"Os mais excitantes contos eróticos"

 

A musa do vôlei - Capítulo 3


autor: kollbol
publicado em: 09/10/17
categoria: lésbicas
leituras: 780
ver notas
Fonte: maior > menor


GRANDE JOGO DE VÔLEI ESTA TARDE - METROPOLITANO X ABC PAULISTA

Assim estava a fachada do ginásio do município de Osasco, palco da primeira partida do Campeonato Paulista de Vôlei. Chegou o grande dia da estreia, após um período intenso de treinos. O jogo reunia duas grandes equipes do cenário esportivo nacional, ganhando uma enorme importância naquele começo de temporada. No pôster colado na porta do local do jogo estavam as imagens das duas grandes estrelas: Larissa, do ABC Paulista, e Letícia, oposta do Metropolitano.

Chegou a hora de apresentar a equipe do ABC Paulista. Larissa e Tati já foram faladas anteriormente, dispensando mais detalhes. O time conta com 16 jogadoras: além de Larissa, foram contratadas a oposto russa Yelena, a ponteira americana Christine, a líbero Dani e a ponteira Raquel. Completam o time as levantadoras Priscila e Sabrina, a líbero Pietra, as opostos Tamara e Marlene, as centrais Melissa e Cibele, além das ponteiras Gisele, Camila e Malu. João da Costa treinava a equipe.

Recém-chegadas ao Brasil, as estrangeiras assistiram ao jogo com os agasalhos do time no banco de reservas. Começaram jogando Gisele, Melissa, Tamara, Tati, Cibele e Camila, com Pietra de líbero. Larissa entrou no segundo set, para delírio dos torcedores visitantes. O técnico se impressionou bastante com o desempenho de Tati, que nem era titular habitual do time. Seu entrosamento com Larissa era evidente dentro de quadra. Por fim, uma vitória dura por 3 sets a 1.

Antes e depois do jogo, um bafafá estava tomando conta daquele elenco: era o "namorinho" de Tati com Eduardo, da equipe masculina. O relacionamento entre os dois já havia começado a tomar contornos mais sérios. Mas este é um assunto para um outro capítulo.

Depois de uma bateria de entrevistas, as jogadoras finalmente puderam descansar no vestiário. As estrangeiras nem passaram por lá, indo direto ao ônibus da equipe. Larissa era a mais parabenizada pelo seu grande desempenho no jogo. Já Pietra ficou impressionada com o corpo da meio-de-rede. Aquela beleza estonteante atiçava sua imaginação:

- A senhorita tem um belo corpo - disse a líbero.

- Fico agradecida pelo elogio - respondeu Larissa.

- Seus seios são siliconados?

- Já eram grandinhos, mas coloquei um silicone para deixá-los mais firmes.

- Posso apertar?

- Fique à vontade!

Pietra sempre ficava maravilhada com a beleza de suas colegas. Lésbica, a líbero "secava" as companheiras mais bonitas. Com uns 30 anos, ela tinha uma estatura baixa como qualquer atleta de sua posição. A jogadora tinha cabelos curtos e um piercing no nariz, acessório que só usava fora de quadra.

A líbero curtia a maciez dos seios de Larissa, quando Tamara também ficou curiosa e pediu para apalpar a nova companheira de time. A central viu a oportunidade de fazer uma sedução básica e deu um belo beijo na oposto. O ato deixou as atletas impressionadas. Pietra ficou com inveja e também quis experimentar os lábios da companheira. Desejo imediatamente correspondido.

- Acho que tá na hora de uma brincadeira! - disse Larissa.

Quem ficou nada satisfeita com aquilo tudo era Marlene. A oposto experiente de 39 anos via tudo aquilo como uma "imoralidade". Ela terminou seu banho e saiu mais cedo.

Larissa segurou Pietra e Tamara. Morena de cabelos encaracolados, a oposto tinha uns 25 anos. Estava há três temporadas no time, mas nunca havia participado de algo tão surreal. Tampouco Pietra, embora gostasse de reparar nos corpos das companheiras.

As três se beijaram calorosamente embaixo do chuveiro. Tudo era acompanhado pelas outras jogadoras, que estavam sem reação. Pietra e Tamara estimulavam os seios de Larissa, que curtia aquele momento. As mãos das duas jogadoras apalpavam o corpo da musa, que se controlava para não gemer muito alto. Afinal, a casa era da equipe adversária.

Pietra colocou seu rosto entre as pernas de Larissa, chupando-a com vontade. Depois de ficar assistindo, Tati se aproximou de Tamara, tornando aquele ménage à trois em algo grupal. Cada uma se revezava nos toques e nos chupões. Aquele banho se transformou em um misto de suor, água e fluídos íntimos.

O corpo de Larissa era o mais cobiçado. Sua boca, seus seios e seu clítoris eram tocados e explorados pelas colegas de quadra. Aquela beleza toda seduzia fortemente as outras atletas. O sexo se tornou a melhor forma de entrosamento para aquele grupo.

Larissa também quis provar o gosto de suas colegas. Ela retribuiu o carinho de Pietra e começou a chupá-la. A líbero se contorcia se prazer com cada movimento que sua companheira fazia com a língua. Depois foi a vez de Tamara, que amava aquela experiência. Por fim, a oposto foi "se divertir" com a líbero.

As jogadoras se esfregavam umas às outras, até atingirem o orgasmo. Um toque na porta interrompeu aquilo tudo, pois já era a hora de voltar. Mas ninguém suspeitou sobre o que aconteceu naquele vestiário. Virou um segredo que nem o técnico tinha conhecimento.

Marlene sentou-se na última poltrona do ônibus, bastante emburrada. Mas ela prometeu guardar segredo sobre o acontecido no vestiário. Na frente, as jogadoras trocavam sorrisos, principalmente Tamara e Pietra. As estrangeiras do grupo até estranharam, mas depois nem ligaram.

O sexo aumentou a confiança daquele time. No segundo jogo, contra o Litoral, em Santos, a vitória foi fácil por 3 sets a 0. João da Costa até ficou impressionado:

- Como esse time está bem entrosado! Tô gostando de ver!

Continua...



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.