"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Tia dos sonhos.


autor: Delute
publicado em: 09/05/16
categoria: incesto
leituras: 9752
ver notas
Fonte: maior > menor


Eu tenho uma Tia que tem quase a minha idade, até um pouco mais nova, ela não vinha muito a nossa casa, mas nas férias sempre passava alguns dias por lá, fomos crescendo e ela se tornou uma gata, eu nem via ela como Tia, e perdia varias horas no banheiro e na cama se masturbando em homenagem aquele magnífico corpo, alta e ruiva de cabelos longos e olhos verdes, uma bunda redonda e firme, tipo um coração invertido, os seios eram médios nem pequenos nem muito grandes, mas muitos bonitos e branquinhos, um dia que subi no forro da casa, de onde podia vê-la tomando banho, nossa quase me acabei na punheta a vendo depilar sua bucetinha com um aparelho de barbear, nos até brincávamos e ela dizia que se não fosse minha Tia iria me dar um pega, e eu queria que aquilo fosse verdade, mas os anos foram passando e nada do pega, e ela foi morar sozinha numa cidade maior, eu estava terminando o ensino médio e iria fazer um cursinho me preparando a prestar um concurso para trabalhar no estado, então minha Mãe acertou com minha Tia de que eu ficasse em sua casa o tempo do curso, num sábado a noite toda a família junto a mim na rodoviária se despedindo, parecia que eu iria para a guerra, entrei no ônibus e só desci na cidade onde minha Tia mora, ela estava esperando por mim na rodoviária, dali fomos para sua casa, no caminho ela toda animada ia mostrando tudo da cidade, ali fica o cinema, ali uma discoteca, o campo de futebol e assim chegamos em sua casa, e lá ela me mostrou onde seria meu quarto, estava tudo arrumado já esperando por mim, deixei minha bolsa sobre a cama e fui tomar um banho.
Os dias passaram, e eu estava indo muito bem nos estudos, e também com minha Tia que gostava muito de mim, eu até a ajudava nos afazeres da casa, numa noite em que fui tomar banho, esqueci a toalha e pedi se ela podia me trazer, então ela me trouxe uma toalha ela abriu a porta e me viu pelado eu todo envergonhado me escondi dentro do Box, ela deixou a toalha pendurada e saiu, terminei o banho e fui para o meu quarto somente enrolado na toalha, lá comecei a pensar nela e sentado na cama comecei a alisar meu cacete, que de imediato ficou duro, dei uma cuspada nele e comecei uma bela de uma punheta, de olhos fechado sonhando com a bunda da minha Tia, não tinha trancado a porta e de repente pressenti algo, abri meus olhos, e vi minha Tia que estava parada na porta, me olhando e eu ali com a pica dura na mão tocando uma punheta, ela estava vidrada em meus 19 cm de pica olhou nos meus olhos e bem para meu pinto, ficou vermelha virou as costas e saiu rápido do quarto, eu não sabia onde enfiar a cara de vergonha me deitei a cama meu pau na hora sumiu, como se estivesse se escondendo, puxei o lençol sobre meu corpo, e fiquei ali imaginado mil e uma desculpas para dar a minha Tia, mas não achava nenhuma, foi quando escutei algumas batidas na porta do quarto, eu disse meio receoso.
- Pode entrar. – era minha tia ela veio e sentou na cama dizendo, achei que ia levar uma puta duma bronca.
- Eu vim pedir desculpas a você, eu devia ter batido.
- Eu que devia ter trancado a porta.
- Vim mais para que você não se sinta culpado, porque isso todo mundo faz, quem nunca se masturbou. – ela dizia isso na maior naturalidade, e pegou em minha mão a alisando, eu fiquei a olhando, ela que estava se preparando para dormir, estava com um baby-doll azul quase transparente, que deixava ver muito bem a siluetas de seus seios, seu perfume e sua voz macia, me encheram de excitação, e meu pinto começou a levantar uma barraca embaixo do lençol, ela percebeu o volume, o qual não tive com disfarçar, e disse.
- Nossa! você deve estar muito excitado?
- Me desculpe tia é que eu não aguento ver seu corpo. – falei mesmo, na bucha, já tava ferrado mesmo, que fosse um pouco mais.
- Já que você esta sendo sincero, eu também vou ser com você, eu fiquei muito excitada quando vi você no banho e mais ainda quando vi você se masturbando, e seu pinto é muito bonito e bem grande, gostaria de ver mais ele. – falou isso e tirou o lençol de cima do meu corpo, meu pinto estava doendo de duro, ela levou a mão e o alisou ele, primeiro com dois dedos pegando só no coro do pinto e puxando para baixo e para cima, depois o apanhou por inteiro com a mão, que quase não o abraçava, minha Tia começou a masturba-lo, eu estava no apogeu da excitação e da alegria, já havia imaginado esse momento em meus pensamentos por centenas de vezes, mas não tinha esperança de que um dia se tornasse realidade, ela ainda me reservava mais uma surpresa e disse.
-Sabia que eu sempre quis fazer isso com você, pois faz tempo que percebo você me comendo com os olhos, e isso me excitava muito. – Falou isso e abaixou a boquinha bem na cabeça do meu pinto, deu um chupãozinho como que experimentando e ficou com a metade da cabeça do pinto na boca, chupando ele de leve fazendo um biquinho e passando a língua bem rápida na ponta da cabeça, aquilo estava me levando à loucura, enfiei a mão por dentro do decote do baby-doll e massageei os seus seios, esfregando os seus mamilos que estavam rijos, ela estava ajoelhada na cama a minha frente, puxei o seu corpo para cima de mim e enfiei a cabeça no vão de suas pernas, afastei a calcinha e bolinei em sua buceta, passei o dedo pelo seu clitóris, depois fui com a boca, primeiro passei a língua depois o puxei com os lábios e fiz quase como ela fez com meu pinto, passando a língua bem rápida naquele grelinho, ela gemeu forte e se contorceu endurecendo a bunda, agora ela fazia um vai e vem no meu pinto com a boca, indo até onde podia, senti que acabaria gozando naquela boquinha, ela então se virou tirou o baby-doll e a calcinha eu já estava nu, subiu em cima de mim e começou a me beijar, e eu chupava sua língua e os lábios com sofreguidão, rolei sobre ela e fui descendo mamando em seus seios lindos, os quais tanto sonhei estar fazendo aquilo, ajoelhei na cama e abri sua perna deixando a sua rachinha a mostrar, peguei mui pinto e passei a cabeça naquela racha maravilhosa e lizinha, só um pouco de pelo pouco acima dos lábios, ajeitei ele na entradinha e fui empurrando devagar, ela então pediu que eu parasse, se levantou e saiu do quarto, eu na hora pensei que havia acontecido alguma coisa e eu a tinha magoado, mas não tardou, ela voltou com vários envelopes de camisinhas na mão, abriu uma com os dentes dizendo.
- É bom se prevenir, (colocou a camisinha no na cabeça do meu pinto e completou dizendo) eu sempre quis fazer isso. – Com a boca foi colocando a camisinha, ajudando com as mãos, pois não conseguiu descer até o pé, deitou na minha frente abriu bem as pernas e me chamou com as mãos.
- Vem arromba a buceta de sua tia. – Eu mais que depressa apontei o pinto para a entrada de sua buceta e mandei ver, ele não entrou de primeira, ela gemeu, e me empurrou um pouco para traz, como se pedindo que fosse mais devagar, então comecei um vai e vem bem de leve e fui sentindo que meu pinto foi alargando a entrada daquela bucetinha apertada e sumindo para dentro dela, logo estava encostando até o saco, então comecei a bombear feito louco, quase perdendo o fôlego, não era acostumado a usar a camisinha por isso não conseguia gozar, ela por sua vez, acho que havia gozado uma varias vezes, pelo jeito que tremia e gemia.
- Isso mete tudo vai fundo, enfia com força, mais rápido, ai, ai, ai. – nossa aquilo me excitava ainda mais.
Ela quis mudar a posição e ficou meio de quatro, segurando na cabeceira da cama, e mantendo o corpo um pouco levantado, eu olhava aquela linda bunda a minha frente quase imaginando estar em um sonho passei a mão nela para sentir seu formato, e ter certeza de que não estava sonhando, arrumei meu pinto na entrada buceta e o enfiei em uma só vez, comecei a meter cada vez mais rápido e ela gritava.
- Continua assim, que eu vou gozar, não para, ai, que gostoso, vai isso arrebenta sua Tia. – Ela falando aquilo, me excitou mais e acabei gozando, não parei de meter até que ela caiu na cama de bruços, fiquei ainda um pouco com meu pinto dentro dela, passando a mão em seus cabelos vermelhos e macios, e descia as mãos pelas suas costas e bunda.
Ela se levantou, me deu um baita de um beijo bem molhado e disse.
-Muito melhor que a punheta não é?
-E como. – respondi.
Daquele dia em diante, nos transava todos os dias, à noite, na hora do almoço, no sofá e tomávamos banho sempre juntos, os dias foram passando e meu curso terminou, fiz o concurso e passei, hoje trabalho para o estado, e minha Tia vem sempre me visitar, e eu vou visitá-la às vezes, ela esta noiva e eu namorando, mas não perdemos o nosso relacionamento colorido de Tia e Sobrinho.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.