"Os mais excitantes contos eróticos"


Beth - O primeiro beijo


autor: Publicitario45
publicado em: 07/03/16
categoria: hetero
leituras: 1893
ver notas
Fonte: maior > menor


No dia seguinte, criei coragem e liguei pra Beth, o numero de telefone era do escritório dela. Na hora que eu liguei, a secretária disse apenas que ela estava numa ligação, deixei recado e ela me retornou meia hora depois. Confesso que me assustei quando a secretária da agencia que eu trabalhava (Que veio a ser minha esposa anos depois), me passou a ligação dizendo que era uma tal de Dra. Beth.

- Alô!
- Olá, tudo bem? É A Beth.
- Tudo, como vai a senhora?
- Bem, mas vou ficar melhor ainda se você parar de me chamar de senhora. Só porque eu tenho 36 anos e você 25 não quer dizer que eu mereça isso – falou rindo.
- Claro, me desculpe.
- Estou ligando para agradecer seu elogio você não sabe como é bom para uma mulher de 36 anos ouvir que é mais gostosa do que as meninas de 15.
- Eu não disse gostosa. Eu disse melhor.
- Mas você estava pensando exatamente em que quando disse isso?
Fiquei mudo. Pela primeira vez na vida não sabia o que falar pra uma mulher.
- Me diga uma coisa, onde você trabalha?
- Na Enseada, porque?
- Quer tomar um café comigo?
- Sim, quando?
- Agora.
- Ok, onde nos encontraremos?
- Eu passo ai e te pego, depois a gente volta e pega seu carro.

Trinta minutos depois eu me despedi do pessoal da agencia e sai. Na porta da agencia tinha um carro verde com os vidros pretos. Ela buzinou, eu abri a porta e entrei. Beth estava linda, usava um tailleur vermelho, meia calça fumê e salto alto. Advogadas são sempre elegantes e mexem com o imaginário masculino, com o meu então nem se fala.

Saímos da porta da agencia e fomo para Camburi. Lá tinha uma bar escondido, com uma pedra gigante dentro da sua estrutura, pouca luz, ambiente intimista e musica boa. Ficamos lá dentro por cerca de três horas e nem percebemos o tempo passar. Quando pedi a conta Beth não me deixou pagar, disse que eu era convidado dela. Na verdade ela sabia que eu era um publicitário em inicio de carreira e ela uma advogada rica e bem sucedida. Nem liguei. Pagamos a conta e fomos pro carro dela. Chegando na porta da agencia, uma rua escura, paramos o carro debaixo de uma arvore e passamos mais de meia hora conversando. Era nítido a química que rolava entre a gente, a sincronia e muito mais. Mas e o marido?

- Sou casada com o Sérgio há cinco anos.
- Mas a Camila...
- Camila não é filha dele. Fui mãe solteira assim como você é pai solteiro. Por isso me identifiquei com você e com a sua coragem. Qualquer outro rapaz na sua idade ia virar as costas pra mãe e você fez muito melhor. Pegou o filho pra criar.
- O Sérgio não vai reclamar por causa do horário? Já são mais de 21h e nós estamos aqui, dentro do seu carro, debaixo de uma arvore.
- Sérgio está viajando. Viaja o tempo todo, sou sozinha, independente e não devo nem dou satisfações a ele. E o que vai acontecer aqui, ninguém precisa saber.
- E o que vai acontecer?

Beth me respondeu com um beijo quente, forte, poderoso. Sua boca ainda tinha o gosto forte do café com uísque que ela havia bebido no bar. Suas mãos envolveram meu rosto como se ela quisesse me segurar. Ficamos ali, nos sugando, um querendo engolir o outro por um bom tempo.

Minhas mãos estavam afoitas. Eu não sabia ode coloca-las. Passei pelos seios, pelas pernas, voltei ao cabelo, forcei seu rosto contra o meu segurando-a pela nuca e ela recuou.

- Calma. Calma, preciso de folego.

Antes que ela tentasse outra frase busquei seu rosto novamente e voltamos a nos beijar. Era um beijo atrevido, descompassado, totalmente proibido e com uma carga de energia assustadora.

Tudo podia acontecer ali. Nossos pensamentos só não eram mais descompassados que nssa respiração. Meu coração parecia que iria sair pela boca, um frio no estomago tomou conta de mim e a única coisa que passava na minha cabeça era: o que esta mulher viu em mim?

Beth pediu que eu tivesse paciência. Ela tinha gostado de mim, mas as coisas teriam que fluir. Concordei voltamos a nos beijar e eu sai do carro dela indo direto pro meu.

Quando cheguei em casa Fernando estava no bar em frente. Ele veio ate a mim e eu disse, advinha com que eu estava até agora?




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.