"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Meu pau não me obedece.


autor: Noddoz
publicado em: 26/04/16
categoria: jovens
leituras: 4760
ver notas
Fonte: maior > menor


Eu de novo, Noddoz, 26 anos de idade, Meio magro, castanho, inteligente e safado... Ela 26 anos, Ruth (nome fiticio) meio cheia, 1.66, safada e puta gostosa, também inteligente.

Isso Aconteceu no mesmo lugar de sempre, Num Internato estudantil.

Um grupo de informaticos abriu um escritorio para produzir softwares, Limparam duas salas vazias no Res-do-chão e  convidaram-me para ser o coordenador de projectos, tais quais criação de jogos.

Numa noite, estava a fazer correção ortografica e gramatical de uma lista de perguntas para um software. Por volta das duas de madrugada, Ela entra com um copo de Caipirinha.

Ela - Hum! Lovi, ainda a trabalhar!
Eu - Sim, isso já está me a cansar.

Ela - Vamos lá a festa lá em cima. Está divertido.

(Lá em cima no segundo andar tem uma sala grande reservado para eventos, reuniões etc. No primeiro andar é sala de refeição comum. Do terceiro a diante são quartos.)

Eu - Preciso acabar isto.

Ela - Hum, lovi, para. Vamos lá.

Eu - Não adianta lançar charme para mim. Preciso acabar isto.

Ela ficou zangada e saiu dizendo.

Ela - Fica, vou dançar com outras pessoas, me divertir, se puder irei mais longe.

Eu - Boa sorte. Te amo. Agora vâ fazer o teu escandalo.

Saiu toda trombuda, chateada para o Caralho. Eu continuei ali a fazer o meu trabalho. 20 minutos depois ela voltou.

Ela - Serio que vais ficar aqui trancado enquanto o pessoal se diverte lá em cima?

Eu - Jujubinha!!!

Ela - Não gosto desse teu nome.

Eu - Como queiras, dá para me deixar trabalhar?

Ela - Não dá não, eu quero me divertir contigo e tu te metes a nerd. Fodas pah! Ou tu vens ou está tudo acabado entre nós.

Eu - Me diga isso quando estiveres lucida. Estou a pedir para me deixar em paz.

Ela - Vai te foder. Por isso não gosto de estar contigo, tu estragas a minha felicidade num piscar de olho.

Estava a ficar cada vez mais biliosa e stressada. Levantei e levei-lhe para fora, fechei a porta, mas não tranquei. Assim que voltei a sentar, entrou uma sms no meu telefone que dizia: ME ERA, ACABOU TUDO ENTRE AGENTE.

Não me dei o luxo de responder. Voltei ao meu trabalho. 10 minutos depois ela volta a entrar, desta vez a cheirar alcool e cigarro. Toda Calminha e com um sorriso no rosto.

Ela - Lovi...Posso te fazer companhia?

Eu - Acho que devias estar na festa a se divertir, se puder ir mais longe.

Ela - Não me apetece mais, quero estar aqui contigo.

Eu - Fica ai, bebe a vontade e não me atrapalha. Okey?

Ela - Está bem.

Voltei ao meu trabalho, Ela se comportou bem apenas por dois minutos. Levantou e aproximou-se de mim, começou a cheirar o meu pescoço. Mordiscou e pôs a sua lingua na minha orelha, o meu corpo arrepiou e o meu pau acionou dentro da cueca.

Ela - Queres ficar concentrado e a trabalhar enquanto a tua putinha ferve de tanto tesão hem!

Eu - Achas mesmo que vou cair nesses teus truques de quinta? Não sou facil não.

Ela - (respirando intenso) - Achas-te de dificil? Vamos ver quem manda aqui.

Pôs a mau nas minhas cuecas e começou a punhetar o meu penis. Tentei resistir mas acabei cedendo, ela desceu e virou a cadeira, me deixando do lado do computador, tirou o penis e abocanhou todo ele. Cuspiu nele e voltou a bater uma punheta deixando ele todo molhado. A sua saliva tinha cor da caipirinha.

Eu - Estás a dar caipirinha o meu pau, achas que ele gosta de alchool? 
Ela - Não sei, só sei que está gostoso chupa-lo.

Passou a lingua só na cabeça e mordeu. Aquilo me deixou mais concentrado. De repente ouvimos passos de muita gente e vozes falando... Ela parou imediatamente e voltou ao seu lugar. Pus o pau na cueca, não  conseguia entrar, tive que me encostar a secretaria que usava. Entraram cinco membros do Escritório, todos animados.

Um deles - Então, vais ficar aqui? Vamos lá a festa.

Eu - Preciso acabar essa lista, já já estou ai.

Ela - Bem que estou aqui a tentar lhe convencer para irmos a festa, cabeça dura que é, não sei pensa que trabalha mais que quêm!!!

Eu - Ruth, menos por favor.

Eles - Está bem. Nós estamos lá.

Foram-se embora. Ela levantou e fechou a porta deixando ela bem trancada.

Ela - Agora ninguém vais nos encomodar.

Voltou e pegou naquele pau que já estava a murchar por causa do papo. enfiou tudo na boca e deu uma lambida sensacional, o pau ficou duro e pronto para comer, mas a vontade dela era apenas de chupar. Continuou a chupar fazendo barulho com a saliva e exibindo alguns fios, Enfiou tudou quase a engasga-la e tirou olhando-me feito puta profissional. Levantou e subiu sua saia curtinha, afastou a calcinha para o lado e sentou naquele pau gostoso, a vagina ardia tanto que confortou o meu pau naquele calor gostoso.

Ela - Quem manda aqui? Sou eu ou es tu?
Eu - Sou eu. 
Ela - Então manda para eu parar, porque vou te foder até amanhecer..
Eu - Sai de cima de mim. 
Ela - Não quero, não vou sair e tu vais me obedecer. .
Eu - Achas que vou?
Ela - Não acho, tenho a certeza.

Começou a cavalgar naquele pau, dando gemidos sensacionais, o meu corpo dilatou-se e caiu na real.."Noddoz, acabamos de perder, vamos curtir a foda"... Ela cavalgado e gemendo gostoso com aquele cheiro de caipirinha misturado com cigarro, tirei os seus peitos para fora e comecei a mamar enquanto ela rebolava na rola, a vagina toda molhada.

Ela - Gostas disso?
Eu - Sim, Está doce isso vida.
Ela - Ai está! 
Eu - Sim.

Ela parou com tudo, saiu de cima de mim. organizou a calcinha e a saia, bebeu um pouco do seu copo.

Ela - Então estavas a gingar porquê?
Eu - Tu não vais fazer isso comigo.
Ela - Isso o quê? 
Eu - Anda filha, o pai está todo tarado! Senta nesse pau vai. 
Ela - Só se tu fores a festa comigo.
Eu - Está bem, irei.
Ela - Agora.
Eu - Não, depois de apagares o meu fogo. 
Ela - Hum! Porquê isso não me cheira boa coisa? Algo me diz que não vais cumprir caso eu apague o teu fogo..
Eu - Pelo amor de Deus, Cumprirei.

Ela aproximou, baixou, deu uma lambida longa no penis, chupou tudo. e ficou de quatro na parede. Enfiei todo o  pau naquela xana molhada e doida para ser comida. Fui fazendo o vai vem. A minha pressão era tanta, ela gemia forte.

Ela - Fode isso caralho.
Eu - Assim? 
Ela - Mais seu filho da puta. Come a tua vagabunda. 
Eu - Hum! Toma isso, sua safada.. puta de merda.

O efeito alcolico dela lhe deixava mais avontade e aventureira. Depois de varias estocadas. Ela tirou o pau, me encostou contra parede e voltou a chupar.

Ela - quero sentir o gosto do meu mel nesse pau.

Eu - Hum, É Salgadinho e apetitoso.

Lhe carreguei e deixe-lhe por cima de uma das secretarias, abri as pernas dela e pus-me a chupar a sua vagina deliciosa.

(Sou doido por aquela vagina, chupo com tanto amor e safadeza, que ela fica sem palavras)

Terminei de chupar e penetrei fundo. fomos no vai e vem, Delícia de Vagina, delícia de pau.

Ela - Seu gostoso. Adoro sentir esse pau dentro de mim.

Eu - Diz que essa vagina é só minha.

Ela - Ela é só tua, toda tua meu amor.

Aumentei a pressão e ela abriu mais as pernas, a sua vagina apertou o meu penis e ficou mais delicioso ainda. Gemiamos gostoso e nos deliravamos com a foda.

De novo, passos no corredor voltaram a ouvir-se. Apertei a boca dela beijando-lhe para não soltar gemidos fortes. Lá fora a porta toca.

Um deles - Noddoz! 
Os Dois - Noddoz!! 
Um deles - Esse tipo deve ter usado headphones! 
Um deles - Noddoz.

Bateram a porta e cansaram, tentaram abrir, não conseguiram e foram-se embora. Eu desse lado fodia devagar para não fazer barulho com o som da secretaria e os nossos gemidos. Assim que eles foram-se voltei a foder intensamente. O nosso sexo é sempre selvagem, vigarista e gostoso. Lhe carreguei e fui fodendo de pé!

Ela - Hum, estás com energia hoje.

Fodi e paramos, tomei a sua capirinha, ela ficou de 4 na secretaria e me deixou penetrar abusadamente. Fodi aquela vagina babando por mais e mais. Chupei e suguei o seu liquido, voltei a foder.

Ela - Vida. 
Eu - Sim
Ela - Não para. Come com mais força.
Eu - Ayé! 
Ela - Acho que vou gozar. 
Eu - Goza no meu pau sua puta.

Ela gemia cada vez alto, até que a sua vagina ficou inundada, me enchendo de gozo.  Aquilo me deixou arrepiado e descontroladamente esporei dentro dela. Nem consegui me mexer ou fazer um movimento se quer, foi uma sensação unica, apenas esporava. Fiquei parapletico.

Ela - Esporaste dentro de mim?
Eu - Sim.
Ela - O quê? Seu maluco, porquê fizeste isso? 
Eu - Sei lá, apenas fiquei paralisado sentindo o gosto de gozar.
Ela - Seu safado. Da próxima vamos foder com camisinha... Agora vamos a festa.
Eu - Vamos.

Me limpei com um papel higiênico, Ela se aproximou e ajudou a limpar chupando o penis todinho. Se limpou e organizou a roupa. Já que não tinhamos tirado, apenas afastado algumas partes. Fechei o computador e saimos para a festa.

(Ela acabou me vencendo)





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.