"Os mais excitantes contos eróticos"


Toda família tem um corno – Parte 2


autor: Publicitario45
publicado em: 16/05/16
categoria: traição
leituras: 4256
ver notas
Fonte: maior > menor


Depois que eu e a esposa do meu primo, a Eliza transamos lá em casa quando todos estava na praia e a filha deles dormia no quarto ao lado, a coisa ficou complicada. Estava difícil disfarçar o tesão, a vontade de fazer de novo e principalmente o sentimento de culpa.

No dia seguinte todo mundo acordou cedo pra novamente passar o dia na praia. Eu resolvi ficar em casa já que meu irmão tinha sugerido passarem o dia numa praia mais distante, coisa de 10km de distância.

Eliza saiu do quarto com o corpo brilhando de protetor solar, um biquíni branco e uma saída de praia que cobria parte do seu corpo. Fiquei louco!

Ao ser questionado se eu não iria mesmo pelo meu primo, confirmei a minha decisão e fiquei em casa. Passei o dia pensando naquela morena linda, naquele corpo delicioso e na sua boca gulosa que me beijou e me chupou divinamente bem. No final do dia, eles retornaram e após eles terem tomado banho resolvemos ir ao supermercado comprar algumas cervejas.

Meu primo meio chapado apagou no sofá, então eu, meu irmão, a esposa dele e Elisa fomos as comprar. Chegando lá, encontrei Viviane, uma colega de trabalho que atua numa rede de TV local. Eu já tive uns pegas com ela, que apesar de casada, adora uma farra. Sobre isso, prometo contar em breve.

Apresentei Vivi para todos e ela fez questão de elogiar a beleza de Elisa que é realmente muito bonita. Saímos do supermercados e eu me sentei ao lado de Elisa no banco de trás do carro do meu irmão.

Em poucos minutos estávamos em casa e meu primo que já tinha se levantado e tomado banho, agora dormia e roncava no quarto sem dar a menor pinta que iria nos acompanhar na cervejada da noite.

Elisa tomou um banho e colocou um vestido longo que ia até os pés, tecido fino, justo que marcava todas as curvas do seu corpo. Por baixo, apenas uma minúscula calcinha que dava para ser vista de longe, até a minha cunhada elogiou o corpo da nossa hospede. Elisa pegou um copo de cerveja e começou a reclamar de Roney, meu primo, que a esta altura roncava e babava no quarto ao lado

Depois de mais de duas horas de muito papo e cerveja gelada, meu irmão e sua esposa disseram que iriam embora. Estavam cansados da praia e não queria dormir lá em casa. Eliza disse que teria que dormir lá, pois além do meu primo ter desmaiado na cama a filha deles também dormia profundamente. Disse a ela que iria arrumar uma cama e Elisa foi direta: quero beber até de manhã.

Depois que todos saíram, colocamos uma musica e continuamos na varanda bebendo. Elisa então tocou no assunto do dia anterior:

- Voce conseguiu dormir?

- Não e você?

- Não preguei os olhos pensando no que fizemos.

- Arrependida?

- Sim e não. Seu primo não me enxerga.

- E agora? Quer fazer o que?

- Quero de novo.

Elisa saiu da cadeira onde ela estava e veio em minha direção. Abaixou o corpo em direção aos meus lábios e me beijou docemente.

Enquanto isso, suas mãos abriam o zíper da minha bermuda e ela ajoelhou-se lentamente e começou a me chupar de novo. Sua boca quente envolvia todo meu pau, ela sugava a cabeça fazendo uma pressão incrível, assava a língua na minha rola me deixando louco. Ela se levantou e foi até o quarto ver se Roney ainda dormia. Fechou a porta do quarto dele e voltou. Desta vez ela se livrou da calcinha e ao abrir as pernas colocando uma de cada lado da cadeira onde eu estava sentado ela se posicionou para cavalgar no meu pau. Sua boceta melada recebeu meu pau por inteiro, mias mãos deslizavam por baixo do seu vestido passeando lentamente pela sua pele cheirosa e macia.

Elisa se movia lentamente, parecia em câmera lenta, ela queria sentir aquele momento sem pressa. Nossos lábios não se desgrudavam em momento algum e sua respiração foi ficando cada vez mais descompassada. Vei o primeiro gozo e ela gemeu baixinho para não chamar atenção.

Na varanda não poderíamos fazer muita coisa, mas Eliza se levantou, pegou meu pau completamente melado e posicionou na porta do seu cuzinho. Ela mesma controlou os movimentos, deixou a cabeça entrar e vagarosamente engoliu meu pau inteiro. Aquele rabo apertado e quente mordia meu pau, ela rebolava, deixava o corpo cair pra trás e o pau ia até o talo, ela se movia mais rápido, rebolava na minha pica enquanto seu grelo esfregava no meu corpo. Elisa gozou novamente e eu gozei em seguida. Tivemos que nos policiar para não chamar atenção dos vizinhos e muito menos do meu primo.

Eliza novamente se levantou, foi no quarto e viu que eles ainda dormiam profundamente. Corremos pro meu banheiro e de pé Eliza e encostou na pia e colocou um pé no vazo. Me ajoelhei e comecei a chupar sua boceta melada enquanto Elisa rebolava e esfregava a boceta na minha cara. Não demorou e veio outro orgasmo, ela se segurou para não gemer e me puxou pelos cabelos até a sua boca.

Voltamos a nos beijar e Elisa pegou meu pau e levou até a porta da sua boceta. Começou a esfregar a cabeça dele como se fosse um vibrador. Seu corpo tremia de tesão e ela sem conseguir se segurar enfiou a cabeça, aquela boceta quente me deixou louco e eu a virei de costas, arrebitei a sua bunda e meti na sua boceta novamente. Desta vez a trepada foi mais intensa, por alguns minutos esquecemos que o marido dela dormia ao lado e nos entregamos até gozarmos juntos.

Elisa saiu do meu quarto e foi tomar banho e eu também aproveitei e fiz o mesmo. Depois voltamos até a sala e continuamos bebendo. Lá pelas 3h da manhã meu primo acordou, estava com sede, ressaca e um belo par de chifres na cabeça.

No sábado pela manhã eles foram embora. No meu Whatsapp uma mensagem de Elisa: adorei ser sua hospede. Quando for a BH, me liga.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.