"Os mais excitantes contos eróticos"


5-Perdendo a aposta com uma DP deliciosa


autor: bernardo
publicado em: 25/07/16
categoria: hetero
leituras: 7683
ver notas
Fonte: maior > menor


Carla, tem 20 anos, universitária, morena, 1,70, 65 kg, seios médios, bunda grande, marca de biquíni, boceta apertadinha com poucos pelos. Tudo aconteceu em novembro. Uma amiga da faculdade a convidou juntamente com mais outras garotas para passar o final de semana na casa de praia da família dela. Além de delas iria também o irmão da amiga e um amigo deles. Tudo pronto e acertado viajaram na sexta-feira à tarde. Um grupo foi no carro do irmão dela e outro no carro do amigo dele. Quando chegaram, uma parte das meninas foram arrumar as coisas nos quartos e as outras foram para cozinha, enquanto os homens foram comprar bebidas. Depois todos reunimos na sala lancharam, conversaram, fizeram planos para os dias seguintes e algumas meninas foram dormir, outras foram ver TV e Carla foi jogar baralho com o Renato, irmão da amiga da faculdade. Modéstia parte Carla joga muito bem (era o que ela pensava). O Renato disse que não gostava de jogar sem apostar e na mesma hora perguntou se que ela queria apostar alguma coisa. Carla disse que se ganhasse pediria alguma coisa que estava dentro das possibilidades dele e vice-versa. Jogaram quatro partidas. Carla perdeu a primeira, mas ganhou a segunda, e perdeu as outras duas, ou seja, ele teria direito ao prêmio. Então perguntou o que ele ia querer e a resposta dele foi a seguinte: “No momento certo você saberá.” Após dizer isso, se levantou e foi para o quarto dele, onde ele e o Léo (amigo dele) dormiriam. Carla foi para o quarto dela. No dia seguinte bem cedo, as meninas se levantaram, começaram a se arrumar para ir para a praia. Ela não quis ir, pois estava com sono, então a irmã do Reenato disse-lhe para ficar responsável pela casa, pois todos já estavam indo para a praia. Carla voltou a dormir, depois de algumas horas de sono, tomou banho, colocou seu biquíni fio-dental de lacinho e uma saída e foi se encontrar com as amigas na praia. Quando estava passando pelo corredor, escutou um psiu e ao se virar para trás viu o Renato e perguntou o que ele estava fazendo ali, já que todos tinham ido para a praia. Ele disse que voltou mais cedo porque tinha algo para fazer. Então Carla disse que já estava indo encontrar a galera e se virou em direção a porta, mas antes mesmo que desse um passo, ele a agarrou por trás e disse no seu ouvido: “Carlinha pensa que vai onde? Voltei para receber meu prêmio! ”. Enquanto falava, passava as mãos pelo corpo de Carla que ficou sem ação. Quando ela ameaçou a fugir, ele a segurou mais forte e disse: “Nem tente fugir, pois senão será pior. Quero meu prêmio de qualquer jeito!”. Depois que ele disse isso, Carla viu que não tinha saída. Ele foi conduzindo-a até o quarto dele. Assim que entraram, ele trancou a porta. Deitou-se na cama e mandou-a tirar minha roupa. O Renato é moreno, 1,80 m, corpo em forma e peludo. Ele estava de bermuda. Sem querer querendo, ela tirou toda a roupa ficando nuazinha na frente dele que já estava massageando o cacete de 19cm por 4 de circunferência. Vendo-a nuazinha em sua frente e sem nenhuma resistência, ele pediu para dar uma voltinha, o que ela fez sem constrangimento e perguntou se ele estava satisfeito com o pagamento da aposta. Ele deu uma gargalhada e disse que isso era só o começo, pois tinha que provar se a amiga ninfeta da irmã era gostosa. Nesse momento, ele se levantou foi até a onde ela estava e começou a beijá-la de forma selvagem, colando o corpo dele no seu. Enquanto beija apertava sua bunda e acariciava seu corpo. Depois parou e mandou-a ficar de joelhos. Carla, fez o que ele pediu, pois queria acabar logo com aquilo. Ele tirou a bermuda e uma rola de 20 cms grossa e bem dura saltou para fora bem em frente aos seus olhos. Nem foi preciso manda-la chupar. Ela começou chupando bem devagar e foi aumentando a velocidade das chupadas, no que ele a segurou pelos cabelos e forçava sua cabeça na sua pica fazendo-a a engasga-se por alguns momentos, mas chupou aquele pau com gosto, cuspia e babava muito naquela rola, pois estava gostando de ver aquele macho urrando de prazer, afinal já tinha dois meses que havia terminado com seu namorado e estava sem sexo subindo pelas paredes. Chupava cada vez mais rápido e forte, aquela pica. Quando ele sentiu que estava preste a gozar, tirou o pau da boca, levou-a para cama e foi por cima dela, e começou beijando sua boca, lambendo o pescoço, chupando e dando mordidinhas de leve nos seios. Carla começou a ficar arrepiada e relaxar. Ele foi descendo a língua pelo seu corpo até chegar na bucetinha. Renato começou lambendo bem devagar e depois foi chupando bem gostoso. Sugava o grelinho, enquanto metia o dedo na buceta. Ela ficou louca de tesão com aquela boca na xoxota, começou a gemer, não resistiu e gozou divinamente na boca dele que lambeu todo o seu mel. Carla não estava mais aguentando, precisava sentir aquela rola dentro da buceta, então pediu para ele lhe comer. Ele deu um sorrisinho safado e disse: “Será um prazer, minha putinha!”, quando escutou isso ela ficou ainda mais molhada. Ele se levantou, abriu a gaveta da mesinha de cabeceira, pegou uma camisinha e ao abri-la escutou-a pedindo para deixa-la colocar. Ele se sentou na cama e com as mãos e a boca vestiu a camisinha no pau do seu macho. Aproveitou, deu uma chupada, deixando-o louco. Ele a empurrou na cama, abriu suas pernas e ficou esfregando o pau no seu grelo intumescido de tesão, enlouquecendo-a cada vez mais. Até que ela disse: “Mete logo esse caralho na minha buceta” , quando terminou a frase ele socou tudo, sem dó, de uma vez. Apesar de está muito molhada ela sentiu um pouco de dor, pois a pica era bem grossa. Ele começou a fazer um vai-e-vem bem gostoso e aquilo foi deixando-a ainda mais excitada. Carla começou a gemer e pedir para fode-la mais rápido. Enquanto ele metia, chupava e apertava os seus seios e beijava a boca. Ele estava socando cada vez mais rápido e forte, quando Carla sentiu que ia gozar naquela pica, entrelaçou as pernas na cintura dele e cravou suas unhas em suas costas e acabou gozando deliciosamente entre sussurros e gemidos. Ele saiu de cima dela, deitou-se e mandou-a sentar na rola dele. Ela sentou-se de frente para ele e começou a cavalgar bem gostoso rebolando. Ele apertava seus seios, bunda e lhe dava tapas de leve. Carla gemia feito louca. Depois de um tempo cavalgando, saiu da pica dele, ficou de quatro na cama, bem empinada e com uma carinha de safada. Ele a olhou e disse: “imaginava que você era uma putinha, mas não pensava que era tanto! Quer mais rola, safada?” Ela fez que sim com a cabeça. Ele se levantou, foi por trás, deu um tapa na bunda e meteu de uma vez só a buceta suculenta. Metia cada vez mais rápido e forte como um animal, segurando-a pela cintura, batia na bunda, apertava os seio empinadinhos e puxava seus cabelos como se estivesse domando uma égua. Não demorou muito, ele tirou a camisinha e gozou na bunda dela. Depois disso ficaram ditados descansando um pouco, no que Carla lhe perguntou se a aposta estava paga. Ele disse que sim e foi paga com louvor. Ela levantou-se, foi ao banheiro tomar um banho, e ao voltar ao quarto encontrou o Renato enrolado em uma toalha, pois tinha tomado banho em outro banheiro. Ele lhe disse para ela esperar, pois tinha um presente para ela. Foi até a mala e pegou os ingressos de um evento que ela queria muito ir, mas não tinha conseguido comprar os ingressos, além disso, o ingresso que o Renato havia ganho era para área VIP. Carla ficou super feliz e disse que não sabia como agradecer, aí ele disse: “Mas eu sei”. Nisso foi até ela e começou a beijar-lhe, tirou sua toalha e começou a passar as mãos pelo seu corpo. Ela, claro, retribui as caricias daquele macho, tirando-lhe a tolha e comecei a punhetar aquele pau de leve. Ficou de joelhos e chupou com muita vontade aquele pau, olhando para aquele homem sedutor. Chupou suas bolas, sugou o seu saco e fez uma espanhola. Ele bateu com a pica na sua cara e ela continuou chupando rápido, forte e gostoso. Ele forçou a cabeça dela em sua rola, deu um urro e ao mesmo tempo ela pode sentir sua porra descendo garganta abaixo, engasgando-a um pouco. Quando tirou a boca daquela rola, ela escutou: “Que delicia de chupada você recebeu, amigão!”. Carla e Renato levaram um baita susto. Ela se virou e viu que era o Léo. Ela até tentou esconder o seu corpo com os braços e mãos, mas ele disse: “Carlinha, você fica ainda mais gostosa, tentando esconder esse corpo com a boca cheia de porra, e por sinal como você chupa bem, como uma profissional”. “Renato, divide essa putinha com seu amigo aqui? Hoje fui para a praia com as outras meninas, fiquei com uma, quando o clima começou a esquentar, ela pediu para parar e foi passear com as outras garotas. Fiquei puto e vim para cá tocar uma punheta, quando vejo essa cena deliciosa”. O Renato disse a ele que só dependeria da Carla. O Léo a olhou nos olhos e disse: “putinha, me dá uma chance de te satisfazer também? Te garanto que não vai se arrepender!”. O Léo é loiro, sarado, olhos verdes, tem 28 anos e uma cara de safado. Carla se deitou na cama, abriu as pernas, olhou para o Léo e disse: “Vem me faz gozar!”. Na mesma hora, ele foi para cima dela, chupou os seios e foi beijando e lambendo o seu corpo até chegar na buceta. Ele passou a língua em toda a sua extensão indo até o cuzinho. Chupava os lábios da xoxota, sugava e mordiscava seu grelo. Não resistindo tanta caricia ela logo gozou na boca dele. Renato assistia tudo, tocando uma punheta foi chamado para participar da transa. Enquanto isso, o Renato colocou uma camisinha e deitou-se na cama e pediu para ela se sentar na rola dele. Ela se sentou de costas e começou a cavalgar deliciosamente. Enquanto levava rola do Renato, o Léo subiu na cama e posicionou o seu pau na direção da sua boca. O pau dele deve ter aproximadamente 21 cms, mas é mais fino que o do Renato. Ela começou a chupar o Léo bem gostoso, enquanto o Renato metia bem fundo até as bolas baterem na bunda da Carla que estava adorando aquela situação. Eles a xingavam e acariciavam seu corpo. O Léo disse que queria comer a bucetinha, dela. Enquanto ele colocava a camisinha, o Renato pediu para ela se levantar, em seguida a deitou na cama, abriu suas pernas e meteu mais um pouco fazendo-a delirar. O Renato tirou o pau da buceta e o Léo começou a meter sua rola bem devagar, enlouquecendo-a ainda mais. Depois foi acelerando a velocidade das estocadas. Seus gemidos eram abafados pela rola do Renato que estava na sua boca. O Léo a colocou de ladinho e continuou metendo sem dó enquanto ela chupava a pica do Renato e acabou gozando na rola do Léo. Depois disso, ficou de quatro com a bundinha bem empinadinha e o Léo se posicionou atrás dela e meteu na bucetinha sem dó e bem gostoso. Metia rápido e forte, segurando sua cintura e dava tapas na bunda. Carla gemia com a rola do Renato na boca. Léo, enquanto metia na minha buceta, colocou um dos dedos na boca dela e foi colocando de leve no seu cuzinho. O Léo disse no seu ouvido que adorava comer o cuzinho de ninfetas putinha como ela. Nesse momento ela parou de chupar o Renato, olhou para ele e disse: ”Humm, então vem comer o meu, mas devagar porque o meu é apertadinho!”. O Léo ficou louco com o que ela disse e perguntou para o Renato se ele tinha lubrificante e o mesmo fez sinal negativo com a cabeça. Carla ficou um pouco preocupada, mas o Léo disse para ela relaxar, parou de meter na minha buceta, abriu a bunda dela e começou a lamber e babar o seu cuzinho. Ela sentia um arrepio gostoso, depois foi colocando os dedos. Primeiramente um, depois dois e finalmente três dedinhos e ficava entrando e saindo imitando uma penetração. Depois se levantou trocou a camisinha, deu uma cuspida no cuzinho de Carla, pediu para o Renato abrir a sua bunda, deixando o seu cuzinho bem exposto e começou a meter sua rola no seu buraquinho abertadinho. Era a primeira vez que dava o seu rabinho por isso deu um grito, pois sentiu um pouco de dor. Ele continuou colocando devagar, sentindo cada centímetro arrombando seu cuzinho. Quando entrou tudo, ele ficou parado, para ela se acostumar e foi fazendo um vai-e-vem devagar e gostoso. Enquanto metia, brincava com bucetinha da Carla, esfregando seu grelinho com o dedo. Aquilo foi ficando gostoso e ela começou a gemer. Percebendo que ela estava relaxada e gostando, o Léo acelerou o movimento de entra e sai, ele metia cada vez mais rápido e forte, seus gemidos eram abafados pela rola do Renato. O Léo disse: “Que cuzinho gostoso você tem putinha. Aí Renatão, quer provar o cuzinho dessa putinha. Aproveita a chance para você saber como é gostoso comer um cuzinho, já que nunca te deram esta oportunidade.” Na mesma hora o Renato tirou o pau da boca dela, se levantou e colocou uma camisinha. O Léo tirou a pica do cuzinho da Carla e a camisinha, e lhe deu a rola para ela chupar. Nisso o Renato, cospe no seu cuzinho, o Léo abriu a sua bunda e o Renato meteu tudo de uma vez só. Ela deu um berro e chorou um pouco, pois apesar da pica dele ser menor que a do Léo era bem mais grossa. Ela sentiu o seu cuzinho ser rasgado. O Renato continuou metendo como um animal, xingando e batendo na sua bunda. Ela foi relaxando e a dor virou prazer. Depois o Renato, com a pica dentro do seu cuzinho, colocou-a de ladinho e continuou fudendo sem parar. O Renato tirou o pau do seu cu, deitou-se na cama e pediu que a Carla sentasse com o seu cuzinho na pica dele. Ela fez o que ele mandou, se sentando de costas para ele, com o seu cuzinho cravado pica dele que subia e descia bem gostoso. Ele acariciava sua buceta, enquanto fodia o seu cuzinho. Nesse momento o Léo, que estava só tocando uma punheta, enquanto via o amigo se deliciar colocou uma camisinha, abiu um pouco mais as pernas da Carla, posicionou a pica na entrada da buceta e meteu fundo. Ela ficou louca com aqueles paus dentro dela. Eles fizeram uma DP deliciosa. Ela gemia e gritava de prazer e não aguentando gozou como nunca havia gozado na vida. O Renato disse que iria gozar, o Léo tirou o pau da buceta e o Renato pediu para ela sair de cima dele. Ele se levantou, tirou a camisinha e gozou na cara dela que recebia uma quantidade muito grande de porra no rosto. O Léo ficou olhando aquela cena, tocando uma punheta e assim, que o Renato terminou de gozar, o Léo foi até a Carla colocando-a na posição frango-assado e meteu de uma só vez no seu cuzinho. Metia feito um animal, mas ela estava gostado e enquanto metia esfregava meu grelo. Ela acabou gozando mais uma vez. Ele tirou a pica do seu cuzinho, mandou-a ficar de joelhos, tirou a camisinha e colocou o pau na sua boca, fazendo-a chupar. Quanto sentiu que ia gozar, segurou a sua cabeça e gozou fazendo-a, engolir todo seu leitinho cremoso. Depois disso, descansaram um pouco antes de saírem cada um para um banheiro tomar banho. Quando as meninas voltaram da praia, perguntaram porque ela não foi se encontrar com elas na praia, Carla disse que estava indisposta, mas mal sabiam elas como ela se divertiu com os cacetes do Léo e do Remato. Porém, a sua amiga, irmã do Renato, não engoliu a mentira. E ai? Gostou? Quer mais? Então não saia sem dar uma nota. Faça um comentário e se desejar entre em contato comigo, terei o maior prazer em responder. Skype: bernard.zimmer3 e-mail. bernard3320@live.com - WhatsApp: 11944517878. Divirta-se!




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.