"Os mais excitantes contos eróticos"


Meu cunhado e eu no reveillon


autor: Patysafadinha
publicado em: 27/08/16
categoria: incesto
leituras: 11891
ver notas
Fonte: maior > menor


Tira a mão dos meus seios safado.Não faz isso. Assim não. Me larga! Era isso que eu dizia para o meu cunhado tarado que me abusou na noite de réveillon. Nunca me esqueci daquele dia, que de fato se tornou inesquecível.

Minha irmã caçula casou-se com um cara muito gente boa, trabalhador e com um defeito muito perceptível: muito namorador. Várias vezes antes de se casar com minha irmã ele já tinha dado em cima de mim, piscava os olhos, me dava beijo demorado quando ia me cumprimentar e eu sempre reclamava e nunca contava para minha irmã. O fato é que eles se casaram e foram morar em uma cidade do interior e eu continuei aqui em Salvador.

Na virada do ano todos vinheram passar o réveillon aqui em Salvador e como de costume passamos sempre na praia.Meu cunhado chegou muito quieto, desconfiado, parecia que tinha aprontado alguma, malmente conversou com a família, dizia estar cansado da viagem.Fomos todos para a praia e quando rompeu o ano, quando nos cumprimentávamos ele me abraçou desejando feliz ano novo e me disse no meu ouvido: “Feliz Ano Novo Cunhadinha. Que neste ano eu coma sua bucetinha”.

Fiquei horrorizada com o que ele tinha me dito e me afastei. A praia tinha muita gente e eu fui para uma barraca falar com umas amigas e ele me seguiu. Estávamos bem distantes da minha família quando ele veio na minha direção e disse que precisava falar comigo e foi logo agarrando no meu braço e me puxando pra debaixo de uma arvore e me tentou me beijar.Imediatamente eu o empurrei e ele disse que de hoje não passaria que ele iria me provar.Sai e deixei ele sozinho e fui encontrar minha irmã e o resto do pessoal que estava na praia, mas nãoencontrei ninguém e sai a procura e meu cunhado, Felipe atrás de mim.

De tanto caminhar pela praia e Felipe me acompanhando, acabamos parando em uma área deserta, e tinha uma grande pedra na areia (daquelas pedras que caem de rochas), ele viu a oportunidade e me puxou e enconstou nesta pedra onde foramava uma paredão e que ninguém podíamos nos ver. Imediatamente me beijou e foi acariciando minha nuca e logo eu fui ficando mole com aquele carinho.Felipe agarrava meus cabelos e pegava nos meus seios, era tudo muito rápido.

Imediatamente ele suspendeu meu vestido branco e foi tocando na minha grutinha:

___Nossa! Como sonhei em tocar nesse xibiu.

__ai Felipe, o que estamos fazendo. Para, não podemos!

Eu falava e o beijava. Sentia uma imensa vontade de o tocar de o beijar. Felipe era branco, olhos verdes, musculoso e muito atraente.Eu morena, olhos pretos e cabelos bem cumprido.

Felipe não demorou muito e tirou minha calcinha e jogou na areia e foi logo dizendo:

___vira e empina essa bunda pra mim gostosa. Hoje teu cunhadinho vai te apresentar uma boa rola. Você vai começar o ano muito bem.

Eu logo cedi e vi que já tinha gostado do beijo dele e comecei a imaginar como seria aquela pica entrando na minha grutinha.

___Ta bom Felipe. Vou dar pra você meu buraquinho pra vc experimentar. Mete tudo.

Felipe tirou da bermuda um pau de 23 cm e foi logo tentando encaixar na minha buceta e viu que era apertadinha.Eu de costa para ele e ele segurando minhas ancas e colocava a cabecinha do pau na minha bucetinha.

__Nossa é mais apertada que a da irmã. Abre pra eu meter tudinho, vai, cachorrinha.
Eu sentia que ia doer porque o pau dele era grande e grosso, mas abri gostoso pra experimentar aquele pauzão.

___toma cachorro, abre minha bucetinha fechadinha, vai. Mete tudo cunhadinho.

Ele começou a estocar bem devagarinho e logo em seguida pressões mais fortes.Estava transando ali na praia escondidinho com o esposo da minha irmã.Tava muito escuro e eu apenas sentia a vara entrando. Era muito gostoso.

Felipe deitou-se em seguida na areia e eu cavalguei gostoso. Era uma delicia cavalgar vestidinha e so com a bucetinha aberta pra rola entrar. Felipe me beijava e dizia que eu era mais gostosa que minha irmã.Ele beijava meus seios, e chupava igual a uma criança.

__ta gostando da minha buceta é? É mais gostosa que a da mina Irma é, cunhadinho? Fala pra mim, fala.

__é uma delicia, sua buceta é gostosa demais, quero chupar ela.

Imediatamente eu subi em cima dele, coloquei a buceta na cara dele e cai de boca naquele pinto dele. Fazíamos 69 a praia escondidinho atrás de uma pedra.Ele logo gozou na minha boca e eu engoli tudo.Ele lambia echupava minha buceta, chupava meu grelo ate que minha bucetinha ficou toda inchada. Meu grelo ficou bem grandinho de tanto ele chupar.

__Isso safado, chupa minha bucetinha, chupa gostoso, vai. Chupa meu grelinho, Felipe!

Em seguida Felipe me colocou de ladinho e meteu vara no meu cuzinho. Ele metia no meu cuzinho e pegava nos meus peitos. As pernas dele em cima da minha e o pau no meu cu e a mão dele na minha buceta, no clitóris me fazia gemer de tesão.

__Toma porra! Toma no cu, vadia.

__Ai, que gostoso levar no cuzinho, seu vadio! Bota mais cunhadinho, bota no meu cu meu cunhado!

Felipe deu outra gozada, esta vez no meu cu. Em seguida se vestiu e fomos para casa. Chegamos em casa e dissemos que estávamos procurando todos que tinha sumido da praia.Depois que todos foram dormir, Felipe e eu nos encontramos na cozinha onde eu ainda fiz um boquete gostoso enquanto ele bebia água e ele mais uma vez gozou na minha boca e voltou para acama da minha irmã todo molhadinho.





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.