"Os mais excitantes contos eróticos"


DESTA VEZ FUI O PRESENTE, ADOR


autor: silvana
publicado em: 08/11/15
categoria: hetero
leituras: 3771
ver notas
Fonte: maior > menor


De certa forma esta é a continuação do nosso conto "No aniversário, ele comeu o Presente". Alguns dias após a "festa" de aniversário do Carlos, Rose já havia retornado a sua cidade, logo me telefonou:
- Oi Silvana tudo bem? A viagem de volta foi ótima e adorei ser o "Presente" do Carlos. Contei todos os detalhes para o Edu, meu marido, ele ficou tarado e disse que também quer "Presente". Hahaha !!
- Ahh! Rose, que bom que o Edu gostou, vamos marcar e vocês vêm passar o final semana em nossa casa, não falei com o Carlos, mas acho que ele vai adorar recebê-los também.
Depois desse telefonema falei com o Carlos ele abriu um sorrisão e disse:-Minha gata está taradinha morrendo de vontade de sacanagem! Mais alguns telefonemas e uns 15 dias depois marcamos um final de semana, Rose e Edu chegariam no sábado para o almoço, ainda não o conhecíamos, eu estava bastante ansiosa: Será que ele é legal? Será que vamos gostar? Também não importa, pensei, se não rolar uma boa química vamos só jantar, passear e mais nada!! Eu vestia saia soltinha na altura da coxa e blusinha branca frente única com um laço no pescoço e outro na cintura, não era transparente, mas permitia ver o contorno e o balanço de meus seios enquanto caminhava. Fomos pegá-los no aeroporto, chegaram bem animados, Edu pareceu ser bem legal, enfim um belo casal. Fomos a um restaurante bem aconchegante, ao chegarmos percebi os olhares dirigidos a Rose, seu corpo era valorizado pelo vestido de alças com fendas profundas expondo sensualmente seu colo e as costas, ela estava vestida "pra matar". Bastante animado Edu foi logo falando: - Quando a Rose me contou que seria o "Presente" que o Carlos ganharia, fiquei doido de tesão, queria ter participado; depois que li o que vocês escreveram, QUE TESÃO!!!! Fiquei tarado, nunca fui atacado por duas mulheres e estou doido pra experimentar. Insisti com a Rose... EU TAMBÉM QUERO!!!! Durante todo o almoço essa foi nossa conversa, sexo, preferências sexuais, taras,... estávamos abertos para experimentar tudo! Tudinho mesmo!!! Enquanto conversávamos Carlos deixava sua "mão boba" passear por minhas coxas quase chegando a minha xota que já estava piscando querendo pau, molhadinha!! Edu tocava as costas de Rose e várias vezes a vi toda arrepiada. Estávamos "fervendo" fomos continuar o animado papo em casa. Ao cair da tarde, pudemos apreciar o pôr do sol da varanda de nosso apartamento enquanto tomávamos delicioso vinho para embalar a noite que certamente seria quente. A conversa continuava apimentada e Rose, sentada a nossa frente, movimentava as pernas com cara de safada, a cada movimento era possível ver a minúscula calcinha enfiada na xota, Edu acariciava de forma ousada seu corpo lindo. Não suportando mais aquele tesão ataquei meu gato, sentei-me em seu colo, a saia subiu quase toda expondo minhas coxas e parte da pequena calcinha preta enfiada, Carlos afastou minha blusa expondo meus seios aos seus carinhos e beijos gulosos. Edu fez escorregar as alças do vestido de Rose e igualmente deleitou-se. A sala cheirava a sexo e estávamos todos entregues às carícias loucas e descontroladas. Olhei para Rose e perguntei se já não estava na hora de dar o "Presente" do Edu, iríamos repetir tudo que havíamos feito no dia do aniversário e desta vez meu gato seria quase um expectador. Fomos ao centro da sala e dançando tiramos as roupas ficando apenas de calcinha, Rose foi até Edu oferecendo-lhe os seios de forma provocante, trouxe-o para que pudéssemos abusar, tiramos-lhe a roupa, apareceu um belo corpo bem bronzeado, fiquei assustada quando fizemos saltar a rola rija: - nossa Rose!!! , eu disse: - você não tinha me contado este segredo! A pica do Edu era grande e grossa, me arrepiei só de pensar que eu era o PRESENTE dele e teria que agasalhar aquela rola enorme! Ficamos por algum tempo em pé no meio da sala a saborear aquele homem, uma de cada lado a beijar e acariciar aquele corpo moreno, quando beijei-lhe a virilha segurou-me pelos cabelos colocando minha boca a sugar aquela pirocona, era impossível engolir aquilo tudo! Fomos para o quarto, acomodamos Edu na grande cama, Rose foi sentando sua buceta arreganhada no mastro enorme, assustada eu assistia aquela pirocona penetrar em minha amiga enquanto Carlos me pegava por trás acariciando-me os seios e a xota toda melada. Rose levantou-se e caiu de boca na verga de seu homem me chamando para ajudá-la, ataquei o "monstro" revezando com Rose. Percebi que Carlos tirava a roupa e pegava algo ao lado da cama, logo descobri, uma tesourinha com a qual cortou as laterais de minha calcinha, uiiiii!! e tirou-a lentamente de meu rego. Enquanto eu tentava engolir todo aquele mastro, ajoelhada na cama, meu homem pincelou minha xota e penetrou-me forte, Ahhh, Humm! Com aquele pau enorme na boca, eu gemia a cada estocada.
-Agora quero comer meu "Presente", e começar só com um comunzinho papai/mamãe , disse Edu. Rose e Carlos deitaram-me e abriram-me as pernas deixando minha rachinha toda oferecida para a pirocona, passaram um lubrificante e ficaram a observar quando a cabeçorra começou a arrombar-me. Aiiiiiiii! Ahhhh! AiAiAi! Eu gemia com um misto de dor e prazer. - É isso que você quer... você quer pau... então vou te dar... vou meter nessa buceta gostosa, disse Edu, eu pedia: - mete tudo... uiiii..... mete mais.... assim.... enfia tudo... uiiii como você mete gostoso, e ele obedecia. Gozamos muuuito!!! Quando aquele mastro a meia bomba saiu de dentro de mim pude ver o "estrago" minha rachinha estava toda alargada e ardidinha; enquanto nos recuperávamos Carlos e Rose se entregavam às carícias fazendo um guloso 69. Edu me levou ao banho e para compensar o "estrago" foi suave ensaboando-me todo o corpo tratando-me como uma rainha. Descansamos e após adormecer um pouco acordei aos carinhos de mãos, Edu sussurrou em meu ouvido: agora quero brincar com o outro lado do "Presente", fingi que não entendi, pois ele iria acabar com meu cuzinho. Senti a pirocona roçando minhas costas, olhei para o outro lado e vi Carlos sentado na poltrona sendo cavalgado suavemente por Rose. Embora com medo, cedi aos carinhos de Edu que massageava meu cuzinho com os dedos lubrificados, e falava ao meu ouvido deixando-me toda arrepiada. Meu cuzinho fervia com a massagem e os dedos a entrar e sair, posicionei-me na cama de forma a permitir a penetração sem muita dor. Edu não perdeu tempo, segurou-me pela cintura e foi forçando lentamente a penetração, experiente ele sabia que iria provocar muita dor, aiaiaiaiai! Ele cutucou um pouco e foi empurando até passar a cabeçorra, a dor era enorme parecia me rasgar aiiiiiiii, Pare! Pare! Fugi dele enquanto sentia meu cuzinho arrombado latejar. Pedi-lhe para deixar pra depois e colocando um babydoll corri para a cozinha com a desculpa de preparar um lanche. Rose, que continuava cavalgando Carlos, chamou Edu dizendo: - Vem meu amor me completa todinha, quero mais pica! Edu, sem dó, afundou seu cacetão no cu de Rose que certamente já estava acostumada a agasalhar aquilo tudo! De onde estava eu conseguia ouvir os ruídos daquela DP selvagem, ahhh! Uiiii! Vai, vai, vai !! agora ahhh ! ahhh ! Quando voltei ao quarto eles já haviam tomado banho e estavam deitados, Rose de olhos fechados era acariciada pelos dois, convidei-os ao lanche. Durante o lanche Edu insistia em dizer que ainda não havia recebido todo o "Presente", Carlos disse que o ajudaria então. Lanchamos demoradamente, e, comecei a retirar as coisas da mesa quando foi agarrada carinhosamente por meu homem que me beijou gostoso enquanto me amassava o corpo todo, colocou-me debruçada sobre a mesa da sala, pegou o pote de manteiga, lambuzou-me, vestiu uma camisinha e começou a forçar meu cuzinho dolorido, seu pauzão deslizou penetrando-me toda e bombando até o gozo. Carlos com as mãos sobre minhas costas fez sinal para Edu oferecendo-lhe uma camisinha, fechei os olhos esperando a pontada de dor...passaram mais manteiga, meu cú alargado latejava, senti quando a cabeçorra encostou forçando meu anus... foi entrando com um pouco de dor, mas suportável... logo Edu havia empurrado toda aquela tora para dentro de mim e segurando-me pela cintura bombava forte e gemia alto, ahh ahh ahh hummm aiaiaiai ahhhhhhhhhh! Uma onda de calor invadiu meu corpo, comecei a tremer descontrolada e gozei, com Edu afundando a verga em minhas entranhas. Passei o resto da noite dolorida, mas isso não impediu de namorarmos os quatro durante todo o final de semana de muito carinho e sexo.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.