"Os mais excitantes contos eróticos"

 

35 - Corneado pelo Cunhado –


autor: bernardo
publicado em: 21/12/16
categoria: hetero
leituras: 3312
ver notas
Fonte: maior > menor


Carmem é casada a 5 anos com Mauro e tem três filhos. Recentemente, Renata a irmã mais nova de Carmem, que morava em outra cidade, pediu-lhe que acolhesse, Tiago, seu marido na casa dela por alguns dias, pois o mesmo, foi transferido de empresa para a mesma cidade em que ela e o marido moravam e iria procurar um apartamento na região para se mudarem brevemente.

Mauro, esposo de Carmem, não se opôs que o cunhando ficasse em sua casa até porque seria muito bom ter parentes por perto para fazer companhia para Carmem, sua esposa, durante as suas ausências devido as viagens que fazia por conta do seu emprego.

Quando Carmem foi buscar seu cunhado no aeroporto, se surpreendeu quando se deparou com um homem alto, de olhos verdes diante dela, dizendo:

- Oi Carmem, prazer em vê-la! Cadê o Mauro?

Ela respirou fundo quase gaguejando e disse:

-O Mauro está viajando por conta do serviço que faz, mas chega hoje mesmo - e encarando os olhos verdes dele continuando dizendo:

- O prazer é meu. Nossa, faz tempo que não te vejo!

E quando se aproximou para dar os dois beijinhos de cumprimento, ele lhe deu um beijo na face e na mesma hora ela sentiu sua bucetinha dar sinal de vida, se contraindo involuntariamente. Ele pegou a mochila e foram embora rumo ao estacionamento.

No caminho, Carmem percebeu o quando o marido da sua irmã era safado. Ele não tirava os olhos das suas coxas, pois ela estava com um vestido curto e largo, e quando trocava as marchas facilitava a visão dele. Durante o trajeto de mais ou menos cinquenta minutos, conversaram amenidades, até chegar em casa, onde ele foi instalado no quarto de hóspedes. Como a rede de esgoto do chuveiro estava passando por uma reforma, Tiago era obrigado a usar o banheiro social que fica no final do corredor, ao lado do quarto do casal.

Minutos depois quando Carmem o viu, saindo banheiro, enrolado em uma toalha, parecia um “Deus Grego” e sentiu que seria difícil resistir à tentação de ter aquele homem por perto, ainda mais na ausência do marido. Ele saiu com os cabelos ainda molhados, tórax largo, barriguinha tanquinho, coxas grossas e com uma leve camada de pelos sedosos, só de imaginar que não deveria ter nada por baixo daquela toalha, a deixou excitada. Ele com um sorriso safado, disse-lhe:

- Agora sim Carmem , “tô novo em folha, - como se ele fosse velho, ela pensou.

Mauro chegara de viagem, tomou banho e foram jantar. Foi um jantar animado, conversaram muito, matando a saudade dos parentes. Mauro, gostava muito do cunhado, tinha muita afinidade com ele. A conversa ainda estava animada quando Mauro disse que iria se recolher pois teria que levantar-se cedo para pegar a estrada e voltar ao trabalho, mas que voltaria dentro de três dia e que o cunhando se sentisse em casa.

Tomaram mais uma taça de vinho, e logo foram para o quarto. Carmem estava louca de vontade de fazer amor com o marido, estava muito excitada e sentia a bucetinha úmida o tempo todo. Tomou um banho relaxante e em baixo do chuveiro lhe veio a imagem do seu cunhado e sentiu a bucetinha piscar de novo, mas segurou as pontas não se masturbou, pois queria mesmo era um pau dentro dela.

Terminou o banho, se enxugou, passou creme no corpo e foi para cama. Debaixo dos cobertores, procurou seu marido, com as mãos por baixo do lençol, começaram a se beijar, e logo ele estava teso. Ela mamou, e enquanto punhetava o marido, o seu cunhado veio a sua mente, levando-a ao devaneio de como seria o pau dele. Seria grosso? Seria cabeçudo? Quanto media? Nessa viagem sentou no pau do seu maridinho e cavalgou loucamente até gozar gemendo, sem se preocupar se o seu cunhado iria ouvir ou não seus gemidos. O marido ainda tentou tapar-lhe a boca, para abafar seus gemidos, dizendo:

- Nossa mulher, você tá tarada heim…

- Tô mesmo afinal de contas fazem 2 semanas que não meto e tava com saudade desse pau….

Mas como de costume logo após ter gozado ele virou para o lado e dormiu um sono profundo, e ela queria mais, ainda não estava saciada. Vestiu uma camisolinha branca semitransparente e foi até a cozinha beber um copo d’água. Assim que abriu a geladeira ouvi passos atrás dela, pensei que era o seu marido, mas para sua surpresa era o cunhado. Carmem levou um susto, quase derrubando o copo e se molhado na barriga, quando ouviu uma voz dissendo:

- Calma Carmem sou eu, não queria te assustar não.

Aí foi que ela se assustou mesmo, pois lembrou-se que estava com uma camisolinha curta e semitransparente, com certeza dava para ele ver os bicos dos seios, com as aureolas mais escuras e a sombra dos pentelhos formando o triangulozinho na virilha. Seu olhar foi atraído por instinto para o meio de suas pernas, onde ela pode ver claramente o volume estufando o tecido fino do pijama curto que ele usava. O safadinho estava de pau duro por conta dela.

Quando ela se voltou para depositar o copo na pia, sentiu ele se encostando na sua bunda. O volume do pau dele pressionava a bundinha dela, fazendo com que elevasse o calor do seu corpo contra o dele. Sem esboçar nenhuma reação, ela sentiu seu hálito quente no seu cangote, e ele sussurrando:

-Carmem, não consegui dormir, ouvindo você gemendo. Confesso que até bati uma punheta imaginando estar no lugar do seu marido.

Ela tentou sair mas ele a segurou firme contra a pia, pressionando cada vez mais o pau duro contra a sua bunda, enquanto uma de suas mãos já erguia sua camizolinha, descobrindo a bunda totalmente. Carmem sentia as pernas tremer e a bucetinha lhe traindo piscava e melava, apesar da situação inusitada de perigo ela estava excitada, com a bucetinha piscando de vontade de experimentar aquela pica pulsante e diferente.

Cega pelo desejo, virou-se de frente, procurou sua boca para o beijo do pecado, e se beijaram como dois amantes apaixonados. Ela foi descendo, se ajoelhando, beijando e lambendo seu corpo, deixando um rasto de saliva no pescoço, tórax, mamilos, que eram mordidos de levinho e se ajoelhou. Com as duas mãos baixou seu pijama e saltou diante dela um belo exemplar de cacete roliço com 21 cm por 5 de circunferência com a cabeça vermelha escorrendo melzinho. Era um salame enorme.

Ela foi a loucura, com certeza era bem maior e mais grosso do que o do seu maridinho que dormia o sono dos anjos. Sem demora, pegou, mamou, arrancando gemidos abafados. Como uma devassa, virou de costa se apoiando com as duas mãos na pia, arrebitou a bunda e se ofereceu como uma putinha para seu cunhado.

Ele abriu a bunda dela, direcionou a cabeçona da pica na entradinha da xoxota melada de tesão e resquício de porra do maridinho, que dormia como um anjo e nem imaginava que sua esposinha estava levando pica, em pé na cozinha, do cunhado dele.

Ele a segurou pela cintura e com uma estocada profunda enterrou toda a pica, fazendo com que ela sufocasse seu grito, pois o pau grosso preencheu a inteira. ambos estavam tão tarados que com poucas estocas fortes ela sentiu os jatos quentes de porra inundando as suas entranhas e gozou sentindo as pernas tremerem, e todo seu corpo estremecer em brasa. Foi um gozo esplendoroso, devastador, arrebatador, daqueles que deixam a fêmea mole, leve, como uma pluma, daqueles que se sente quando o corpo todo é atravessado por uma descarga elétrica de 220vts.

Carmem quase se deitou no piso frio da cozinha, mas caiu na real, limpou o chão da porra que escorria por suas pernas abaixo quando ele tirou a pica, e correu para o seu quarto, sem dizer uma só palavra ao seu cunhado. No banheiro se limpou e entrou em baixo do lençol, bem quietinha para não acordar o seu maridinho corno que roncava num sono pesado...

No dia seguinte, quando acordou cedo para fazer café para o marido que estava saindo para mais uma jornada de três dias de ausência, Carmem, correu para o quarto do cunhando para aproveitar cada minuto daquela pica deliciosa que a fez ir as nuvens. Mas essa foda magistral de como ela se entregou toda para seu cunhado, como uma verdadeira puta dando inclusive até o cuzinho, vendo estrelas quando aquele pauzão cabeçudo penetrou o cú… Ai sim viu e viveu um gozo verdadeiro… mas só vou contar, se obtiver uma boa nota e pedidos dos leitores e leitoras...

***************************
Gostou? Se excitou? Dá uma nota então.... Se desejar podemos conversar sobre o assunto. Skype: bernard.zimmer3 ou e-mail. bernard3320@live.com ou WhatsApp: 11944517878




ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.