"Os mais excitantes contos eróticos"

 

Festas de fim de ano em família IX


autor: mrpr2
publicado em: 28/12/16
categoria: gays
leituras: 1909
ver notas
Fonte: maior > menor


Festas de fim de ano em família IX

_ O que aconteceu la dentro? Que gritaria foi aquela?
Perguntou Marcio quando eu sai da casa de Thiago com a bicicleta.
_ O que você queria, esta feito! O Thiago e eu terminamos e eu estou indo pra casa!
Montei em minha bicicleta e fui chorando com o coração apertado ate em casa, antes de entrar enxuguei as lagrimas e corri para o banheiro e la dentro eu chorei muito com a agua do chuveiro caindo sobre mim. Eu queria desaparecer, que o chão se abrisse e me engolisse para tirar de dentro de mim a dor que eu estava sentindo naquele momento.
Eu estava me vestindo no quarto do meu irmão quando Marcio entra com aquela cara safada dele.
_ Sai daqui que estou vestindo roupa!
_ Calma priminho so vim te dar meu peito amigo para te consolar. Sei que esta triste é difícil um termino de namoro, mas eu estou aqui.
_ Seu cínico! Sabe muito bem que o Thiago terminou comigo por sua culpa.
_ Que isso primo não pense assim, pense que eu te livrei de um idiota que só queria se aproveitar de você.
_ O único idiota que quer se aproveitar de mim aqui é você, mas eu te juro que se você encostar em mim eu grito para todo mundo ouvir e vir ver você tentando me comer e ai eu quero ver quem será o viado aqui!
_ Você não faria isso!
_ Quer apostar?
_ Esta muito galudinho para quem esta nas minhas mãos, mas como sou seu primo, estou em clima natalino e tenho bom coração vou deixar essa passar por você estar um pouco nervoso com o rompimento.
Disse isso e saiu depois de bagunçar meu cabelo e o pior fez semelhante ao jeito que o Thiago fazia o que me deixou ainda mais mal por me fazer lembrar ainda mais dele. Sentei na cama vestido apenas com um calção na posição fetal e me pus a chorar.
Os dias foram passando e a dor de ter perdido meu namorado por conta de uma chantagem era cada vez maior, talvez quando Marcio fosse embora eu conseguisse convencer Thiago a voltar comigo, mas será que eu conseguiria? E se ele encontrasse alguém, afinal ele é bonito, carinhoso, alegre, divertido... perfeito para mim e eu o deixei escapar. Entrava nas redes sociais ele não estava on, via suas fotos, suas postagens enquanto ouvia musicas tristes, é sempre assim quanto mais tristes estou mais tristes são as musicas que quero ouvir e claro que minhas atitudes não passaram despercebidas e as tentativas de me animar de meus tios nossa! Davam vontade me pular da primeira ponte que eu encontrasse. Era tão difícil perceber que estavam sendo inconvenientes? Chatos e intrometidos? Talvez eu devesse dizer isso a eles, mas qualquer resposta com um tom um pouco mais áspero era repreendido por minha mãe e aquilo já me fazia recolher.
As palavras de Thiago não me saiam da cabeça e o pior é que ele estava certo. Apesar da vontade de te lo ao meu lado, leva lo em minha casa como namorado, me assumir e assumi lo a cada frase que meus tios e pais falavam e comentavam sobre as noticias e sobre conhecidos homossexuais ou mesmo com atitudes mesmo que de brincadeira mais afeminadas eu me acovardava. Sim a palavra é essa mesmo “acovardava”, pois eu me sentia um covarde com raiva, magoado de ouvir aquelas palavras preconceituosas, maldosas e desrespeitosas, mas amedrontado, sem forças para revidar, contestar, me posicionar contra, levantar e dizer que eu era homossexual e não era nada daquilo que estavam falando.
Era dia 24 de dezembro véspera de natal e minha casa logo cedo já estava cheia, além dos pais de Marcio, meus tios por parte de mãe também vieram, primos e minha avó paterna que eu gostava muito. Minha avó percebeu minha tristeza e tentava me animar sem me perguntar nada diretamente, apenas contando suas historias e vez ou outra perguntava minha opinião e so depois eu percebia que aquilo não era so uma historia era uma forma de mostrar que as coisas melhorariam, de força, alegria, de auto confiança tipo as coisas que quem esta triste sempre ouve, mas ditas de forma diferente com exemplos realmente acontecidos e com sua voz doce e mansa dava um ar todo especial.
Meu irmão se aproximou e perguntou onde estava o Thiago e eu disse não saber dele e abaixei a cabeça.
_ Aconteceu algo entre vocês?
_ Não... quer dizer... nos brigamos, discutimos na verdade e ficou um clima meio estranho sabe?
_ Sei sim, mas ele parece ser um cara de boa.
_ Sim ele é, mas as vezes algumas opiniões divergentes atrapalham.
_ Meu neto isso é que deixa a vida interessante as opiniões diferentes, imagine se todos tivessem a mesma opinião, se todos gostassem da mesma coisa como o mundo seria monótono, chato e sem criatividade?
_ Eu sei vó, mas...
_ Sabe o que eu notei? Você sempre usa muito “mas” e isso é coisa de quem sempre tenta justificar suas ações dando desculpas e você não precisa disso, você é um ótimo garoto tem que parar de querer justificar suas atitudes suas decisões de ficar pensando em alternativas para agradar as outras pessoas se colocando em segundo plano. Lembre se que a vida é sua, por mais que haja consequências sem se arriscar e sem fazer o que você quer vivera sempre obedecendo ordens vivendo o que e como os outros acham que você deveria viver forçando uma felicidade que não é sua.
_ Nossa vó ate arrepiei agora.
Disse meu irmão.
_ Obrigado vó, a senhora é muito sabia será que um dia serei assim?
Perguntei a minha avó.
_ Depende... Você tem tudo para ser ate mais sábio que eu já que a ciência e a tecnologia estão evoluindo a cada dia facilitando a aquisição e o acumulo de conhecimento o que é uma grande ferramenta, mas sabedoria só se adquire com a ação de utilizar essas ferramentas, fazendo, errando, acertando, aprendendo, dizendo sim e não, escolhendo, opinando em fim vivendo por si próprio você será capas de fazer isso?
_ Grande dona Alzira, sempre com uma lição na ponta da língua! Orgulho de ser teu neto!
Disse meu irmão que saiu para buscar sua namorada.
Eu estava na sala sentado no sofá mexendo no celular tentando distrair minha cabeça para não ligar para o Thiago e tentando ser simpático com meus tios ao mesmo tempo que tentava conter minha vontade de socar a cara do meu primo Marcio que não tirava os olhos de mim quando meu irmão chega com Livia, Marilia e...
_ Thiago!
Não consegui me conter e levantei rápido do sofá dizendo entre um sorriso o nome daquele rapaz lindo de camisa polo vermelha e calça jeans aparentando um pouco de timidez entrando em minha casa.
_ Desculpa eu vir assim é que...
_ Relaxa cara entra ai, eu que convidei! Não sei o que ouve entre vocês, mas hoje é natal e não teria melhor dia para vocês se reconciliarem ou vão deixar uma besteirinha qualquer atrapalhar a amizade de vocês?
Disse meu irmão batendo nos nossos ombros, meu e de Thiago ao mesmo tempo cada um com uma mão e então se virou para Marcio e disse:
_ Vem ca e me ajuda com esse aparelho de som para levarmos la para a varanda ou vai ficar ai prestando atenção na conversa dos outros?
_ Iiii eu nem estava prestando atenção neles estava vendo o filme ali cara!
Meu tio Paulo se levantou e disse que iria ajudar também e disse para Jonas levar o aparelho que ele e Marcio levariam as caixas de som. Com a sala vazia apenas com uma ou outro garoto pequeno correndo entrando numa porta e saindo pela outra coisa corriqueira de criança Thiago se aproximou de mim com um pacote e o estendeu dizendo.
Eu já tinha comprado e tenho certeza que ficara bem melhor em você que em mim além disso...
Nem esperei que ele terminasse peguei o presente coloquei no sofá e o abracei forte com lagrimas nos olhos nem pensei no que poderiam pensar dessa minha atitude se alguém entrasse eu só agi, estava com saudades com o coração apertado pensando onde meu Thi estava sozinho.
_ Eu estava com saudade disso.
Disse Thiago retribuindo o abraço me apertando contra seu corpo bem forte respirando fundo meu perfume enquanto eu fazia o mesmo em seu peito quentinho ouvindo seu coração disparado.
_ Me desculpe eu fui um fraco, covarde...
_ Não, não, não...
Disse Thiago me afastando olhando nos meus olhos.
_ Não vamos falar disso agora, eu falei coisas que me arrependo, bem algumas coisas e sei que é difícil para você também. È difícil para eu compreender porque eu não passei por isso, não senti esse preconceito, essa pressão familiar de perto eu não tinha ninguém diferente de você. Eu deveria ser mais compreensivo, mas também é complicado para mim entende isso?
_ Sim eu sei...
_ Mas agora eu estou aqui com você e quero aproveitar o máximo essa noite sem pensar no passado ou no futuro, apenas no agora tudo bem para você?
_ Sim disse abrindo um sorriso, sentindo cair uma lagrima em meu rosto que foi secada com carinho pelas mãos de Thiago que também sorria para mim. Fomos para junto dos outros convidados da festa e meu irmão se aproximou festejando nossa “amizade restaurada” enquanto Marcio de longe nos olhava com cara de quem não estava gostando nada do que estava vendo Thiago e eu juntos ali na frente de todos.
Uma certa altura Marcio se aproximou de mim e disse que estavam me chamando la fora, perguntei quem era mas ele disse que era um rapaz, mas que não o conhecia. Achei estranho, porem fui e ele veio junto. Quando chegamos no portão não vejo ninguém a rua esta deserta, já esta de noite e todos estão dentro de suas casas ou viajando minha rua tinha muitos lotes vagos o que a deixava bem deserta em tempos de festas. Pensei que a pessoa poderia ter ido embora ou fosse uma brincadeira de Marcio para me afastar de Thiago já ia entrar quando Marcio saiu pelo portão me segurando pelos braços me imprensando contra o muro e disse:
_ Ta me tirando de otário é priminho? Acha que vai fazer cu doce para mim reatar com o namoradinho e vou ficar chupando o dedo?
_ Me solta Marcio ou eu vou gritar!
_ Isso grita priminho eu gosto assim, com resistência, com muito gemido e grito da mais tesão!
Falou e me beijou a boca a força, mas por sorte Thiago que também havia achado estranha a historia de Marcio chegou puxou Marcio e o empurrou para longe de mim. Marcio veio para cima de Thiago que não negou fogo e eu tentava apartar meu irmão veio correndo alertado pelas crianças que brincavam que estava tento confusão la fora e veio junto com meus tios e pai e minha mãe.
Eu segurei Thiago e Jonas Marcio. Jonas gritou perguntando o que estava acontecendo e Marcio disse que a culpa era dele (Jonas) por ter trago Thiago para uma festa de família.
_ Isso não da direito de agredir os outros Marcio o que esta acontecendo aqui de verdade fala anda!
Marcio se debatia e ofendia Thiago ele estava transformado havia bebido e isso ajudou a libertar sua agressividade. Não aguentei ouvir suas ofensas para com Thiago e as palavras de minha avó se misturavam a de Thiago em minha cabeça e acabei decidindo me posicionar e abri o jogo.
_ Eu sou gay! È por isso, o Marcio descobriu que o Thiago e eu estávamos namorando tirou uma foto nossa e passou a nos chantagear por isso Thiago terminamos era por isso que eu estava triste. E mesmo não estando mais juntos eu não vou deixar mais você abrir essa boca imunda para falar mal de uma pessoa maravilhosa como o Thiago cala a sua boca Marcio!

Continua...

Autor: Mrpr2





ver comentários

Aviso:

Todos os comentários aqui exibidos são de inteira responsabilidade do comentarista. O site Clímax Contos Eróticos deixa claro nas suas normas que manifestações de pedofilia, racismo ou de qualquer outro teor ilícito serão banidas, assim como seus autores. Publicações ou comentários ofensivos aos demais membros poderão ser removidos.

Faça um comentário:



Sua nota para este texto:

Quero receber email sobre novos comentários.