"Os mais excitantes contos eróticos"

 

SURPRESA NA CASA DA TIA SIMONE


autor: andre76
publicado em: 02/10/17
categoria: hetero
leituras: 3902
ver notas
Fonte: maior > menor


Terça e quarta-feira minha titia resolveu evitar-me dizendo aos meus pais que uma amiga dormiria em sua casa e eu não precisaria ir. Na quinta-feira liguei para Simone tocando o terror, na verdade, estava louco era de tesão e queria comer novamente a tia.

- Simone, meus pais estão achando que fiz algo errado e você não quer mais que eu vá dormir aí. Hoje você vai ligar para minha mãe e pedir para eu ir novamente, ou, contarei tudo.

- André, isso tem quer parar.

- Ainda não!

Desliguei o telefone e voltei para a aula de pau duro, imaginando como seria minha noite. Chegando em casa e minha mãe trouxe a “revoltante” notícia.

- Dé... a tia ligou, vou terá que ir lá hoje.

Meu pai, sentado na poltrona com um copo de whisky e uma revista, apenas levantou os olhos como um predador a espreita. Baixei a cabeça e fui me arrastando pro quarto. Sorri, me arrumei e quando desci meu pai estava de pé na porta:

- Vamos moleque.

Nenhuma palavra no caminho, quando chegamos notamos que havia um menino diferente brincando com as crianças. O grosseiro nem desceu:

- Chame sua tia, e venha com ela.

Entrei na casa, chamei a titia e ele só falou:

- Simone, você já sabe. Se o André não te respeitar é só ligar para mim.

Ouvi de cabeça baixa e só pensei, respeitarei muitoooooooooo.

- Obrigada, uma amiga veio nos visitar com os filhos, se você quiser ele pode ir.

- Não, ele fica!

Ah papai, muito obrigado, só imaginei.

Entramos, eu estava o tempo todo de cabeça baixa. Passei pela cozinha, e vi uma morena linda sentada. Seus lábios me conquistaram no primeiro olhar e claro, o decote generoso.

Fui para o jardim brincar com as crianças, entre elas Yuri o filho de Adriana. Usei a estratégia de cansá-los, queria uma noite longa com Simone.

Lauro e Aline estavam podres e Yuri também. Simone chamou os seus para o banho e Adriana veio brigar com Yuri.

- Mas o que é isso, você está todo sujo.

- A culpa é minha, eu os fiz correr muito.

- Não não, ele gosta. Então é você que cuida da Simone?

Mostrei-me estrategicamente tímido, sorri e baixei a cabeça.

- O Yuri joga bem futebol, que idade ele tem?

- Oito, agora você já o conhece mais que o pai. O pai dele está na China faz dez meses.

Quando Simone chegou estávamos conversando e a tia logo cortou o papo.

- Adri, vamos continuar nossa conversa, o André fica com as crianças.

Fui para a sala, liguei a TV, Lauro e Aline apagaram logo. Fui anunciar na cozinha e percebi que as mulheres bebiam vinho. Avisei que colocaria s primos na cama e voltaria a assistir com Yuri. O pestinha não dormia e comecei a acariciar os cabelos até que ele apagou também.

Adri e Simone sussurravam na cozinha. Fui tomar um banho, coloquei um short curto e justo, sem camiseta e passei pela cozinha secando o cabelo. Quando entrei me fiz de assustado.

- Desculpem, eu não ouvi ninguém achei estavam em outro lugar. (Mentira).

- O que é isso André? Gritou minha tia.

Adri arregalou os olhos em direção ao meu short. Passei rápido para a lavanderia, estendi a tolha e quando voltei Adri disparou.

- Pois é Si, tenho que ir embora. Vou acordar o Yuri.

- Não precisa, eu te levo de carro.

- O que é isso Simone, são duas quadras. Não precisa.

- Eu levo ele no colo. Ofereci meus serviços prontamente.

- Se a Simone não achar ruim, tudo bem. Adri gostou da ideia.

- Não não...gaguejou ela disfarçando.

Vesti uma camiseta branca, peguei o menino no colo e fomos em direção a casa de Adriana, era por volta de 21 horas.

Na saída do portão Simone me fuzilou com os olhos. Pisquei de volta.

No caminho percebi o quanto era gostosa Adriana. Ela vestia uma calça jeans preta, colaca do corpo, e uma blusinha branca decotada, era calor. Uma morena de olhos grandes, bunda durinha, empinada, 1m60, seios médios, lábios finos e pernas grossas. No caminho ela falava algo sobre a vida, mas eu só a desejava, tarava, e fantasiava.

Adri morava numa casa grande.

- Você leva ele lá em cima, por favor?

- Claro mostre onde é.

Subindo as escadas eu só olhava para a bela bunda de Adriana. Coloquei o menino na cama, beijei sua esta e murmurei:

- Obrigado. Ela ouviu.

- Como?

- Boa noite eu disse, e sorri.

- Eu não entendi André.

Pareceu ficar brava, aumentou o tom da voz. Desci as escadas apressado, quando estava na porta ela disparou:

- Só o Yuri ganha beijo?

Adriana veio até mim, dei um beijo no rosto, senti o perfume cítrico delicioso no seu pescoço e um cheiro adocicado de hidratante. Apertei o abraço e meu pau pulou, latejante dentro do short. Adri soltou um gemidinho, e não tive dúvida, a senha.

Segurei seu rosto e passei a beijá-la loucamente. Sem cerimônia enfiei minha língua dentro da boca dela e passei a invadi-la com vontade. Coloquei sua mão sobre meu short, depois por dentro, ela se afastou, e sorrindo constatou:

- Então você é safadinho né garoto. E a Simone não me conta uma coisa dessas.

Adriana tirou minha camiseta, baixou meu short e começou a me punhetar, alternado com passadas de língua na cabeça do meu pau já melada. Eu de pé contra a porta, e ela ajoelhada me chupando e punhetando. Adri sabia o que fazia e foi aumentando o ritmo como uma louca, tentei levantá-la queria beijá-la, mas ela falou alto:

- Fica quietinho aí e deixa comigo garoto.

Ela aumentava o ritmo, eu gemia, urrava e tentava forçar sua cabeça para me sugar. De uma só vez ela engoliu meu pau, aumentou freneticamente o ritmo, apertou minhas bolas e me fez gozar na sua boca. Tomou tudo, toda minha porra, gota por gota.

Tremendo vi quando ela se afastou, tirou a calça e a blusa ficando apenas com uma calcinha minúscula branca e o soutien meia taça de renda. Adriana me levou até o sofá, me fez sentar e passou a punhetar novamente.

Levei as mãos entre suas pernas e tomei um tapa na cara.

- Só quando eu mandar garoto.

Assustando, parei e apenas olhei, ela sorriu, mandou-me levantar, tirou a calcinha deitou de pernas abertas, passou os dedos na buceta, passou lentamente de cima pra baixo, segurou o grelinho e mandou:

- Chupa aqui garoto tarado.

A esta altura meu pau já latejava e queria foder. Caí de boca naquele grelinho gostoso chupando e passando a língua pelos lábios encharcados da buceta deliciosa. Adri começou a gemer, fui me atrevendo e metendo um dedo, depois dois e deixando-a preparada para engolir meu cacete.

Não precisava, ela estava totalmente úmida, e percebi que queria gozar na minha boca. Aumentei o ritmo, Adri prendeu minha cabeça com as cochas grossas, com a mão esquerda apertava o seio ainda coberto pelo soutien. Gemendo com uma cadela no cio ela gozou, na minha língua e com dois dedinhos na buceta. Entregando-se sem luta ao prazer, minha nova putinha deixou seu mel na minha língua.

Adri me sentou no sofá, apoiou os dois calcanhares na borda do assento e segunda em meu pescoço com a mão esquerda, direcionou meu pau com a direita para sua gruta deliciosa e sentouuuuuuu.

Quando sentou deu um grito de prazer, passou a cavalgar como uma louca no meu pau, subindo e descendo com velocidade, um instinto animal voluptuoso e que me dava muito prazer.

Ela comandava, eu obedecia. Minha puta jogou o corpo para trás. Nossos corpos suados lubrificavam minhas coxas e seu rabo deslizava facilmente num vai e vem gostoso e frenético. Não aguentei, levei minhas mãos aos seios a arranquei seu soutien, não sei como, tomei outro tapa.

- Garoto safado, quer mamar?Mama!!!!

Adri sentou novamente gritando, gemendo, fodendo e ofereceu as tentas na minha boca.

Eram seios lindo, médios e aréolas grandes. Eu dava linguadas como um gato, mordia os mamilos, apertava e deixava Adri louca.

- Fode garoto, me faz gozar. Fode garoto safado.

Adriana me puxou para o chão, deitou-me e sentou no meu cacete cavalgando com vontade e estapeando meu rosto.

- Fode, come minha buceta, fode garoto.

Eu estava louco, ela me estapeava, gritava, fodia, eu era apenas um joguete em suas mãos. Até que ela deixou o corpo cair sobre o meu, abraçou forte, colou os seios no meu peito e gemeu longa e fragilmente.

- Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii que gostoso.

Neste momento demos um pulo, o telefone tocou e achamos que era a campainha. Ela ergueu-se até o sofá ficando de quatro na minha frente. Eu não havia gozado e ainda queria.

- Oi Simone, disse com voz trêmula. Ele já foi.

Adri nem terminou de falar, segurei sua cintura, ela não recuso, posicionei a cabeça nos grandes lábios e soquei meu pau na sua buceta. E ela soltou um urro sufocado, um gemido reprimido, um suspiro longo....

- Oi Si, não foi nada, o Yuri caiu aqui eu vou ver e já te ligo.

Desligou o telefone e estando de quatro eu comandava. Passei a foder minha cadela assim. Metia rápido e com vontade, louco pra gozar. Estapeava sua bunda, apertava os seios.

E certo momento cheguei perto do seu ouvido e disse:

- Quem é que manda agora, hein minha puta gostosa?

Ela sorriu e tentou responder, eu não deixei.

Segurei forte a cintura e metia, arregaçava, fodia, penetrava, cada vez mais rápido. O macho agora possuía sua fêmea. Faminto estocava e fazia a puta gemer no meu cacete. Apertei os seios forte e metendo profudamente gozei desabando nas costas de Adri.

...

Quando abri os olhos ela estava com minha roupa nas mãos:

- Veste e some daqui garoto.

Simplesmente obedeci minha fêmea dominante. Agora eu tinha outra titia para gozar e fazer gozar...
Quando cheguei na casa da Tia Simone ela estava brava e eu cansado.

- O que houve lá André?
- Nada! Mas aqui vai acontecer.
(mas esta é outra historia)



*Este texto foi escrito originalmente por andre76, a cópia e reprodução em outro site que não o Clímax Contos Eróticos, são proibidas.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.