"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Coelho da páscoa não...


autor: priapus
publicado em: 27/03/16
categoria: hetero
leituras: 22595
ver notas
Fonte: maior > menor


Coelho da páscoa não existe, mas Coelhinha sim.

Eram dez e quarenta da manha quando Marcos abriu os olhos. É Páscoa, se contar essa ninguém acreditaria. Coelho da páscoa não existe, mas ele tem uma filha, e que coelhinha mais linda. Uma morena de parar o trânsito. Fechou os olhos e com um sorriso bobo relembrou a noite passada.
A noite anterior depois da ceia estava voltando pra casa, quando no sinal um carro começou a buzinar. Olhou o semáforo havia aberto. Estava distraído. Saiu e o carro passou, a direção estava uma mulher, não viu direito. Ele ainda meio distraído quando viu o carro a sua frente dar uma forte puxada e encostar. Parou de susto. Encostou e foi ajudar. Era pouco antes da meia noite, em uma rua atrás da igreja.
Percebeu um pneu furado, a porta do carro abriu e saiu à oitava maravilha do mundo. Uma moreninha num vestidinho a lá coelhinha da páscoa branquinho, jovem, pouco mais de vinte anos. Aquela alça do vestido era algo absurdo de forte. Muito fino o tecido, mas deveria ser feito de algo bem resistente pra segurar aquele par de seios ou faziam muita academia. As coxas eram maravilhosas, à noite os pelinhos dourados brilhavam mais. E quando passou a sua frente pra ver o que havia acontecido Marcos viu a bunda. Era coisa de outro mundo. Este tempo todo não foi mais que cinco segundos, mas o que passa na cabeça(s) de um homem em cinco segundos... Ela voltou-se a Marcos e disse olá me chamo Claudia. Após não sabesse quanto tempo ele respondeu, sou Marcos, e só o fez por que ela sorria de sua cara. Percebeu que causou em Marcos algo forte. A calça começará a ficar maior. Marcos também percebeu isto, virou-se um pouco e prontificou-se a trocar o pneu.
Abriu a porta malas do carro, tirou o estepe e foi fazer a boa ação, afinal é páscoa, por que não? Desparafusou, tirou o pneu e nisso cai uma tromba d’água. Coisa de DEUS mesmo, atrás da igreja, que mais poderia ser? Saem ambos procurando se esconder. Lá havia um coberto algumas mesas e uma churrasqueira comunitária. Claudia dizia que vinha de uma festa onde ouve uma discussão o clima ficou chato e estava indo pra casa. Marcos disse da janta e que também estava indo pra casa. O vento aumentou eles entraram numa salinha. Havia apenas uma mesa, e uma pia, tudo escuro apenas a luz de um poste a rua. Marcos fez uma graça, vai ter que dormir no meu colo ou sentada à mesa, Claudia sorriu. Chegou mais perto e deu um beijo lento, espectativo. Ela retribuiu, Marcos então aumentou a intensidade do beijo ela retribuiu. Chegou mais perto, encostou bem sentiu seus peitos, realmente, volumosos. Passou a mão nas costas e na bunda de Claudia, foi à loucura. Esfregava seu pau ainda dentro da calça em Claudia e essa se retorcia. Mordia sua orelha, seu pescoço, esfregava-se nela e a respiração de ambos ficava cada vez mais quente, mais quero.
A chuva soa como um estimulante, o barulho do vento as arvore, os trovões. A respiração de ambos aumentava ao sabor da força dos trovões. Os trovões, raios, luz, vento gotinhas d’água anunciavam uma tempestade de desejos, de pau pra fora, de mão na xaninha meladinha. De bocas sedentas. De pau querendo aconchego, uma casinha quentinha, fugir do vento. Nisso Marcos coloca Claudia sentada na mesa, abre suas pernas, beija seus seios, e com sua língua vai descendo, descendo. Claudia sabe o que vai acontecer, instintivamente abre suas pernas, as fartas coxas revelam uma bucetinha doidinha, suculenta. Marcos está mais perto, Claudia com os olhos fechados percebe a respiração de Marcos, sua buceta vai ficando cada vez mais meladinha, mais cheirosa. O contorcionismo de Claudia denúncia sua vontade de sentir a língua de Marcos. Procurando seu grelinho doido, safado, desejoso. Cada vez mais perto e percebendo a necessidade de Claudia, Marcos puxa a calcinha de lado, um fiosinho, e se deleita com a bucetinha pulsando. Querendo. Implorando pra ser chupada, lambida. Claudia segura à cabeça de Marcos querendo que este nunca mais saia dali. E o vento, os trovões, deixam todos mais excitados.
O desejo de ambos é um só, e Marcos não suportando mais de desejos daquela deliciosa bucetinha, tira seu pau, vira Claudia e está apoiada com suas mãos a mesa sente... Sente o pau de Marcos roçar sua buceta louca por ele. Marcos fica brincando, ora passando o pau nas coxas, em sua bucetinha, e em seu cuzinho. Doidinha não consegue falar abre as pernas empina a desejosa bundinha e Marcos vai, mete com vontade, com força, com pegada. Demora um pouquinho, mas Claudia acomoda bem o pau em sua buceta. E assim passam minutos naquele frenesi único de sensações. Quase deitada à mesa, com a bundinha empinadinha e Marcos segurando-a pelos quadris e metendo com muita força, Claudia parece perdendo a respiração. Ela sente que Marcos não vai demorar a gozar, está sentindo seu pau mais acelerado, ele agarra-a com mais força. Seu pau parece que vai explodir, está latejando dentro dela. Cada vez mais forte. A respiração de ambos está descompassada. O vento contribui, os trovões aceleram, e Marcos metendo com mais força, cada vez mais forte. Claudia começa rebolar, contrai sua xaninha tentando apertar o pau de Claudio. Este percebendo que Claudia está gostando, está gozando dá-lhe uns tapas na bunda. Chega a seu ouvido e diz besteiras, sua putinha, safada, gostosa, minha vadia deliciosa. Rebola, rebola, rebola. A coisa está ficando muito louca e o tempo parece contribuir com isso. Os trovões ecoam fortes lá fora. E tudo começa perder o sentido, Marcos parece gritar, Claudia segura pelos cabelos e rebolando muito, a respiração ofegante parece implorar que Marcos encha sua buceta de porra. Esse parecendo entender isso da mais uns tapas, chama Claudia de safada, vadia, putinha gostosa e começa gozar. Forte, intenso, cheio, Claudia sentindo tudo isso abre um sorriso grande, prazeroso, safado. E vem um trovão, aquele, muito forte, demorado e seguido por um forte raio..... Isso fecha o gozo de todos.
Ficam ainda deitados longos minutos. O vento vai diminuindo, a chuva cada vez mais rala. O trovão poderoso soa um barulho surdo, sem importância. O prazer está em todo lugar e ambos o sentem o cheiro da terra, da chuva, o som do vento, tudo parece estar voltando ao normal. O gozo foi uma tempestade de prazer para todos.
Recompõem-se, saem dali, Marcos termina de trocar o pneu. Claudia agradece, se despede e deixa no bolso da camisa de Marcos sua calcinha. Ele não viu nada.
Então Marcos abre novamente os olhos, olha o despertador, onze horas. Levanta pega sua roupa, sua camiseta. E sorri quando lembra da coelhinha. Vai acreditar só na páscoa. Metendo a mão no bolso acha a calcinha de Claudia e nota algo. Sorri ao ler, FELIZ PÁSCOA, e um telefone.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.