"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Foda com o Maninho


autor: Mineira012
publicado em: 08/06/16
categoria: incesto
leituras: 18648
ver notas
Fonte: maior > menor


Meu nome é Camila, tenho 21 anos. Sempre fui muito atraente. Devido ao meu corpo muito bem desenvolvido desde muito nova sempre chamei muito a atenção masculina. Com um corpo típico de mulher brasileira de coxas grossas, bumbum grande e durinho, seios médios sob uma pele queimada de sol, estatura mediana com 1,68m. Cabelo escuro comprido que ia quase ate o bumbum nunca escondiam meu rosto que demonstrava eu ser moça quieta, porém que na hora certa se revelava. Estudante de moda morava numa cidade distante de onde nasci com meu irmão mais velho. Meu irmão, um jovem alto, forte pois matinha regular seu treino na academia. Olhos claros e um sorriso que faz qualquer garota abrir as pernas. Tínhamos uma convivência bacana e em nossa casa a única regra que tinha era de não levar para casa seus rolos, namorados (as) ou qualquer pessoa ao qual tivesse segundas intenções. Tudo ia muito bem ate certa tarde que era feriados e nos havíamos combinado de não viajar para a casa de nossos pais pois seria muito pouco tempo e nem teríamos como descansar. Ficamos então em casa assistindo filmes bobos e jogando conversa fora. Tínhamos uma boa amizade. Nesse dia ele estava apenas de bermuda devido ao calor que fazia e eu também estava um pouco à vontade, apenas usando um blusão que mal cobria a bunda e terminava antes do meio das coxas. Sentados no sofá bebendo umas cervejas e tendo conversas aleatórias de assuntos banais, ate que certo momento notei seu olhar em meu corpo de forma diferente. Um pouco incomodada me levantei com a desculpa de ir ate cozinha pegar mais uma rodada de cerveja, porém ao me levantar sei que ele viu minha pequena calcinha que não consegui esconder. Caminhei ate a cozinha com certa pressa, mas quando ainda estava em seu campo de visão pude sentir seu olhar em mim. Comecei a me perguntar o que estava acontecendo, e o porquê de ele estar com aquele olhar sobre meu corpo. Nesse momento passei em frente ao armário que tinha a porta de vidro e vi meu reflexo refletido e olhando fixamente para meu corpo me vi uma mulher desejável. Me perdi em pensamentos e me flagrei imaginando meu irmão deixando suas mãos passear pelo meu corpo e isso me excitou. Senti minha calcinha molhar e um sorriso malicioso brotar em meus lábios. Meio que de ultima hora esquematizei um plano, eu teria meu irmão ainda aquele dia. No caminho de volta pra sala e indo ao meu lugar após entregar sua cerveja notei o quanto meu irmão era atraente e desejável. Me sentei ao seu lado e comecei falando.
- Maninho, me conta?! E aquelas piranhas que você pega? Nunca deixou elas na mão não? – Eu sabia que assim ia deixa-lo irritado e seria uma boa maneira de provoca-lo.
- Tá louco? Maninha, seu mano aqui da conta de todas. Aqui tem Lipe (apelido de Felipe) pra dar e vender. – E riu alto da sua resposta.
-aah Mas será que nem uma vezinha você ‘desanimou’ bem na hora H não? – Eu continuei provocando.
- Olha Camila, eu não nego fogo a ninguém e se eu chego junto é porque sei que dou conta. Só não invento de te pegar de jeito porque te respeito por ser minha irmã...- ele riu debochando –Mas se não fosse.. Nem me escapava!
Foi à deixa que eu precisava. Agora tinha certeza que ele estava na minha e mais um pouquinho eu o teria na minha mão. Eu sou mulher, sei o poder que tenho.
- Aaaah, mas eu não acredito.
- Camila, fica calada ou eu não respondo por mim. – Ele estava ficando irritado.
Carinhosamente levei a mão pela sua coxa e subindo pela sua barriga disse
- Não precisa se preocupar, eu sou sua irmã. Podemos falar sobre tudo. Temos intimidade pra isso. Confia em mim. – eu disse o tranquilizando.
Sua mão estava agora em meu cabelo puxando com certa força e seu rosto próximo ao meu me deixando sentir sua respiração alterada se misturando a minha.
- O problema é que e não quero falar. Eu quero fazer, Camila.
Ele se entregou neste ponto, e eu me entreguei junto aproximando meu rosto do seu e descendo minha mão novamente pela sua coxa e olhando fixamente em seus olhos encarando seu olhar de total desejo e excitação quando senti sua mão em minha cintura apertando com certa força e a mão que estava em meu cabelo descendo pela lateral do meu corpo. Logo pude sentir seu corpo colando ao meu e sua mão passeando pela minha coxa, erguendo minha blusa enquanto sua boca passeava em meu pescoço me arrancando suspiros. Guiei minha mão pela sua virilha indo ate sua ereção e ao senti-la ele sorrio safado e disse: - Você é uma putinha sabia?! Já tem tempos que eu sou louco pra te foder.
Em resposta apertei carinhosamente seu pau e o que recebi foi uma mordida em meu pescoço. Sua mão agora mais ágil subiu ate minha intimidade e por cima Ca calcinha a alisou me arrancando um gemido baixo. Ele ficou nessa caricia por um tempo e minha calcinha sem mais espaço para molhar ate que ele sussurrou em meu ouvido: - Fala pro seu mano o que você quer.
excitada e totalmente perdida de tanto desejo só tive forças pra abrir os olhos e falar ofegante: - Me fode maninho.
Ele mais que depressa tirou minha blusa me deixando apenas de calcinha, o que não durou muito já que ele a puxou rasgando-a cm vontade. Mais que depressa puxei sua bermuda a tirando de si e o deixando nu já que ele não estava usando cueca. Confesso que já tinha visto meu irmão pelado mas nunca havia reparado no tamanho do seu pau, e nossa. Que delicia. Meu irmão começou a alisar minha bocetinha e me fez sentar de pernas abertas no sofá e aos poucos ele foi abaixando pelo meu corpo e senti sua língua tocar minha umidade. Com sua língua passeando pela minha boceta de forma intensa era impossível controlar meus sons. Minhas mãos estavam seu cabelo puxando mais sua cabeça pra mim. Não satisfeito ele penetrou um e depois dois dedos em minha boceta enquanto brincava mordendo e sugando forte meu clitóris. Rebolava em sua boca e pedia pra não parar. Ele notando o meu tesão incansável disse: -Rebola gostosa. Rebola pro seu mano.
Eu como boa menina obeci e rebolei gostoso e em pouco tempo pude sentir o orgasmo se aproximando. Notando isso ele aumentou o ritmo das estocadas com seus dedos e passou a chupar mais forte minha boceta. Não preciso nem dizer que em pouco tempo gozei gritando o quão gostoso meu irmão era. Mas ele ainda estava intocado e eu doida pra mostrar pra ele que também o levaria a loucura apenas usando a boca. Após me recuperar do gozo intenso e deixa-lo me ‘limpar’ usando sua língua, o fiz se sentar no sofá e ajoelhada no chão aproximei meus lábios do seu pau, este que estava duro como rocha em minha mão. Olhando em seus olhos lambi toda a sua cabeça e quando ele menos esperava enfiei em minha boca todo sue membro o fazendo soltar um gemido abafado e trazer suas mãos ao meu cabelo. A todo momento o olhando com cara de safada e observando suas reações comecei a me movimentar pra cima e pra baixo fazendo seu pau sumir e aparecer em meus lábios. Eu estava adorando aquilo. Ele puxou meu cabelo com força e disse: - Sua puta! Chupa seu maninho. Engole meu pau todinho sua vadia.
Já disse que sou obediente? Chupei aquela pica ate ele puxar com forca meu cabelo e anunciar que ia gozar. Ele começou a movimentar seu quadril estocando em minha boca e em alguns instantes senti sua porra quente em minha garganta. Que delicia. Chupei tudo e não deixei cair nem uma gotinha. Ainda puxando meu cabelo ele me fez levantar e me fez ajoelhar no sofá, de costas pra ele com os braços no encosto ficando com a bunda bem empinada. Abri um pouco as pernas e o senti por trás de mim com seu pau duro ainda pincelando minha boceta que já estava toda melada de novo. Ele pincelou durante um tempo e sem avisar enfiou tudo de uma vez me fazendo gritar. – Caralho maninha você é apertadinha. Que delicia. Agora putinha, rebola pro seu mano vai!
Minha boceta ardia e doía, mas era uma dor gostosa. Em pouco tempo eu já estava rebolando enquanto ele puxava forte meu cabelo e metia com força. Ele falava palavrões e me xingava de todos os nomes. Estava adorando ouvir aquilo. Me dando conta de que MEU IRMÃO estava me comendo fui ficando mais excitada ainda. Sua mão que estava em minha bunda desceu para meu clitóris e o massageou em movimentos circulares me fazendo ir à loucura novamente. À medida que suas estocadas eram mais fortes e intensas, sua mão se mexia com forca em minha boceta. A mão que estava em meu cabelo vez ou outra dava uns puxões mais fortes e logo os soltava, vinha te minha bunda e batia com força. Voltava aos meus cabelos e repetia a ação. Minha respiração estava cada vez mais descontrolada assim como meus gemidos ficavam cada vez mais altos. Anunciando que ia gozar ele estocava com mais forca e eu rebolando em sincronia gemendo pra ele me foder e me rasgar toda, ouvi seu gemido abafado e senti seu gozo inundar minha boceta ao mesmo tempo em que meu gozo meleva todo seu membro. Aos poucos fomos cessando os movimento ate ele se deitar no sofá me puxando consigo sem tirar de mim seu membro. Abraçados de conchinha ficamos assim por um tempo conversando sobre o que tinha acabado de acontecer e mais tarde nos excitamos novamente. Mas isso é outra historia...




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.