"Os mais excitantes contos eróticos"


Coelhinha da Pascoa


autor: Assistente
publicado em: 06/06/16
categoria: hetero
leituras: 2308
ver notas
Fonte: maior > menor


Ola, sou a assistentedepalco@yahm.br voltei pra escrever mais um conto pra vocês.

Peço desculpas por não deixar aqui a minha descrição, mas é que prefiro me manter anonima. Entao fica muito mais gostoso e safado cada um me imaginar como gostar mais.

Vou falar sobre uma sessão de fotos que aconteceu na páscoa. Vestida de coelhinha.

Era época de pascoa, iriamos tirar fotos pra um catálogo. Outras meninas já haviam fotografado antes de mim, e eu fiquei pra ser a última.

Entrei no estúdio vestida de coelhinha, de orelhinhas e biquine fio dental com rabinho de pompom na minha bunda e luvinhas brancas nas mãos.

Eu fazia poses imitando uma coelhinha pulando com uma cenoura na boca, recebendo as tradicionais broncas da direção, pra sair tudo da maneira certa.

Em meio a todo aquele figurino, tinha que me virar pra dar uns pulinhos de coelha, mesmo usando um salto 15 e ao mesmo tempo fazer caras e bocas sexys, não pra morder, mas sim pra chupar a cenoura, quase que simulando um boquete naquela piroca vegetal.

- Vai coelha... Segura direito a cenoura, bota na boca e chupa olhando pra câmera!

Com uma cenoura em minhas mãos, o diretor segurava a minha mão e levava a cenoura até a minha boca, mostrando como ele queria que eu fizesse. Colocando a cenoura nos meus lábios e fazendo um vai e vem segurando a minha mãozinha, fazendo a cenoura sumir e sair da minha boca em movimentos pornograficos.

Isso tudo, claro, na frente de toda a equipe de produção e fotografia.

O diretor ainda chamou um maquiador até aonde estavamos e passou instruções pra bee da maquiagem, que ele retocasse o meu batom, pedindo pra me deixar com boca de chupadora, falando exatamente com essas palavras.

Me posicionei na marcação, segurei a cenoura como ele mandou e olhando pra câmera fiz um biquinho com a boca e enfiei a cenoura no meio, fazendo um vai e vem com a minha mãozinha, fudendo meus lábios com aquele pinto laranja.

Isso tudo, olhando pra camera fazendo "carinha sexy", que nada mais é do que cara de puta!

Tirava a cenourinha da boca, piscadinha pra camera e saia dando pulinhos de coelha com as mãozinhas dobradas como bracinhos de coelhinha da pascoa.

Pronto, agora sim o chato do diretor ficou satisfeito!

Gravações encerradas, caminhava para o camarim vestir um roupão ou algo que fosse menos desnuda. Foi quando no caminho recebi um recado que o diretor de fotografia queria falar comigo na sala dele.

Sei bem o que esse recado queria dizer.

Esse fotografo era um velho conhecido meu, e tinha conseguido aquele job por indicação dele. Mas nenhuma indicação vem de graça. Sempre rola uns agradinhos nele depois.

Vocês sabem bem o que são esses agradinhos.

Ainda vestida de coelhinha, lá fui eu imaginando o que o tarado do diretor queria comigo. Bati na porta, entrei na sala, recebi ordens pra fechar a porta e sem perder muito tempo já levei uma mãozada na minha bunda daquelas de apertar com força me fazendo dar um pulinho de coelha.

- Você está uma delicia vestida assim, coelhinha!

O filho da puta apertava a minha bunda e puxava o meu biquine o enfiando ainda mais no meu rabo.

Um tapinha safado na minha traseira e ele foi me largando e andando pra minha frente. Sem muita frescura, se sentou na cadeira e foi botando o pau pra fora, duro e a minha espera.

- Vem ca coelhinha, ajoelha e faz que nem você fez com a cenoura...

Me ajoelhei na frente dele, fui segurando a sua piroca e caindo de boca naquela rola, igualzinho eu havia feito com a cenoura, na gravação. Mas nem assim ele ficou satisfeito e como sempre, gritava e soltava esporros pra cima de mim.

- Olha pra mim, sua vadia! Será que eu tenho que dizer tudo que você tem que fazer? Não sabe fazer nada sozinha!

Os gritos faziam parte do show. Era o fetiche dele.

Nem me assustava mais com aquelas broncas, de tão normal que elas eram, no fundo eu acho que ele gostava de fazer isso so pra mostrar que manda.

Ajoelhadinha a sua frente, levantei meu olhar, olhando pra cima, nos olhos do fotografo filho da puta, chupando o seu pau, me babando toda olhando nos olhos com uma rola na boca. Acho que era isso que ele tinha pedido né...

No meio daquele boquete de pascoa, escutei uma batida na porta e alguem foi logo entrando sem nem esperar por alguma manifestação ou aviso do meu fotografo folgado.

Tentei me levantar rapidamente, mas o safado segurou a minha nuca, travando a minha cabeça com uma rola enfiada na minha boca, de maneira que não tinha como eu sair dali.

Pela voz que eu escutava, identifiquei como um dos produtores que eu também costumava dar os meus pulinhos de coelha com ele.

O produtor já chegou com tom de tarado na voz:

- Porra já tão assim? Nem me esperou né caralho

Pela conversa, os dois tinham combinado algo sem me avisar e eu seria a coelhinha jantada pelos dois.

Chupei um pouco mais o pau do meu fotografo e levando uma pirocada na cara, me virei para chupar a outra cenoura que agora também estava a minha disposição.

Vida de modelo não é facil...

Com o produtor em pé na minha frente, comigo ajoelhada ainda, segurava no pau dele e ia mamando gostoso, fazendo vai e vem com a minha cabeça deslisando a minha boquinha naquele rola, dando umas olhadas pro meu diretor de fotografia, que agora sim fazia sinal de positivo e me incentivava para continuar borrando o meu batonzinho no pau do amigo dele.

- Isso coelha, agora sim... Assim que eu queria que você fizesse nas fotos... Acho que ao invés de uma cenoura, eu botasse uma rola na sua boca, você faria direito aquela merda...

Isso era o mais perto que ele chegava de me elogiar.

Fiquei ali ajoelhada um pouco, mas logo a mamada foi se encerrando. O produtor não perdeu muito tempo e foi me pegando pela mão, me ajudando a me levantar.

Fiquei em pé e ele que foi sentando num sofazinho que tinha por ali, me chamando pro seu colinho.

Fui andando até ele, arriei a minha calcinha do biquine e fui montando no seu colo, com meus joelhos no sofa e minhas pernas abertas sobre o colo do produtor.

Me encaixando e subindo no seu colo, fui ajeitando o seu cacete na minha bucetinha e soltei o peso do meu corpo, descendo na rola, dando reboladinhas pra encaixar melhor.

Já montadinha na pica do produtor, olhei pro lado e vi o meu diretor com a camera na mão, pra variar, tirando fotos de tudo.

Pronto agora já tinha até um ensaio porno garantido pro dia seguinte!

Montadinha na vara, comecei a subir e descer, quicando no pau do produtor, recebendo elogios e incentivos do diretor que fotografava tudo.

- Pula, coelhinha, pula!

E eu pulava...

Com o pau na minha bucetinha, eu pulava e saltitava rebolando naquele cacete, tentando fazer o filho da puta gozar logo.

Fiquei um tempo montadinha pulando, quando o diretor teve mais uma de suas idéias pervertidas e me pediu pra levantar e mudar de posição.

Pediu pra que eu me virasse, queria me fotografar de frente, pegar o meu rosto. Ele queria que eu sentasse na pica do amigo, mas sentasse mesmo. de costas pro safado, sentando na vara.

- Vira de costas pra ele e senta. Quero pegar os seus pulinhos de frente pra camera.

Pra completar a idéia, o produtor ainda complementou a brincadeira. Com os dois conversando e dando ideias pervertidas, sem se importar com aminha vontade ou opinião.

- Senta agora com o meu pau no seu cu!
- Hahaha Boa! Quero ver essa piranha sentando... vai coelhinha, senta na vara, senta!

Sentei.

Me ajeitando sentada no colo do produtor, com a pica no meu cuzinho, fui soltando o peso e sentando. Sentando na vara, até sentar por completa no seu colo e sentir as bolas na minha bunda.

Agora sim, totalmente sentada com um caralho na bunda!

- Vai, pula coelhinha, pula... Senta com um pau no cu!

Eu sentava e fazia caretas de dor, pra aguentar aquele caralho na minha bunda, pulando e pulando, subindo e descendo, sentada na vara e dando um showzinho pros dos filho da putas que se dvertiam com a coelhinha saltitante.

O fotografo pra não perder seu cacoete de diretor, dirigia a cena, fotografando tudo e me conduzindo

- Senta piranha, senta! Taí, finalmente descobri o seu talento, sentar numa rola... Olha pra camera e fala no que que você ta sentada
- To sentada numa rola!
- Aaaahhhh sua vadia.... Então senta, pula coelhinha, pula!

Eu pulava e sentava na vara, dando uma sentada encaixando tudo até as bolas. Sentadinha na pica, rebolava com um pau no cu, quebrando meus quadris e matando o produtor do coração.

Meu comedor não aguentou mais as minha sentadas e reboladas, dando gritos e gozando enchendo toda a camisinha de porra. Me segurando firme pela cintura e me fazendo rebolar com um pau no cu enquanto ele gozava gostoso.

Me levantei desengatando do pau do produtor e antes que qualquer outra ordem fosse dada, senti um segurão no meu braço e empurrão do meu diretor, me jogando em pé debruçada na mesa dele.

O safado ainda pegou a minha calcinha no chão e me mandou vestir.

- Bota o biquine que eu quero comer essa bunda com rabinho de pompom.
- Na bunda de novo? Tu é foda...
- Na próxima encarnação experimenta escolher nascer com cerebro em vez de bunda, quem sabe eu não te deixo em paz...

Vesti a calcinha do meu biquine, atolando ela na bunda e ajeitando o rabinho de pompom como ele queria, me debruçando apoiada com os cotovelos na mesa, em pé empinada com minhas sandalionas de saltão de puta, empinando o rabo esperando pra levar mais ferro além do que eu já tinha levado.

- Isso coelha, empina esse cuzão gostoso pra mim, que eu to morrendo de vontade de ferrar esse seu rabo de puta!

Debruçadinha como eu estava, fui fodida ali mesmo, com ele apenas puxando minha calcinha pro lado e enfiando a pica no meu cu. Me segurando pelos ombros, fazia apoio pra me dar uns trancos, cravando o cacete até as bolas no meu rabo!

- Toma no cu coelhinha, toma! Não gosta de mostrar essa bunda? então agora aguenta piranha...

Fiquei ali debruçadinha na mesa e tomando no cu, aguentando tudo como uma coelhinha obediente, até que ele ficasse saciado, fazendo aquela festa no meu rabo até ficar satisfeito...

Pronto, fui liberada... Era esperar pelos próximos ensaios e trabalhos que ele me chamaria. E claro, as próximas curras que ainda iam vir...

Mas apesar de tudo isso que eu descrevi aqui, eu GOSTO PRA CARALHO dessa putaria toda.

Tenho altas tendencias submissas, e esse fetiche de ser dominada e fodida ao extremo me faz gozar muito mais do que qualquer sexo tradicional de namoradinhos.

É uma troca, eu agrado meus padrinhos e eles me ajudam com trabalhos. E no final todo mundo goza muito com toda essa brincadeira gostosa.

Espero que tenham gostado.

Bjuss




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.