"Os mais excitantes contos eróticos"


A nova vizinha. Fiz a safada gozar


autor: Empty
publicado em: 12/01/18
categoria: lésbicas
leituras: 2503
ver notas
Fonte: maior > menor


Mais um belo dia sem fazer nada, cheguei da escola e passei o resto da tarde morgando na frente da minha casa, sentada na cadeira e aproveitando a leve brisa. O bairro em que morava não tinha portões ou paredes nos quintais, no máximo, algumas cercas.

Isso me dava uma visão ampla de toda a rua. Até que avisto um casal saindo da casa ao lado, junto com um corretor de imóveis, a casa estava para alugar, e pelo que pude ouvir, eles iam mudar para lá mesmo, apenas pensei comigo "tomara que eles não façam muito barulho".

No outro dia, o casal já estava de volta com caminhão de mudança e tudo, apressados do jeito que são. Vejo sair do carro uma bela mulher, uma pele branquinha que refletia a luz do sol, cabelos longos e negros, um rosto de inocente, uma bundinha redondinha não muito grande, e uns seios, MEU DEUS, quase babei encarando aquele decote.

Ela usava um vestido branco, marcava muito suas curvas, confesso que essa menina me tirou o sossego. Os meses passaram, e de algum jeito, viramos amigas, ambas não desgrudava uma da outra, sempre juntas. Camila era muito alegre, sempre me contagiava com toda aquela energia positiva, passei a olhar de uma maneira mais profunda, passei a desejar ela ainda mais.

Em algumas ocasiões, podia perceber seu olhar para o meu corpo, nós sempre conversávamos sobre sexo, sobre os garotos que nós duas saíamos, ela sempre dizia que preferia homens, que não se imaginava com outra mulher, mas eu saia que no fundo, ela queria sentir o sabor de uma buceta melada.

Em um certo dia fui em sua casa, como de costume já fui entrando, seus pais não estavam lá, fui subindo as escadas a procura de Camila, me aproximei de seu quarto e pude ouvir uns gemidos abafados, passei a andar nas pontinhas dos pés, pra não fazer nenhum barulho.

Quando chego em seu quarto, fico parada, de boca aberta, Camila com seu vestido erguido, deitada na cama se masturbando, chamando meu nome, fiquei excitada na hora. Ela nem percebeu a minha presença, senti minha buceta ficar toda molhada, abaixei meu short e comecei a acariciar minha bucetinha.

Foi quando ela abriu os olhos e percebeu que eu estava lá, ela se assustou, num pulo já abaixou o vestido

-A quanto tempo você tá ai Tati? - ela perguntou ofegante

-Tempo demais pra me deixar com tesão

Tirei o short e calcinha, ficando só com a camisa cobrindo meus seios, fechei a porta e tranquei, me aproximei dela e percebi que ela estava assustada. Peguei seu dedo que a pouco tempo estava dentro de sua buceta, e chupei, limpando todinho.

Aproveitei o sabor daquela bucetinha branquinha, o gosto era melhor do que eu imaginava

-Sempre desejei você, o seu corpo, o seu beijo...

Falei isso colando sua boca na minha, ela ainda estava bem assustada, comecei com alguns selinhos, até sentir que ela estava se soltando, comecei a dar uns beijos mais excitantes, usando mais a língua.

-Eu também sempre te desejei...

Ela sussurrou no meu ouvido, seguido de uma leve lambida no meu ouvido, soltei um gemido, ela foi beijando meu pescoço, foi descendo até chegar nos meus seios, ela babava pra chupar, deixando meus biquinhos bem molhados e durinhos.

Ela me fez deitar na cama, abri as pernas , ela aproveitou a vista da minha bucetinha molhada, pra provocar, comecei a me masturbar na frente dela, gemendo bem gostoso, enfiei um dedo, melando todinho e dei pra ela chupar.

Ela abocanhou meus dedos e chupou com vontade, ela finalmente caiu de boca na minha buceta, me fazendo gemer como ninguém nunca fez, eu me contorcia toda, gritava, gemia, a danada chupava que era uma delicia.

Sua saliva toda escorria pro meu cuzinho, ela aproveitou e enfiou um dedo no meu anelzinho, eu gemi ainda mais, com a maior facilidade, enfiou um dedo inteiro, e começou a mexer esse dedo dentro do cuzinho.

Eu me esperneava toda, até gozar na boca dela, meu cuzinho piscava descontroladamente, aperta seu dedo. Ela ergueu seu vestido e sentou no meu rosto, rebolando aquela buceta gostosa na minha boca, eu me lambuzava chupando essa maravilha.

Ela não parava de rebolar, até gozar na minha boca, ouvia seus gemidos deliciosos enquanto gozava. Ela se deitou ao meu lado, e nos beijamos, compartilhando o sabor de buceta uma da outra.

-Tati, lambe meu cuzinho?

Sou surpreendida com essa pergunta, o rostinho de inocente mascarava a puta que ela era na cama. Ela ficou de quatro e eu cai de boca naquele cuzinho rosinha, que piscava a cada lambida que eu dava.

Dava tapas em sua bunda, marcando a palma da minha mão, comecei a dedilhar sua bucetinha enquanto chupava seu cuzinho. Até ela gozar na minha mão. Ela deitou do meu lado, fazendo carinho no meu rosto e brincando com meu cabelo.

Eu não resisti e dei um beijo naquela boca carnuda e macia

-Tati, promete que vamos fazer isso todos os dias?

-Se depender de mim, fazemos toda hora

Ela sorriu e foj descendo até a minha bucetinha de novo, me fazendo gozar deliciosamente.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.