"Os mais excitantes contos eróticos"


O CARA ME DEIXOU LEVAR A ESPOSA P/MOTEL


autor: Shamir
publicado em: 14/10/16
categoria: traição
leituras: 7197
ver notas
Fonte: maior > menor


O CARA ME DEIXOU LEVAR A ESPOSA PARA O MOTEL.




Estamos de volta pessoal. Aqui vai mais uma aventura deste humilde caçador de casadas, para cada vadia conquistada fica um corno destroçado pelo caminho...e isso me anima, alimenta meu ego e torna minha vida bem mais divertida...
Shamir.



Basicamente um corno é o cara que ama demais uma vadia. Podem existir atenuantes, o corno pode ter problemas físicos ou psicológicos que o impedem de satisfazer adequadamente sua esposa. Ou a esposa pode ser muito fogosa, pode ter necessidades sexuais além do que o marido pode fornecer. Bom, para mim as coisas são mais simples, eu aprendi pela prática a identificar oportunidades. Sei só de bater o olho quando um casal é formado por um corno e uma vadia, para mim eles brilham a luz do dia! Eu aproveito porque tenho uma atração enorme por conquistar mulheres casadas e humilhar cornos, para mim uma coisa complementa a outra...sim sou dominador, não respeito cornos e me aproveito de mulheres casadas carentes. Não me envergonho disso, não vejo nada de errado e ignoro eventuais críticas de falsos moralistas de plantão.
Estou jantando em um bom e caro restaurante aqui em Floripa. O lugar é mais caro que bom, mas costuma ser bem frequentado, pessoas de bom poder aquisitivo, educadas e discretas são os frequentadores habituais. Observo os casais procurando identificar possibilidades e estou atento, um bom caçador não perde nada...
O casal que despertou minha atenção chegou a mais de uma hora, os dois bem vestidos, ele esporte chique um pouco incompatível com sua aparente idade. Ela discreta, vestido simples justo e curto, salto alto, meias escuras. Aparenta ser bem mais nova que o acompanhante, tem aparência jovial, é morena, cabelos curtos e castanhos como os olhos.
Os dois pedem drinks e conversam, não se tocam e parecem ter muito o que falar. Ele bebe pouco, ela vai mais fundo. A conversa parece esquentar depois de algum tempo, o tom e o volume sobem mas logo os dois olhando em volta percebem que estão quase dando vexame, então se calam e cada um mergulha no seu copo. Briga, problemas ou frescurinhas? Tudo é possível, vida em comum, vida de casados e dormir juntos todo dia na mesma cama exige certas habilidades que nem todos possuem. O amor eterno, a convivência maravilhosa de casal apaixonado infelizmente é um mito! Sobrevive quem souber se adaptar e aceitar que no casamento vão existir muitas dificuldades e uns poucos momentos de felicidade. Não importa se o sexo não é dos melhores e só acontece a cada quinze dias, um casal adaptado aceita e agradece isso porque é o que tem, simples assim.
Observo melhor o casal que me interessa, estão mudos a algum tempo então resolvo atacar. Eu sempre uso a mesma técnica e vou continuar usando porque funciona. Me aproximo da mesa deles, uso meu sorriso mais simpático e falando mais alto do que seria necessário:
-OLHA !!! Vocês por AQUI !
Os dois me olham curiosos mas não se assustam, eu tenho boa aparência, estou como sempre muito bem vestido e minha simpatia sempre me abriu portas. O homem me encara:
-Perdão senhor...deve haver algum engano...creio que está nos confundindo.
Não deixo de observar o sorriso da moça contrapondo a cara feia homem irritado. Finjo perplexidade e como caindo na realidade:
-Meu Deus! Estou envergonhado, realmente vocês parecem muito com um casal que conheci em Lisboa e nunca mais encontrei...eles são brasileiros moram no Rio...bom eu estou muito constrangido...quero me desculpar da maneira certa. Permitam que eu pague o jantar de vocês...
A moça está quieta e não tira os olhos de mim...mantem o sorriso simpático que a torna mais bonita do que já é, o homem está desconfortável e recusa minha gentileza:
-Não senhor! O senhor não precisa pagar nada...pode se retirar...
É agora que meu truque barato mas eficiente mostra seu valor. Eu ignoro o homem totalmente, estendo a mão cheio de confiança e me apresento para a moça:
-Desculpe o inconveniente moça...sou o Shamir...
Ela aceita minha mão estendida e eu imediatamente levo minha outra mão para seu braço esquerdo deslizando lentamente com uma leve pressão...com muita delicadeza mesmo.
Ela me responde com uma voz firme e mostra maneiras educadas:
-Eu sou a Sara...desculpe meu marido...o Thiago, amor seja mais simpático, o cavalheiro cometeu um engano...só isso.
Eu continuo sem olhar para o Thiago, demonstro atenção total para a Sara e fecho mais o cerco:
-Sara..o Thiago ficou chateado mas tem lá sua razão, eu interrompi vocês...me perdoe e permita pagar o jantar de vocês...eu vou me sentir melhor...isso é importante para mim...por favor...
Sara olha para o marido, sua voz é meiga mas existe um sutil tom de autoridade:
-Thiago...meu querido...EU acho que está tudo bem, vamos deixar o Shamir pagar nosso jantar...não se encontra mais cavalheiros assim em nosso país...NÃO É MESMO?
Deu gosto de ver o Thiago engolir a situação! Bato no seu ombro como se fosse um velho amigo e beijo a Sara no rosto como que se despedindo:
-Foi um prazer conhecer vocês...agora vou deixar vocês jantarem em paz e avisar o garçom que a conta é minha...podem pedir o que quiserem...Mas Sara não me decepciona:
-Que tal você jantar conosco Shamir? Acho que esta pequena confusão pode resultar em uma noite mais agradável...NÃO É THIAGO?
Às vezes eu me assusto comigo mesmo. Eu não tenho complexos, não sou modesto mas ao mesmo tempo não me acho alguém especial. No entanto tenho uma facilidade natural para conquistar pessoas, sei impressionar mulheres e conseguir o que quero com homens. Uso isso nos negócios e aplico sem nenhum constrangimento quando quero levar esposas para a cama. Já fui muito criticado por isso, conhecidos e amigos já me chamaram de convencido, gabola...mas sinceramente, não me importo com esse tipo de opinião, mesmo porque geralmente partem de homens que não pegam mulher nenhuma...
O jantar foi maravilhoso, eu e a Sara nos conhecemos melhor, falamos de viagens, praias do Brasil e descobrimos que praticamente conhecemos os mesmos lugares e gostamos muito de viajar. Nossa conversa foi fácil, alegre e interessante, Sara sorria e se divertia enquanto Thiago não conseguia participar da conversa a não ser com patéticas interferências, a pessoa mal humorada e com raiva nunca é um bom papo...não acham?
Depois do jantar e assim que pedimos as sobremesas o marido disse que precisava ir ao banheiro e eu não perdi tempo. Assim que o cara virou as costas meti minha mão nas coxas da Sara, ela me olhou e safadinha:
-Você é ousado Shamir...conheço bem seu tipo...mas precisamos tomar cuidado o Thiago não é bobo.
Eu percebi que o caminho estava aberto e minha ousadia ela ainda estava por ver:
-Sara...me desculpe mas eu acho o Thiago muito bobo! Está na cara que você está precisando e querendo o que estou oferecendo e você não estaria assim se o teu marido lhe desse a atenção que você merece. Enfiei uma mão no seu decote e apalpei seu peitinho esquerdo, ao mesmo tempo levei a mão por debaixo do vestido até a calcinha:
-Calcinha molhada Sara?
Ela nem piscou, carinha de safada abriu o jogo:
-Não me entenda mal Shamir...o Thiago não me come a mais de um mês...na verdade nunca me comeu direito...eu não gozo a quase um ano! Ele gosta muito de mim mas está com problemas nos negócios, anda estressado, tomando remédios e virou um chato...para piorar...ele...não funciona quando está nervoso assim...
Eu olhei bem nos olhos dela:
-Você gosta do teu marido?
Ela pareceu estranhar a pergunta:
-Gostar eu gosto...mas tenho minhas necessidades...né?
Eu complementei:
-Você gosta dele mas precisa de sexo...quer dar para mim?
Ela após uns segundo e pela primeira vez sutilmente envergonhada:
-Si...sim...eu quero você Shamir...preciso sentir um pau entre minhas pernas...
Eu lhe dei um beijo na boca bem a tempo de ver o corno no outro lado do salão saindo do banheiro masculino. Só disse para a Sara:
-Quando teu marido chegar saia da mesa, diga que vai ao banheiro...
Ela pareceu um pouco assustada:
-O que você vai fazer?
O Thiago estava a menos de dois metros da nossa mesa e eu disparei:
-Faça o que eu disse...vou te comer ainda hoje e teu marido vai permitir!
Boquiaberta ela teve sangue frio para me obedecer, nem bem o marido sentou ela levantou pedindo licença meio sem jeito...
A sós com o marido dei meu bote:
Olha Thiago...você tem uma bela mulher!
Ele soltou um obrigado entre desconfiado e curioso mas eu cortei a conversa dele:
-Sim. uma bela mulher! Mas me escute e não interrompa!
Posso ser autoritário e ameaçador quando quero, e claro que isso funciona com mais eficiência com homens fracos de personalidade submissa...
-A Sara é uma mulher que exige cuidados, eu sei que você deve saber as necessidades de uma fêmea assim...
Neste ponto ele fez menção de me interromper gaguejando alguma coisa. Um olhar firme e direto o calou, depois disso acabei com ele sem interrupção:
-Percebe-se que ela gosta muito de você e não que te magoar. Mas ela precisa de sexo e você não está sendo muito útil nesse quesito...a questão agora é se você gosta mesmo dela, ou não liga se perder tua mulher para outro...porque você sabe...mulher gostosa e fogosa como a tua não vai ficar na mão...elas precisam pau...suas bocetas precisam ser preenchidas todas as noites ou elas vão procurar isso com outros machos caso não encontrem em casa.
O rosto do Thiago passou do vermelho para o roxo e agora estava branco como a toalha da mesa. Mas o silêncio dele gritava para mim...UM CORNO ESTÁ NASCENDO!
Eu continuei:
Você pode manter sua esposa, ela pode ficar feliz ao teu lado e eu posso ajudar vocês dois...eu quero foder ela do jeito que ela precisa e ela me quer...até você já deve ter notado isso...Você viu como ela sorriu para mim o tempo todo no jantar? Vai dizer que não viu eu beijando ela quando você saiu do banheiro? Agora você tem dois caminhos...pode dar uma de idiota egoísta e perder sua amada esposa...ou...pode ser um marido compreensivo, reconhecer as necessidades da sua esposa e permitir que ela seja feliz...por algumas horas. Me permita que eu leve sua esposa para um motel, eu vou fazer amor com ela, vou foder ela de um jeito que você não tem condições de fazer, vou deixar ela satisfeita e depois te devolvo uma fêmea bem comida e toda agradecida a você...ela vai ser muito grata ao marido compreensivo que a liberou por uma noite...uma noite apenas...você não quer ser um cara egoísta...quer?
Ele não respondeu nada...cabeça baixa parecia digerir a porrada que levou no meio da cara...não se mexeu até quando a Sara voltou para a mesa e percebeu que algo muito sério tinha acontecido:
-Que foi...Thiago?
Eu a peguei pelo braço e com a maior naturalidade disse:
-Vamos Sara!
Ela surpresa e um pouco desconfortável:
-O que...Aonde vamos?
Eu olhei para o Thiago e peguei no seu ombro e só olhei firme em seus olhos...quando ele falou sua voz estava surpreendentemente firme e calma:
-Pode ir com ele Sara...eu te amo e depois dessa noite vamos ficar bem...fique tranquila...
Não esperei mais nada, peguei a Sara e saímos, só tive o cuidado de passar na recepção do restaurante e assinar a despesa da nossa mesa, inclusive disse que se o Thiago pedisse algo seria por minha conta...
No caminho para o motel expliquei para uma aflita Sara a conversa que tive com o marido dela, ela aceitou bem a situação...queria aceitar porque estava louca para levar pau, logo estava querendo me chupar tentando tirar meu pau para fora no carro mesmo, mas eu pedi para ela ter paciência...não gosto de me arriscar assim quando estou dirigindo, tenho uma vida boa e dou valor para isso...
Na suíte do motel, a melhor do estabelecimento eu pude observar melhor meu troféu. Só de calcinha e sutiã, duas peças minúsculas ela se mostrou para mim sem frescuras, uma mulher consciente da sua beleza e do seu poder. Um corpo de mulher bem brasileira do jeito que eu gosto, pele morena, pernas longas e coxas grossas. Bunda grande, bem feita e tentadora. Seios normais sem exageros, tudo natural e sensual. Mesmo sendo a primeira vez dela com outro homem depois de casada ela estava confortável com toda a situação, a falta prolongada de sexo tinha com certeza amaciado aquela fêmea...
Tirei minhas roupas e parti para o sacrifício. No sexo eu não sou muito gentil, me transformo um pouco quando tenho uma mulher nua na minha frente, meu pau duro costuma exigir um comportamento mais rústico da minha pessoa. Não tento atenuar isso porque com o tempo percebi que as mulheres querem isso, pelo menos as casadas carentes...deve ser um comportamento normal dessas esposas mal amadas, pelo menos eu acredito nisso...
Mandei ela se ajoelhar na minha frente e meti o pau na boquinha dela. Ela aceitou bem. E para minha alegria sabia chupar gostoso, não precisei perder tempo mostrando como fazer. Chupou meu mastro em toda a extensão, esteve sempre carregando uma punhetinha suave e massageando minhas bolas, sempre fazendo contato visual, olho no olho com uma carinha extremamente safada...isso é muito gostoso! Mas chupando a glande, a cabeça inchada e vermelha que ela mostrou seu valor, a pontinha da língua rodeando a cabeça deixou meu pau doido e quando gozei com um urro animalesco ela sobe engolir sem nojinho e sem perder nada, com calma e demonstrando prazer verdadeiro limpou meu pau no capricho. Mulher assim merece meu melhor!
Deitei ela de costas na cama, abri suas pernas e comecei um oral que ela mereceu, minha especialidade! Lambi a parte interna das suas coxas, a barriguinha e aos poucos me aproximei da vulva...fui devagar lambendo a virilha até chegar aos grandes lábios, beijinhos na boceta deixaram ela amolecida, pronta para delirar e quando meti minha língua entre seus grandes lábios, correndo do grelinho até o cuela tremeu toda, de tão carente começou a gozar e não parou mais, eu não dei trégua, enterrei dois dedos na buceta enquanto circulava minha língua no grelinho...Sara começou a corcovear na cama, gritar e gemer descontrolada, agarrou minha cabeça pelos cabelos e fechou as pernas como uma morsa tentando me levar para dentro dela...escapei da situação e agarrando os tornozelos dela coloquei a na posição de frango assado, bem rude... deixei os pés quase na linha da orelhas e os joelhos na altura dos seios tesudinhos dela. Ela agarrou na cabeceira da cama e se percebendo toda aberta e exposta esperou pelo flagelo. Meti forte, a boceta encharcada ajudou mas ela não foi fácil para meu pau. Eu fui enterrando o cacete para dentro dela e sentindo as paredes da vagina se afastando, acomodando-se e ajustando-se ao invasor enquanto ela gemia cada vez mais forte em uma mistura de êxtase e dor. Quando me senti batendo lá no fundo ela gritou e eu me segurei, tudo enterrado e lá no fundo mantive a pressão até ela aceitar o que tinha que aceitar. Assim que ela foi se acalmando comecei a bombar, firme e forte, tirando quase tudo e metendo de uma vez...rasgando e dando estocadas fundas...as mulheres adoram isso, se sentem possuídas, dominadas e sem defesas e quanto mais rude você meter nelas mais elas ficam viciadas nisso...geralmente depois de um tratamento assim o corno vira apenas um objeto de decoração para elas!
Eu não sei quantas vezes ela gozou, não fico contando isso como um amador, mas quando gozei ela estava sem forças, suando e com o rosto vermelho parecendo prestes a ter um troço...gozei com fartura, esvaziei minhas bolas dentro dela e quando saquei meu pau a boceta toda vermelha e arregaçada começou a vazar um rio de porra. Exaustos descansamos por quase meia hora, depois um banho cheio de sacanagens e brincadeiras marcou o fim da nossa noite muito especial. Na verdade deixamos o motel às três horas da manhã. Foi quando bateu uma insegurança na Sara, receosa de voltar para casa e encarar o marido.
Eu fui firme com ela:
-Sara...teu marido é agora um corno! Ele aceitou a situação e fez por merecer. Não se preocupe, sei do que falo e tenho experiência no assunto. Eu vou te levar até teu apartamento. Vou devolver você para tem marido, vamos agir de maneira natural, simpática e educada. Um corno só se descontrola se notar insegurança ou culpa por parte da esposa ou do amante dela. Vamos ser firmes com ele. Eu vou subir, beber algo e agir como um amigo do casal. Você faz de conta que estava fora e me encontrou por acaso, um corno só precisa de fiapos da realidade, mentiras aceitáveis e um pouco de auto enganação para poder seguir em frente, para poder aceitar o que não tem solução...
Você foi maravilhosa Sara, teu marido pode ter acreditado na minha conversa, mas hoje foi só nossa primeira vez...na próxima vou comer teu rabinho...você não vai me negar isso...vai?
Ela sorriu de um jeitinho que eu já estava me acostumando, depois eu dei uns conselhos para ela lidar melhor com o marido corno:
-Hoje mesmo você conte para o teu marido tudo que fizemos, confie em mim e não deixe nenhum detalhe esquecido, pode aumentar e apimentar mais se quiser, mas o importante é convencer teu marido de que ele é pouco para você, diga várias vezes que ama ele, mas precisa de mais...entende?
Ela ouviu com atenção e pelo caminho fui orientando ela, o casal em breve estaria em minhas mãos, totalmente dominado e é pela esposa que eu consigo isso...então continuei:
-Diga que meu pau é maior que o dele, diga que você nunca gozou tanto e que me sentiu tão fundo como ele nunca conseguiu alcançar. Tudo isso vai fazer ele ficar excitado, talvez ele faça movimentos querendo até te comer, mas não permita, diga que está destruída e mostre tua boceta, diga que ela está ardida e que meu pau detonou ela. Masturbe teu marido como prêmio de consolação...quando ele gozar demonstre nojo da porra dele, se afaste e não deixe cair nada em você. Se você seguir corretamente meus conselhos vai ter um corno manso em casa e nenhum problema com isso...Seja bem clara e direta, diga que você tem uma vida com ele e só ele importa para você, mais ninguém é teu amor...mas explique que ele não pode te foder como eu faço...diga que eu sou apenas sexo...nada mais e no amor para você só existe ele...para sempre!

Assim foi feito, Sara seguiu minhas orientações e eu agi da maneira mais natural possível com o Thiago. Quando chegamos ele estava nos esperando, sinais evidentes de ter bebido o tempo todo eram claros mas ele estava bem atento ainda. Conversamos um pouco, bebi um bom uísque com ele e me logo anunciei minha saída usando um certo cinismo:
-Bom Thiago...meu grande amigo...eu vou indo porque a noite foi cansativa para mim e a tua esposa também deve estar exausta...Boa Noite!
Depois dei um beijo na boca da Sara...bem na frente dele e fui embora imaginando a conversa que os dois teriam pela madrugada adentro...





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.