"Os mais excitantes contos eróticos"


O GALO CANTOU


autor: rosario
publicado em: 12/02/18
categoria: hetero
leituras: 1991
ver notas
Fonte: maior > menor


O galo da madrugada é o maior bloco de carnaval do mundo e arrebanha todo ano, dois milhões de pessoas no Recife.

Quase todo ano, eu e meu marido vamos acompanhar todos aqueles blocos, bandas e trios e ali se concentra um número enorme de pessoas de todos os tipos. Homens lindos e mulheres espetaculares floreiam a folia, mas lamentavelmente, ontem, sábado, dia da saída do galo meu marido que é piloto de uma companhia aérea, teve que voar e sabendo que eu adoro ver a folia do galo, me pediu para eu chamar alguma amiga para ir ver aquele desfile gigante.

Acordei por volta das nove da manhã e após o café, comecei a ligar para algumas amigas para irmos juntas ao “galo”, mas das três que chamei, todas já estavam na troça. Resolvi pegar um taxi e me dirigir para o desfile gigante, no entanto fiquei longe do desfile, pois o trânsito estava sendo desviado em várias ruas e avenidas e o taxi só podia chegar até ali.

Meu shortinho branco, curtinho, mostrando minhas pernas bem feitas uma blusinha descobrindo a barriga, mostrando meu corpo que meu marido considera escultural, atrai olhares de desejos, mas como é carnaval, a libido corre solta e todas nós mulheres já sabemos que nessa época momesca, as cantadas são inevitáveis. Assim, o melhor que a gente faz, é ouvi-las e fazer que não ouvimos.

Como precisava andar mais de 500 metros para chegar no desfile e apesar de haver feito várias ligações para as amigas, não conseguia ouvir nada delas pois o barulho das bandas e dos trios era infernal. Resolvi, então, desistir e retornar e assistir tudo pela TV. Estava tentando apanhar um taxi, quando percebi junto de mim um “deus grego” que me chamou muito a atenção, tanto pelo seu corpo quanto pelo seu rosto lindo. Estava, no entanto, vestido com sofreguidão, com calça branca e blusa azul tipo polo, nada demonstrando que estava enturmado para o desfile do galo.

Olhou para mim sorrindo e com simplicidade perguntou: “perdeu sua turma ?” Respondi também com um sorriso: “não, apenas não consigo me enturmar, pois quando ligo, as amigas não ouvem nada devido ao barulho dos trios elétricos e já estou voltando pra casa, mas taxi tá difícil, pois já espero há um bom tempo.”

Ele com muita amabilidade perguntou onde eu morava e após dizer-lhe que morava em Boa Viagem, ele me disse que poderia dar-me uma carona e mostrou seu carro estacionado bem próximo. Ele morava em Casa Forte, outro bairro oposto ao meu.

Respondi-lhe que não queria dar-lhe esse incômodo, mas ele insistiu dizendo que não era incômodo nenhum. Era médico, chamava-se George e havia deixado seu plantão naquela manhã e, por curiosidade, ao sair do hospital, veio deixar um colega ali perto e ao descer para tomar uma água de coco, me viu meio preocupada e falou comigo.

Agradeci pela sua gentileza, disse chamar-me Rosário e aceitei a carona, já que táxi estava muito difícil. Ao entrar no carro e sairmos, num trânsito infernal, foi logo me dizendo que era casado já há 3 anos e ainda não tinham filhos, apesar de sua mulher, Cristina, já viver falando que estava na hora de serem pais.

Perguntou-me se eu não importava de passar na residência dele para ele apanhar sua esposa para o acompanhar até Boa viagem, levando-se em conta que desde o dia anterior, ela também estava sozinha. Respondi que certamente, eu não me importava.

Disse-lhe que também era casada, não tinha filhos e que meu marido era piloto profissional e que durante o carnaval estava voando. Perguntei-lhe se minha companhia, com ele chegando em casa, não iria causar algum tipo de constrangimento junto à sua esposa ao que ele respondeu que não me preocupasse pois ela confiava totalmente nele e a relação do casal desconhecia qualquer tipo de ciúme. Nessa hora ele pegou o celular e discou para a esposa para dizer-lhe que estávamos chegando e que ela fosse se preparando para irmos os três até boa viagem. Depois da segunda chamada ela atendeu e disse que estava na piscina e não ouvira o telefone tocar. Só aí entendi que eles moravam em uma casa e não em apartamento. Ela disse que viesse com a amiga e descesse com ela e depois sairíamos para levar-me.

Quando ele acionou o portão pelo controle remoto, percebi que se tratava de uma bela casa e logo fui avistando a esposa nadando na piscina. Descemos na alameda lateral da casa e já a encontramos vindo em nossa direção para nos cumprimentar. Uma mulher loira, linda de corpo e de rosto e acima de tudo, extremamente educada, parecendo ter a minha altura . Pediu desculpas pelo traje de banho e disse que adorava piscina. Um micro biquine branco deixava à mostra um espetáculo de corpo invejável.

Depois das apresentações e do motivo de o marido haver me ofertado a carona ela me puxou pela mão para a sua suíte e quando soube que meu marido era piloto e estava voando naquele sábado de carnaval, me fez o convite para almoçarmos juntos os três, já que eu não tinha nenhuma companhia para aquele dia. Disse-lhe que aceitava o convite, desde que não lhe causasse nenhum tipo de constrangimento.

Ela dirigiu-se ao marido e lhe pediu que fosse até o supermercado, pois as cervejas estavam poucas e ela já o esperava para pedir-lhe isto. Tão logo ele saiu, ela perguntou-me se eu gostava de piscina ao que respondi que adorava. Dirigindo-se à suíte do casal, observei muito luxo e além da enorme cama, um sofá luxuoso postava-se ao lado da cama da suíte. Ela abrindo as gavetas do enorme guarda-roupa, mandou que eu escolhesse um biquine para aproveitarmos a piscina, visto que as empregadas ainda iriam demorar um pouco para terminar o almoço e logo depois do almoço, as duas seriam dispensadas, pois pediram para aproveitar o carnaval. Desculpei-me pelo incômodo causado, mas ela me disse que estava sendo um prazer, pois além de haver adorado minha companhia, tinha certeza que a partir daquele dia iríamos estreitar cada vez mais os laços de amizade.

Quando me troquei na frente dela, ela me olhando, soltou a bomba: “Rosário, tu além de linda, és gostosa demais. Meu marido vai endoidar quando te ver de biquine. Teu marido é ciumento?” Eu tentando levar na brincadeira respondi que meu marido não era ciumento e só ele que me achava gostosa. Rindo nos dirigimos à piscina. Já depois de alguns mergulhos, ela começou a perguntar-me sobre meu relacionamento com meu marido e respondi que nossa relação só havia dado certo, mesmo depois de cinco anos de casados, porque além de nossa liberalidade, tanto ele como eu, desconhecíamos o que era ciúmes. Ela confirmou que aquela era a receita que eles também haviam adotado desde que casaram e quando deixaram Santa Catarina, logo após o casamento.

Tão logo seu marido retornou com uma carga de cervejas de várias marcas e vários tipos de queijos e vinhos, Cristina o chamou para acompanhar-nos na piscina. Ele se trocou e logo nos fez companhia. Realmente, era um homem lindo de corpo e rosto. Mergulhando, veio juntar-se a nós. Perguntou a Cristina se havia gostado de mim ao que ela respondeu que havia adorado e fazia questão de conhecer meu piloto tão logo fosse possível. Após ligeiro papo ela pediu licença e disse que ia preparar uns petiscos e apanhar cerveja, visto que o almoço ainda demoraria algum tempo.

Quando ela saiu, ele pegando na minha mão disse que também havia adorado minha companhia tanto para ele como para a esposa que sentia falta de uma amiga junto dela. Nadamos juntos os dois de um lado ao outro da piscina e Cristina chegou depositando o isopor na beira da piscina com a bebida e uma travessa com queijo em cubos.

Agradeci pela companhia dos dois e vi que havia tido sorte quando declinei do desfile do galo. Bom papo, boas bebidas, e excelente almoço, mesmo os três ainda enrolados em toalhas, pois pretendíamos retornar à piscina. Assim que o almoço foi servido, Cristina dispensou as duas empregadas, indo George trancar o portão. e ao término do almoço, fomos os três retirando a mesa e depositando nas duas pias da cozinha. Retornamos à suíte do casal para descansarmos um pouco, antes de voltarmos à piscina.

Os dois retiraram as toalhas e ainda em trajes de banho, deitaram-se se abraçando. Chamaram-me insistentemente para ficarmos os três na cama, mas eu disse que não pretendia estragar a intimidade dos dois. Deitei-me no sofá, ainda enrolada na toalha, e de frente para os dois. Eu visava aqueles dois corpos lindos abraçados e começando uma série de carícias. Aqueles beijos de língua começaram a despertar minha libido. Comecei a acreditar que os dois queriam me provocar, pois fingiam que eu nem estava ali presente naquela intimidade dos dois.

Quando George desatou o nó do biquine, nas costas de Cristina, ela já deitada por cima dele, eu percebi o enorme volume do pau de George e vi que era hora de deixar o aposento dos dois. Disse-lhes que os deixaria e iria para a piscina. Ela, de pronto, disse que de maneira nenhuma eu os deixasse ali e que logo os três iríamos para a piscina. Mas as carícias foram aumentando e me vi na situação de pura voyeur, mas admitindo que já estava excitada demais. Corroborava estes meus pensamentos o fato de minha bocetinha já estar totalmente alagada.

Quando George virou Cristina de costas na cama eu vi seus dois lindos seios serem sugados por aquele macho extremamente atraente, o que passou a me enlouquecer de tesão. Era um misto de tesão e inveja dela por estar passando por momentos tão encantadores. E o que mais me intrigava era que ambos não davam a mínima para a minha presença ali naquele ambiente onde a putaria dos dois já rolava solta. Eu resolvi pagar para ver.

Com o dedo do pé, George fez descer a calcinha do biquine da esposa, até retirá-la completamente. Era um espetáculo de mulher. Sua boceta linda trazia apenas uma fileirinha de pelos sobre ela e sua bunda era lindíssima, com aquela marquinha do biquine de sol da piscina. Ela não se fez de rogada e com uma das mãos retirou o calção de banho de George, fazendo saltar um pau enorme, grosso, totalmente teso e de mais ou menos 22 centímetros. Aquele filme erótico, ao vivo, estava me enlouquecendo. Ela começou a beijar e chupar aquele pau lindo e com os olhos em minha direção, como a me provocar. Eu, louca de tesão, estava extasiada, tamanha era aquele grau de erotismo. Eu já sentia meus fluidos escorrerem por minhas coxas.

Surpresa fiquei, quando ela me olhando e ainda chupando aquele falo gigante me chamou para junto dela, acionando seu dedo indicador de uma das mãos. Eu entendi que ela queria a minha participação junto ao seu marido. Ela insistia acionando o dedo e me chamando, mas sem largar aquele pau enorme e brilhante.

Criei coragem e me acerquei dela, naquela cama enorme, mas ainda com muita cerimônia. Quando cheguei perto dela, ela, usando uma das mãos, me puxou para junto daquele pau e o passou em meu rosto todo. Eu estava tremendo de tesão, sentindo aquele pau deslizando em mim, principalmente quando ela passou aquela cabeçona em meus lábios e forçando fazê-lo entrar em minha boca. Comecei a lamber aquela vara enorme junto com ela. Notei que ela sorria se deleitando. Como estávamos as duas lambendo aquele pau já todo babado, em dado momento ela meteu a língua dentro de minha boca. Como eu não recuei, ela sempre agarrada com uma das mãos me puxou para ela e me beijou na boca com sofreguidão. Um beijo de língua, me penetrando a boca toda, enquanto com a outra mão punhetava suavemente o pau do marido. Notei que George olhava ávido de prazer.

Quando ele viu que eu já participava ativamente daqueles momentos enlouquecedores, sentou-se na cama e veio nos beijar, num beijo triplo e cheio de tesão. Ficamos os três engatados, enquanto ela puxou minha toalha que eu ainda usava encobrindo minhas vestes de banho. Não perdeu tempo e sem desgrudar de minha boca puxou minha calcinha do biquine e por sua vez, George desatou meu sutiã e o jogou longe. Eu nem reagia mais, pois estava altamente envolvida naquela putaria toda. Estávamos os três totalmente nus e eu nem sabia o que estava para acontecer no momento seguinte.

Ele parou de nos beijar e disse: “Cristina, foda Rosário para eu ver”. Foi o sinal para ela abarcar com uma das mãos, a minha boceta totalmente alagada, pois estava literalmente pingando. Sem largar minha boca ela começou a massagear meu clit e me penetrar com um dedo, mas ainda me beijando. Eu enlouquecia de tesão, já estava prestes a gozar. Pareciam estar os dois sincronizados, pois ele voltou a me beijar a boca e ela largando minha boca começou um caminho para baixo, beijando e lambendo tudo que encontrava. Demorou-se nos meus seios, chupando-os feito uma tarada para depois continuar sua descida cada vez mais para baixo. George me beijava a boca com uma gula invejável, quando ela pegou minha mão e a colocou no pau do marido.

Eu não tinha mais forças para reagir e senti que estava capitulando. Abarquei aquela vara com força sentindo-a pulsar na minha mão. Senti-a toda melada e apressei a punheta. Foi quando ela, abrindo minhas coxas, chegou na minha boceta com aquela língua endiabrada. George, largando minha boca atacou um dos meus seios, chupando-o gulosamente. Depois que ela pincelou, com sua língua tesa, o meu clit, logo após meteu a língua no interior de minha boceta, eu comecei a gozar e anunciei: “safados, me fodam. Estou gozando.” Eu rebolava e saltava naquela língua louca, gozando feito uma desvairada enquanto Cristina me sustentava pelos quadris e me puxava cada vez mais de encontro à sua boca. Eu jogando meus quadris para cima, nos estertores de uma gozada gigante, senti os jatos de porra de seu marido me atingindo os seios e minha barriga toda. Foi um banho de porra que fazia muito tempo não havia levado. Meus gemidos e gritos pareciam encontrar eco naquela alcova do prazer. Não havia dúvidas: aquela havia sido uma das maiores gozadas de minha vida

Já procurando nos acalmar, ouvi aquele macho tarado dizendo: “amor, vamos fuder com Rosário a tarde toda.”

E a tarde estava apenas começando.

(continua)





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.