"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Virgindade prometida


autor: candanguinho
publicado em: 27/09/17
categoria: virgindade
leituras: 205
ver notas
Fonte: maior > menor


Olá. Me chamo Igor (fictício), tenho 23 anos e sou do Distrito Federal. Sou formado em engenharia civil e me preparando para fazer pós. Sou solteiro e tenho namorada, apesar de já ter um “caso” com um homem. Tudo começou quando eu era ainda menino com uns 09 anos, e esse homem, um quase parente da gente, “ele é casado com minha tia”. O nome dele é Cláudio (também fictício) e ele tem hoje 32 anos. Na época ele tinha 26 e era noivo com a minha tia Silvia (fictício). Eu ficava muito na casa da minha vó porque os meus pais trabalhavam o dia todo e eu não podia ficar sozinho em casa. Então eu saia da escola e a van me levava pra casa da minha vó. Quando ele Cláudio, ia pra lá e sempre que tinha uma oportunidade, ficava me alisando e falando um monte de coisas bem baixinho no meu ouvido, falava que eu era lindo, gostosinho e que quando eu pudesse aguentar, que ele queria a minha virgindade e falava pra eu não contar nada daquilo pra ninguém. Eu ficava pensando como seria se um dia ele fizesse mesmo isso que ele me falava, de alguma forma, eu prometi pra mim mesmo, que seria dele. Quando eles se casaram, foram morar em Vitória (ele é de lá) e não voltaram mais pra cá. Quando foi em 2012, eu fui passar o natal na casa deles lá em Vitória. Foi muito bacana, depois de seis anos, reencontrar ele e minha tia, agora eu já era um rapaz com quase 16 anos, faltavam alguns dias para completar e, de repente, quem sabe, até capaz de “aguentar” aquele homem, que falava da virgindadedaquele menino quando ainda tinha apenas 8 ou 9 anos de idade. Mais eu não fui pra lá pensando nisso. Talvez até pensasse em querer saber se seria bom, se ele queria mesmo ou se era apenas uma maneira de ele brincar comigo. Bom, isso eu descobriria lá em Vitória. Cheguei finalmente lá e como esperava, fui muito bem recebido ainda no aeroporto, pelos dois que foram me buscar. Fomos pra casa e na ida, já passamos em alguns lugares bonitos da cidade e me prometeram levar-me pra conhecer melhor os pontos turísticos. No outro dia logo cedo, a minha tia pediu pro Cláudio sair comigo porque ela tinha muita coisa pra fazer e que a noite a gente sairia juntos para jantarmos. Acho que ela sem querer deu a senha que ele queria. Saímos de casa umas 9 horas e ele disse pra ela que iriamos a Ponta da Fruta, que fica a uns,, sei lá, 30km + ou -. Lugar muito bonito cheio de gente bonita, gostei demais. Durante a ida ele começou a falar daquele tempo e perguntar se eu me lembrava, se eu tinha falado pra alguém, se eu queria experimentar uma coisa diferente, que nunca se esqueceu de mim e que agora achava que eu estava pronto pra sentir emoções fortes, enfim. Eu falei que me lembrava sim e que nunca falei pra ninguém. Ele perguntou se estava namorando alguma garota, se eu já havia tido alguma coisa com outros meninos e eu falei que nunca tive nada com outro cara e que namorava uma garota sim. Daí ele começou a passar a mão na minha coxa e no meu rosto e pegou a minha mão e pôs em cima da coxa dele , aí eu meio sem graça comecei a alisar também aperna dele e subi com a mão até a rola dele e segurei. Ele parou o carro no acostamento (isso já na volta pra vitória, ficamos lá na Ponta da Fruta apenas uns 40 minutos no máximo) e me beijou no rosto e falou que queria muito ser meu e que ia entrar num motel, tudo bem? Ele perguntou. E eu falei que sim. Andamos mais uns 4km e chegamos a um motel e entramos, foi o motel ou é hotel, se lá, mais bonito que eu já vi. É tipo um bosque e parece que só entra quem tem uma espécie de credencial. Lá dentro é tudo muito bonito e aconchegante. Só quem conhece lá sabe do que estou falando, ficamos um pouco de tempo, parece que meio sem saber o que fazíamos ali. Então ele acercou-se de mim e começou a morder o meu pescoço, orelhas e falar um montão de coisas no meu ouvido e eu sentindo a sua rola roçando em mim. Confesso que eu estava um tanto assustado, mais ao mesmo tempo ansioso, não sei se era curiosidade, vontade ou medo mesmo, do que estava preste a acontecer. Só sei que eu queria e estava querendo muito. De repente ele puxa a minha camiseta e tira de uma só vez e começa a apertar os bicos dos meus dois peitinhos ao mesmo tempo e continuar mordendo meu pescoço. Aí eu não tive mais dúvida, eu já era dele. Fiquei de frente pra ele e comecei a abrir a calça dele e abaixei tudo e vi pela primeira vez, aquilo que eu só conhecia pelo tato, quando ainda era um menino. Me assustei um pouco com o tamanho e a grossura, mais não resisti o desejo e comecei a lamber aquela cabeça lisinha e acabei botando ela na boca e comecei a chupar. Ele foi a loucura e não sei se por muita vontade ou se eu estava fazendo direitinho, não demorou eu senti minha boca se encher de leitinho. Quase que eu vomito até as tripas, sai correndo pro banheiro e joguei tudo na pia. Saí sem graça e ele também ficou, entrou no chuveiro, tomou um banho e voltou. Ficamos calados sem se olhar por um tempo, aí ele pediu desculpas e disse que não queria fazer aquilo mais que não conseguiu segurar. Perguntou se eu estava com raiva dele, eu disse que não, que eu também era culpado. Passou uns 40 minutos, ai ele perguntou. Então? Quer fazer a mesma coisa ou quer experimentar na bundinha? Eu acho que você vai gostar, ele disse. Eu falei, eu quero o que você quiser. A gente tava deitado e ele começou a alisar as minhas costas e descer a mão até meu bumbum e fazer “cosseguinhas” com as unhas nas minhas pernas. E sempre falando coisas dentro do meu ouvido e mordendo o meu pescoço e orelhas, a essa altura a sua rola já estava completamente latejando de tesão e eu comecei a sentir meu cuzinho sendo bolinado e sem muita demora ele começou a descer com as mordidinhas pelas minhas costas e chegou na minha bundinha, eu já estava todo arrepiado e suspirando forte com tanta tentação, quando eu senti uma coisa quentinha no meu reguinho, era ele botando a língua no entradinha do meu cuzinho, que agora já estava quase que implorando pra ser comido. Ele ainda me perguntou novamente se eu realmente queria aquilo, eu quase nem consegui falar sim de tanta vontade que estava sentindo de ele tirar a minha virgindade. Ele me posicionou de 4 e começou a botar a cabeça devagarinho até encaixar ela dentro, quando entrou eu pensei que ele tinha me rasgado, tamanha foi a dor. Soltei um grito, mais ele abafou com a mão e falou pra eu relaxar. Foi enfiando aos pouquinhos até que eu senti quando meu bumbum encostou nele, estava tudo dentro. Ele me puxou pelos ombros e eu fiquei de joelhos na frente dele com aquela rola todinha dentro do meu rabinho, aí ele me abraçou e virou a minha cabeça e,, nossa, ele me beijou na boca! Nem sei explicar até hoje a sensação que eu senti, pois nunca nem sonhei em beijar na boca de um homem. Ficamos lá até umas 4 e meia da tarde e eu vivi a maior e mais gostosa experiência da minha vida até hoje. Pra ele eu não sei, mais pra mim ficou cravada na memória frase, “a primeira vez, é inesquecível”. E é mesmo! Ficamos das 11 e meia + ou - até 4 e meia. e nesse período, ele me comeu três vezes além da gozada na minha boca. Eu fiquei na casa deles, 09 dias e somente na noite de natal e ano novo, nós não transamos. De resto, todos os outros dias a gente deu pelo menos uma foda bem dada e várias mamadas naquela rola deliciosa. Todo ano a gente dá um jeito de se encontrar pra fazer tudo outra vez! Mais naquela vez foi isso.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.