"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Iniciando a comadre.


autor: klycau
publicado em: 14/03/16
categoria: grupal
leituras: 8596
ver notas
Fonte: maior > menor


Olá, sou a Kelly e hoje vou publicar um conto do Cassius (meu marido) da época em que ainda não tínhamos aventuras sexuais, nem pensávamos em swing, na verdade foi nosso primeiro ménage à trois.
Divirtam-se, comentem.
Sou Cassius, marido da Kelly, liberal e muito bem disposto. Minha mulher, é destas garotas tipo mignhon, baixinha e super gostosa, peitos redondinhos e médios, pernas bem feitas, bundinha arrebitada e uma bucetinha super quente e insaciável. Sou destes homens que adora fantasias na hora do sexo, sempre desejava um ménage, chegando até na hora da trepada, agir como se houvesse outra pessoa entre a gente. A cerca de 60 dias minha comadre veio nos visitar com o meu afilhado, e enquanto minha mulher conversava com ela na cozinha, eu assistia TV. Após sua despedida, quando eu e a Kelly fomos para a cama na intenção de dormir, ela me contou que a Thais (minha comadre) havia pego uma revista masculina que eu tinha deixado de m bobeira ali por perto e após ter lido um conto erótico confessou que já fazia quase um ano que não sabia o que era sexo, e que lendo o conto (sobre uma relação à três), já estava toda molhada, comentaram sobre o conteúdo do conto e Thais a perguntou se teria coragem de fazer amor a três, minha mulher imediatamente respondeu que desde que eu participasse e fosse o único homem da transa (ainda não havíamos praticado swing nesta época), não havia problema algum, já que ela tinha uma grande curiosidade e tesão por nunca haver feito isto.
Na semana seguinte Thais chegou a nosso apartamento sozinha, ficamos surpresos já que ela não desgrudava do filho, bebemos várias cervejas, e logo veio minha segunda surpresa, ela pediu a Kelly que dormisse em nossa casa, pois já estava um pouco tonta por conta das bebidas. Concordamos imediatamente, afinal ela de uma certa forma, faz parte da família, depois de acomodados fomos assistir TV quando a terceira surpresa nos surgiu como uma bomba. Thais nos convidou a brincar com o baralho, mas, àquela hora? Algo estava por acontecer.
Bem, como fomos orientados pela Thais, a brincadeira consistia em quem perdesse a partida, tiraria uma peça da roupa, e cada pessoa sairia do jogo após perder todas as peças de roupa, Kelly, já super excitada me deu um longo beijo molhado, chupando a minha língua até ficar pra fora da boca, e aceitou as regras do jogo eufórica.
Começamos o jogo com a Kelly perdendo sua blusa, em seguida eu perdi a minha camiseta, e após cinco rodadas, Kelly já estava fora, completamente nua ao meu lado e me provocando com beijos no pescoço, Thais já mostravas seus fartos seios nus, e estava apenas trajando short e calcinha, que nas duas rodadas seguintes já havia sido tirados, eu fiquei só de cueca, Kelly já no clima, iniciou uma disfarçada siririca enquanto observava Thais de corpo completamente nu. Meu pau já estava para rasgar a cueca quando a Kelly num movimento rápido o libertou de minha única peça de roupa. Ela abocanhou o meu pau chupando deliciada a cabeça, ao tempo em que subia e descia todo ele com sua língua molhada. Estávamos numa espécie de transe, de olhos fechados, e quando os abrimos, Thais também estava em uma maravilhosa siririca, roçando a bucetinha encharcada na quina da mesa. Kelly largou o meu pau e pela primeira vez chupou os seios de outra mulher, ela agia como se já houvesse feito isto outras vezes, parecia uma criança degustando um delicioso sorvete, eu vendo aquilo sentia o meu pau pulsando e o coração disparado, minha fantasia estava se realizando “ver minha mulherzinha fodendo com outra mulher”, quase explodi de tesão. Thais abriu as pernas para receber a doce linguinha de minha gata, enquanto se abaixava para chupar o meu pau. Quando Thais começou a tremer mostrando que logo iria gozar, Kelly a empurrou para sentar em minha pica, de tão molhada, enterrei tudo de uma só vez, não precisei fazer mais nada depois que meu caralho invadiu aquela xoxota melada, ela gozou alucinadamente. Minha pica estava toda dentro da Thais, e a Kelly encontrou um espaço para lamber e mordiscar o grelinho da Thais provocando mais outras gozadas.
Fomos para a cama, pois era mais confortável. Ali, enquanto eu chupava e me deliciava com os fartos seios da Thais, Kelly chupava ora o meu pau, ora o xaninha da Thais, até que eu decidi trepar com a Kelly, chupei seu grelinho, lambi sua bucetinha, encostei-a na parede, levantei sua perna esquerda e abri caminho com o meu pau em sua bucetinha melada. Ela gemia de prazer a cada estocada que eu dava, enquanto Thais diante de nos, tocava uma gostosa e feroz siririca com dois dedos dentro da bucetinha, gozamos feito loucos naquela cena inebriante.
Mudamos de posição, deitei de costas na cama e a Kelly sentou-se em cima de mim, à altura do meu peito e de costas para o meu rosto, de modo que pude chupar aquele bucetão por trás, Thais aproveitou e sentou em meu caralho que apontava para o teto, iniciando um galope alucinante, eu sentia o restinho da minha porra saindo da buceta de minha mulherzinha, enquanto isto as duas enroscavam as línguas em um beijo sacana e ardente.
Este entra-e-sai, chupa-chupa, me enlouquecia. Uma cavalgando meu pau cada vez mais freneticamente, ao tempo que a outra sentada no meu peito, oferecia a buceta escancarada e pedia que eu chupasse ainda mais forte. Enterrei meu polegar em seu cuzinho que piscava sem parar, e mordisquei seu grelinho duro feito um prego, elas gemiam e se acariciavam, foi tão intenso que gozamos novamente juntos.
Elas foram tomar banho e entrei no box para observa-las, se ensaboavam numa serie de caricia tão intima e desejos que meu pau não aguentou e já voltava a dar sinais de vida. Me aproximei e iniciei uma chupada gulosa nos peito de minha comadre, Kelly embaixo de nos, chupava gulosamente a bucetinha da Thais. O tesão tomou conta da minha comadre, ela abriu mais as pernas e puxou a cabeça da Kelly ao encontro de sua buceta sedenta por gozo, e foi isto que aconteceu, a Thais meu deu um beijo selvagem, apertou um dos seus peitos e gozou alucinadamente na boquinha da minha esposa. Foi um gozo relâmpago, intenso, insano.
Levei as duas para o nosso quarto, e Kelly foi logo se deitando e abrindo as pernas, deixando sua xoxota toda escancarada, suplicando as caricias da Thais. Minha comadre chupava e lambia o grelinho de minha esposinha com tanto gosto que não demorou muito para a Kelly explodir em espasmos em um gozo demorado. Totalmente no clima, Thais veio me beijar com o gozo da Kelly em sua boca, e excitada, pegou o meu pau já duríssimo e beijou a cabecinha, deslizou a linguinha quente em toda a extensão e abocanhou por inteiro, me proporcionando uma sensação indescritível. Thais me chupava avidamente, e cada vez que tirava o meu pau de sua boquinha safada, eu me deliciava vendo-o todo lambuzado com sua saliva quente. Eu estava louco de tesão e virei-a de quatro na cama, numa única estocada, penetrei sua suculenta xoxota, fazendo-a soltar um grito rouco e abafado. Agarrando-a pelos cabelos longos, comecei a bombar com rapidez, e ela respondia rebolando e jogando a bunda de encontro ao meu pau. Thais grunia e se debatia sedutoramente, e então suplicou que queria sentir o meu peso em suas costas, sem tirar o pau de dentro, deitei-me sobre ela com o caralho enterrado em sua racha, Thais fechou as coxas deixando minha pica presa dentro dela, mas, passei a dar-lhe curtas e lentas levando-a a entras em convulsões de prazer num gozo intenso. A esta altura Kelly tocava uma siririca maravilhosa, e, pegando meu caralho lambuzado, o engoliu dizendo que queria sentir o gosto íntimos de minha comadre. Ela iniciou uma chupada estonteante como uma puta profissional, que se tornou ainda mais tesuda com a cena que agora eu via, enquanto a Kelly me chupava, de quatro, Thais já recuperada, acariciava a bundinha arrebitada de minha mulher, abriu suas nádegas e passou a titilar seu cuzinho com a ponta da língua, escorregando até a ponta do grelinho, o que fazia a Kelly chupar minha vara ainda com mais vontade. Eu já tinha resistido muito tempo e ao berrar que iria gozar, Thais abandonou a bunda da Kelly, e veio engolir toda a porra que saia do meu pau, Kelly reclamou e Thais num beijo gostoso, passou parte da minha porra para a boca da Kelly que se deliciou com o meu mel.
Fiquei cerca de 30 minutos me deliciando com a farra que as duas safadas faziam na cama. Kelly não aguentou de tanto tesão e me chamou para participar da putaria delas, começamos a nos beijar e Thais imediatamente começou a lamber meu saco, Kelly chupava a cabeça do meu pau como só ela sabe fazer. Logo eu já estava à disposição delas novamente (confesso que isto estava me deixando morto de cansado).
Kelly com a cara mais safada do mundo, me pediu para comer o seu cuzinho, o que prontifiquei certamente, coloquei-a de quatro e lambi seu cuzinho apertado, com a ponta da língua fui abrindo caminho mas ela estava querendo tanto dar o rabinho que relaxou e coloquei a cabeça da pica em seu anelzinho de couro, quando a cabeça entrou Kelly soltou um gemido, rebolando vagarosamente ela foi engolindo centímetro a centímetro da minha pica. Quando já estava todo dentro daquela maravilhosa bunda, percebi que Thais já estava se colocando embaixo de nos, de modo que enquanto eu comia o cuzinho da Kelly elas faziam um 69 com chupadas animalescas. Minha gata gozou pelo cu, mas também pelas chupadas de minha comadre, deixei a pica dentro e ela contraia tão forte o cuzinho que parecia que iria cortar o meu pau. Eu ainda não havia gozado e Thais implorou que eu derramasse minha porra dentro do seu cuzinho. Tomei cuidado para que ela não sentisse dor, mas, envolvida pelo tesão ela nem estava preocupada com isto, e me implorava que metesse tudo de uma só vez, que queria se sentir rasgada ao meio, o que fiz, e ela soltou um grito abafado pela boca da Kelly, reclamando da grossura da minha pica, fechou os olhos amou as estocadas lentas que dei em sua bunda zero quilometro. Ela falava coisas sem sentido, mordeu o travesseiro e tremeu as pernas gozando também pelo cu, não pude me conter e enchi seu cuzinho de porra.
Tomamos um banho, os três já exaustos, dormimos até tarde completamente nus e enroscados, e ao acordar, agimos como se nada de anormal estivesse acontecido. Hoje nossos joguinhos são habituais e criativos.


Deixe o seu comentário.
Obrigada pelo seu voto!



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.