"Os mais excitantes contos eróticos"


Gosto de dar o cu


autor: keromarido
publicado em: 12/02/18
categoria: gays
leituras: 1567
ver notas
Fonte: maior > menor


Gosto de dar o cu

Embora goste de mulheres e seja até casado, de vez em quando aprecio ser penetrado por um homem. Quando descobri esta forma de prazer, me lamentei por ter perdido tanto tempo sem dar a bunda. Mas isso é assunto para outro conto.
O que vou contar aqui aconteceu de fato. Tenho um grupo de amigos que não tem preconceitos sexuais. Nem todos do grupo curtem dar a bunda, apenas alguns como eu. Neste grupo há também os que gostam de enrabar homens, mas não gostam de ser enrabados. O detalhe curioso é que não há entre nós nenhum homossexual exclusivo, pois todos são casados. Para nós tudo é uma festa.
Num dos nossos encontros recentes fomos para o sítio de um dos componentes do grupo para curtirmos uma tarde de conversa fiada, cerveja e eventualmente sexo. Éramos 12 amigos e mais 4 convidados que sabiam como a coisa funcionava, embora não fizessem parte rotineira do grupo.
Neste dia eu estava com muita tesão. Doido para chupar um pau e depois ser penetrado com força, mas como disse, apesar de rolar sexo eventualmente, esse não era o objetivo único.
Bom, quando cheguei no sítio a maioria dos amigos já estava lá. Sentados à beira da piscina alguns conversavam e bebiam. Eu me dirigi a um quarto comum onde deixaria minha mochila e trocaria de roupa. Depois disso feito fui à cozinha para beber água e ao passar pela sala vi um dos convidados assistindo a um filme pornô gay. Ele, provavelmente com o pau duro, apertava o short que usava. Dei um leve sorriso e segui meu caminho. Neste dia combinamos de fazer algo diferente. Quem quisesse dar a bunda deveria se encaminhar para um confortável quarto nos fundos do sítio e ficar debruçado nu, sobre uma plataforma de madeira, de maneira tal que a bunda ficasse exposta, permanecendo ali por pelo menos uma hora. Deveria também colocar uma venda para que não visse quem o estava enrabando. Era a nossa brincadeira, o nosso jogo. Claro que com muita tesão eu logo me dirigi para o tal quarto. Tirei o short e expus a bunda já devidamente depilada. Não demorou muito e senti quando alguém me segurou pela cintura e esfregou algo duro nas minhas nádegas. Depois o desconhecido abaixou-se e começou a lamber o meu cuzinho. Quase morri de tesão com aquela língua quente e úmida acariciando as minhas pregas prestes a serem destruídas. Ele além de lamber o meu cuzinho dava mordidas nas minhas nádegas. Depois voltou a posição original e colocou a vara dura na entrada do meu cuzinho lubrificado pela sua saliva. Vagarosamente foi empurrando a pica para dentro de mim. Inicialmente doeu, mas eu queria muito e aguentei. Ele então tirou e deve ter lubrificado com um creme qualquer, porque desta vez deslizou macio para dentro do meu rabo. Rebolei suave no pau dele, enquanto ele empurrava até o talo. Senti quando os ovos dele bateram na minha bunda. Então ele começou de fato a me foder. Ia e vinha dentro de mim me fazendo enlouquecer. Com jeito deitou-se sobre as minhas costas e mordeu o meu pescoço me deixando marcado. Fodia com força rasgando as minhas pregas. Eu podia ouvir os seus gemidos de prazer, até que ele se contraiu e jorrou dentro de mim, bem no fundo do meu cuzinho. Permaneceu, então, alguns segundos dentro de mim e depois tirou. Fiquei na mesma posição até que senti ele passando um lenço umedecido para me limpar. Ouvi barulho da porta abrindo e percebi que ele havia saído. Fiquei ali aguardando pois fazia parte da brincadeira dar um tempo para ver se outro se interessava em enrabar quem estava ali com a bunda disponível. Não demorou muito e novamente ouvi o barulho da porta indicando que alguém estava entrando. Relaxei e esperei até que senti que o homem ali presente enfiava os dedos no meu cu. Tive a impressão de que ele enfiou mais de um, porque senti um prazer enorme. Ele brincou bastante tempo com os dedos no meu cuzinho até que senti que ele ia trocar o dedo pelo pau. Senti quando ele colocou a cabeça no meu cuzinho e pressionou. Não teve muitas dificuldades para enterrar tudo, embora eu tenha notado que este pau era maior e mais grosso. Da mesma forma me segurou pela cintura e meteu gostoso. Neste eu rebolei bem mais porque ele fodia com força dando estocadas fundas na minha bunda. De vez em quando ele enterrava tudo e ficava parado como que saboreando as minhas pregas, mas de repente reiniciava o vai e vem sôfrego e ritmado. Na hora de gozar, tirou o pau e gozou gostoso na entradinha do meu cuzinho. Senti aquela porra grossa e quente escorrendo pelas minhas nádegas. Ele então, limpou a porra com os dedos e colocou na minha boca para lamber. Uma delícia sentir na língua a porra quente de um macho de verdade. Ele deu um tempinho e saiu. Fiquei alguns minutos ali mas percebi que era hora de ir para outro lugar.
Cheguei então na beira da piscina e alguns ainda estava lá conversando, rindo e bebendo. Não vi, porém, o tal convidado que estava vendo filme pornô. Fiquei um pouco ali com os amigos e resolvi procurar pelo rapaz. O encontrei sentado no mesmo lugar, vem do filme pornô e acariciando o seu pau, que estava para fora. Não me fiz de difícil. Ajoelhei-me na sua frente e peguei carinhosamente aquele mastro gigantesco. Acariciei e massageei com muita tesão e delicadeza. Passava a ponta dos dedos suavemente sobre a cabeça rosada recolhendo o caldinho que saia e levava os dedos à boca para degustar aquele mel de macho delicioso. Ele estava completamente entregue e então eu comecei a lamber a cabeça bem delicadamente, fazendo pequenos círculos com a língua. Aí comecei de fato a mamá-lo, a suga-lo, a chupá-lo. Engolia aquele pau até quase engasgar. Lambia os seus ovos e ele gemia. Eu masturbava o rapaz com a língua e a boca. Queria aquele pau na minha garganta a qualquer custo. Enquanto eu o mamava minhas mãos para cima acariciavam o seu peito. Aí aconteceu algo maravilhoso: Eu estava de joelhos diante dele e ele sentado no sofá, de repente ele puxou a minha cabeça e beijou a minha boca. Sua língua deliciosa me invadiu. Foi um beijo quente, tesudo, molhado. Depois de ter me beijado ele me colocou sentado no chão, recostado no sofá e de pé me ofereceu novamente aquele pau delicioso. Na posição em que eu estava não tinha como fugir nas estocadas na minha garganta; eu gemia e babava. Ele fodia com força quase me sufocando, mas eu queria mais e mais. Então senti quando ele gozou na minha boca. Uma porra grossa e quente que engoli com prazer. Depois ficou acariciando o meu rosto com o pau enquanto eu beijava a cabeça esporrada.
Eu, porém, apesar de toda a tesão ainda não havia gozado. Estava segurando o que podia, porque queria gozar cavalgando num pau, ou seja, com o macho deitado de barriga para cima, com o pau duro e eu cavalgando na pica. Voltei então para a piscina para ver o que conseguia. O tempo passava, a conversa fluía, a bebida começava a fazer efeito e nada. Aí, não teve jeito. Chamei o rapaz de novo e ofereci a bunda a ele. Como ele era bem jovem, talvez tivesse disposição para me enrabar. Deu tudo certo. Ele topou. Fomos para um dos quartos e nos beijamos novamente com tesão. Enquanto o beijava fui acariciando o seu pau e sentindo ele crescer. Dei mais uma pequena mamada e o coloquei deitado na cama, de barriga para cima, com o pau em posição de sentido. Passei lubrificante na entrada do cuzinho, embora ele já estivesse no ponto e montei nele direcionando o pau para o meu túnel do prazer. Comecei então a rebolar enquanto ele metia. Senti o cuzinho preenchido por aquela pica maravilhosa. Eu parecia uma vadia, uma cadela, uma puta para o meu macho. Rebolava e pedia para ele me foder com vontade. Ele não se intimidou. Meteu a vara com vontade do cu da puta dele até gozar de novo. Gozamos juntinhos. Ele no meu cu e eu na barriga dele. Depois tomamos banho juntos e nos beijamos de novo.
Por fim a festa acabou e voltamos para nossas casas.
Contato com homens maduros e discretos do RJ. Sem qualquer preconceito de cor, tipo físico, etc. Solkdvc@zipmail. Com. Br







ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.