"Os mais excitantes contos eróticos"


Eu, a assistente de RH e Luara


autor: Publicitario45
publicado em: 28/08/17
categoria: hetero
leituras: 1801
ver notas
Fonte: maior > menor


No sábado pela manhã, acordei com uma mensagem da Fabiana com uma foto da sua boceta inchada e com porra ainda escorrendo e a legenda: quero tudo de novo. Mas como ela é noiva, nada poderia rolar no final de semana exceto algumas mensagens picantes, fotos, e frases de duplo sentido. Ela iria passar o final de semana na casa da família do noivo no interior do estado.

Na segunda-feira voltamos a nos reunir na empresa onde ela trabalhava e tentamos agir com a maior descrição possível, porém, a sensação que eu tinha é que Claudia e Luara sabiam do ocorrido e essa sensação me deixava bem incomodado.

Passamos a semana trocando mensagens e na quinta ela me ligou.

- Ei, estou sozinha em casa. Quer me comer na minha cama?

- Onde você mora?

- Perto do meu trabalho. Vem logo que eu tô escorrendo.

Em vinte minutos eu estava na porta do apartamento 308, toquei a campainha e Fabiana gritou lá de dentro.

- Pode entraaaaaar!

Abri a porta e tomei um susto. Fabiana estava nua, no sofá, de pernas abertas e com um pote de sorvete nas mãos. Lambuzou a boceta e ordenou.

- Lambe a sua putinha, lambe!

Já fui me livrando das minhas roupas, e cai de boca. O calor da minha boca em contraste com o gelo do sorvete fez com que Fabiana gemesse alto, envergasse a coluna e segurasse a minha cabeça enquanto esfregava a boceta na minha cara até gozar.

Depois do primeiro gozo, ela ainda gemia baixinho quando coloquei seus pés nos meus ombros, um de cada lado, mirei meu pau na porta da sua boceta e comecei a foder com força. O som dos nossos corpos ecoavam pela sala junto com os seus gemidos, desferi uns tapas na sua bunda e gozamos juntos pela primeira vez.

Sentei ao seu lado no sofá e ela já veio caindo de boca na minha rola, lambuzou ele de sorvete e começou a me chupar me levando a loucura, sua boca estava quente e sedenta. Ela metia meu pau inteiro na boca, ia até o saco, voltava, mordia, chupava, lambia e fazia tudo de novo.

Quando meu pau endureceu de novo ela sentou de costas pra mim, colocou a cabeça na porta do cuzinho e foi descendo engolindo meu pau até o talo. Meus dedos dedilhavam seu grelinho, ela gemia, abria as pernas, subia, descia, gozava incessantemente e me fez gozar de novo.

Depois disso, fomos pro banho e ela me disse que queria chupar uma menina na minha frente. Disse que jamais iria propor isso pro noivo por ele ser careta demais mas que já tinha uma pessoa em vista.

- Quem?

- A Luara? Ela me dá mole, ela disse uma vez que queria também. Vou armar. Você quer comer nós duas safado?

- Quero muito.

Depois disso o resto da tarde a gente passou trepando de todas as formas possíveis. Os dias iam passando e nossas conversas eram em torno de como atrair a Luara para uma festinha.
Fabiana tinha mil planos mas o melhor deles foi a ideia dela pedir ajuda para Luara junto a um trabalho de faculdade e no mesmo dia e hora ela me ligaria para tirar algumas dúvidas e é claro que eu ajudaria, até iria me oferecer para ir na casa dela pessoalmente.

Plano arquitetado era hora de colocá-lo em pratica. Na quinta a noite Luara e Fabiana estavam reunidas para o tal trabalho. No meio de tantas dúvidas Fabiana me ligou e eu comecei a ajudar até que no meio da conversa me ofereci para ir lá ajuda-las. Fabiana topou na hora, me passou o endereço e Luara nem desconfiou, ou se desconfiou, fez de conta que não tinha desconfiado de nada.

Quando cheguei no apartamento toquei a campainha e Luara atendeu. Estava linda, usava uma blusinha fina sem nada por baixo e um shortinho minúsculo, estava descalça. Luara me recebeu com um abraço apertado que deu para sentir o bico do seu peito no meu corpo.
Minhas mãos tocaram de leve a sua cinturinha e em seguida fui cumprimentar Fabaiana que usava um vestidinho florido.

- E ai meninas, o que está pegando?

- Tenho que terminas essas coisas da faculdade e Luara veio me ajudar. Mas estamos apanhando.

Começamos o teatro, resolvemos as questões e Fabiana começou a colocar a segunda parte do seu plano em prática.

- Agora que terminamos, vamos beber pra comemorar?

- Luara concordou eu concordei e do nada uma garrafa de vinho apareceu na mesa de centro. Eu estava sentado no chão, Luara também e Fabiana sentou-se do meu lado.

- Estou me achando o rei com duas meninas lindas do meu lado.

Fabiana sorriu com tanta malicia que Luara percebeu e retribuiu, começamos um joguinho bobo de palavras de duplo sentido, Luara encostava em mim, eu colocava as mãos sobre as suas coxas grossas, ela me alisava e Fabiana começou a brincar também. Só que ninguém tomava a iniciativa e eu dei a cartada final.

- Meninas, eu preciso parar de beber, se não vou ter que dormir aqui.

- Na minha cama cabem três – disse Fabiana.

- Eu o seu noivo? – Perguntou Luara.

- Você vai contar pra ele?

- Não.

- Bem, já que eu vou dormir aqui com vocês duas, a Luara não vai contar pro seu noivo, você agora tem que retribuir a gentileza.

- Como?

- Dá um beijo de agradecimento na sua amiga.

Fabiana colocou a taça de vinho na mesinha e foi passando por cima de mim indo em direção de Luara que estava estática assistindo a cena. Após sentar no meu colo, em cima do meu pau, Fabiana começou a beijar a amiga que retribuía com vontade. Os lábios das duas não se desgrudavam e eu soltei as alcinhas do vestido de Fabiana que estavam presos apenas por um lacinho. O tecido desceu e eu comecei a mamar cada um dos seus seios, ela gemia, Luara olhava e voltava a beijar e quando dei por mim eu já estava beijando Luara enquanto Fabiana puxava minha bermuda e cueca pra baixo. Luara tinha um beijo bom, quente, atrevido e molhado.

Depois as duas começaram a se beijar e Luara se livrou da sua blusinha deixando os seus pra Fabiana cair de boca, as duas gemiam baixinho, o calor foi aumentando, o cheiro de sexo tomou conta da sala e eu coloquei Fabiana de quatro e comecei a chupa-la com vontade, ela se abriu, deitou a amiga e caiu de boca em sua boceta lisinha.

Ficamos nessa pegação até que Luara gozou na boca de Fabiana que por sua vez gozou na minha. começamos a nos beijar, cada um com a boca mais melada de boceta que o outro. Me coloquei de pé e mandei as duas chuparem meu pau, elas obedeceram, caíram na minha pica com vontade. Senti tanto tesão que precisei sentar no sofá para não cair enquanto elas me chupavam deliciosamente.

- Senta no pau dele Luara e fica de frente pra mim.

Luara obedeceu, sentou na minha rola e meu pau foi sendo engolido por uma boceta tão apertada que parecia virgem. Enquanto rebolava na minha vara, Fabiana caiu de boca na boceta da amiga que gemia despudoradamente, gozou na minha pica, sentiu Fabiana beber cada gosta de mel que escorria pelos lados da sua xana e quando eu disse que a gozar Luara se levantou e as duas beberam meu gozo juntas.

Enquanto eu descansava, Luara e Fabiana começam a se pegar, eu estava ali, de camarote, assistindo o showzinho particular que as duas estavam me proporcionando. Luara e Fabiana começaram um 69 sensacional, uma chupando a outra, os gemidos se alternavam e Fabiana gozava bem mais rápido que Luara que se fartava de mel a cada gozada da amiga.
- Vem safado, me come – falou Fabiana enquanto gozava outra vez na boca da amiga.

Me levantei e ela se colocou de quatro, arrebitou a bunda e voltou a chupar a xana de Luara que estava completamente aberta. Coloquei meu pau na portinha da boceta e fui empurrando, meu pau entrou fácil, deslizou e Fabiana pediu que eu a fodesse com força, queria apanhar, queria ser cachorra na minha mão.

As estocadas foram se intensificando, Fabiana gemia e chupava Luara ao mesmo tempo que não demorou muito a gozar na boca dela. Aquela cena me enlouquecia, o tesão foi aumentando e eu gozei de novo.

Passamos o resto da tarde na maior sacanagem e na hora de ir embora uma surpresa.

Encontrei Silvia na porá do prédio das meninas, uma coordenadora de vendas, uma cavala, grande, gostosa, bonita, com cara de safada.

- O que você esta fazendo aqui?

- Vim ajudar as meninas num trabalho de faculdade.

- Não sabia que publicitários prestavam este tipo de serviço.

- A gente faz o possível e impossível para agradar os clientes.

Silvia me olhou com cara de que não estava convencida, me deu dois beijos e saiu caminhando lentamente.

Chegando em casa uma mensagem de Fabiana me deixou perplexo - Silvia está desconfiada da gente. Disse que vai conversar com você.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.