"Os mais excitantes contos eróticos"


MEU PADRASTO CAVALO 2 (ATO I)


autor: CamillaDuda
publicado em: 01/04/16
categoria: hetero
leituras: 19815
ver notas
Fonte: maior > menor


MEU PADRASTO CAVALO 2
Por: Camilla Duda

(Continuação)

Parte 7

Sr. Rui suava e se masturbava bem rápido, parecia absorto e fixado no que estava fazendo, via o suor escorrendo por aquele corpo negro e pingando no chão, o depravado olhava meu bumbum ser violado por ele, sentindo toda a contração de um cuzinho virgem enforcar seu dedo e ser desvirginando tão jovem, parecia completamente louco de tesão apenas por estar dedando meu buraco devagar, o prazer de estar me iniciando refletia em todos o seu caralho negro e brilhante, com a outra mão ele o punhetava e o fazia balançar ereto exibindo toda sua virilidade, punhetava o talo de seu cacete esfolando sua chapeleta a cada esticada de pele naquele tronco imenso, sua punheta rápida fazia seu saco de cavalo balançar e bater no chão fazendo barulho, ele já estava perdendo a linha e se masturbando na frente da filha de sua namorada, que tarado!

Eu sentia meu buraco ser penetrado com carinho e observava simultaneamente seu bastão preto ser esfolado e o rosto daquele homem olhando meu cu completamente apaixonado e compenetrado na sua penetração com o dedo, tomava cuidado pra não ultrapassar da metade, mas fodia com carinho sem tira-lo dentro de mim, mexendo do meio dele ate o final, penetrando meu anus virgem lubrificado, ele mais uma vez tirou o dedo com carinho, eu desta vez fiz um esforço para não contrair e deixei ele penetrar novamente ate a metade com meu buraco mais receptivo e aberto, ele entrou agora com mais facilidade até a metade, tranquei com forca e gritei de novo, Sr. Rui, gemeu e falou: - Nossa menina, eu não to agüentando, você e muito gostosa sabia? Esse vai ser o nosso segredo, ok? Você ta gostando? – Eu não respondi, contrai meu rabinho levemente e abri, como se respondesse pelo cu, o tarado gostou e gritou alto, sentindo novamente meu anus virgem e dolorido abraçar seu dedo, com a outra mão tornou a esfolar seu pau imenso, segurando a base daquele talo com muita força.

Hoje entendo que ele estava segurando a porra na cabeça daquele pau imenso, pois vi sua chapeleta grande e rosada se inflar toda, o danado não estava agüentando e ia gozar se masturbando bem ao meu lado, que cara filho da puta... o namorado da minha mãe! Pensei nessa hora em contar pra ela, mas achei melhor não, a sensação que aquele dedo me dava era fora do comum, sentia minha bucentinha rosada e impenetrável toda molhada, meus lábios estavam grudados e úmidos de tanto tesão, a cada contraída no meu cuzinho a minha xaninha piscava com forca e eu ficava louca de tesão, sem entender muito bem como tudo aquilo era possível.

Parte 8

Sr. Rui não parava de tocar punheta, sua mão grande ficava pequena perto daquela rola de cavalo, seus movimentos faziam aquele ferro ereto tremer exibindo a sua chapeleta que parecia mais uma bola de sinuca de tão imensa, ela pulsava imponente enquanto ele se deliciava se masturbando cada vez mais rápido, agora o tarado brincava com mais facilidade na minha bunda, sentia meu cuzinho quente no seu dedo e via minhas nádegas grandes esconderem.

Ele olhava aquilo tudo de boca aberta, completamente cheio de tesão e se masturbava que nem uma criança, parecia mais não se importar com a minha presença de tanto tesão que sentia, ouvia seu saco gigante bater no chão sem parar enquanto ele punhetava seu cacete que nem um maluco: - Nossa menina! Você ta me deixando com muito tesão! Já viu um homem gozar? Hein? – Nessa hora gelei mais uma vez.

É claro que eu já sabia o que era aquilo, já tinha visto em filmes, sempre tive curiosidade, adorava ver os homens loucos de tesão enquanto as mulheres o faziam gozar, fiquei tambem um pouco orgulhosa em saber que o Sr. Rui estava sentindo tesão com aquilo, me sentia mais mulher apesar de ser uma menina tão jovem, sentia-me adulta em proporcionar prazer praquele homem bem mais velho e queria ver o resultado daquilo, queria deixar o Sr. Rui satisfeito e a vontade para gozar... – Vai gozar Sr. Rui, pode gozar... goza – Falei baixinho e sem graça, abaixando a cabeça e sentindo meu cuzinho dolorido ser penetrado – Ai menina! Eu vou gozar hein! Não to agüentando você é muito gostosa... olha pra cá.. fica olhando o que eu to fazendo....

Virei meu rosto timidamente e repousei par ao lado, observava aquele velho tarado se masturbar com a mão esuqerda e dedar meu anelzinho com a mão direita, ele deixou seu dedo atolado ate a metade no meu buraquinho, totalmente parado enquanto aumentava o ritmo da punheta, olhava seu cacete de cavalo ser punhetado e observava meu rosto espiando tudo aquilo – Fica olhando linda, você vai ver agora um homem gozar. Você que fez isso minha linda, você que me deixou assim.. olha.. fica olhando. – Esfolou seu cacete ate as bolas e soltou, empurrando e pressionando sua chapeleta inchada, vi um jato denso e pesado de porra jorrar e cair no chão sobre a minha frente, ele gritou muito alto, fazendo eco pelo jardim, tirou o dedo rapidamente de meu cuzinho, eu nessa hora gemi alto e vi dois jatos fortes esporrarem de novo de seu ferro, caindo pesado sobre o chão a poucos centímetros do meu rosto.

Aquela bola de sinuca pulsava enquanto as veias inflavam naquele cacete anormal, aquela piroca grossa pulsava sem parar enquanto o safado se masturbava e chamava o quaro jato de leite – Olha linda! Olha saindo.. tem mais aqui! Olha o que vc ta fazendo comigo. – Ele se ajoelhou e lançou outro jato denso sobre o chão, seu sêmen era grosso, caia sobre a superfície fazendo barulho enquanto sseu saco de cavalo balançava produzindo mais esperma pra ser jorrado, esfolou sem membro mais uma vez e lançou seus dois últimos filetes de porra sobre o chão, eu observava com muito tesão toda aqela porra grossa no chão, me presenteando pelo prazer que havia dado aquele negro, aquele criolo tinha se aproveitado da meniniha branca e violado seu cuzinho com o dedo, que safado!

Depois disso ainda gozou tudo na minha frente, mostrando todo o tesão que havia sentido em tirar a virgindade do meu anel... puxei meu biquíni pro lado e suspirei, ele botou seu pênis pra dentro da sunga e mergulhou rapidamente na piscina... eu sem graça levantei, botei a canga e sai correndo para o quarto.

FIM DO PRIMEIRO ATO



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.