só com uma calcinha que mal cobria a boceta linda dela. Ela me disse que Leandro parecia um louco, pois partiu pra cima dela como um tarado, beijando-a em todos os lugares, chupando seu seios e não deixava de apalpar sua bunda dizendo que nunca havia visto uma bunda tão linda e Cristina para enlouquecê-lo mais ainda, apressadamente tirou toda a roupa dele e a jogou no chão e quando viu o pau dele feito uma barra de ferro o pegou e começou a punheteá-lo fazendo-o gemer. Ele agarrou a calcinha dela e a rasgou literalmente e jogou os pedaços no chão e caiu de boca na boceta dela que já estava pingando, dado era o tesão que ela já sentia. Quando a língua dele penetrou na sua boceta ela enlouqueceu e esfregava a boceta na cara dele e gemia pedindo:

“Vai, safado, me chupa mais. Era assim que tua esposinha puta chupava meu marido em São Paulo.”

Leandro enlouquecia quando ouvia aquilo e não deixava de alisar sua bunda e de repente Leandro levantou-se e a rodou sobre o próprio corpo e a atacou por trás, fazendo seu pau duro deslizar pelo rego daquela bunda linda, enquanto apalpava seus dois seios. Ambos pareciam endemoniados e já estavam prestes a gozar quando Leandro meteu a cabeça do seu pau em direção ao cusinho de Cristina, que apoiou-se no espaldar do sofá de um dos dois ambientes do enorme ap deles e levantou a bunda para receber aquele falo duro e tesudo. Ela me disse que naquele momento sentiu que aquele pau era o ideal para ela e era tudo o que vinha sonhando depois que eu havia descrito Leandro para ela e que sabia que iria dar para Leandro como nunca havia dado, nem mesmo para o marido.

Quando Leandro meteu na bunda dela que a cabeça do pau mergulhou no seu rabinho, Fernando abriu a porta com uma caixa de cerveja na mão e vendo o espetáculo, fechou a porta e apesar do espanto de Leandro, ele disse: “Amor, fica tranquila que eu tava louca pra ver você fudendo com Leandro.” Ah, se ele tava querendo ver, então ia ver de verdade e ela disse para Leandro:

“Vai, Leandro, mete esse pau todo na minha bundinha pra meu corninho ver. Mete todo mesmo pra ele ver como um macho fode a mulherzinha dele. Amor, adorei o pau dele. Olha ele me fudendo como tu fodia a mulherzinha dele lá em São Paulo.”

Aquilo parecia ter um poder gigantesco nos três, pois ela pedia pra Leandro meter mais forte e Leandro metia a vara todinha até topar naquela bunda linda e Fernando em menos de 10 segundo já estava nu e veio pela frente da esposa com o pau teso mandando ela chupar. Ela chupou feito uma louca e deixava o pau do marido entrar até sua garganta. O mais excitado era Fernando, pois ao que parece, enlouquecia de tesão quando via sua mulher levando rola de outro macho, pois dizia:

“Vai, Leandro, mete na bunda dessa safada que ela tava louca pra fuder contigo. Arromba o cusinho dessa vadia. Faz ela gozar que ela adora levar rola na bunda.” Foi terminando de dizer isso e despejando uma carga de porra na boca da esposa que não conseguindo engolir tudo, deixava escorrer pelo queixo, o que atiçou mais ainda , que metia feito um cavalo, segurando-a pelos quadris e a ouvindo dizer que estava gozando também.

Leandro não se sustentando mais, vociferou: “ Vou gozar também, minha putinha gostosa. Vou encher esse cusinho lindo de porra. Vou te arrombar toda. Fernando, vou encher o rabinho dela de porra”. e gozou no rabinho de Cristina, que sentia os jatos lhe enlouquecendo e lhe fazendo quase desmaiar de tanto gozar.

Cristina disse que após a trepada, foi beijar cada um deles e sentiu que ambos estavam a ponto de desmaiar e a abraçaram e beijaram com tesão. Foram os três para o banheiro e lá os dois machos deram um banho nela, tomaram banho também e convidaram Leandro para o quarto deles. Lá, assim que deitaram na cama do casal, Cristina perguntou a Leandro se havia gostado da recepção.

Ele respondeu que melhor não poderia ser e que esperava que essa recepção continuasse durante toda a estada dele com eles. Riram, mas ela logo pediu que com a presença de Leandro seus sentidos foram ativados para que ela pudesse realizar outra fantasia antiga dela e que agora com a chegada de Leandro, achava que era a hora de concretizá-la.

Fernando disse que estranhava, pois ela já havia realizado uma fantasia antiga dela em São Paulo com Adriana e agora queria outra. Ele, marido, queria mais do que nunca saber qual era a fantasia desta vez.

Cristina mandou que o marido deitasse na cama, exatamente como aconteceu em São Paulo. Começou a chupar o pau do marido que logo estava feito uma barra de ferro. Quando ela notou que ele estava pronto, subiu nele e de joelhos fez aquela pica entrar toda em sua boceta que já estava toda melada de tesão. Leandro vendo aquilo ficou com o pau duro e vendo ela subir e descer na rola do marido atreveu-se a advinhar o que Cristina queria.

Foi de leve e a empurrou para frente e ela deitando-se sobre Fernando, começou a beijar a boca do marido. Sua bunda linda ficou exposta e Leandro não perdeu tempo. Subiu na cama e começou a deslizar sua língua sobre aquele cusinho apertado, fazendo-a rebolar cada vez mais. Depois de uns dois minutos, passou o seu pau duro e já todo melado pelo rabinho de Cristina, fazendo aquela mulher linda delirar de prazer. Ela quase pirou e começou a dizer:

Vai Leandro, mete novamente no meu rabinho que agora eu quero sentir dois machos dentro de mim. Eu sempre sonhei com uma DP. Quero aguentar duas rolas ao mesmo tempo. Amor, lembra que eu dizia que ainda iria realizar minha maior fantasia? Era essa e não aquela que realizei em São Paulo. Eu sonhava em fuder com dois machos desde que um fosse você, para você ver sua mulherzinha aguentando duas rolas. Manda Leandro meter com força na minha bundinha, manda. Eu adoro esse pau dele no meu cuzinho. Me fodam, dois tarados safados. Quero gozar nessa duas picas”

Fernando não suportando aquilo, bradou:

“Vai Leandro, mete rola nessa bunda linda dessa piranha. Ela adora levar na bunda, Vamos fazê-la enlouquecer de tanto gozar. Pela primeira vez ela tá aguentando dois machos e parece que tá gostando. Vamos fuder essa gostosa. Fode o rabinho dela do mesmo jeito que eu fodi o rabinho de Rosário, aquela gostosa, lá em São Paulo.”

Leandro ouvindo aquilo parecia enlouquecer e começou a meter sem pena no rabinho de Cristina. Com , velocidade, metia o pau até topar e retirava, fazendo ela chorar de tanta tesão. Ela não aguentou nem 3 minutos de rola e desabou numa gozada monstra, berrando, rebolando e falando palavrões: “Vai, amor, manda Leandro empurrar toda que eu vou gozar. Me fode Leandro, me faz tua puta. Me arromba, me estupra, me fode, mete sem pena.”

Os dois machos vendo aquilo não aguentaram e encheram a boceta e o cusinho de Cristina de porra, os dois ao mesmo tempo e quando foram terminando ela já estava gozando feito uma puta. Quando se acalmaram, ambos ainda dentro dela, ela disse que queria que os dois machos ficassem mais um pouquinho engatados nela, afinal não era todo dia que ela tinha uma oportunidade daquela.

Depois de uns 2 minutos, Leandro saiu do rabinho dela. Ela levantou-se e retirou a boceta do pau do marido que parecia ensandecido depois da gozada que dera na boceta da esposa.

Ela disse que iria esquentar o jantar, pois a noite estava apenas começando e prometia muito. Apenas queria tomar um banho com seus dois machos.

Tomando banho entre seus dois machos, ouviu deles muitas promessas: que eles iriam fodê-la a noite inteira, iriam meter em todos os seus buraquinhos e que ela iria gozar como nunca gozara tanto na vida.

Certamente que aquela noite prometia e ficaria na estória.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.