"Os mais excitantes contos eróticos"


Reencontrei Ana.


autor: publicitario45
publicado em: 18/09/15
categoria: hetero
leituras: 3022
ver notas
Fonte: maior > menor


Meses atrás precisei ir na escola do meu filho buscar um documento, pois ele havia trocado de escola. Acordei cedo, tomei banho, me arrumei e como estava muito frio resolvi usar um terno preto combinando com uma camisa chumbo e uma gravata na mesma cor.

O perfume ideal para dias frios pra mim é o Azzarro, aquele tradicional, do vidro marrom. Dei umas boas borrifadas e segui em direção a escola. Lá dentro tudo foi rápido, peguei o documento e desci as escadas rapidamente.

Chegando no portão ouvir um “bom dia” de uma voz muito familiar. Quando me virei o coração disparou, a boca ficou seca e as mãos molhadas. Era Ana, minha ex namorada que eu já citei nos meus primeiros contos.

Ana é gerente de banco, está sempre bem vestida com roupas sociais, salto alto, cabelos impecáveis, mas nesta manhã particularmente ela estava muito melhor. Deve ser fruto da maternidade, pois depois que nos separamos ela casou e teve um filho que hoje tem 7 anos. Desde então nunca mais nos vimos.

Nos cumprimentamos cordialmente com um rápido abraço e dois beijos na face. Trocamos perguntas rápidas e logo em seguida nos despedimos. Mas a vontade falou mais alto e eu olhei pra trás e vi Ana indo de saia, blusa de seda, salto alto e cabelos com mechas se afastando. Ela estava com um corpo mais bonito e aos meus olhos naquele momento ela não andava, ela estava desfilando pra mim.

Entrei no carro e fui. Chegando na agencia, tirei o celular da bolsa e tinha 3 mensagens no Whatsapp de um número que não estava cadastrado na agencia, somente na minha memória. Era ela e tinha três mensagens: adorei te ver. Você está ficando um coroa charmoso. Seu perfume grudou no meu roso novamente.

Se o coração estava disparado após ler as três mensagens a taquicardia tomou conta de mim. Um misto de sentimentos e lembranças me desconcentrou a manhã toda e eu resolvi responder as mensagens apenas com um singelo “obrigado”.

No final do dia, nova mensagem: vamos tomar café? Na mesma padaria, no mesmo horário?
A referida padaria é o local onde nos vimos pela primeira vez. Se estava mexendo comigo, provavelmente estava mexendo com ela. Concordei e fui. Nesta tarde conversamos, relembramos como nos conhecemos, trocamos acusações (eu terminei com ela dois dias antes da virada do ano), rimos e fomos em direção ao estacionamento, onde rolou o nosso primeiro beijo há oito anos atrás. Fatalmente nos beijaríamos de novo e beijamos.

Beijamos muito mas logo em seguida saímos sem mais palavras.

Mais de quinze dias se passaram e a gente se falava todos dias pelo menos três vezes. Estava tudo acontecendo de novo e já não tínhamos mais controle da situação, até que Ana resolveu tomar a inciativa e me convidou para almoçar. Perguntei onde e ela me disse apenas “passo ai” hoje às 12h em ponto.

Desci, entrei no carro e nossos perfumes se misturaram mais uma vez. No lugar dos dois beijos no rosto um longo e caloroso beijo na boca foi o sinal de que a tarde seria longa, mas prazerosa. Ana ligou o carro e pegou a Rodovia do Sol e fomos direto pro nosso motel preferido. Entramos numa suíte grande e já começamos a nos atracar na garagem.

Ana estava de saia, sempre de saia, e isso facilitou as coisas. Encostei seu corpo no capô do carro e começamos a nos beijar. Nossas mãos nos procuravam e a respiração era totalmente descompassada. Aquele beijo tinha mais que simplesmente tesão, tinha história e lembranças. Me ajoelhei e comecei a lamber seu sexo, ela se recostou no carro, colocou um pé no para choque e abriu as pernas dando permissão para a minha língua explorar aquela boceta cheirosa. Suas mãos davam equilíbrio e ela dizia que sentiu falta da minha boca.

Me levantei e nos beijamos mais. Seguimos para dentro da suíte e sem muitas palavras ela me abocanhou. Chupou meu pau como se fosse a última coisa que faria na vida. Entre suas palavras saia de tudo, desde “eu ainda te amo” a “seu idiota, porque você fez isso”. Ana voltou a me beijar e seu corpo se encaixou ao meu. O pau entrou e ela sentou para que a penetração fosse profunda. Rebolou algumas vezes mas lhe faltou pernas para continuar.

Ana sempre foi inimiga de academias e sua resistência não era das melhores. Virei seu corpo, lhe arranquei a blusa, a saia e a calcinha preta. Enquanto ela me olhava com as pernas abertas e sorrindo, resolvi chupar aquele melado que estava na sua lingerie e em troca recebi um sonoro “safado” como elogio.

Voltei ao sexo com a boca e chupei tudo que podia. Eram sete anos de tesão e saudade e eu não podia deixar passar um centímetro do corpo dela sem ser beijado. Veio gozo e ela gemeu, pediu pica e se abriu novamente.

Com as suas costas na cama eu apenas segurei os pés perto do meu rosto. Com as mãos Ana direcionou meu pau para entrada da grutinha e ao sentir o calor da sua racha eu meti de uma vez só, pois é assim que ela gostava, desta invasão inicial.

Comecei a estocar com força, eu também queria tudo aquilo que estava acontecendo e estava muito bom. Ana gemia, se contorcia e se pos de quatro pra mim. A vara entrou deslizando para dentro do seu sexo e o ritmo era intenso. Com uma das mãos eu a segurava pela anca e a outra eu a puxava pelos cabelos fazendo com que a sua coluna envergasse.

- põe no meu cuzinho, pões!?

Ana não era adepta a sexo anal sempre, mas quando dava, dava porque estava com vontade. Lambi seu anelzinho, introduzi os dedos para ajudar a relaxar e fui entrando aos poucos.

A cabeça passou e ela sussurrou algo. Depois abriu levemente as pernas, encostou o rosto na cama e começou a chupar o polegar como se fosse um pau. Com a pica toda dentro comecei a bomba-la novamente e Ana gozou mais uma vez fazendo aquela carinha de choro que enlouquece qualquer homem. Aumentei o ritmo e gozei logo depois dela.

Nosso reencontro foi assim. Arrebatador, apaixonante e único. Desligamos o celular e passamos a tarde no nosso motel preferido. Continuamos solteiros, cada seguindo sua vida, mas sempre deixando a química nos conduzir quando nos encontramos.

Beijos e um excelente fim de semana a todos.
Comentem, façam este publicitário aqui um homem feliz...rs.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.