"Os mais excitantes contos eróticos"


ARROMBADA PELO PERSONAL


autor: crisalli
publicado em: 30/05/16
categoria: hetero
leituras: 9132
ver notas
Fonte: maior > menor


Queridos, como prometido, estou de volta com mais um conto. Mas antes, quero dizer que estou adorando os e-mails que tenho recebido comentando meus contos. Procuro responder a todos, mas peço paciência, pois tenho que arrumar um tempinho para ler todos e-mails e respondê-los. Se quiser me escrever meu e-mail é .
Minha história começa em um final de tarde, quando minha amiga Lê, me convida para fazermos uma caminhada em um parque da cidade. Como estava meio estressada com o trabalho e a semana prometia ser longa, resolvi aceitar para relaxar um pouco.
Cada uma foi com seu carro, paramos no estacionamento e depois de uns 20 minutos de caminhada, reencontramos outra colega nossa, chamada Juliana.
Juliana era linda, corpo de modelo, tipo gostosona sabe, tudo moldado em horas e horas de academia. Eu até fiz uma tentativa de frequentar academia, mas horas de trabalho incessante me faziam desistir no final da tarde. Juliana estava acompanhada de um personal trainner que aqui vou chamá-lo de Rafael.
Rafael tinha seus 30 e poucos anos, sarado, e o reconheci pois dava aulas na mesma academia que eu ‘tentava’ frequentar.
Enquanto caminhávamos, jogávamos conversa fora e perguntei a Rafael se ele havia deixado a academia. Ele disse que dava aulas em determinados horários e nas horas vagas trabalhava de personal para outras pessoas.
Me perguntou o porquê de eu ter ‘sumido’ da academia e dei minha desculpa do trabalho e falta de tempo. Ele disse que poderia trabalhar como personal para mim em horários mais flexíveis se eu quisesse.
Rafael, mesmo na época que frequentava academia, era do tipo que dava olhares ‘indiscretos’ para as alunas, mas nunca desrespeitou nenhuma delas, sempre colocou o profissional em primeiro lugar.
As vezes ele até me ajudava em alguns exercícios e sempre dava umas ‘olhadinhas safadas’ em determinadas posições, mas nunca me assediou, como bem expliquei.
Na hora, disse que iria pensar, Rafael me deu seu cartão e continuou sua corrida com Juliana. Admito que precisava em exercitar um pouco mais e depois de duas horas de caminhada, Lê precisava ir embora e eu disse a ela que caminharia mais uns 30 minutos depois iria embora.
Nos despedimos e continuei minha caminha agora solitária. Quando estava retornando ao meu carro, visualizei Rafael no estacionamento. Assim que me viu, se encaminhou até onde eu estava para conversarmos mais um pouco.
Ele disse que Ju, tinha ido embora naquele instante e também estava indo embora para casa.
Ver aquele corpo atlético de Rafael tudo suado, aqueles músculos à mostra, me deixavam molhada de tesão. Percebia que ele dava umas olhadas pelo decote da minha camiseta e as vezes me ‘encarava’ direto nos olhos. Nossa excitação um com o outro era evidente.
Rafael se aproximou e me encostou contra a porta do meu carro, me segurou pela cintura e me deu um ‘selinho’ de leve… eu sorri, segurei seu rosto e lhe dei um beijo longo. Ele sorriu, e me abraçou ela cintura, me apertando contra o carro.
Ele falava que sempre teve uma ‘atração’ louca por mim e por isso ‘abandonava’ as outras alunas para me ajudar na academia, e cochichou nos meus ouvidos quando poderia me ‘auxiliar’ novamente em alguns exercícios.
Aquela proposta me excitou ainda mais, e falei para ele para nos encontrarmos no outro dia a noite pois, era um horário mais apropriado.
Faz o seguinte, amanhã a noite vai à minha casa para nossa ‘primeira aula’. Vai bem gostosa que vou fazer você suar muito, disse.
De cansaço ou de prazer? retruquei.
Vou fazer você suar de cansaço e depois vou fazer você suar de prazer, gostosa… disse excitado.
Rafael me passou seu endereço e depois nos despedimos e cada um foi embora no seu carro.
No dia seguinte, bem no final da tarde, fui para casa me preparar. Coloquei um top curto, uma calça legging e me dirigi a casa de Rafael.
Assim que cheguei, apertei a campainha e Rafael saiu da casa sem camisa, vestindo apenas uma bermuda e chinelos.
Sem camisa, seu corpo era mais escultural, pude ver seus músculos com perfeição e já fantasiava ter aquele corpo para mim.
Você recebe todas as suas alunas vestido desse jeito? disse eu, rindo.
Só as especiais…. respondeu ele em tom safado.
Assim que entramos, Rafael me levou para os fundos da casa, onde havia uma área de lazer, e no chão estavam vários colchonetes.
Vamos começar… disse ele.
Fizemos alguns exercícios de alongamento… quando Rafael ‘encoxou’ em mim para me ajudar a alongar.
Agora o alongamento lombar. Se inclina para frente, dobre um pouco os joelhos e leve a ponta dos dedos até perto do pés, me instruiu o ‘professor’.
Naquela posição, pude sentir o ‘pau duro’ de Rafael roçando minha bunda. Ele segurava minha cintura, encoxava e esfregava sua verga em mim.
Nesse momento, ele não aguentou o tesão e agarrou com as duas mãos os meu seios apertando-os e usando seu peso corporal, debruçou sobre mim, me derrubando de joelhos sobre o colchonete.
Estava de joelhos, e depois de quatro, com aquele macho sobre mim. Rafael beijava meu pescoço, minha nuca e puxava meu rosto para beijar minha boca.
Mesmo ainda vestindo sua bermuda, Rafael estocava minha bundinha como se estivesse me penetrando tamanho a excitação que estava.
Rafael me puxava pelos cabelos, enquanto beijava minha boca, me chamando de gostosa, vagabunda.
Nesse momento, ele saiu de cima de mim e se postou diante do meu rosto, baixando a bermuda, deixando sair seu cacete que de tão duro quase bateu no meu rosto.
Fiz com que Rafael se ajoelhasse diante de mim e ainda de quatro, segurei seu ‘pau’ com uma das mãos, abocanhei aquela ‘verga’ com toda minha vontade.
Engolia toda a extensão do pênis, começava pela glande e ia engolindo ele todo até chegar ao final. Dava cuspidas na cabeça e voltava a chupá-lo, além de dar leves lambidas nos seus testículos.
Rafael gemia muito e enquanto era chupado, ele puxou meu top, exibindo meus seios, e com a ponta dos dedos apertava meus mamilos, me fazendo gemer de dor e prazer.
Rafael pediu para que eu parasse, pois estava quase gozando.
Ele me deitou sobre o colchonete, tirou meu tênis, meias e puxou minha legging juntamente com a calcinha me deixando nua.
Quase instantaneamente, ele colocou a cabeça entre minhas pernas, para um delicioso sexo oral.
Ele passava a língua por toda a extensão da vagina, beijava a virilha até começar leves chupadas no clitóris, enquanto brincava com seus dedos dentro da minha vagina que me fizeram gozar.
Estava toda molhada de tesão me contorcendo de prazer, mas queria aquele cacete novamente na minha boca e pedi para fazermos um 69.
Rafael deitou-se sobre mim e encaixou seu cacete na minha boca e continuou aquele sexo oral delicioso.
Ele estocava seu pau dentro da minha boca para ele entrar mais fundo me fazendo engasgar as vezes.
Quando Rafael percebeu que estava gozando, ele se levantou e ficou de pé diante de mim, com seu pau enrijecido, prontinho para me invadir todinha.
Ainda deitada, ele abriu minha pernas, se ajoelhou novamente, e foi colocando seu pênis dentro de mim, me invadindo totalmente.
Suas estocadas agora eram suaves e sensuais. Envolvi minhas pernas em volta da sua cintura para sentir ainda mais seu cacete me invadindo suavemente.
Durante longos minutos, sentia seu pênis entrando e saindo da minha vagina já totalmente lubrificada.
Foi quando dei uma lambida de leve nos seu ouvido e pedi com uma voz sexy.
Mete com força… me rasga todinha...me fode toda.
Rafael sorriu e antes que pedisse novamente, deu uma estocada tão forte que quase me deslocou a coluna.
Agora ele enfiava seu pênis dentro de mim com força… seu pau agora entrava rasgando, exatamente como eu gosto…. ele começou então a dar leves mordidas pelos meus seios.
O colchonete estava todo ensopado de suor, sentia todo o peso do corpo de Rafael sobre mim, enquanto seu pau me invadia com vigor. Gozava de prazer com aquela situação.
Antes que pudesse pedir, Rafael me levantou, me colocou sentada sobre um banco de madeira sem encosto recostado na parede.
Novamente, ele me penetrou e começou o vai-e-vem desenfreado. Ele me segurava pela nuca, que me forçava a ficar olhando seu rosto, enquanto metia forte dentro de mim.
Já estava quase gozando novamente, quando ele pediu.
Deu eu comer seu cuzinho, delícia…..
Sorri maliciosamente, o empurrei para trás, me encaminhei a uma mesa de madeira no canto. Debrucei sobre ela e abri minhas pernas, exibindo meu ânus para meu macho.
Vem… Fode sua cachorra….sou toda sua…. disse a Rafael.
Rafael, excitado, enfiou dois dedos dentro do meu cuzinho para ‘lacêa-lo’ um pouco. Quando dei por mim, senti seu pau me invadindo por trás.
Ele foi empurrando sua ‘tora’ dentro de mim, enquanto puxada meu cabelo para trás, afim de ficar naquela posição de quatro para ele.
Metia fundo que chegava a gritar de prazer, gozei até sentir seu gozo quente sendo jorrado dentro de mim.
Ele deixou seu corpo cair sobre mim depois de gozar, e permaneceu assim até se recuperar. Como ele era muito pesado, fiquei de quatro debaixo dele, sentindo seu pau amolecer dentro do meu cuzinho.
Nos deitamos novamente sobre o colchonete para descansarmos e ficamos nos beijando, enquanto segurava seu pau e o masturbava para ficar ereto outra vez.
Fui tomar um banho, quando senti a chegada de Rafael por trás, com o ‘pau’ totalmente ereto. Óbvio que transamos novamente debaixo do chuveiro e no final da noite me despedi a fui para casa.
Rafael ainda disse que tinha queimado todas as ‘calorias’ necessárias naquele dia, mas que precisava voltar para continuarmos nossos ‘exercícios’.
Lógico que voltei, mas isso fica para depois.
Beijos e comentem.



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.