"Os mais excitantes contos eróticos"

 

ESCOLHAS 5


autor: AlexBahia
publicado em: 21/12/16
categoria: incesto
leituras: 1771
ver notas
Fonte: maior > menor


ESCOLHAS – 5
Sugiro a lida dos outros capítulos p/ um maior entendimento.
Assim que Cadu e Duda subiram, depois de um tempo numa atitude por impulso, Rose seguiu atrás. Tudo que envolvia aquela história proibida a deixava muito mais que curiosa. O tempo mostrava que os protagonistas daquele “rolo” mexiam com ela. O dia que Duda relatou como começou o gostar como homem de Cadu, não esquecendo dos detalhes mais quentes, Rose se excitou. Sua xota ficou ensopada. E imaginar que ambos estavam conversando, juntos num quarto e que terminaria numa tórrida noite de amor, a enlouquecia. O mínimo que ela queria era ser uma expectadora. Pensando muito mais alto, imaginava interagir com o casal num bom “ménage à trois”. O medo imperava, mas foi movida por um tesão incontrolável. O ruim é que por ser uma suíte máster da porta não dava p/ ouvir nada. E resolveu descer. Na cozinha imaginava o que pudesse estar acontecendo e sua xota ficou completamente melada. O tesão que sentia por Cadu e Duda era imenso. Imaginou participando de uma boa sacanagem com eles. Estava de saia, tirou sua calcinha e passou a se tocar. Seu grelo era um pouco avantajado e tocá-lo a enlouquecia e assim ela fez. Se imaginava a frente do casal, com seu patrão sendo chupado com vontade pela enteada. Sua imaginação ia longe e aqueles toques e penetrações com o dedo a fizeram gozar intensamente. Foi difícil p/ Rose dormir naquela noite com uma imaginação tão fértil.
Cadu entrou na vida de Rose do nada. Ele como Engenheiro pegou uma obra que passava na frente da pequena e paupérrima propriedade dos pais de Rose. E até p/ ajudá-los, vendo a situação, alugou um espaço p/ colocação de material e máquinas . Sempre que Cadu ia na obra, ele mantinha contato com os pais de Rose e passou a observá-la. Se destacava p/ ele por conta de sua educação, atenção e pela beleza. Cadu a imaginava arrumada, com um verdadeiro banho de lojas. Ficou encantado por aquela bela morena. Mal tratada pela vida, mas os cabelos lisos de cor escura, a bunda arrebitada, seios médios duros, roubavam olhares de desejo de Cadu. Mas o lado bom homem não levou a se aproveitar em nada da situação, a homenageou com algumas punhetas, porém nada além disto. Rose também o via com outros olhos. Sabia que chances com um homem daqueles eram nulas mas sonhava e já desde aquela época se tocava pensando em seu futuro patrão. O tempo passou e fora o lado da putaria, Cadu se predispôs a ajudar a Família com a ida de Rose p/ trabalhar em sua casa. Clarinha ia estudar em Rio Preto e as semanas Maju passaria com ela por lá e eles iriam precisar de alguém p/ ficar na casa junto com Ele e Duda. E assim se deu. E a jovem agarrou a oportunidade com as unhas. Se dedicou ao máximo, conquistou a todos e passou a cuidar da casa e de seus moradores de forma cativante. Pela proximidade de idades se aproximou e muito de Duda. A jovem a ajudava em todos os sentidos. Ajudou a deixar aquele lado de mulher da roça e a crescer. A sintonia entre ambas era enorme. Cadu via a transformação com bons olhos. Se sentia realizado. E também via como aquela jovem aumentava a gostosura dia a dia. A observava discretamente, mas sempre mantendo o respeito e a homenageando algumas vezes.
Rose respeitava Cadu e Duda, mas os desejava. Até a própria Duda, Rose a via de uma outra forma. Lutava contra aquilo. Vinha de encontro aos seus pudores, mas vê Duda nua, como acontecia algumas vezes, a excitava. E aquela noite foi complicada, pois o tesão tomou conta de toda aquela casa e a atingiu em cheio. Mais de uma vez gozou pensando no casal.
Cadu acordou mais cedo que Duda. Fez sua higiene matinal e retornando p/ a cama via uma imagem marcante. Uma mulher belíssima, que o tratava com carinho e da forma que sempre pensou p/ sua mulher e nua. Não resistiu e começou a beijar todo seu corpo. Começou pela sola dos pés. A safadinha despertou de imediato. E enlouqueceu com aquele despertar. Chupava seus dedos, beijava o peito dos pés. Duda se arrepiava. Sua xota molhada ao extremo. Subia beijando suas pernas, alternando p/ não haver ciúmes. Cadu mordiscava as coxas de sua putinha, beijava. As virilhas de Duda eram lambidas de forma intensa. Ela quis se tocar, bolinar seu pequenino grelo, durinho de tesão e foi interrompida por Cadu.
CADU: - isso é trabalho p> - vira de costas.
DUDA: - lambe minha xota. Ela tá pedindo sua língua.
CADU: - calma.
Duda se vira e o pau de Cadu agora latejou mais ainda. A bunda daquela mulher o enlouquecia. A vontade que tinha era comer com vontade. Sempre gostou de comer um rabo. Mas desde que casou isso era quase impossível de acontecer. Até ali era fiel a relação e sua esposa não era das mais adeptas a pratica. E enlouqueceu mais ainda depois...
DUDA: - faz uma coisa.
CADU: - eu que comando. Mas como sou bonzinho vou permitir um desejo.
DUDA: - tenho tesão no meu rabo. E quando você brincou com minha bunda ontem à noite, ele ficou piscando mais ainda quando penso em algo com ele. Agora então. Chupa bem gostoso. Passa a língua nele. Já gozei pensando nisto. O que acha de minha bunda?
CADU: - sou louco. Foi você virar e meu pau enlouqueceu muito mais. Agora está aqui latejando.
E Cadu passou a brincar com aquela bunda. Pegava com vontade nas nádegas. Dava tapas e Duda soltava gritinhos de tesão. Mordia de leve, mordiscava e Duda gemia cada vez mais alto com tanto tesão.
Cadu abriu a bunda da sua amada e chupou bem de leve aquele botão rosadinho. Ela suspirava, gemia cada vez mais alto.
CADU: - ei mocinha. Não estamos sós.
DUDA: -esquece Rose e chupa minha bunda. Ahhhhhhhh! Delícia! Chupa mais. ahhhhhhhhhhhh!Gostosooooooooooooo. ahhhhhhhhh!
Cadu chupava lambia de forma mais intensa e conseguia ao mesmo tempo bolinar o grelo e sua putinha gozou fartamente. Cadu chupou, aproveitando ao máximo o mel do prazer.
DUDA: - gostoso. Louco! Foi bom demais. Minha mãe é uma louca. Não te dando o valor que merece. Ahhhhhhhhhh!
CADU: - esquece sua mãe.
Duda veio p/ cima de Cadu. Sentou no pau do seu amado. Cavalgou. Rebolava sentada no pau duríssimo de Cadu. Quicava e rebolava. Levando Cadu a loucura.
DUDA: - te amo!
CADU: - estou te amando de uma outra forma. Mas isso de forma fria me dá calafrios.
DUDA: - não pensa desta forma agora. Veja pelo lado do bem que estamos fazendo um ao outro. Não falo só do sexo. Que noite maravilhosa. O carinho...Ah. me fode. Quero isso agora. Me faz gozar na minha rola. É minha ela. Te divido com minha Mãe. Mas com outra te mato.
Ouviu? Te mato.
CADU: - rebola safada. Vc fode gostoso minha putinha.
DUDA: - repete?
CADU: - você fode gostoso minha putinha.
Cadu a tirou de cima. A colocou de quatro. Deu mais uma mordiscada na bunda de Duda. Deu mais uma lambida no botãozinho rosa e colocou com vontade na bucetinha de sua Duda.
DUDA: - assim você me enlouquece. Dá uma vontade de perder o cabacinho dele.
Duda se levantou e ficaram frente a frente. Duda beijou Cadu loucamente. Estavam completamente loucos um pelo outro. A paixão tomava conta.
DUDA: - me deu vontade de dar meu cuzinho p/ Vc, meu amor. Mas primeiro tenho que fazer uma coisa e dependo de vc.
CADU: - o que foi? Tudo farei p/ Vc. Não sabe o bem que me fazes. Não sabe como me sinto. E isso tudo é por conta de vc.
DUDA: - olha. Toda arrepiada. Vou dá minha bundinha p/ vc. Mas estou com a marquinha apagada. Vou tomar um sol, pegar um bronze daqueles. Vc acha o máximo que eu sei.
CADU: - qual homem não acha. O que não sabes de mim. Sua moleca.
DUDA: - tudo. No início sem maiores intenções. Mas depois queria saber tudo. Imaginava esse dia.
Se beijaram. Um beijo intenso, gostoso. Cheio de amor, tesão.
DUDA: - mas p/ isso quero um lindo biquíni. E quero que você compre.
CADU: - vai ser difícil aqui.
DUDA: - já sabe. Vai comer minha bundinha. Mas tem essa condição. Ficar com uma marquinha linda. E p/ isso preciso do biquíni.
CADU: - gostosa!
Colocou de novo sua putinha de quatro. Chupou gostoso sua bunda, seu botão. Pincelou o rabinho com sua rola e colocou gostoso na boceta. Fodeu dessa vez com força. Arrancou gritos de tesão de sua amada.
DUDA: - ahhhhhhhh! Isso. Fode amor. Come sua putinha. Ahhhhhhhhh!
CADU: - tomar amor. Toma. Ahhhhhhhh
DUDA: - goza agora amor. Goza. To gozando. Ahhhhh ! goza amor.
CADU: - ahhhhhhhhhhhh! Toma! Delícia!!!!!
Do outro lado da porta.
ROSE: - ahhhhh! Meu Deus! Ahhhhhhh!
Rose gozava loucamente. Ouvindo por trás da porta os agora percepitíveis gemidos e gritos de seus patrões.
Críticas, sugestões, contatos pelo email alexandreqfo@gmail.com ou pelo Skype alexandre.cqo




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.