"Os mais excitantes contos eróticos"


Escondido na academia com professor


autor: patysafadinha
publicado em: 06/12/17
categoria: aventura
leituras: 2436
ver notas
Fonte: maior > menor


Shortinho apertado, calcinha cavada desenhando um pouco a florizinha, blusinha curta e simbora pra malhação. Toda aquela exibição não deu em outra coisa a nçao ser uma transa com o professor da academia.



Gente, agora estou solteira na pista, depois de 6 anos namoro e 1 ano de noivado terminei meu relacionamento e claro que não iria ficar solteira. Comecei a me arrumar mais, a valorizar minha curvas e praticar esportes e frequentar a academia.

Não sou nenhuma mulher malhada demais, mas tenho coxas definidas, seios pequenos e bumbum arrebitado, morena, cabelo longo que geralmente uso rabo de cavalo e barriga super definida.

Vamos logo ao que interessa... Meu professor da academia é muito sério, quase não conversa, é tímido, se chama Gustavo, deve ter entre seus 32 anos, magro, malhado o necessário, possui umas costas lindas, bem definidas e é dono de um sorriso lindo, coisa que no momento não estou muito interessada em valorizar(se é que me entendem...)

Cheguei as 14: 00 horas para malhar, horário este que não costuma ter muita gente na academia. Lá só tinha duas alunas que já estavam terminando o treino. Neste dia, o Gustavo foi mais atencioso e se dedicou a me explicar mais os movimentos. Certo exercício acabei encostando meu bumbum nele quando fazia agachamento, foi o suficiente para sentir o pau dele, não senti duro, mas senti que era o pau dele no short folgado que ele usava. Na hora me deu um fogo e eu solteira, não tinha como não estar com fogo. Procurei encostar novamente e ele sem graça saiu de perto de mim. Na hora pensei que ele devia ser gay e não gostava de mulher. Resolvi provocá-lo e enfiei ainda mais a calcinha na bunda para marcar ainda mais e fui fazer exercício na frente dele, pegava a água e deixava cair sobre o corpo e ele começou a me olhar.

Pensei comigo: “ah, safado.... Tá gostando”.

Não demorou muito e o Gustavo foi no banheiro, eu imagino que ele deve ter ido ou mijar ou com certeza dar uns pega na rola, pois não demorou muito. Então eu pedi para que ele pudesse verificar as minha medidas para ver se eu tinha aumentado alguns quilinhos, ele todo solidário e com muito profissionalismo disse que sim, e me conduziu a sala de medidas. É uma sala que tem a balança, a fita métrica e uma maca para primeiros socorros (caso aconteça algo com algum aluno).

Entrei na sala e tirei a blusa, ficando só de top e a leg. Ele começou a medir a coxa, a panturrilha e quando chegou no quadril eu perguntei se ele achou que meu bumbum tinha crescido. Ele sorriu e disse que eu avancei muito no corpo, que tava indo bem.

Eu fechei a porta e abaixei a leg que estava e fiquei de calcinha:

“você acha mesmo que ele tá durinho, professor?”

Gustavo todo vermelho, sem graça pediu para que eu me vestisse, que se caso alguém entrasse na sala não iria entender nada. Eu então, peguei a mão dele e falei:

“__pega ai, rapidinho e me diz se tá durinho?”

Ele pegou, meio que sem querer querendo e me disse:

“___Ta sim, você tá estourada, tá demais”.

Eu então dei um pulo em cima dele de alegria e o abracei. Lembrando que estávamos sós na sala de avaliação. Não demorou muito e o beijei. Ele que não é bobo correspondeu ao beijo, mas que beijo bom, delicado como ele é, pressionei meu corpo contra o dele e logo sentir a rola dele endurecendo.

“__Opa! Parece que não é só meu bumbum que tá durinho aqui. Kkkk”

Ele logo se desgrudou de mim, dizendo que eu era doida que alguém ia chegar e saiu em direção a porta.

Eu o agarrei e disse no ouvido dele:

“Deixa de ser besta, não tem ninguém aqui. Ninguém vai chegar, vamos aproveitar um pouquinho. Vem cá, deixa eu te mostrar uma coisa gostosa rapidinho”.

Abaixei a calcinha deixando a mostra a buceta lisinha e moreninha. Encostei na parece e abrir ela mostrando a vermelhidão de dentro.

“__olha, que delicia, Gustavo. Olha pra isso. Passa o dedinho aqui”.

O safado não aguentou e me encostrou atrás da porta pra que ninguém entrasse, se abaixou e passou a lingua bem gostosa dentro da buceta. Lá estava eu parecendo uma largatixa na parede, quer dizer, na porta, de pernas abertas, com as calças arriadas pra aquele gostoso me chupar.

Rebolei gostoso na língua dele e pedi pra ele apertar o pau.

Ele safado todo, colocou o pau pelo lado na cueca e o pau saiu pelo lado do short. Só via a cabecinha. Que delicia, ele ali chupando e eu vendo a cabecinha da rola dele dura.

Não aguentei e pedi para chupar. Ele abriu a porta um pouco e ficou meio que entre a porta e eu o chupava e ele ficava observando se alguém ia chegar. Mamei gostoso aquele safado. A rola dele era muito gostosa, grande e cheia de veias.

Eu dissse que tava com muito tesão e queria uma metida gostosa. Ele não recusou, mas disse que estava sem camisinha, mas que não tinha problema algum para ele, mas eu tinha uma camisinha dentro do bolso da leg que usava. Peguei e vesti nele.

Dessa vez eu fiquei meio que na porta olhando e ele por trás, alisou minha bunda e foi enganchando o pau na minha bucetinha molhada. Meteu uma, duas, ttês vezes e tava muito gostoso.

“Toma, safada. Toma!”, ele dizia.

Não demorou muito ele gozou e se vestiu rápido. Em seguida duas alunas chegaram e ele foi atender. Isto aconteceu hoje e eu vim logo relatar pra vocês. Foi uma delicia transar na academia com o professor!





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.