"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Minha amiga de infância - Continua...


autor: carlosruzisca
publicado em: 27/08/17
categoria: gays
leituras: 1331
ver notas
Fonte: maior > menor


Roberta e Eduardo formavam um casal muito legal, ambos sempre risonhos, alegres, ela não lembrava nada aquela garota magrinha e tímida da nossa infância, agora era uma linda mulher, morena, que lembrava uma índia, com 1,70 m, 50 e poucos quilos, diria que tem o tamanho ideal para oferecer alegria e prazer para qualquer ser vivo, seios médios lindos e pontudos, sempre pontudos, pedindo um carinho, uma bunda firme e arrebitada, que nos dava vontade de dar uns tapas pelo prazer de senti-la, ele loiro, da mesma altura que ela, corpo mediano, sem muitos pelos no corpo, o casamento estava para acontecer, então marcaram a sempre esperada "Despedida de solteiro", claro que foi em uma boate, um lugar legal, com garotas bonitas, frequentadores também bonitos e de bom gosto. Marcamos para uma sexta-feira, aos poucos os convidados foram aparecendo, o Eduardo e eu acabamos chegando praticamente juntos, ficamos sentados na mesma mesa e a conversa fluindo entre nós, muitas cervejas e todos os tipos de bebidas depois, quase todos já mais a vontade dançavam, pegavam as garotas, ou seja, estava "liberada" a festa. O Eduardo apresentou o Rafael, um colega de empresa, ficamos os três na mesma mesa conversando e bebendo, e percebi que cada vez que um levantava para ir ao banheiro, o outro também saía logo em seguida. Na terceira ou quarta vez, precisei ir ao banheiro também, porém fui alguns minutos depois deles, quando entrei no banheiro, notei que o Eduardo estava com o rosto vermelho, não entendi na hora se era por vergonha ou ter assustado com alguém ou alguma coisa, voltei para a mesa e eles chegaram em seguida. Mas, notei um clima diferente, mas continuamos a conversar sem maiores problemas e a festa continuava alguns amigos e colegas dele já mais empolgados já estavam se soltando, já estavam com garotas, beijando, alisando, e tudo mais, viam-se outros sentados no colo de outras e outros também, sim, tinha alguns que estavam curtindo os amiguinhos, até que em determinado momento, o noivo também resolveu se soltar, sentando no colo do Rafael, começaram a se beijar e se amassar ali mesmo na frente de todos, também quero participar dessa festa, pensei. Uma garota estava sentada comigo e estávamos trocando carinhos e beijos, claro que ela percebeu que meus amigos estavam se pegando e comentou que sempre achou muito excitante dois homens se beijando, se comendo, nesse papo, continuamos, ela alisava meu pau por cima da calça e em alguns momentos, colocava ele para fora, para uns beijos e chupadinhas, mas em seguida guardava na calça outra vez, segundo ela a direção da casa não aceitava esses "aperitivos" ali, só nos quartos elas poderiam fazer o que quiser, mas ela dizia que não resistia estar sentada ao lado de um pau e não fazer nada(risos). Ela olhava para os dois e o tesão dela aumentava e ela aumentava o meu, pois ficamos assim a noite inteira. Na hora de ir embora o Rafael estava sem carro e descobri que o Eduardo também, então ofereci uma carona para eles, sem vergonha ou pudor, sentaram no banco de trás e já começaram a se agarrar, eu falei que poderiam ficar a vontade, porém eu quero participar, fomos para o apartamento do Rafael, já chegamos lá quase sem roupas, ao entrar no apartamento, o Rafael já ajoelhou aos meus pés, enquanto o Eduardo e Eu nos beijávamos, ele já abriu o zíper de minha calça, tirou meu pau e começou a chupar com vontade, a garota na boate já tinha caprichado a noite inteira, sendo assim, eu já estava com muita vontade. Deitamos na cama, eu estava com um me chupando bem gostoso, outro me oferecendo a bunda, comecei a dedar o cuzinho dele que apertava meu dedo com vontade, ele rebolava em meus dedos e dizendo que estava muito gostoso, estava querendo meu pau que o Rafael não parava de chupar, eu estava quase gozando, tirei o pau da boca dele e já fui encostando na bunda do Eduardo, que rebolava e gemia, dizendo que a putinha que vivia dentro dele hoje se realizaria, teria dois paus só para ele. De uma única vez, soquei na bunda dele, que respondeu com um gemido de dor e prazer, pois não parava de rebolar, chupava e era chupado por Rafael. Estava fodendo gostoso a bunda dele, quando Rafael veio pela frente e foi procurando o buraco do cu dele para dividir o espaço com o meu pau, Eduardo vibrava de tesão e emoção, tinha agora dois paus duros e babando no rabo e rebolava feito louca para senti-los gozando também. Agora, ele me beijava, de costas para o Rafael sentia o pau do negrão fodendo seu sedento rabo, sincronizamos a metida e logo nós dois fodiamos um cu delicioso sedento por pica, que como despedida da vida de solteiro, queria o leite dos dois machos dentro dele, falou que hoje ele engoliria leite de macho por todos os buracos e o cu seria o primeiro, tiramos as camisinhas e socamos na bunda dele, que em segundos estava gozando, logo em seguida eu comecei a sentir o corpo tremendo, o gozo anunciando, enchi o rabo de leite, deixando escorrendo pelas pernas, logo em seguida o namorado de ébano dele, ofereceu-lhe uma dose generosa de porra que junto com a minha escorreu pelas pernas, deixando o lençol da cama molhado. Os três caíram na cama suados, exaustos, mas felizes, o Eduardo ainda era o centro das atenções, ele estava deitado no meio de nós dois e ficou distribuindo carinhos e sorrisos, todo feliz por ter realizado o sonho de uma DP, justamente às vésperas do casamento. Tomamos algumas cervejas e relaxamos um pouco mais, o Rafael veio para o meu lado na cama e começou a disputar com o Eduardo a atenção do meu pau, ele também queria naquela noite. Já engoliu meu pau e me deu uma das melhores chupadas até hoje, o Eduardo dizia o tempo todo, - Esta sentindo como ele chupa gostoso, né? Depois de uma chupada gostosa, falei no ouvido dele que só gozaria no cu dele naquela noite, ao ouvir isso, ele começou a rebolar, dizendo que precisava de leite, então, pegou o pau do Eduardo e começou a chupar enquanto eu socava na bunda dele, ele rebolava, gemia, gritava, chorava, vibrava com um pau no cu e outro na boca. O Eduardo ficou de quatro na frente dele, pedindo para ser fodido bem gostoso, ficamos engatados, até que senti o meu gozo se aproximando, acelerei o movimento e leitei o rabo do Rafael, que gozou no Eduardo que ofereceu o pau para ser chupado e gozou feito um louco, essa foi a última da vida de solteiro dele, depois de casado nos encontramos algumas vezes, pois sempre gostou de ser a putinha.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.