"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Judiando do nerd!


autor: Sibila Markis
publicado em: 20/07/15
categoria: jovens
leituras: 40361
ver notas
Fonte: maior > menor



“Vida loca” não é pra mim, eu só me ferro. Nem preciso curtir uma balada para me colocar numa situação altamente perigosa. Já passei por cada uma!!... Não que eu procure encrencas, elas que me encontram. É claro que já vacilei feio algumas vezes, mas pow!! Quem nunca fez uma merdinha?!!

Poxa!! Minhas entranhas ardem em brasa desde a minha mais tenra puberdade e isso me levou a fazer travessuras inacreditáveis. Tudo no mais completo segredo. Meus hormônios em fúria provocaram minha sexualidade precocemente e fizeram de mim uma potranca tesuda quando eu era muito novinha. Isso mesmo!! Me tornei uma cachorrinha que exalava feromônios e atraía naturalmente os machos a minha volta.

Entrei nos meus dezenove anos passando por uma fase bem chatinha da vida: na faculdade, muitos trabalhos, provas e muito assédio. No namoro, uma crise horrorosa com Yuri, meu namorado.

Na faculdade o bicho pegou!! Lá fui pólo atrativo de olhares gulosos. Claro que adorava passar pelos portões da faculdade e perceber que os pescoços viravam em minha direção acompanhando meu rebolado “tenho mais não dou” até a porta de minha sala de aula. Lógico que chamar atenção e ser admirada é tudo de bom! Eu adorava provocar!!

Meus colegas de sala gostavam de formar grupos de estudos comigo e eu era muito assediada por eles. Contudo, havia um de minha turma que não me chavecava. Muito pelo contrário, ele simplesmente me tirava. Caraca! Isso me intrigava demais.

O garoto era um nerd de vinte anos, um tipo de líder da turma. O danadinho era um gênio e dominava todos os conteúdos. Também, neh! Estudava dia e noite! Fora isso, ele curtia música, filmes e o “ Dota”, um jogo famoso na net.

O nerd em questão era um ruivo sardento e seus cabelos encaracolados. Usava óculos e seu físico era pouco atlético. A barriguinha proeminente, ele disfarçava debaixo da camisa preta, aliás, ele só usava essa cor de camisa, parecia que estava sempre com a mesma.

Erik não era o tipo de garoto que chamava a atenção das meninas apenas pelo seu visual. Porém, sua inteligência e humor irreverente faziam dele um rapaz interessante. Eu o admirava mesmo quando ele me tratava estranhamente. Tínhamos em comum a força de vontade para estudar.

Eu tentava me aproximar dele, mas ele vinha com cada brincadeirinha sem graça pra cima de mim! O pior que era só comigo. Eu não imaginava que depois de um dia de aula normal nossos destinos nos colocariam um no caminho do outro de um jeito bem intrigante.

Já era tarde, perto de onze horas da noite e eu, Helen e Amanda estávamos lanchando no trailer em frente ao campus. Eu esperava Yuri me buscar, quando Helen viu o nerdzinho e o chamou:

- Erik!! Vem cá! Rapidinho!!

Ele mal se aproximou de nós e disparou contra mim:

- Num tem saia mais curta não?!!... PATI!!

- Tá falando com quem? Perguntei a ele.
- Com quem tá de saia!...

- Para com isso, Erik!! E tu?!! Num vai lavar essa camisa não?... Falei.

- Tô brincando Sibila!! Sabe brincar não?!! E deu umas gargalhadas cínicas.

-Epa!! Chega com esse trelelê vocês dois! Disse Amanda, quando Helen já foi perguntando:

- Erik!! tá manjando cartografia!!? Explica ae... Pedindo ajuda ao CDF implicante.

- Vou dar uma moralzinha pra vocês amanhã depois do almoço, na sala de leitura da biblioteca. Disse ele, combinando o grupo de estudos.

Nesse momento, meu namorado chegou com seu audi branco. Erik saiu saindo de fininho. Nem vimos indo embora.

No dia seguinte, na hora marcada, eu e as meninas fomos para local combinado. Ele já estava lá, sentado à mesa, nos esperando.

Eu usava sandália rasteirinha e um vestidinho florido de alcinhas, com tecido leve e que caía sobre meu corpo, delineando suavemente minhas curvas. Quando ele me viu, ficou vidrado, me olhou de cima a baixo e foi direto me provocando:

-Tá gordinha heim!!

Sério mesmo! Aquilo que Erik falou me deixou possessa, imagina eu! Gordinha! Eu era uma cavala, coxuda de peitinhos redondinhos. Onde já se viu me chamar de gorda!?! Fiquei bolada e falei:

- Tá vendo meninas!?! Tô indo embora! Nem sei porque eu tô aqui!

- Calma Sibila! Perae!! Bora estudar... Adoro perturbar a Patricinha ae!! E deu uma risada sacana.

- Hahaha!! Já viu que quem desdenha quer comprar, Sibila?... Amanda falou.

- Gente! Vamos estudar então! Disse o nerd desconversando.

Sentamos à mesa. Comecei nossa tarde de estudos com a frase da Amanda na cabeça. Erik me observava o tempo todo. Aquele olhar... ai meu deus!! Me fazia imaginar coisas. Como ele era intrigante! A maioria dos homens ficavam me secando, mas ele não. Erik era diferente.

Fiquei bolada porque aquele garoto não babava em mim como muitos outros!! Como Erik não se deixava levar pelos meus atrativos de ninfeta fogosa? Minha vaidade mexeu com minha volúpia. Não resisti e começaram a rolar ideias em minha mente pervertida.

Muito mal intencionada, fui buscar um cafezinho pra todos nós. Quando voltei, coloquei os cafés no centro da mesa. Para saber o que tinha perdido, me aproximei de Erik e inclinei meu corpo sobre a mesa para observar os livros e cadernos diante dele.

Os fios longos de meus cabelos deslizaram sobre Erik. Percebi que ele sentiu a maciez e perfume dos meus cabelos quando me debrucei sobre a mesa, o tecido no decote de meu vestido abaixou e mostrou mais um pouquinho dos meus seios.

Imediatamente ele interrompeu o que estava lendo. Desconcertado, ergueu os olhos diretamente para dentro do meu decote e percebeu que não usava sutiã. O nerd meio perdido voltou os olhos para a leitura tentando encontrar o fio da meada da matéria. Fingimos que nada aconteceu e continuamos nossa tarde de estudos até na hora da aula.

Na semana seguinte, o professor de Geologia passou um trabalho e sorteou as equipes. Imagina quem veio parar na minha equipe? Ele mesmo... Erik e mais duas recalcadas. Que saco!! Antes de terminar aquela fatídica aula, o trabalho já tinha dia e hora marcados no meu Ap. Terça-feira, às 14h.

Com minha mãe de plantão no hospital e meu namorado ocupado com seus trabalhos, estava tudo pronto e liberado em minha casa para horas de muito estudo com minha equipe de nerds. Erik como sempre, chegou na hora marcada, Juliana um pouco depois, e Camila nem apareceu.

Como já era de se esperar, passamos a tarde envolvidos com os afazeres acadêmicos. Inacreditavelmente, Erik foi delicado e simpático comigo o tempo todo. Ao anoitecer, Juliana recebeu uma ligação de seu pai dizendo que a esperava na portaria de meu prédio. Ficamos apenas ele e eu na mesa da copa com todos aqueles materiais de pesquisa.

Não vou negar que gostei quando eu e o ruivinho ficamos sozinhos. Minha mente indecente mexeu com minha libido e mudei foco dos estudos imediatamente. Então, disse a ele que estava cansada e precisava tomar um banho antes de terminarmos nossas tarefas.

Saí do banho levemente perfumada, de cabelos amarrados em um rabo de cavalo e com uma camisola de seda minúscula que mal cobria meu corpo. Aproveitando do momento de trégua, me aproximei lentamente do garoto e perguntei:

-Demorei muito?

-Na a ão Si biii la!!

O bichinho até gaguejou quando me viu. Sentei na cadeira a sua frente e disse com um olhar sacana:

- Cansei!! Até que uma massagem nas costas ia bem agora!!... Sabe fazer massagem Erik!?...

- Tu me pegou de surpresa Sibila!!

- Vai me dizer que não sabe? Perguntei.

- Já fiz... mas faz muito tempo... Tu já digitou o processo de orogenia, Sibila?

Ri alto quando o nerdzinho titubeou e tentou desconversar. Estava estampado em sua cara que ele nunca tinha feito uma simples massagem numa menina como eu. E continuei:

- Para um pouquinho aí! Faz uma massagem aqui... pufavozin!!

O garoto levantou-se de sua cadeira, se colocou atrás de mim ainda sentada e tocou com as duas mãos em meus ombros, parte das costas e pescoço, massageando com leveza e bem devagar.

Suas mãos estavam trêmulas e ele ainda não tinha me tocado do jeito que eu queria, mas deixei que ele continuasse com aquela massageassem desajeitada. Me deu um frio na espinha e me arrepiei toda ao sentir as mãos do ruivinho. Não demorou muito e ele me perguntou:

-Tá bom!? Já posso parar!?

- Claro!!! ... que não neh!!

-Temos muita coisa pra terminar aqui! Ele disse.

- Calma que dá tempo! Meu namorado me dá uns beijinhos no cangote e eu relaxo na hora!!

- Cadê seu namorado? Pede pra ele então?

- Eita!! São só uns beijinhos!! O que que tem?

-Num faz isso, Sibila!! Tu tem namorado!!! Se o cara chega aqui...

O ruivinho falou isso retirando as mãos de mim. Levantei na mesma hora ficando de frente pra ele, disse sussurrando alisando meu corpo entre os quadris e a cintura com olhar cheio de malícia pra ele:

- Vai me dizer que não ficou com vontade?... Já pegou uma dessas?

- Tu tá me deixando...

- Pode falar que tô te deixando louco, pode fala que tu me quer...

Nunca vi um menino tão nervoso assim. Sua voz até estremeceu quando me deu a resposta:

- Vamos parar com isso, Sibila!! Tem muita coisa pra fazer!

O moleque falou isso se afastando de mim e sentou na cadeira novamente. Fiquei doida nessa hora. “Não acredito que tô levando um toco”!! Pensei. Não me conformei e continuei. Era tudo ou nada!!

Enfiei as mãos por baixo da camisola e lacei com os dedos as laterais da calcinha e fui abaixando bem devagar, num reboladinho bem sinuoso e lento. Olhava diretamente nos olhos de Erik que me observava com grandes olhos arregalados.

Abusei da ousadia, joguei a calcinha no chão e parti pra cima. Sem medo de ser feliz!! Sentei em seu colo de frente pra ele e o agarrei, beijei. Senti o corpo quente e trêmulo do nerdzinho e ele me surpreendeu retribuindo o beijo com voracidade. Mexi os quadris, esfregando gostoso minha xoxota no pau dele.

Só faltava sentir o gosto daquele garoto. Saí de repente de seu colo e me ajoelhei em sua frente. Alisei suas coxas com as duas mãos. Vi a mancha que minha xoxotinha deixou no tecido da bermuda cor de vinho que ele usava. Meu cheiro estava impregnando o ambiente. Cheiro de fêmea no cio, cheiro de buceta molhadinha.

Passei o rosto, os lábios em seu pau que ainda estava sob a bermuda molhada de meu mel, enfim, tirei seu pau pra fora. Aprecei a púbis coberta por pentelhinhos ruivos e sua pica rosada com veias salientes. O gostosinho tremia feito vara verde!!

Seu pau ainda não estava no ponto, mas prontinho pra enrijecer dentro da minha boca. É delicioso ter a boca preenchida aos poucos por um cacete, ao ponto de não conseguir abocanhá-la mais. Ser a única responsável pela excitação de um garoto e ver seu tesão aumentando com meus carinhos é a perfeição.

Erik se entregou às minhas carícias. Iniciei uma mamada com vontade, engoli tudinho até o talo e nada do moleque ficar pronto para o combate. Pressionado por minha volúpia, o garoto ficou mais tenso ainda.

Caraca maluco!!! O nerdzinho não aguentou a pressão!!! Eu tinha que reverter a situação, tranquilizá-lo e bem rápido, antes que as coisas desandassem de vez. Pra mudar o foco da tensão e ignorando o que estava prestes a acontecer, levantei e disse a ele que ainda estava com dores na coluna e que precisava de uma massagem de “peso”. Não podia deixar a coisa esfriar de jeito nenhum, eu estava molhadinha, doidinha pra gozar gostoso.

Segurei Erik pelas mãos e o puxei para meu quarto. Ele veio todo atrapalhado, arrumando o pau dentro da bermuda. Lá, deitei na minha cama e pedi a ele que se deitasse sobre mim, que ficasse assim, imóvel e em silêncio por um tempo, que apenas isso seria o bastante para eu me sentir melhor. Quando se deitou sobre mim. Senti que seu coração batia tão forte que parecia que ia sair de seu peito e entrar dentro de mim através de minhas costas.

O garoto parecia não acreditar que as coisas não fluíam com uma potranca fogosa como eu e preocupado, me perguntou bem baixinho no meu ouvido sobre a hora que meu namorado chegaria. Respondi no mesmo tom suave: “Relaxa e deixar rolar!! tá tudo sobre controle!”

No fundo, eu sabia que dentro de pouco tempo Yuri estaria batendo na porta. Meu fogo era tanto que ignorei os riscos. O corpo fofinho do ruivinho pesando sobre o meu e o desejo de sentir seu pau duro roçando a minha bunda me deixou louca.

Entre minhas pernas já estava tão quente e escorregadio! Minha xoxota estava tão molhada que melou a minhas coxas. Nada mais gostoso!! Ele ficou paradinho, do jeitinho que pedi. Depois de algum tempo comecei a mexer os quadris bem suavemente e disse a ele bem baixinho:

- Quer ver?

- Ver o que, Sibila?

-A marquinha do biquíni na minha bunda!!

Erik levantou minha camisola, olhou, alisou minha bunda com as duas mãos, me deixou toda arrepiada. Então empinei a bunda e separei um pouco as pernas e disse a ele:

- Cai de língua!!!

O nerd não perdeu tempo!! Que delícia de linguinha desordenada lambendo tudo, do cuzinho a minha xoxota. Os barulhinhos na língua frenética na minha bucetinha molhada eram um estímulo a mais na minha excitação. Fiquei louca de tesão!! Eu rebolada na cara dele, deixando o ruivinho com a cara toda lambuzada.
Erik, se dedicou e me chupou com vontade durante alguns minutos. O clímax se aproximando, estremecendo minhas pernas, me fez arrancar os lençóis. Minha bucetinha que amo de paixão respondeu às linguadas do moleque com uma deliciosa e longa gozada.

O garoto ficou louco!!! Arrancou a bermuda e se jogou por cima de mim, deitando-se sobre meu corpo de bruços. Caraca!! O pau dele estava duro pra caralho esfregando na minha bunda!! Que tesão!!! Aquilo me deixou louca, eu mal tinha acabado de gozar, meu grelinho estava muito sensível.

Erik pincelou com seu pau minha bucetinha por trás, que deslizou a cabeça pela fenda, esfregando o grelo e me tirando do sério! Empinei meu bumbum ainda mais, até a cabeçorra encaixar na entrada da minha grutinha quente, encharcada.

O nerdzinho empurrou com força seu pau, entrou rasgando!! O safadinho tinha o pau grande, grosso e me preencheu por completo. Minha nossa!! Que estocadas perfeitas!!

Enfiei a mão por baixo na minha bucetinha e esfreguei o grelinho enquanto Erik bombava com pressão seu pau gostoso dentro de mim. Não demorou muito e comecei a sentir aquela sensação maravilhosa do orgasmo chegando. Explodi numa gozada deliciosa. Gemi alto! As contrações cadenciadas da minha xoxotinha no pau do moleque, fez com que ele perdesse as forças e o nerd taradinho se despencou sobre mim, gozando como um touro.

Em quanto minha bucetinha trancava o pau dele dentro dela eu sentia sua pica pulsante derramando seu esperma quente dentro de mim. Delicioso!!

Quando acabamos, ficamos na posição, extasiados, ofegantes. Exaustos!

Quando nos recuperamos fomos para banho, lá a coisa voltou a esquentar, fizemos amorzinho em pé, debaixo do chuveiro... Nada mais gostoso neh!!

Quando acabamos no banho, Erik saiu e foi se vestir, eu continuei no banho para lavar os cabelos. A campainha tocou. Era Yuri.




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.