"Os mais excitantes contos eróticos"


Minha Madastra Helena (Parte 3)


autor: corabopp
publicado em: 02/08/16
categoria: lésbicas
leituras: 25515
ver notas
Fonte: maior > menor


Os pássaros cantavam lindamente naquela manhã, podia ouvir o som das folhas dançando com o vento. Um raio de sol tímido entrava pela pequena fresta da cortina iluminando nossos corpos nus. Helena dormia como um anjo. Dormimos de conchinha grudadas como duas peças de um quebra-cabeça.
Deslizei minha mão por todo seu corpo tentando me convencer que aqueles dias não teriam sido um sonho. Passamos todos os dias da semana fazendo amor, dormindo e acordando juntas. Beijei carinhosamente sua nuca e arrumei seu cabelo bagunçado.
- Hmmm tão bom acordar assim.
Helena se virou para mim e sorriu. Ficamos sorrindo em silencio somente nos admirando.
Aquele era nosso ultimo dia sozinhas naquela casa. Faltava somente um dia para meu pai voltar de sua viagem. Eu não queria que aquilo tudo acabasse
- Meu deus, que loucura isso - disse Helena alisando meu cabelo.
- Nem sei como vou conseguir olhar na cara do seu pai agora.
- Porque mamãe?
Helena faz uma cara de brava.
- Você ainda pergunta?
- A gente não fez nada de errado.
- Não fez é?
- Não
- Então transar com sua própria enteada não é errado?
Coloquei a mão sobre sua coxa e a alisei.
- Mãe, não me chama de enteada, eu sou sua filha.
- Ai Mari
- E nós não transamos, nós fizemos amor, é bem diferente.
- Ah é?
- Então fazer amor com sua própria filha não é errado?
- Sim, não há nada de errado uma mãe demonstrar o amor por sua filha.
Helena mordiscou o lábio inferior e admirou meu corpo.
- A gente não vai mais poder fazer isso, ta bom?
- Porque?
- Porque é errado Mari
- Errado porque? Você não me ama?
Deslizei minha mão por sua cintura e beijei sua bocheca
- Ai filha
Helena acaricia meu rosto.
- Ama? - disse beijando seu pescoço
- Hm, hm - gemeu Helena baixo.
- Amo filha, amo muito - disse gemendo mais ainda
- Eu também te amo muito mamãe - disse subindo minhas mãos seus seios
- E eu tenho a mãe mais deliciosa do mundo.
Cai de boca em seu mamilo e o chupei.
- Ai filha.
Entrelaçamos nossas pernas, aproximamos nossos rostos, seu cheiro me encantava, nossas línguas se encontraram e nos beijamos apaixonadamente. Que beijo delicioso, molhado, quente, carinhoso, sua boca quente me deixou ensopada de tesão, seus lábios macios me chupavam o queixo e puxavam meus lábios delicadamente, nossas mãos acariciavam o corpo uma da outra.
Desci minha mão para sua boceta e sua coxas se abriram, pude sentir seu sexo molhado esperando por mim.
- Hmmm
Mordi delicadamente seu lábio inferior e comecei masturbando Helena devagarinho, a encarando com desejo, beijava seu pescoço com seu sexo em minhas mãos , Helena gemia com gosto.
- Que delicia, aiii!
Nossas línguas se entrelaçaram novamente.
Helena gemia abafadamente de prazer, sentia cada espasmo seu, respirávamos iguais:
- Gosta assim mamãe?
Helena afirmava com a cabeça se contorcendo, jogava sua cabeça para trás e gritava, fechava suas coxas apertando minha mão que não parava um segundo sequer de lhe masturbar.
- Tesuda, goza sua cachorra, goza pra mim- sussurrava em seu ouvido.
Minha mão ficava cada vez mais frenética, sem tirar a mão de seu sexo, chupava seus seios com gosto, Helena gemia alto:
- Aiiiiiii, filha, assim!
Afundei dois dedos em sua boceta e com o polegar fiquei esfregando seu clitóris.
- Goza gostoso mamãe, goza.
Helena se curvou com os dentes cerrados e gritou gozando não se aguentando de prazer. Que delicia era a ver tendo um orgasmo.
Segundos depois desfaleceu aos meus braços e me beijou apaixonadamente.
Nos abraçamos forte e ficamos nos acariciando com carinho.
- Vai ser difícil me acostumar a acordar sem você.
- Ai mãe
- Tenho que me arrumar para trabalhar amor.
- Fica aqui comigo mamãe
Helena riu negando com a cabeça, me deu um selinho e se levantou.
Meus olhos acompanharam aquelas maravilhosas pernas andando em direção ao banheiro. Não pisquei um segundo sequer até o momento em que Helena abriu o box e ligou o chuveiro.
Seu corpo brilhava com a água caindo sobre seus seios.
- Vem tomar banho com a mamãe, vem.
Saltei da cama e invadi o chuveiro. Helena me puxou para si e me beijou deliciosamente.
Agarrada ao meu rabo, Helena me derretia de tanto tesão.
Com os corpos colados, nos ensaboamos inteiras, minhas mãos passavam por seu corpo todo.
Ao som das gotas caindo sobre o piso, explorávamos cada centímetro de nossos corpos.
Helena me virou de costas, beijou-me o pescoço, meu rabo roçava em seu sexo enquanto suas mãos envolviam meus seios que escorregavam de tanto sabão.
Helena me empurrou contra a parede apertando minha garganta:
- Quero sentir você - sussurrou em meu ouvido
Se ajoelhou a meus pés e enfiou sua língua em meu rabo. Subiu lambendo minha boceta e meu cu, que delicia.
- Hmmmm.
Empinei e arreganhei mais minha bunda, sua boca se encaixou perfeitamente em mim, sua língua se perdia na minha boceta e no meu cu. Agarrei seu cabelo e a forcei mais meu sexo.
Meu corpo queimava de prazer, não queria que ela parasse.
- Ai mãe, que gostoso.
Helena respondia a cada espasmo meu, me chupava com voracidade, deu vários tapas em minha bunda e me chamava de puta.
Meus corpo rebolava sobre sua boca, minhas pernas já se enfraqueciam, com violência Helena meteu um dedo bem fundo em mim, sua boca não parava de me chupar, eu babava de tanto tesão, seu dedo metia cada vez mais forte, eu pedia mais, mais e mais.
- Delicia mamãe, assim.
Com dois dedos e sua língua afundada em mim, Helena se banhava com meu sexo atingindo o ápice.
- Aiiiiiiiiiiiii
Gozei deliciosamente em sua boca. Me agachei no chão do box sem conseguir me mover. Meu corpo tremia. Meu coração parecia que iria explodir.
- Eu te amo, te amo muito - balbuciava com as pernas fechadas.
Helena me envolveu em seus braços e beijou meu rosto.
- Eu também te amo meu amor.
- Melhor banho da minha vida.
Caímos na gargalhada e terminamos nosso banho.
Depois de nos vestirmos, fomos tomar café da manha.
Sentamos pertinho, minha coxa ficou sobre a sua coxa ,nossas mãos pareciam imas em nossos corpos, ficamos nos acariciando e sorrindo. Estávamos perdidamente apaixonadas.
- Eu preciso ir para o trabalho agora amor - disse Helena arrumando meu cabelo.
- Não vai não mamãe, fica comigo, fica .
Alisei suas coxas e puxei seu rosto para o meu:
- Fica comigo
- Tenho que ir filha, mas olha, prometo uma surpresinha para você hoje a noite hein.
- Hmmmm, o que?
- É surpresa meu amor.
Depois de ver Helena saindo pela porta da sala comecei a pensar as horas em contagem regressiva. Não podia crer que aquele era o ultimo dia em que ficaríamos sozinha em casa.
Fui para a a faculdade sem tirar Helena da minha cabeça, revisava cada minuto daqueles dias junto com ela, não conseguia pensar em outra coisa. O tempo tardou a passar. Na parte da tarde fui para a academia.
Meu tesão só aumentou olhando aquelas mulheres ao me redor.Enquanto trabalhava minhas coxas na cadeira, exatamente a minha frente, uma loira bem novinha fazia agachamento. Nunca a tinha visto na academia. Seu corpo era perfeito, era baixinha, seios medios, bem redondinhos, coxa definidas, seu olhos eram bem claros e seu cabelo bem dourado, parecia um anjo.
Abria e fechava minhas coxas olhando aquela loira maravilhosa. A cada agachada me hipnotizava mais. Meus olhos não saiam de seus seios, os mamilos estavam bem durinhos, apareciam perfeitamente em seu top. Imaginei aquela garota nua para mim, engatinhando em minha direção. Minhas pernas estariam apertas e sua língua estaria para fora esperando minha boceta.
Nossos olhos se cruzaram. Que olhar, meu Deus, seus olhos pareciam olhar dentro de mim. Me arrepiei toda, seu olhar fugiu dos meus e desceu por todo meu corpo e permaneceu em meu decote. Aquilo me excitou. Minhas coxas já se cansavam mas eu não queria parar aquele jogo. Quando nossos olhos se encontraram novamente a sequei descaradamente, desci meu olhar para seu sexo e mordi meus lábios.
Ela riu fazendo uma carinha de safada, seus olhos brilhavam como dois diamantes .
Fechei os olhos e imaginei nós duas nuas se chupando naquela academia vazia, seus lábios rosas chupando meus seios enquanto aqueles olhos azuis me encaravam. Que tesão.
Quando abri meu olhos ela já não estava mais la. Olhei para os lados e a vi caminhando em direção ao vestiário.
Sem hesitar, a segui sem tirar os olhos de seu bum bum malhado moldado por um shortinho legging cinza.
Ao chegar no vestiário, havia cerca de três mulheres se arrumando, duas de toalha conversando entre si e outra já vestida se penteando frente ao espelho. A loira parou em
frente a um dos armários. Meus pertences estavam num armário quase vizinho, andei em sua direção, seus olhos viraram-se para mim rapidamente e logo voltaram a atenção para o interior de seu armário, fiquei nervosa de tão excitada. Abri meu armário e olhei para o espelho pendurado nele. Fingi mexer na minha nécessaire e ajustei o espelho para a ver no reflexo, seu rosto era perfeito, como o de uma modelo.
Duas mulheres saíram, restava somente uma.
A observando pelo espelho, percebi que me secava, seus olhos percorriam meu corpo inteiro, quando me virava para a ver, ela fingia mexer no armário novamente.
Quando a ultima garota deixou o vestiário uma ideia estalou em minha mente.
Estava louca de desejo, queria a provocar, tirei meu top e meus enormes seios se revelaram. Tirei um creme hidratante de minha bolsa e derramei em meu peito. Enquanto espalhava o creme olhava para o espelho, ela estava boquiaberta. Jorrei bastante creme sobre mim, fiquei toda branca, usei as duas mãos para o espalhar, meus mamilos estavam rígidos e minha boceta gotejava de tanto tesão.
Me virei para a olhar e ela não disfarçou. Seus olhos permaneceram em meus seios, não piscavam, desci uma de minhas mãos para minha calça e enfiei em minha boceta. Comecei a me masturbar em sua frente. Devagarinho, me tocava olhando em seus olhos suplicando a me possuir. Lambi meus próprios lábios delirando de prazer. Ela foi se aproximando de mim, seu cheiro era doce, enebriante, agora já perto, sua boca aberta se aproximava da minha, eu gemia baixinho, não conseguia parar, nossos lábios se tocaram e sua língua invadiu minha boca. Que boca gostosa, que tesão, que safada:
- Que porra é essa? !
Meu sangue gelou.
Uma gorda na porta do vestiário gritava em nossa direção.
- Que porra é essa?!
A loira embranqueceu, assutada, gaguejou, pegou suas coisas correndo, de tão nervosa deixou cair sua mochila, seus pertences se espalharam no chão, com as mãos tremendo jogou tudo dentro e saiu correndo.
- Vou denunciar vocês, bando de sapatonas!
Gritou novamente olhando para mim.
Vesti meu top com dificuldade, peguei minha bolsa, no chão, notei um celular, peguei ele e sai de la sem conseguir olhar na cara de ninguém.
Fiquei por quase meia hora no carro tentando recuperar meu folego. Que vergonha pensava. Nunca havia passado por isso. Chorei pensando que todos iriam falar de mim. Queria voltar pra casa. Abraçar Helena. Esquecer aquilo.
No caminho da academia para casa não consegui tirar aquela loira da minha cabeça. O que tinha sido aquilo? Meu tesão voltou, pensava em Helena, não via a hora de chegar em casa novamente, a beijar, a tocar, queria acabar com aquele fogo logo.
Demorei cerca de 30 minutos para chegar em casa. A casa estava toda apagada.
- Mãe? - gritei entrando
Andei em direção ao quarto de Helena, o corredor estava todo escuro, só o que se via era uma luz fraca e avermelhada vindo da direção de seu quarto.
Ao entrar me deparei com uma infinidade de velas espalhadas pelo quarto todo. Duas mãos cobrem o meus olhos e meu coração vai a boca.
- Quietinha, quietinha hein - Helena sussurrou em meu ouvido.
Suas mãos foram substituídas por uma venda negra que Helena amarrou com rapidez me deixando totalmente sem ver nada.
Meu coração batia forte, não estava entendendo nada.
- Agora você vai ser minha escrava, vai fazer tudo o que a mamãe mandar.
Seus lábios encostados em minha orelha me arrepiaram de excitação.
- Sim mamãe - disse já ficando com tesão.
Helena beijou minha nuca e tirou meu top. Delicadamente deslizou minha legging até o chão, e me deixando só de calcinha. Procurei seu rosto e senti sua boca tocando meus lábios. Suas mãos puxaram meu cabelo com força para trás e sua língua deslizou sobre meu pescoço.
- Ai mãe
Com meu preso em suas mãos, Helena me puxou em direção a cama.
- Deita minha putinha, deita.
Helena beija minhas coxas e tira minha calcinha. Deita-se sobre mim e me beija na boca. Agarro seu rabo mas logo tenho minhas mãos tiradas de seu corpo. Helena pega cada um de meus pulsos e amarra na cabeceira da cama. Fez o mesmo com meus pés, deixando minhas pernas abertas e presas.
Meu sexo pulsava de tesão e meu coração batia a mil.
Sinto sua boca perto da minha, seu halito delicioso, sua respiração quente passa por meu pescoço, assopra meus mamilos, desde até meu sexo e solta um ar quente novamente. Meu corpo se contrai.
A ponta de suas unhas toca meus pés e sobe devagarinho até minhas coxas.
Sinto sua boca em minha barriga, ela a beija com carinhosamente e passa sua língua em meu umbigo, vai subindo até meus seios e termina lambendo a ponta de meus mamilos bem delicadamente, que gostoso aquilo.
Enquanto chupava meus seios com mais vigor, Helena esfregava sua coxa minha boceta. Meu corpo tremia de excitação.
- A mamãe vai te fazer gozar bastante.
Helena se afasta de mim e some por alguns segundos.
Sinto um liquido quente escorrer por meus seios, Helena o espalha por meu corpo todo, derrama mais sobre minhas pernas e por ultimo em minha boceta.
Meu corpo esquenta, parece pegar fogo por todos os cantos, Helena enfia sua língua em minha boca e nos beijamos calorosamente. Suas mãos passam por todos os cantos de meus corpo, sinto sua mão em meu sexo e sua boca em meus seios.
Ela me masturba gostoso enquanto engole meus seios.
- Ai, ai aiiiii
Com o corpo em fogo, gozo rapidamente em suas mãos.
Helena beija-me novamente e diz em meu ouvido:
- Tenho uma surpresinha pra você.
Procuro sua boca mas Helena some novamente.
Sinto minhas pernas livres, Helena as desamarra. Ela sobe sobre a cama e abre minhas coxas, ouço um som de zumbido abaixo de mim, antes que consiga entender do que se trata sinto minha vista voltar, Helena com minhas vendas em sua mão, joga-a para atras de seu ombro e me revela um enorme vibrador acoplado em uma cinta que vestia.
Sinto meu sexo ser invadido pelo enorme vibrador
- Deliciaaaaaaaaaa
Com suas mãos agarradas em minha coxa, Helena começou metendo bem devagar em mim.
- Gosta filha, gosta?
- Muito mamãe, muito.
Enquanto aquele enorme caralho afundava dentro de mim, sentia outro vibrador rolando sobre meu clitóris. Nunca havia sentindo tanto prazer em uma penetração.
Helena abocanhou meus seio esquerdo e prendeu meu pescoço com sua mão
- Mete assim, assim mamãe
- Minha putinha, goza pra mim sua safada.
Gritei até minha garganta doer. Helena não parava de meter em mim
- Vou te fuder a noite toda
- Fode mamãe, me fode
Helena intensificou seus movimentos e nossas bocas se encontraram.
Aquele enorme vibrador entrava violentamente dentro de mim, nossas línguas brigavam dentro da boca uma da outra;
Meu corpo entrou aos céus, , eu tinha sensação de que iria morrer de tanto prazer, comecei me debater loucamente em outro orgasmo intenso e maravilhoso.
- Goza pra mamãe, goza.
Minha visão turvou-se enquanto tinha o maior orgasmo de minha vida.
Helena tirou sua cinta e sentou-se sobre minha boca.
- Agora você vai chupar a mamãe.
Chupei aquela boceta deliciosa como se fosse a ultima coisa que faria na vida. Helena rebolava sobre minha boca enquanto apertava aqueles enormes seios contra si mesma.
- Que gostoso filha, que gostoso.
Meus olhos não piscavam olhando aquela deusa gozando com minha boca.
Sentia seu mel derramando-se sobre mim.
Helena me desamarrou e finalmente agarrei aquele corpo.
Intercalamos nossas coxas colando nossas bocetas, agarrei sua coxa a afundando minhas unhas em Helena. Ela gemia rebolando sobre meu sexo, seus seios pulavam enquanto balbuciava palavras desconexas.
- Que tesão, caralho.
Puxei seu corpo para o meu e nos beijamos apaixonadamente como se fosse a ultima vez.
- Deixa eu te sentir filha.
Deitamos num meia nove delicioso.
Eu podia chupar aquela mulher por um dia inteiro, simplesmente não me cansava, seu gosto era maravilhoso, Helena agarrada em meu rabo, me chupava deliciosamente, sua boca era a melhor coisa no mundo, seus lábios, sua língua quente.
Gozamos juntas gritando afundadas no rabo uma da outra.
- Eu te amo muito
- Eu também mamãe.
Terminamos a noite abraçadas nuas nos acariciando até dormir.

Acordei com o sol vindo em meus rosto.
Estava em meu quarto. Estranhei, nem ao menos me lembrava se ter ido para la. Estava sem roupa mas com um lençol me cobrindo.
Olhei para o relógio do celular, era domingo, nove da manhã, provavelmente meu pai já havia chegado.
Relembrei a noite maravilhosa que havia tido com Helena. Meu sexo se umicedeu.
- Filha. Ta acordada? - gritou meu pai batendo na porta.
Não respondi, mas mesmo assim meu pai abriu a porta.
- Oi mari!
Meu pai sorriu ao me ver na cama, entrou se sentou ao meu lado.
- Que saudade Mari.
Me beijou no rosto e bagunçou meu cabelo.
Nessa hora Helena apareceu na porta. Ela vestia um robe branco.
- Espero que você não tenha dado muito trabalho pra Helena.
Nos entreolhamos sorrindo. Me veio a mente nós duas fazendo amor em sua cama.
- Claro que não pai - disse sorrindo puxando o lençol mais ainda para me esconder.
- O papai vai tomar um banho e depois ir no mercado, quer alguma coisa?
- Não obrigado, só vou dormir mais um pouco.
- Ta bom filhinha.
Meu pai se levantou e deu um selinho em Helena.
- O que eu mais preciso agora é um banho completo.
Helena sorriu para ele
- Vai la amor, eu vou preparar um café gostoso pra gente.
Meu pai saiu e Helena permaneceu na porta.
Quando a porta do quarto do meu pai se fechou joguei meu lençol para o lado.
Abri minhas coxas e mostrei minha boceta brilhando de tão molhada. Helena fixou seu olhos nela.
- Vem mamãe - disse baixinho.
Helena olhou em direção ao seu quarto e olhou para mim
- Filha, não faz isso comigo.
Deslizei meus dedos sobre meu sexo e enfiei em minha boca.
Helena veio caminhando em minha direção. Bateu a porta.
- Essa boceta é sua mamãe, todinha sua - disse lambendo meus dedos.
Helena fechou os olhos e continuou andando em direção a minha cama.
- Vem me chupar gostoso mãe, vem - disse a encarando.
Com os olhos fixos em meus sexo, Helena lambeu os próprios lábios e respirou fundo.
- Assim você vai enlouquecer a mamãe?
Afirmei com a cabeça sorrindo e Helena caiu de boca em minha boceta. Engoliu meu sexo como nunca havia feito antes. Chupava como louca, deslizava sua língua por cada centímetro de mim, afundava seus lábios, sugava meu clitóris.
- Que gostoso mãe, aiiii.
Agarrada a cabeceira, me contorcia gemendo feito louca, tentava segurar os gritos mas não me contia, gemia feito puta:
- Vai, vai, vai.
Helena me encarava se masturbando sem tirar sua boca de mim.
Eu tremia fortemente olhando para seus olhos:
-Me faz gozar mamãe.
Helena afundava sua língua em minha boceta, me comia gostoso.
- Ai, ai, aiiii, aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.
Gozei deliciosamente em sua boca.
Helena me olha sorrindo com meu mel escorrendo de seus lábios. Sobe em cima de mim e me beija com tesão.
- Eu quero fazer isso todo dia filha.
- Sim mamãe - disse recuperando meu ar.
Helena sai do quarto e vai para cozinha fazer café da manhã para meu pai.

(continua…)



ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.